A Flor do Sertão – Capítulo 16

A Flor do Sertão - Logo

ANTERIORMENTE:

Ramiro tenta estuprar Regina, mas ela foge. O coronel a segue sofre um acidente de carro, mas é socorrido por Matias. Bento e Francisca transam e são flagrados por Regina, que dá uma surra na irmã. Laís é vendida. A máscara de Francisca cai e ela é expulsa de casa. Regina vai ao casarão e escuta uma conversa entre Ramiro e Galvão e é ameaçada por eles. Sandra se revela para Aurora, que é levada para um convento. A governanta cai das escadas e fica paraplégica. Geraldo dá uma lição em Josias. Um homem paga a conta de Francisca no bar. Ramiro sequestra Regina, mas ela consegue despista-lo. Arivalda é assombrada. Por vingança, Ramiro coloca fogo na casa de Regina sem saber que ela estava dentro. Bento salva Regina do incêndio. Omar persegue Ramiro, após dar voz de prisão. A família de Regina chora pela perda da casa. Regina conta para todos sobre a obsessão de Ramiro e José a culpa de tudo. Regina e sua família embarcam no ônibus para Teresina, mas capangas de Galvão tentam impedir, mas não conseguem. Ramiro é preso. Um fazendeiro chega ao vilarejo e promete um emprego melhor para os moradores. Bento visita Ramiro na cadeia e lhe dá um soco. Ônibus no qual está Regina e sua família sofre um acidente. O veículo cai em um córrego e é arrastado pela correnteza devido a forte tempestade. Regina é levada pelas águas do rio. Sandra visita Ramiro e revela que já o amou e conta tudo o que fez. Ramiro a enforca até a morte. Regina é resgatada e chora ao saber que sua família não foi encontrada. Vários dias se passam. Regina está fazendo uma entrevista de emprego quando Ricardo chega. Os dois trocam olhares.

CAPÍTULO 16 

CENA 01: MANSÃO DOS ALMEIDA/SALA DE ESTAR/INT./MANHÃ

A câmera está embaçada. Aos poucos ela se clareia e mostra a imagem de uma casa luxuosa. O foco vai para alguns quadros na parede. É possível ouvir um ruído de uma pessoa andando de salto alto. A câmera mostra a sala de estar. Regina está sentada em um belo sofá, admirando o luxo da mansão. Sua fisionomia e seus gestos corporais mostram que ela está nervosa. Hermínia entra em cena.

HERMÍNIA: Então é você que quer trabalhar na minha casa?

Hermínia se senta no sofá.

REGINA: Sim, senhora.

HERMÍNIA: Como se chama?

REGINA: Prazer, me chamo Regina.

Regina estende sua mão para cumprimentar Hermínia, que não retribui e dá apenas um leve sorriso.

HERMÍNIA: É um nome tão comum típico de pessoas de classe E.

Regina fica sem graça.

HERMÍNIA: Você tem experiência? Não quero qualquer uma em minha casa…

As duas continuam conversando. O som das vozes vai diminuindo até sumir. Instantes depois, o som volta.

HERMÍNIA: Você nasceu em Teresina?

REGINA: Não. Eu vinha com a minha família…

Regina conta sua história para Hermínia.

[FLASHBACK] CENA 02: ESTRADA/EXT./MANHÃ

É mostrada a imagem de uma estrada escura com uma forte tempestade. A câmera está bem distante e vai se aproximando aos poucos de um ônibus. A visão privilegiada permite a visualização de várias pessoas no seu interior. Alguns dormem e outros observam a forte chuva que caia. A câmera mostra Regina e sua família. Geraldo, Maria e José estão dormindo. Com uma freada brusca, Maria desperta e estranha Regina estar acordada.

MARIA: O que foi filha? Vai dormir um pouco.

REGINA: Pensando na vida… E tô de olho pra ver se o motorista não vai dormir.

MARIA: Mas ele é profissional.

REGINA: Num confio no ser humano não…

MARIA: Boa noite, filha!

REGINA: Boa noite. Te amo!

