A Flor do Sertão – Capítulo 13

A Flor do Sertão - Logo

CENA 01: VILAREJO/ESTRADA/EXT./NOITE

O carro de Ramiro segue em alta velocidade na estrada escura. O carro de Omar vem logo atrás.

OMAR (gritando): Te entrega, coronel!

RAMIRO: Nunca!

Ambos os carros aumentam a velocidade. A câmera mostra que o carro de Ramiro com 250 quilômetros por hora. Omar abre o vidro do carro e dispara contra os pneus do carro do coronel. Um dos pneus fura e o veículo de Ramiro para. Omar estaciona seu veículo e se aproxima do de Ramiro com uma arma em mãos.

OMAR (gritando): Desce do carro e fica com as mãos pra cima.

Dentro do carro, Ramiro também segura uma arma. Ele vai abrindo vagarosamente a porta do veículo. Ramiro sai do carro com as mãos pra cima. Ele se rende.

RAMIRO: Eu me rendo! Pode me prender.

Omar se aproxima e manda o coronel virar suas mãos para poder algemá-lo. Em uma sequência rápida, Ramiro pega seu revolver e aponta para Omar. Os dois se encaram e se ameaçam com armas.

OMAR: Larga essa arma!

RAMIRO: Tu num vai me prender não, investigadorzinho. Eu posso matar tu e fugir daqui.

Ramiro empurra Omar, que cai e joga sua arma longe. O investigador tenta pegá-la, mas Ramiro faz isso antes. Com duas armas na mão, o coronel faz dois disparos e um deles acerta a perna de Omar, que sangra. Ramiro entra em seu carro e foge. A câmera mostra o veículo se distanciando cada vez mais. O foco vai para Omar. Mesmo ferido, ele consegue se arrastar até o carro, onde pega o rádio comunicador.

OMAR (rádio comunicador) : Central, escuta. Investigador Omar falando. O assassino do Herculano fugiu. Ele tá num Volkswagen Logus branco. Manda uma ambulância pra cá que eu tô ferido.

Omar desliga o rádio comunicador.

OMAR: MALDITO!

CENA 02: CASA DE JOSÉ/FACHADA/EXT./NOITE

Bento carrega Regina e a leva para o lado exterior da casa. Alguns moradores tentam apagar o fogo com o pouco de água que têm. Regina acorda, ainda tossindo.

REGINA: Bento, o que aconteceu?

BENTO: Tua casa pegou fogo, Regina.

Regina logo se levanta e se depara com sua casa completamente queimada. Seus olhos se enchem de lágrimas. Ela dá lentos passos e se aproxima da casa.

REGINA: Minha casa. Minha casinha…

Bento vai até ela e oferece seu apoio. Regina pensa em negar, mas aquele momento não era pra relembrar o passado. Ela se apoia nos ombros de Bento e começa a chorar.

REGINA (chorando): Eu e minha família perdemos tudo. O que será de nóis?

A câmera vai se afastando um pouco e foca algumas pessoas caminhando perto dali. Maria se despede de uma mulher. Ao seu lado estão Geraldo e José impacientes.

MARIA: A missa foi maravilhosa! Até amanhã, minha amiga.

Maria vai até o marido e o filho.

MARIA: Vamo pra casa?

GERALDO: Oxe, mãinha. Tu num parava de prosear. Eu tô de bucho vazio. Vamo se embora logo!

MARIA: Vou fazer um rango do jeito que tu gosta, meu filho.

Os três caminham.

MARIA: E tu, meu marido? Tá tudo bem?

JOSÉ: Tava lembrando da Chica…

GERALDO: Tem uma casa pegando fogo ali!

JOSÉ: Deve de ser dum vizinho nosso. Vamo ajudar.

José e sua família se aproximam cada vez mais da casa incendiada.

GERALDO: Mas parece a nossa cas…

O desespero de José era evidente. Ele fica parado, sem reação. Uma lágrima sai de seu rosto.

JOSÉ: NÃÃÃÃÃÃO!

