Mundos Opostos – Capítulo 14

CENA 01: CASA DE LARISSA/QUARTO DE RICARDO/INT./NOITE

Ricardo sai do banheiro com a toalha enrolada na cintura e os cabelos molhados. Dimas está deitado na cama, com os braços na nuca, encarando Ricardo com um sorriso no rosto.

RICARDO – O que foi? Perdeu alguma coisa?

DIMAS (rindo) – Quase.

RICARDO – Quase o quê?

DIMAS – Se tu deitar aqui perto de mim desse jeito, eu perco o controle e viro o MC Biel. Te pego e te quebro no meio.

Os dois riem.

RICARDO (rindo) – Ai, eu te denuncio, viu?

O celular de Ricardo toca. Imediatamente, Dimas o pega e atende.

DIMAS – Alô?

LUCIANA (cel.) – Alô, Dimas?

DIMAS – Ah, oi, Luciana. Boa noite.

LUCIANA (cel.) – Boa noite, Dimas. Ei, Caco Antibes, cadê a Magda?

Os dois riem. Ricardo fica curioso.

DIMAS – O Ricardo? Ele tá aqui, quer que eu passe pra ele?

LUCIANA (cel.) – Aham.

Dimas tira o celular do ouvido e o entrega para Ricardo.

RICARDO – O que ela quer?

DIMAS – Ela não falou.

Ricardo põe o celular no ouvido para falar com Luciana.

RICARDO – Luciana?

LUCIANA (cel.) – Oi, gatinho, tudo bem?

RICARDO (rindo) – Tudo sim. O que foi?

LUCIANA (cel.) – Ricardo, você vai querer pegar a tua camisa? É que o Guto já percebeu a troca e tá querendo a camisa de volta.

Surpreso, Ricardo encara Dimas, que estranha a sua reação. Ricardo percebe e tenta disfarçar.

RICARDO – Agora?

LUCIANA (cel.) – Se você puder…

RICARDO – Sim, posso ir sim.

LUCIANA (cel.) – Tá bom, tô te esperando. Tchau.

RICARDO – Tchau…

Ricardo encerra a ligação e põe o celular em cima da cama.

DIMAS – O que ela queria, Ricardo?

RICARDO – Eu vou me arrumar e depois vou lá na casa do Guto e da Luciana.

DIMAS – Quer que eu vá contigo?

RICARDO – Não, não precisa.

DIMAS – Tá bom… mas o que é que ela quer?

Ricardo pensa no que falar para Dimas.

RICARDO – Ela não falou. Ela disse pra ir lá que ela vai mostrar o que é.

DIMAS – Não tem nem ideia do que seja?

RICARDO (finge pensar) – Não…

Dimas encara Ricardo, processando a sua própria pergunta. Ricardo fica tenso com a reação dele.

CENA 02: CASA DE MAURÍCIO E TALITA/QUARTO DE CAROLINA E JONAS/INT./NOITE

TRILHA SONORA: Uptown Funk – Mark Ronson ft. Bruno Mars

Jonas está sentado na cama, com as costas apoiadas na cabeceira, mexendo no celular. Ele está conversando com Helena via WhatsApp.

JONAS (voz) – O que foi que aconteceu?

HELENA (voz) – Christina Rocha ia amar se visse o barraco que teve aqui hoje à tarde.

Jonas ri do comentário de Helena.

JONAS (voz) – Que barraco foi esse?

HELENA (voz) – A Débora chegou com fogo nos olhos acusando a Maria de ter roubado o anel dela.

JONAS (voz/surpreso) – Anel?

HELENA (voz) – Anel de noivado. O Igor pediu a Débora em casamento hoje.

JONAS (voz) – Rápido, hein?

HELENA (voz) – Pois é. E ela acusou a Maria de ter roubado o anel.

JONAS (voz) – Mas ela roubou mesmo?