A imagem que se vê é a de Regina, com um hematoma no rosto e olhando para o quarto do hospital, sem reconhecer o lugar.

REGINA: Que lugar é esse? O que eu tô fazendo aqui?

MÉDICO: Tu caiu tá no hospital. Sofreu um acidente de ônibus e foi encontrada.

Sandra coloca a mão em sua cabeça. Sua fisionomia é de dor.

REGINA: Minha família… Cadê eles?

MÉDICO: Só foram encontradas três vitimas. Tu, um homem e uma mulher. Eles tão ali.

Regina se levanta rapidamente e se aproxima das outras camas, com a esperança de encontrar seus pais.

REGINA: Pai? Mãe? Não são eles…

O bombeiro que atendeu Regina entra no quarto.

BOMBEIRO: Já vi que tu melhorou!

REGINA: Moço, onde tá minha família, me diz.

BOMBEIRO: Ninguém mais foi encontrado. A correnteza tava forte por demais.

Ao ouvir aquilo, Regina se desaba em lágrimas.

NARRAÇÃO DE REGINA: A gente tava num ônibus vindo pra cá. O ônibus bateu e caiu no rio. Quando eu acordei descobri que minha família tava desaparecida. Acompanhei as buscas por vários dias, mas desistiram e pararam… Nunca perderei a esperança de reencontrá-los.

CENA 03: MANSÃO DOS ALMEIDA/SALA DE ESTAR/INT./MANHÃ

A cena se clareia.

REGINA: Aí eu vim parar aqui…

HERMÍNIA: Ai, eu mereço! Ficar escutando uma historinha de quinta… Só não é pior que as novelas do Benedito, cruzes!

As duas continuam conversando. Ricardo chega em casa.

RICARDO: Mãe, cheguei. Já levei meu carro pra mecânica…

Ricardo vai até a sala de estar e se depara com Regina. Os dois trocam olhares. Parece que acaba de nascer um novo sentimento no coração de Regina. Hermínia continua falando, mas ela não presta atenção.

O foco vai para os olhos de Regina que logo se transformar em relógios que evidenciam uma nova passagem de tempo.

CENA 04: PRACINHA/EXT./DIA

A imagem que se é mostrada é de um mapa do Brasil. A câmera vai se aproximando e chega ao Piauí. Novamente é usado o zoom, que mostra Aroazes. Há um corte rápido. A câmera mostra o céu do vilarejo e vai explorando a pracinha. Várias pessoas estão lá. Algumas vestidas de branco e outras de azul distribuem alguns papéis. Galvão entra em cena e discursa para o povo.

GALVÃO: É chegada a hora da eleição, meu povo. Votem em mim amanhã para continuarem com as melhorias que estou fazendo. Sou amigo do povo, honesto e trabalhador. Cumprirei minhas promessas e trarei água pro sertão. Nessa eleição vote em Galvão.

O público presente aplaude o prefeito. Juversino entra em cena acompanhado de Damião. Eles atravessam a multidão e se colocam frente a frente com Galvão.

JUVERSINO: Chega de enganar o povo, se prefeito. Todo mundo sabe que tu tava metido nas tal de corrupção, pegando o nosso dinheiro. A nossa gente precisa de ação e não de promessas… Vamo pensar dinheiro. Escolham alguém que vai representar nosso vilarejo.

Juversino e Galvão se encaram fixamente. O prefeito sai e deixa Juversino falando.

CENA 05: DELEGACIA/CELA/INT./NOITE

A câmera está escura. Aos poucos a imagem vai se clareando. É mostrada a imagem de cela lotada onde Ramiro está. O foco vai para o coronel, que está em pé, inquieto.

RAMIRO: Eu num vou ficar aqui por muito tempo.

Ramiro anda de um lado para o outro.

RAMIRO: Eu vou sai daqui e vou ter a Regina pra mim.

Ramiro dá um soco nas grades da cela. O ruído é suficiente para chamar a atenção do carcereiro.

CARCEREIRO: Que barulhada é essa? Vamo parar?

RAMIRO: Vai pro inferno, maldito!