José se ajoelha e dispara a chorar. Regina, José e Maria se aproximam dele e também choram pela perda.

CENA 03: CARRO DE RAMIRO/ INT./ NOITE

É mostrada a imagem de uma estrada. A câmera está bem distante e vai se aproximando aos poucos de um carro. A visão permite a visualização de Ramiro em seu interior. Ele está nervoso e olha constantemente para trás, observando se ninguém o está seguindo.

RAMIRO: Aquele investigadorzinho maldito vai me pagar! ORDINÁRIO! Tu vai se arrepender disso.

O carro segue em alta velocidade. Instantes depois, o veículo passa perto de uma placa na qual está escrito: “PI-231”.

RAMIRO: Vou ficar São Gonçalo do Piauí por uns tempos, mas ainda vou voltar e pegar a Regina.

A câmera volta a se distanciar e se escurece.

CENA 04: CASA DE JOSÉ/FACHADA/EXT./NOITE

Bento carrega Regina e a leva para o lado exterior da casa. Alguns moradores tentam apagar o fogo com o pouco de água que têm. Regina acorda, ainda tossindo.

José e sua família continuam tristes pelo ocorrido. Meio sem jeito, Bento se aproxima.

BENTO: Eu sinto muito, seu José.

José se levanta e enxuga as lágrimas de seu rosto. Ele caminha até o que sobrou da casa. Naquela altura o fogo já havia sido sessado e o que sobrara era apenas as cinzas do que já fora um lar.

JOSÉ: Oh, meu Deus! Por que tu fez isso com eu? O que eu fiz pra merecer?

REGINA: Num culpe Deus não, meu pai.

JOSÉ: Então quem destruiu nossa casa?

Regina dá alguns passos para o lado e tenta chamar a atenção de todos.

REGINA: Eu sei quem fez isso com a nossa casa! E a culpa de tudo foi minha…

[FLASHBACK] CENA 05: CASARÃO DE RAMIRO/ESCRITÓRIO/INT./TARDE

REGINA: Eu vim pra nossa conversa. Nós, trabalhadores, tamo trabalhando por demais, sem descanso…

Ramiro olha atentamente para Regina e fica disperso sobre o assunto. De repente, Regina bate palma em sua frente, despertando-o do transe.

REGINA: Ramiro?

RAMIRO: Pra que falar disso agora?

Ramiro se levanta e vai até Regina. Ele pega em suas mãos.

RAMIRO: Desde que minha mulher morreu, eu num olhei pra ninguém, só pra ti.

Regina se afasta. Ramiro se aproxima novamente. Ele agarra Regina, que dá-lhe um tapa imediatamente. Ramiro tenta agarrá-la novamente.

RAMIRO: Ninguém me nega desse jeito. Tu vai ser minha!

Ramiro rasga sua camisa e abre o zíper de sua calça.

RAMIRO: Agora tu vai receber uma lição. Eu vou te domar!

Ramiro e Regina se encaram, rodeando a mesa. Regina vai em direção à porta, mas Ramiro tenta impedir. Ela o empurra, mas ele se aproxima dela novamente.

RAMIRO: Daqui tu num sai!

Ramiro pega Regina pelo braço e tenta tirar a roupa dela. A moça dá-lhe um soco e o imobiliza. Regina joga Ramiro no chão e pega a chave da porta e a tranca. Em seguida, ela dali correndo.

[FLASHBACK] CENA 06: CASARÃO DE RAMIRO/ESCRITÓRIO/INT./DIA

A maçaneta da porta gira e a porta se abre. Regina não entra no escritório, abrindo a porta de maneira a fazê-la observar o interior do escritório por meio de uma fresta. Ela escuta uma conversa de Ramiro e Galvão.

Regina fica impressionada com o que ouvira. Galvão e Ramiro se levantam e andam em direção à porta. Imediatamente, Regina fecha a porta e solta a maçaneta: ela pensa em que atitude tomar. De repente, a porta se abre e Regina é derrubada pela gravidade, caindo dentro do escritório, para a surpresa do coronel e do prefeito.

