A Flor do Sertão – Capítulo 12

A Flor do Sertão - Logo

CENA 01: CASA DE JOSÉ/FACHADA/EXT./NOITE

Maria, Geraldo e José saem de casa. De longe, Ramiro observa tudo. Ao perceber que eles se distanciaram, o coronel se aproxima da casa com um galão na mão. Ramiro tira a tampa e começa a derramar álcool nos arredores da casa.

RAMIRO: Agora vocês todos vão pagar pela tua rejeição, Regina.

Ramiro observa o movimento da rua e vai até uma árvore, onde  pega uma lamparina que havia deixado lá. Ele volta para a fachada da casa e a olha fixamente.

RAMIRO: Tu vai implorar por minha ajuda…

Ramiro joga a lamparina no chão, fazendo com que a chama se espalhe aos poucos. O foco vai para uma janela na qual é possível ver Regina dormindo. A câmera mostra Ramiro entrando no seu carro e indo embora. As chamas tomam conta da casa.

CENA 02: CARRO DE RAMIRO INT./ NOITE

A câmera mostra uma estrada de terra vazia. Do lado esquerdo, há uma fazenda com alguns animais andando. Do lado direito, há um terreno cercado. De repente, surge um carro. Ramiro dirige o veículo e pensa no que acabara de fazer.

RAMIRO: Isso é o que acontece com quem entra no meu caminho! Agora a Regina vai procurar ajuda pianinha.

Ramiro dá um sorriso de satisfação. Ele não presta atenção na estrada. O carro vai fazendo ziguezague. Ramiro parece estar se divertindo. Ele perde o controle do carro que se aproxima rapidamente de uma cerca. Ramiro consegue frear a tempo.

RAMIRO: Outra vez? Não… Eu tenho muito que viver ainda. Quero ver a Regina beijando meus pés pra ajudar a família.

Ramiro dá um sorriso de satisfação. O carro parte rumo à fazenda.

CENA 03: BAR DE TOCO/INT./ NOITE

Francisca se vira sorridente, mas seu sorriso é desfeito ao ver a face do homem. Ela fica sem reação, decepcionada por não ser quem ela queria.

HOMEM: Por que o susto? Eu sou tão feio assim?

FRANCISCA: Claro que não, senhor. Muito obrigada!

O homem se aproxima e beija a mão de Francisca.

HOMEM: Me chame de Aroldo.

FRANCISCA (pensando): Aroldo? Que diabos de nome é esse? Pelo menos parece ter grana, é bem vestido…

Francisca dá um leve sorriso. Aroldo deixa o dinheiro em cima do balcão.

AROLDO: Pode ficar com o troco!

FRANCISCA: Não sei como agradecer.

Aroldo dá o braço, sugerindo que Francisca o acompanhe.

CENA 04: HOSPITAL/QUARTO/INT./ NOITE

A câmera percorre os corredores de um hospital. Pessoas andam para todos os lados. Alguns pacientes estão deitados nas macas dos corredores sem atendimento. O foco vai para a porta de um quarto identificado pelo número 52. A porta se abre e um médico entra. Ele se aproxima de algumas das várias macas presentes no local. O médico caminha rumo a uma cama especifica. Ele observa o paciente. A câmera foca no rosto da pessoa e vai subindo até o rosto. A imagem que se vê é a de Sandra, com um hematoma no rosto e desacordada. Ela acorda.

SANDRA: Que lugar é esse? O que eu tô fazendo aqui?

MÉDICO: Tu caiu das escadas e veio pro hospital.

Sandra coloca a mão em sua cabeça. Sua fisionomia é de dor.

SANDRA: Eu tô me lembra… Eu cai por culpa daquela maldita!

MÉDICO: Irei examina-la pra ver se num quebrou algum osso.

O médico toca o corpo de Sandra.

MÉDICO: Dói aqui?

SANDRA: Não.

O médico chega nas pernas.

MÉDICO: Sente algo aqui?

SANDRA: Num sinto nada.

O médico estranha e pega u m instrumento para auxilia-lo. A sua expressão facial é de preocupação.

SANDRA: O que foi, seu doutor? Eu num quero mais ficar aqui. Eu vou me embora daqui é agora!

Sandra tenta se levantar, mas não consegue.