HELENA (voz) – Não. Era tudo invenção da Débora pra fazer o pai expulsar ela e o Luís daqui de casa. Sabe, a Débora não suporta a ideia de dividir o mesmo teto que eles…

JONAS (voz) – E pra que ela fez isso?

HELENA (voz) – Se a Débora tivesse provado que houve roubo, nós teríamos que expulsar a Maria e o Luís. Por que haveríamos de abrigar dois ladrões na nossa própria casa, mesmo sabendo que eles são capazes de nos roubar?

JONAS (voz) – É, faz sentido…

HELENA (voz) – Mas felizmente ficou provado que tudo não passou de uma armação da Débora e da Luciana. Elas certamente serão repreendidas pelo que fizeram.

Jonas sorri ao ler o comentário de Helena. Os dois continuam conversando. A trilha sonora vai abaixando aos poucos.

CENA 03: CASA DE LARISSA/QUARTO DE RICARDO/INT./NOITE

Ricardo já está vestido, com uma bermuda clara. Ele abre a primeira gaveta da cômoda, procurando pela camisa de Guto, mas falha. Sem parar de procurar, ele resolve pedir ajuda a Dimas, ele ainda deitado na cama.

RICARDO – Dimas…

DIMAS – Fala.

RICARDO – Dimas, meu amor, onde é que tá aquela minha camisa vermelha?

DIMAS – Qual delas?

RICARDO – Aquela que tem escrito “London”…

DIMAS – London?

RICARDO – É, a capital de Portugal em inglês.

DIMAS (rindo) – Não é London, é Lisbon.

RICARDO – É, onde é que ela tá?

DIMAS – Ué, tu não vivia dizendo que não gostava dela?

RICARDO – Quando foi que eu disse isso?

DIMAS – Semana passada tu disse isso.

RICARDO – Não, não disse isso não. Vai, cadê?

DIMAS – Tua mãe botou pra lavar.

RICARDO – É… como sempre, a mãe tira pra lavar a camisa que eu quero usar.

DIMAS – Ah, cara, não fica assim não. É só usar outra.

RICARDO – É… fazer o quê…

Ricardo pega uma camisa azul e a veste. Em seguida, ele sai do quarto.

DIMAS – Ei, vai aonde?

RICARDO – Eu? Eu vou lá ver se a mãe já lavou a camisa.

E então Ricardo sai, deixando Dimas sozinho no quarto. Ele ri da atitude do parceiro.

DIMAS – Que fixação por essa camisa…

CENA 04: CASA DE LARISSA/COZINHA/INT./NOITE

Ricardo entra na cozinha e flagra Larissa tirando as roupas molhadas de dentro da máquina de lavar. A sua expressão de preocupação assusta Larissa.

LARISSA – O que foi?

RICARDO – Tu lavou a minha camisa vermelha, mãe?

LARISSA – Qual delas?

RICARDO – Aquela de Portugal…

LARISSA – Sim, lavei. Por quê?

RICARDO – Ô, mãe, não era pra ter lavado. Ela nem tava suja…

LARISSA – Ah, filho, era pra tu ter me avisado. Mas agora já foi.

RICARDO – Cadê ela? Tá aí no balde?

Ricardo tenta procurar a camisa no balde que Larissa segura, mas não o acha. Larissa põe o balde no chão e pega a dita camisa dentro da máquina.

LARISSA – É essa?

RICARDO (preocupado) – Olha aí…

LARISSA – Ai, Ricardo, para com isso! Eu não sujei a camisa, muito pelo contrário.

RICARDO – Tá, mãe, desculpa. É porque eu vou sair agora e eu queria ir com ela.

LARISSA – Mas tu pode ir com outra.

RICARDO – Sim, eu sei. Mas tudo bem…

Ricardo pega a camisa e a leva. Larissa estranha.

LARISSA – Ei, Ricardo, tu vai vestir a camisa desse jeito mesmo?

Ricardo apenas sorri para Larissa e sai da cozinha, deixando Larissa ali sozinha.