Ramiro fecha a porta do escritório, impedindo a fuga de Regina.

RAMIRO: O que é que tu tá fazendo aqui, Regina?

GALVÃO: Ela tava escutando nossa conversa, seu coronel.

REGINA: Vocês dois são bandidos! Eu vou na delegacia e é agora.

Regina se levanta e tenta abrir a porta, mas Galvão lhe detém, segurando o braço dela.

GALVÃO: Olha aqui, menina. Tu tá intrometida por demais. Me desafiando na frente do povo, escutando conversa… Se eu fosse tu ficava na tua.

REGINA: O senhor tá me ameaçando, seu prefeito? Tu num vai ganhar essa eleição e num vai mais poder roubar do povo. O sol vai nascer quadrado pro senhor e pro coronel Ramiro.

RAMIRO: Olha, eu acho que os teus pais iam ficar bem tristes se alguma coisa acontecesse com o teu irmãozinho, sabe…

GALVÃO: Então a atrevida tem um irmãozinho?! Interessante…

REGINA: Nenhum de vocês dois vai tocar um dedo no meu filho. Nem ousem pensar nisso!

GALVÃO: Isso vai depender de ti. Vai-te embora e fica quietinha, tá?

Galvão solta o braço de Regina, que encara o coronel e o prefeito com ódio no olhar.

RAMIRO: Se tu ficar comigo, tua família vai tar segura.

REGINA: É nunca que eu vou ser mulher de um bandido como tu.

RAMIRO: Então tu se cuide!

Regina abre a porta e sai correndo. A imagem se escurece.

CENA 07: CASA DE JOSÉ/FACHADA/EXT./NOITE

A imagem se clareia. Regina termina de contar o que Ramiro fez. Todos ficam chocados.

REGINA: E por isso que eu acho que foi o coronel… Pra se vingar de mim.

JOSÉ: Aquele maldito tentou te matar e destruiu nossa casa? Eu vou lá é agora!

Regina se coloca na frente de José.

REGINA: Não, painho. Se ele foi capaz de fazer isso, pode até te matar.

BENTO: O Ramiro é um desgraçado!

Regina se aproxima de Bento.

REGINA: Obrigada por ter me salvado!

BENTO: Eu te amo, Regina. Num poderia te perder.

Regina se vira e se prepara para sair dali, quando Bento pega sua mão.

BENTO: Me perdoa?! Vamo refazer nossas vidas, começar de novo…

REGINA: Já disse que acabou…

Regina se solta e vai até sua família. Bento vai para sua casa. A câmera mostra José nervoso e Maria tentando acalma-lo.

REGINA: Vamo embora daqui? Recomeçar em outro lugar.

JOSÉ: Pra tu é fácil cascar fora. Eu trabalhei a vida toda pra construir minha casa e ela foi destruída por tua causa. Minhas filhas só dão desgosto!

Triste, Regina se afasta. Maria se aproxima do marido e o repreende.

MARIA: Pare com isso, meu marido. Num fala assim com nossa filha!

JOSÉ: A culpa é dela!

MARIA: Eu vou me embora mais meus filhos e se tu quiser fique aí.

CENA 08: VILAREJO/EXT./NOITE

São mostradas imagens intercaladas entre o Vilarejo Serra Branca, casa de José e a PI-231. O sol nasce. Amanhece.

Trilha Sonora: Saga (Felipe Catto)

CENA 09: HOSPITAL/QUARTO/INT./ DIA

A câmera mostra a porta de um quarto sendo aberta. O médico de Sandra entra. Ele se aproxima dela, que está quita, sem reação.

MÉDICO: Pronta pra ganhar alta?

Sandra fica em silêncio.

MÉDICO: Num gostou de saber que vai pra casa?

SANDRA: Pra que? Fica aleijada? Minha vida é uma desgraça. Num tive o homem que amei, sou pobre…

MÉDICO: Agradeça a Deus por ter sobrevivido.