SANDRA: O que tá aconteceu? Eu num tô mexendo as pernas…

MÉDICO: Infelizmente, ao que parece, tu deve de ter sofrido uma lesão na medula. E isso quer dizer que… que… tu vai ficar sem andar.

SANDRA: O que? NUM PODE SER. NÃÃÃÃÃÃO!

O grito de Sandra ecoa por todo o hospital. A câmera mostra os corredores e vai se afastando. É mostrado no mapa o estado do Piauí, logo o Brasil e em seguida o mundo, tendo como fundo o grito de desespero da mulher.

CENA 05: CASA DE JOSÉ/QUARTO DE REGINA/INT./NOITE

Em seu quarto, Regina está dormindo. As chamas tomam conta de toda a casa. A câmera mostra um revezamento de imagens entre todos os cômodos do imóvel. Na sala de estar, o telhado começa a desabar e destroços impedem a porta principal de ser aberta.  Com as fumaças, Regina desperta e começa a tossir.

REGINA: Meu Deus do céu! SOCORRO!

Ela se levanta e fica desesperada com o incêndio. Uma parte do teto cai perto dela, apavorando-a. Regina corre para a sala e tenta abrir a porta, sem sucesso. Então, ela pega um pano e tenta apagar o fogo. Regina começa a tossir compulsivamente. Uma madeira acerta sua cabeça e ela cai desmaiada no chão.

CENA 06: FAZENDA DE RAMIRO/FACHADA/INT./NOITE

A escuridão da imagem se desfaz quando surge um farol de o carro de Ramiro. O coronel desce do veículo para abrir a porteira. Dali ele consegue avistar três carros parados em frente ao seu casarão.

RAMIRO: O que será que esses cabras tão fazendo aqui?

Ramiro prossegue com o carro. O veículo dele estaciona em frente ao casarão.

RAMIRO: Ô, investigador. O que deve a honra de tua visita nessas horas?

OMAR: Boa noite, coronel! Tu vai ter que nos acompanhar até a delegacia.

RAMIRO: Posso saber por que? Pensei que o caso do Herculano tava resolvido.

OMAR: E tá. O senhor tá sendo acusado pela morte dele e ficará preso até seu julgamento.

RAMIRO: Tu num pode me prender assim.

Omar retira um papel de seu bolso e o abre.

OMAR: Aqui tá o pedido de prisão. Guardas, prendam-no.

Dois policiais seguram Ramiro, um em cada braço. Eles o encaminham para o carro da viatura. Ramiro empurra os policiais e consegue se soltar. O coronel corre e entra em seu carro. Ele foge. Rapidamente, Omar entra na viatura e o persegue.

CENA 07: CASA DE JOSÉ/FACHADA /EXT./NOITE

A pracinha do vilarejo está lotada. Algumas crianças brincam e os adultos ficam sentados nos bancos. Em um desses assentos, está Bento.

BENTO: Eu tenho que me acertar com a Regina! Mas depois do que eu fiz ela num deve nem olhar pra cara deu. Vou tentar!

Bento tenta se levantar e tem dificuldades devido a surra que levou. Aos poucos, o rapaz se levanta. A câmera o mostra andando vagarosamente.

Corte rápido. Bento chega na casa de Regina e se desespera ao ver o fogo.

BENTO: REGINAAAAAA!

Bento vai até a porta e tenta abri-la. Bento rodeia a casa procurando um espaço para entra. Ele pega um pedaço de pau e quebra a janela do quarto de Regina.

CENA 08: CASA DE JOSÉ/SALA DE ESTAR/INT./NOITE

Bento consegue entrar no quarto de Regina. Ela procura a moça, mas não encontra. A visibilidade na casa está ruim devido a fumaça. Bento vai até a sala. Nos destroços ele encontra Regina, que está com um corte no rosto.

BENTO: Regina, meu amor. Acorda vai. Perdão por tudo!

Regina acorda, mas se sente mal com a fumaça.

REGINA: Bent…

Regina volta a ficar desacordada.

BENTO: A gente vai sair daqui e vamo casar, meu amor.

Bento pega Regina pelo braço e caminha rumo ao quarto, mas as chamas já tomaram conta do local. Então, o rapaz pressiona a porta até consegui-la abrir. Do lado de fora, muitos moradores tentam apagar o fogo.