LARISSA – Que beleza… o Ricardo enlouqueceu.

Larissa volta a tirar as roupas da máquina de lavar para secá-las.

CENA 05: CASA DE LARISSA/SALA/INT./NOITE

Ricardo entra correndo na sala e vai até a estante. Ele abre uma gaveta e tira lá de dentro uma sacola plástica.

RICARDO – A minha sorte é que a mãe tem esse bocado de sacola aqui. Se eu tirar uma, ninguém vai sentir falta.

Ele guarda a camisa de Guto dentro da sacola.

RICARDO – Agora é só arrumar um jeito de chegar até a casa do Guto. Não tô disposto a pegar ônibus pra ir até o Papicu a essa hora.

Nesse momento, a porta de entrada da casa se abre para a entrada de Júlio.

JÚLIO – Ricardo?

RICARDO – Ótimo, os planetas estão se alinhando ao meu favor.

JÚLIO – Oi?

RICARDO – Júlio, tem como tu me levar até a casa do Guto agora?

JÚLIO – Calma, primo. Respira.

RICARDO – Tem?

JÚLIO – Sim, tenho. Mas posso saber pra quê?

Ricardo mostra a sacola plástica para Júlio.

RICARDO – Eu tenho que entregar essa camisa pro Guto.

JÚLIO – Pra quê?

RICARDO – Se lembra quando a gente foi fazer a festa surpresa da Maria lá na casa do Guto?

JÚLIO – Aham?

RICARDO – Pois bem, eu acabei manchando a minha camisa e eu peguei uma camisa do Guto parecida com a minha. E agora eu tô indo lá pra devolver a dele e pegar a minha de volta.

JÚLIO – Então tá… mas por que tu não pede pro Dimas te levar? Ele também sabe dirigir, ele também tem carro. Só não sei onde ele esconde, mas até onde eu sei ele não se desfez do carro.

RICARDO – Não, o Dimas ia me encher de perguntas e, ciumento do jeito que ele é, ele não ia me deixar ir lá. E outra, não sei nem se ele ainda tem aquele carro… enfim, vamos?

JÚLIO – Sim, vamos…

Júlio e Ricardo saem de casa.

CENA 06: FORTALEZA/EXT./NOITE

Imagens da Rua Germano Franck.

Imagens da Avenida da Universidade.

Imagens da Avenida Washington Soares.

CENA 07: MANSÃO ANDRADE DA COSTA/QUARTO DE MARIA/INT./NOITE

Luís e Maria estão sentados na cama, de frente a Alice e Gabriel.

GABRIEL – Eu entendo que vocês estão muito magoados com o que a Débora fez com vocês, eu entendo que a Débora cometeu erros imperdoáveis, mas nada justifica uma agressão. Nada justifica vocês dois se rebaixarem e agredirem a Débora. Violência só gera mais violência, nada mais do que isso.

MARIA – Mas ela agride a gente primeiro. E a gente não é daqueles que leva na cara e depois dá o outro lado pra bater.

GABRIEL – Esse é o erro de vocês, querer devolver. Isso não resolve os problemas, só piora. Com o tempo, essa história de devolver agressão vai acabar virando uma partida de tênis e vocês vão acabar se matando. Aprendam a não revidar. Por mais que isso soe como fraqueza ou arrego, vai ser algo saudável.

LUÍS – Mesmo assim…

ALICE – Pensem como uma reação em cadeia. Se vocês pararem de revidar, a Débora vai encontrar mais dificuldades para tirá-los do sério. E assim vai até chegar ao ponto de ela não conseguir mais provocá-los. Ela só está infernizando vocês porque ela sabe como lhes atingir. E quando ela perceber que nada lhes atinge, ela desiste de tentar lhes irritar.

Luís e Maria se entreolham, processando a lógica dos “tios”.

GABRIEL – Vocês estão em guerra, certo? Vocês aceitaram entrar num jogo que a Débora adora e sempre vence, por isso sempre estarão em desvantagem. A partir do momento que vocês deixarem de jogá-lo, deixarem de se importar com as provocações da Débora, ela vai perder e vocês vão ganhar.

