A Desonra – Capítulo 22 (Última Semana)

Classificação Indicativa

CAPÍTULO 01×22 –JOGO DE BLEFES

Continuação imediata do capítulo anterior

CENA 1, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, QUARTO DE CLARISA, INTERIOR, DIA

Clarisa levanta-se e tenta se recompor, porém, Camila lhe dá um empurrão e ela cai de volta na cama.

Clarisa – Você tá ficando maluca, garota? Quem você pensa que é para entrar no meu quarto e me agredir dessa maneira?

Camila – Uma pessoa mais digna do que você e que neste momento vai prestar algumas contas.

Clarisa – Contas? Mas que contas nós duas temos para acertar? Eu não lhe devo nada, priminha querida.

Clarisa levanta-se e tenta sair de seu quarto, mas é impedida por Camila, que puxa seus cabelos e a traz para dentro do cômodo de volta.

Clarisa – Me solta que você tá me machucando, sua idiota! Eu vou gritar e fazer um escândalo se não me soltar!

Camila – Estou te machucando? Perfeito, porque essa é a ideia, e eu vou te machucar ainda mais se depender.

Clarisa – Fala logo o que você quer, sua idiota, se não eu vou gritar e vai ser muito pior para o seu lado!

Camila solta a prima e lhe empurra para sua frente; Com uma expressão amedrontada, ela encara Camila.

Camila – Então tudo bem, sabe o que eu quero com você? Quero que você me conte, detalhe por detalhe, como foi ter sido a mulher de Dimitrio Soriano, ou como ele te chamava, “a bela”!

Clarisa entra em estado de choque ao ouvir de Camila o nome no qual Dimitrio se referia a si; Camila a encara fixamente, disposta a averiguar toda a história que envolve a prima e Dimitrio.

CENA 2, CAFETERIA, INTERIOR, DIA

Ângelo entra no local e aproxima-se da mesa onde estava Rebeca, à sua espera; Ela levanta-se e cumprimenta o rapaz com um beijo no rosto.

Ângelo – Acabei de voltar de viagem, e assim que recebi sua mensagem, eu corri para cá.

Rebeca – Sente-se, eu já fiz nossos pedidos, eles não devem demorar a chegar.

Ângelo e Rebeca sentam-se de frente um para o outro; Ele estranha a expressão séria de Rebeca.

Ângelo – Eu acho que o assunto deve ser longo por causa da sua cara, e também deve ser bem tenso. Não me diga que…/

Rebeca – Sim, eu estou disposta a abrir o jogo com você a respeito de todos os Olmedo-Dorantes, e até mesmo sobre a sua esposa, a Camila.

Ângelo – Camila? De onde você conhece a minha esposa?

Rebeca – Ângelo, foi uma enorme coincidência do destino naquele dia em você ter me atropelado. Desde que cheguei a esta cidade, eu fiquei sabendo que você estava de casamento marcado com a Camila, e por isso, meu desejo de me aproximar de você acabou sendo cumprido.

Ângelo – Nossa, você me assustou agora com essa conversa de pesquisar sobre mim e meu casamento. Mas, seja direta, eu não entendo onde você quer chegar.

Rebeca – Ângelo, é bem simples o que eu tenho a lhe contar, e só você pode saber disto, e mais ninguém. (T) Enfim, você sabe qual a minha ligação com Salma Olmedo-Dorantes? Pois bem, na realidade, eu sou irmã de Salma, e consequentemente… – suspiro. – Consequentemente eu sou a verdadeira mãe da Camila, sua esposa.

Ângelo é pego de surpresa com a declaração de Rebeca, pois jamais havia desconfiado de algo semelhante envolvendo Rebeca e os Olmedo-Dorantes.

CENA 3, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, QUARTO DE CLARISA, INTERIOR, NOITE

Mesmo se sentindo encurralada, Clarisa resolve dissimular para Camila, fingindo não saber do que ela fala.

Clarisa – Realmente eu não sei do que você está falando, priminha, eu jamais fui mulher de Dimitrio Soriano, a única que teve o prazer de se deitar na cama dele foi você mesma. Agora me faça um favor, retire-se do meu quarto porque eu não tenho o dia todo.

Clarisa segura Camila pelo braço, tentando tirá-la de seu quarto, mas de repente, Camila consegue soltar-se e desfere uma bofetada em Clarisa, que cai no chão; Camila tranca o quarto e coloca a chave no bolso de sua calça, assustando Clarisa.

Camila – Primeiramente, você não toca em mim, e segundo, não insulte minha inteligência ou insulte a si mesma ao tentar acreditar nas mentiras inventadas por você mesma.

Clarisa – Para de brincadeiras e destranca essa porta agora, ou se não eu vou gritar!

Camila – Grita! Grita mesmo pra todo mundo vir aqui e para que eu abra minha boca, mas garanto que isso não seria nada bom para você. E aí, vai preferir gritar ou ficar calada e ouvir o que eu tenho a dizer?

Clarisa – Eu não sou obrigada a ouvir suas calúnias, sua mulherzinha baixa, agora destranca meu quarto ou se não você vai se arrepender, porque eu posso fazer coisas que até Deus duvida.

Camila – Eu também posso fazer coisas que até Deus é capaz de duvidar, logo você não me intimida com isso. Mas chega de lenga-lenga, eu quero ver você ser mulher o suficiente para dizer que foi amante de Dimitrio Soriano e que mentiu ao Ângelo que eu fui amante dele.

Clarisa – Você está louca, eu jamais fui amante dele, e tenho absoluta certeza que você não pode provar isso. Já no seu caso, há várias provas de que você traiu o João com ele.