SANDRA: Deus? Deus num existe. E se existe gosta de brincar com o sofrimento alheio.

MÉDICO: Vou pegar uma coisa.

O médico sai do quarto. Instantes depois, ele entra com uma cadeira de rodas.

SANDRA: O que é isso? Tira daqui! SAI! VAI EMBORA!

Sandra pega seu travesseiro no médico. Ele sai e Sandra cai no choro.

SANDRA: Ramiro, tu vai me pagar pelo que tu e tua filha me fizeram. EU JURO!

CENA 10: ESTRADA/POSTO POLICIAL/ DIA

Ramiro continua dirigindo pela PI-231. Ela avista um posto policial mais a frente. O coronel não consegue dar ré devido o grande fluxo de veículos. Ramiro segue normalmente. Um pouco adiante, um policial o manda parar no acostamento para uma revista. Ramiro não obedece e acelera o carro. Uma viatura o persegue. Mais a frente, o carro do coronel é cercado por mais uma viatura. Vários policiais descem dos veículos e cercam o carro de Ramiro com armas em punho.

CENA 11: RODOVIÁRIA/RECEPÇÃO/INT./ DIA

A câmera mostra a rodoviária de Aroazes. Pessoas caminham pelo local com suas bagagens. Nos terminais, há alguns ônibus estacionados. Alguns passageiros embarcam e outros desembarcam. O foco da imagem vai para três pessoas sentadas nos bancos. Eles estão de costas. Alguém se aproxima.

BENTO: Regina?

Regina se levanta.

REGINA: Bento? O que tá fazendo aqui?

BENTO: Vim me despedir.

Os dois se olham e se abraçam.

BENTO: Me perdoa, por favor. Eu preciso disso!

REGINA: Eu te perdoo. Eu já fui muito feliz mais tu.

Bento dá um leve sorriso. É anunciado que o ônibus com destino a Teresina já está quase saindo. Bento se despede de Regina, Maria e Geraldo. Eles caminham para o ônibus. Regina volta e chama por Bento. Ela o beija.

REGINA: Adeus!

Em seguida, Regina vai até sua família.

GERALDO: Será que painho não vem?

MARIA: Acho que não.

Os três se preparam para entrar no ônibus quando ouvem uma voz.

JOSÉ: Esperem!

José alcança a família e todos embarcam no ônibus. O veículo fecha a porta e se prepara para dar partida, quando alguns homens armados tentam impedi-lo de prosseguir. Da janela, Regina vê Galvão e se apavora.

Continua…

26 thoughts on “A Flor do Sertão – Capítulo 13

  1. E agora vamos nos preparar para conhecer a nova fase de A Flor do Sertão, com a fuga de Regina e a infeliz coincidência de parar no mesmo lugar que o coronel Ramiro… não, pera, o Galvão tá impedindo a fuga dela.

    Definitivamente, ainda não é hora. Sandra ainda deve ter história pra contar, bem como Arivalda e Galvão…

    #MomentoDivulgação: https://audienciadatvmix.wordpress.com/2016/08/12/mundos-opostos-capitulo-10/

    Curtido por 1 pessoa

    • Muito bom o capítulo.
      Triste pela casa de Regina.
      Bento provou que ama Regina ao salvá-la.
      Ramiro é um bandido mesmo. Conseguiu fugir do Omar, mas e agora cercado será que consegue?
      José esta triste com as filhas. Francisca não gosta dele e Regina está envolvida em problemas.
      O que Galvão fará com o ônibus e com Regina?

      Curtido por 1 pessoa

  2. Ramiro conseguiu fugir, maldito. Pelo menos não matou o Omar. Coitados da família ao ver a casa deles pegando fogo. Regina percebeu na hora o culpado do incêndio, não gostei nenhum pouco do José falar que a culpa era da Regina. Sandra na cadeira de rodas? Risos. Será que finalmente Ramior será preso? Assim espero. E Regina e sua família vão embora em busca de recomeçar a vida deles, e vai começar uma nova fase nesse luxo.
    Parabéns Ari. ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s