ALICE – Vocês se comprometem a tentar virar esse jogo?

Luís e Maria balançam a cabeça, subentendendo uma resposta positiva. Alice e Gabriel sorriem para os “sobrinhos”.

CENA 08: MANSÃO ANDRADE DA COSTA/QUARTO DE IGOR/INT./NOITE

Débora está sentada na cama, enquanto Igor está andando de um lado para o outro, visivelmente alterado.

IGOR – Débora, você tem noção do que aconteceu?

DÉBORA – Sim, tenho completa noção do que aconteceu. Ao custo de alguns hematomas e dores musculares, eu estou perto de conseguir a carta de expulsão do Luís e da Maria dessa mansão.

IGOR – Se antes os meus pais já estavam relutando para aceitar esse casamento, agora é que eles não vão mais querer.

DÉBORA (sarcástica) – Claro… eu ousei mexer na imaculada imagem dos Santos Luís e Maria de Fortaleza, padroeiros dos favelados, marginais, ladrões e golpistas.

IGOR – Débora, você está pedindo para criar esse filho sozinha, apenas com o meu apoio financeiro.

DÉBORA – Não, isso não. Eu não tenho condições de ser mãe solteira. Além do mais, eu já sou sua noiva. Você não pode mais voltar atrás.

IGOR (respira fundo) – Débora… colabora. Nós já vamos nos casar sem o apoio da minha família, das pessoas com quem nós vamos dividir o teto. Tenta não piorar as coisas para o nosso lado, tá bom?

DÉBORA – As coisas só vão melhorar no dia que aqueles dois favelados voltarem pro barraco sujo de onde vieram. Aí sim nossas vidas vão voltar a ser calmas e direitas como eram antes.

Igor encara Débora com decepção no olhar.

CENA 09: MANSÃO ANDRADE DA COSTA/SALA/INT./NOITE

Fátima desce as escadas, indo na direção da cozinha. Porém, ela acaba se encontrando com Cassandra, que vem no sentido oposto. As duas ficam se encarando por alguns segundos.

FÁTIMA – Licença, dona Cascacu, eu quero ir à cozinha.

CASSANDRA – Peça com educação, serviçal.

FÁTIMA – Por favor, humana descendente de cascavel e surucucu, dê-me licença para que eu possa entrar na cozinha desta casa.

CASSANDRA – Eu deveria dar na sua cara para você aprender a me respeitar.

FÁTIMA – A senhora vai me deixar passar?

Fátima empurra Cassandra para o lado, liberando a passagem.

FÁTIMA – Muito obrigada, dona Cassandra.

Fátima vai para a cozinha, deixando Cassandra sozinha em cena.

CASSANDRA (indignada) – Mas que abusada…

Cassandra se dirige às escadas e sobe para o segundo andar.

CENA 10: CASA DE GUTO E LUCIANA/SALA/INT./NOITE

Guto e Luciana vão para a sala. Ele está visivelmente insatisfeito, enquanto ela não esconde sua animação.

LUCIANA – E o Ricardo deve vir para cá dentro de alguns minutos.

GUTO – E você, claro, só vai devolver a camisa dele se conseguir tirar uma casquinha dele.

LUCIANA – Mas é claro que sim. E outra, você deveria estar feliz. Pensa positivo, você vai ter aquela camisa vermelha de volta.

GUTO – Se eu não soubesse dessas suas segundas intenções, eu até estaria feliz em ter a minha camisa favorita de volta.

LUCIANA – Ai, Guto, eu tô tão nervosa… será que eu vou conseguir chamar a atenção do Ricardo?

GUTO (resmungando) – Deus queira que não…

LUCIANA – Falou alguma coisa, Guto?

GUTO – Talvez sim, talvez não.

Guto e Luciana se encaram.