CENA 09: CASA DE GILSON/ SALA DE ESTAR/INT./NOITE

Vários copos caem e se quebram. Uma cadeira cai no chão. Uma grande ventania atinge a casa. Arivalda se deita no sofá e esconde o rosto nas almofadas.

A campainha toca. Toda aquela ventania se encerra. Arivalda se levanta e confere se não há ninguém na casa. Ela logo abre a porta.

ARIVALDA: Meu gostoso! Socorro! (abraçando-o)

PADRE JOÃO: O que houve?

ARIVALDA: O Gilson. Ele voltou!

PADRE JOÃO: Mas tu num matou o cabra?

ARIVALDA: Ele veio pra me assombrar. Vamo se embora daqui!

PADRE JOÃO: Isso é coisa da tua cachola. Vamo.

Corte rápido. Já do lado de fora, os dois veem a casa de Regina pegando fogo.

ARIVALDA: O que será que esse povo tá curiando?

PADRE JOÃO: Parece ser fogo.

ARIVALDA: E é na casa daquela enxerida. Bem feito!

Arivalda e Padre João entram em um carro, que sai.

CENA 10: VILAREJO/ESTRADA/EXT./NOITE

O carro de Ramiro segue em alta velocidade na estrada escura. O carro de Omar vem logo atrás.

OMAR (gritando): Te entrega, coronel!

RAMIRO: Nunca!

Ambos os carros aumentam a velocidade. A câmera mostra que o carro de Ramiro com 250 quilômetros por hora. Omar abre o vidro do carro e dispara contra os pneus do carro do coronel. Um dos pneus fura e o veículo de Ramiro para. Omar estaciona seu veículo e se aproxima do de Ramiro com uma armas em mãos.

OMAR (gritando): Desce do carro e fica com as mãos pra cima.

Dentro do carro. Ramiro também segura uma arma. Ele vai abrindo vagarosamente a porta do veiculo.

Continua…

Anúncios

17 thoughts on “A Flor do Sertão – Capítulo 12

  1. Parabéns Ari, pelo capítulo.
    Bento salvou Regina, coronel com arma na mão,será que ele vai mata o investigador?
    Parabéns.
    Sandra ficou na cadeira de rodas, Arivalda ficou assustada.
    A casa de Regina foi tomada pelo fogo.
    Francisca querendo se dar bem na vida, com homem rico.
    Muito bom.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Ramiro não desiste fácil. Agora é tudo ou nada. Ou ele mata, ou ele morre.

    Felizmente Regina conseguiu fugir da morte. Bento dando uma de herói.

    Então, quer dizer que o amante da Arivalda é o padre João? Vemk, não era o mesmo padre que abusava da Laís?

    O castigo veio rápido para a Sandra, ela claramente está paralítica.

    #MomentoDivulgaçã1: https://audienciadatvmix.wordpress.com/2016/08/10/mundos-opostos-capitulo-08/

    Curtido por 1 pessoa

  3. CAPÍTULO 11

    Francisca mereceu cada tapa e sua mascara caída. Sofri muito quando ela foi até o bar do Toco atrás de comida. Sandra pagou pelo seus atos. Achei bem feito ela cair da escada após o que falou pra Aurora. E Ramiro esta passando dos limites quando o assunto é Regina. Se é desse modo, não dá pra torcer pra vc nn, amigo. Morto com o ataque dele. Ele nn sabe que Regina esta lá dentro? Grito.

    CAPÍTULO 12

    E parece que Francisca esta conseguindo se virar, como dizem. Aos poucos ela vai se afastando da trama principal e fazendo a sua própria história na web. Esse seu jeito de querer mudar de vida a qualquer custo a esta fazendo tomar novos rumos. Vamos ver se no futuro da web, ela volta a ter uma ligação com o núcleo principal, vulgo Regina. E Bento foi o herói da vez. Será que ele terá o perdão de Regina após esse ato? Ramiro esta sendo acusado pela morte de Herculano, morto. Essa perseguição foi bem tensa. Arivalda esta pagando pela morte de Gilson, hahaha…

    ______________________________

    Parabéns, Ari! Ótimas sequências. Me desculpe por nn ter comentado decentemente no capítulo anterior. Sofro com isso. :/ Ansioso pela continuação. 😀

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s