CARCEREIRO: Tu me respeite senão vai ficar mais uns meses por aqui. Mas tu já vai ficar uns trinta anos mesmo, nem vou me preocupar. Só sai daqui no caixão.

O carcereiro sai dali sorrindo.

RAMIRO: Isso é o que nóis vai ver…

Ramiro percebe que o guarda está longe e vai falar com os outros presos.

RAMIRO: E se nóis fugisse daqui? Nunca pensaram nisso não?

PRESO: Fugir como?

RAMIRO: Vamo fazer uma rebelião no pátio e enquanto os guardas vão lá, nóis foge. Amanhã, a gente vai tar longe daqui.

Ramiro dá um sorriso satisfeito, crente de que seu plano dará certo.

CENA 06: TERESINA/EXT./MANHÃ

Trilha sonora: Carcará – Otto

Alguns dias se passam. O nascimento e o por do sol evidenciam a passagem de tempo.

CENA 07: IGREJA /INT./DIA

A câmera mostra o interior de uma Igreja. A decoração está elegante. Vários convidados aguardam ansiosamente pela execução da cerimonia. No altar está Aroldo. O noivo aparenta estar bastante nervoso.

AROLDO: Será que a minha Chica não vem?

A porta da Igreja é aberta. Francisca está trajando um lindo vestido branco.

FRANCISCA: Agora que me darei bem…

Duas meninas ajudam a noiva a andar com o vestido. Atrás outra menina traz as alianças. Uma das meninas que ajuda a carregar o vestido se desequilibra e cai. Consequentemente, Francisca também cai, mas segue até o altar com elegância.

PADRE: Estamos aqui hoje para celebrar a união…

FRANCISCA: Num dá pra pular pro sim?

PADRE: Francisca Alves da Fonseca, tu aceita Aroldo Machado como seu legítimo esposo na saúde e na doença, até que a morte os separe?

FRANCISCA: Sim.

PADRE: E você Aroldo…

AROLDO: Sim!

Aroldo e Francisca se beijam. Corte rápido. Do lado externo da Igreja, o casal entra em um luxuoso carro.

CENA 08: CADEIA/PÁTIO/EXT./DIA

A câmera mostra vários presos espalhados pelo pátio da cadeia. O foco vai para Ramiro, que está acompanhado de alguns detentos. Eles conversam sigilosamente.

RAMIRO: É o seguinte… Tu mais ele vão fingir uma briga lá pra trás. Falam com os outros pra entrarem na onda também.

Dois presos se afastam e começam a simular uma briga. Os guardas se aproximam rapidamente para separar a suposta briga.  Ramiro e outros presos começam a subir no muro. O coronel é o primeiro a chegar ao topo. Um detento pede sua ajuda, mas ele o empurra.

RAMIRO: Idiota…

Corte rápido. Ramiro desce do muro e já está do lado de fora da prisão. Ele segue andando, quando é surpreendido por uma voz.

HOMEM: Parado aí!

Continua…

Anúncios

26 thoughts on “A Flor do Sertão – Capítulo 16

  1. Parabéns Ari!
    Francisca se casou, finalmente conseguiu ser rica, Ramiro será que conseguirá fugir do misterioso homem?
    Regina tentando reconstruir sua vida.
    Que você não tenha problemas e consiga acabar esse luxo de web.
    Muito interessante.
    Parabéns por sua vontade de querer continuar com a web, mesmo estando com problemas pessoais.
    Torcendo pra você conseguir escrever e enviar os capítulos nos dias e nas horas certas.
    Obrigado!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Como eu estava com saudades desse luxo, fico feliz que você Ari mesmo sem tempo de escrever quis continuar e respeitar os leitores, parabéns pela atitude. Hermínia nova rainha, morto com ela falando mal das novelas do Benedito, sem cultura! :p Será que Galvão será preso? 😮 Não acredito que esse lixo vai sair da cadeia, quero que ele morra. Morto que Chica conseguiu o que sonhava, pisou rainha, agora é só matar o cara e casar comigo kkk. ❤ Chocado com o gancho, o que vai acontecer? 😮
    Parabéns Ari! ❤

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s