CENA 11: FORTALEZA/EXT./NOITE

Imagens da Avenida General Osório de Paiva.

Imagens da Avenida da Abolição.

Imagens da Avenida Alberto Craveiro.

CENA 12: CASA DE GUTO E LUCIANA/FACHADA/EXT./NOITE

O carro de Jair estaciona em frente à casa de Guto e Luciana. Ambas as portas dianteiras se abrem, Júlio sai do banco do motorista e Ricardo sai do banco do acompanhante, com a sacola plástica nas mãos.

Eles vão até o portão e Ricardo toca a campainha. Poucos minutos depois, Guto os atende.

GUTO – Entrem.

Guto abre passagem para eles, que logo entram.

CENA 13: CASA DE GUTO E LUCIANA/SALA/INT./NOITE

Júlio e Ricardo entram. Luciana, que estava sentada no sofá, se levanta rapidamente e os encara, sem saber ao certo o que fazer.

LUCIANA – Trouxe a camisa?

RICARDO – Eu achei que—

LUCIANA – O Guto já sabe.

Ricardo entrega a sacola para Luciana. Ela retira a camisa da sacola e se surpreende ao vê-la úmida e amassada.

RICARDO – Desculpa, Guto, é que a minha mãe lavou a camisa hoje à noite, nem deu tempo de engomar nem nada.

GUTO (desanimado) – Tudo bem… eu vou lá pegar a tua camisa, Ricardo…

Guto toma a camisa das mãos de Luciana e vai para o corredor. Ricardo resolve ir atrás dele, deixando Júlio e Luciana sozinhos.

LUCIANA – Você vai me deixar sozinha com o seu primo.

JÚLIO – Vai querer que eu te tranque no teu quarto com ele?

LUCIANA – Até que não é uma má ideia…

JÚLIO – Não quero nem saber o que vai ser do Dimas se você conseguir o que quer…

LUCIANA – Estou pouco me importando com aquele depravado. Quanto mais longe ele estiver do meu Ricardo, melhor pra nós três.

JÚLIO – Espero que você não consiga.

LUCIANA – Se eu não conseguir, eu ponho a boca no trombone e espalho seu segredinho aos quatro ventos. Eu caio na lama, mas não caio sozinha.

Júlio encara Luciana com raiva.

CENA 14: CASA DE GUTO E LUCIANA/QUARTO DE GUTO/INT./NOITE

Guto pega a camisa de Ricardo e entrega ao dono.

RICARDO – Cara, me desculpa, mas foi tudo de repente. Assim que a Luciana me ligou pedindo pra trazer a camisa, eu peguei ela do jeito que tava e vim pra cá. A minha mãe tinha acabado de tirar da máquina de lavar…

GUTO – Não, tudo bem… coitado de você, imagino as desculpas que tu teve que arrumar pra conseguir essa camisa e trazer pra cá.

RICARDO – E eu ainda vou ter que inventar mais desculpas pra explicar essa camisa toda arrumadinha, sendo que eu levei ela toda molhada e amassada.

GUTO – Boa sorte…

Guto e Ricardo saem do quarto.

CENA 15: CASA DE GUTO E LUCIANA/SALA/INT./NOITE

Júlio e Luciana continuam conversando na sala.

JÚLIO – Você sabe quais são os pontos fracos do Ricardo, por isso não investe neles. Tenta ser mais sutil. O truque do beijinho no rosto que escorrega pra boca é infalível. Não tem um homem na nossa família que não caia nesse truque. Quer dizer, não sei se o pai do Ricardo, que Deus o tenha, já caiu nesse truque, mas enfim…

LUCIANA – Ótimo. Só me deixe a sós com o Ricardo. Invente qualquer coisa pra conversar com o Guto que me dê tempo pra ficar sozinha com o meu amor.

Guto e Ricardo retornam à sala. Imediatamente, Júlio tem uma ideia de distrair Guto.

JÚLIO – Guto, aproveitando que a gente tá aqui, eu queria trocar umas palavrinhas contigo.

GUTO – À vontade.

JÚLIO – Vamos aqui que eu vou te explicar direito…

Júlio conduz Guto até o corredor, deixando Luciana e Ricardo sozinhos. Os dois se entreolham com certa timidez.

LUCIANA – E acabamos sobrando…

RICARDO (riso forçado) – É…

TRILHA SONORA: Um Beijo Seu – Banda Calypso

LUCIANA – Me diz aí, penou muito pra poder trazer essa camisa pra cá?

RICARDO – Ah, tu nem imagina. A camisa saiu da máquina de lavar direto pra minha mão. Tive que inventar um bocado de desculpa pra poder sair com essa camisa lá de casa, e vou ter que inventar mais desculpa pra aparecer em casa com a camisa toda arrumada.

LUCIANA – Falando nisso, eu queria te pedir desculpa por ter te metido nessa enrascada. Sério, eu não fiz por querer. Tô até me sentindo mal por praticamente ter te obrigado a fazer esses malabarismos todos, mentir pra tua família…

RICARDO – Eu não podia arriscar em contar a verdade. Vai que eles interpretam errado… e outra, o Dimas é meio ciumento, era bem capaz dele achar que eu tava traindo ele.

Alguns segundos de silêncio. Luciana se aproxima de Ricardo, e começa a observar a camisa azul que ele está usando.

LUCIANA – Se me permite comentar, você ficou um gatinho com essa camisa…

Acanhado, Ricardo apenas sorri para Luciana.

LUCIANA – Se você não estivesse namorando o Dimas, eu juro que te dava um beijo. Você sabe disso… você sabe que eu te acho lindo, maravilhoso…

RICARDO – Sim…

LUCIANA – Mas você se importaria se eu te desse um beijo no rosto?

RICARDO – Só no rosto?

LUCIANA – Sim, claro.

Ricardo balança com a cabeça, permitindo o beijo no rosto. Prontamente, Luciana se aproxima de Ricardo, apoia suas mãos no rosto dele e lhe dá um carinhoso beijo na face direita. Ricardo sente algo estranho após o carinho, principalmente depois que Luciana não se afasta dele após o beijo.

Os dois ficam se olhando por alguns segundos, até que Luciana toma a atitude de puxar o moço e lhe dar um beijo na boca. De início, Ricardo tenta resistir, mas ela não o deixa. Ela apela para um beijo mais intenso, de modo que Ricardo não consiga mais resistir. Aos poucos, os corpos vão se colando e eles vão se abraçando, se entregando ao momento.

A cena congela em um efeito preto-e-branco.

FIM DO DÉCIMO QUARTO CAPÍTULO.

13 thoughts on “Mundos Opostos – Capítulo 14

  1. Podem chamar a Luciana do que quiserem, mas a culpa não foi dela. Ela é livre e desimpedida. Tudo bem que é errado ela dar em cima de homem comprometido, mas ele podia muito bem ter recusado o beijo. Ela não apontou uma arma na cabeça dele, nem o obrigou a beijá-la. Luciana estava errada, mas a culpa do Ricardo foi bem maior.

    Morri com essa história toda da camiseta. Acho que o Ricardo foi trouxa, creio que não teria problema em ele contar a verdade para o Dimas…

    Igor é uma lorpa, beje. Débora faz e acontece e ele fica passivo, morro.

    Ótimo capítulo, parabéns 😀

    Curtido por 1 pessoa

  2. 😭😭😭😭😭 não!!!!! A Luciana rapariga de uma viga beijou o Ricardo 😢
    Morte a Luciana, morte a essa vaca sem escrúpulos!
    Dimardo separados? Não vou suportar, me leve pra UTI
    Parabéns pelo capítulo 😘

    Curtir

  3. Enfim, a Luciana conseguiu beijar o Ricardo, adorei
    Quero que quando o Dimas for enfrentá-la, ela fale uma coisinha pra ele…
    Parabéns!!!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s