Camila – Eu tenho provas o suficiente sobre seu tórrido caso com o Dimitrio, e posso provar coisas que você nem desconfia que eu sei. E sabe do que mais? Eu posso usar os documentos que tenho para arruinar seu casamento com o João, que nem começou ainda.

Clarisa – É o João de volta que você quer? Mas nem por cima do meu cadáver que você vai voltar a tirar uma só lasquinha dele, muito menos usando calúnias envolvendo o meu nome.

Camila – Seu jogo de dissimulação me cansa, discutir com você me casa! Mas é claro, para garantir seu bem estar nessa casa você é capaz de mentir sobre qualquer coisa, até mesmo, que eu fui capaz de cometer atrocidades como roubar um homem rico, ficar grávida dele, causar seu suicídio e ainda por cima abortar um filho.

Clarisa entra em pânico, ao contestar que realmente Camila está à par de todo seu passado com Dimitrio; A jovem levanta-se e aproxima-se de Camila, que a encara com uma expressão irônica.

Camila – É priminha, sua lista de podres está mais suja do que pau de arara, mas me diga, o que mais você esconde? É assassina também? Tem outro amante?

Clarisa – Você cala a sua boca, sua maldita, você só está blefando e está usando isso para me fazer separar do João, mas não, você não vai atingir seus objetivos mesmo.

Camila – Blefando? Bom seu estou blefando, com certeza você não se importaria se todos, até os empregados soubessem dos meus blefes, não é?

Irônica, Camila afasta-se da prima e aproxima-se da sacada do quarto de Camila, disposta a gritar o que sabe; Em um ato de loucura, Clarisa empurra Camila com o objetivo de jogá-la da varanda, mas é em vão. Camila desfere algumas bofetadas seguidas em Clarisa, que cai no chão; Ao tentar se levantar, Camila dá um empurrão na prima e fica sob seu corpo, desferindo alguns tapas e puxões de cabelo em Clarisa, que grita sem parar.

CENA 4, CAFETERIA, INTERIOR, DIA

Ângelo não consegue assimilar a bomba jogada em seu colo por Rebeca, que se preocupa com a reação do genro.

Rebeca – Ângelo, você está bem? Precisa de alguma ajuda?

Ângelo (balbuciando) – Não… Eu estou bem… Só um pouco zonzo, porque não consigo acreditar nisso que você está dizendo. Rebeca, me explique isso desde o começo.

Rebeca – Ângelo é bem simples e conturbada essa história, e lhe contarei tudo nos mínimos detalhes…

Enquanto Rebeca prepara-se para contar sua história para Ângelo, flashes de vinte e seis anos atrás, são mostrados à cena, enquanto ela narra a história de seu caso com Leon.

Rebeca (Off) – Leon havia acabado de se casar com a Salma, que havia ficado viúva e tinha o filho dela, que tinha apenas um ano. Antes de Leon se casar com minha irmã, eu morava com ela, para ajudá-la a cuidar do menino. Após ela se casar com o Leon, eles me levaram para morar com eles, afinal, eu era muito jovem e não trabalhava. Mesmo com o pouco tempo de casados, Leon acabou se saturando com as psicoses de ciúme da Salma, afinal, ele é alguns anos mais novo que ela. E me aproveitando dessa situação, resolvi-consolá-lo, e como eu era muito inconsequente e imatura, me aproveitei do momento frágil do Leon, mas o que eu não sabia, era que ia me apaixonar verdadeiramente por ele, e vice-versa.

Em seguida, flashes de Salma surpreendendo Rebeca e Leon juntos são mostrados, enquanto ela continua sua narração.

Rebeca (Off) – Estávamos vivendo uma bonita história, apesar do caso proibido por ele ser marido da minha irmã, mas um dia, ela acabou nos surpreendendo, e acabou que ela não teve a mínima piedade de mim, me difamou para várias pessoas, minha vida estava praticamente arruinada, e acabei na miséria.

Mais alguns flashes da descoberta de sua gravidez e do abandono de Camila são exibidos, enquanto a narração permanece.

Rebeca (Off) – E para piorar minha situação deplorável, descobri que estava grávida da Camila, e como eu não tinha a menor condição de criar a menina e não podia colocá-la em um orfanato, resolvi dar ela para ser criada por minha irmã, que apesar de todo o ocorrido, aceitou criá-la sem ressentimentos, e foi uma boa saída, além de receber uma boa educação e o conforto de um lar, ela seria criada ao lado do pai, porém, Salma impôs a condição de que Camila jamais soubesse que era filha do Leon, sendo criada por ele como sua sobrinha.

Rebeca retoma o foco da realidade e volta a encarar Ângelo nos olhos, dando continuidade ao resto da história.

Rebeca – E por fim, Salma me deu algum dinheiro para que eu pudesse sumir de sua vida e que eu jamais voltasse a ver a Camila, e com isso, fiz um passaporte e passei a viver nos Estados Unidos, onde conheci meu falecido marido, que me trouxe de volta toda a dignidade, mas mesmo assim, jamais pude ter minha filha ao meu lado e o amor verdadeiro de um homem novamente. E agora, após todos esses anos, o que eu mais quero é recuperar o amor da Camila.

Ângelo – Rebeca, eu não sei como reagir diante dessa história toda, sinceramente, eu não esperava que sua ligação com os Olmedo-Dorantes fosse tão forte a este ponto. Mas vamos direto ao ponto, como você pretende recuperar o amor da Camila?

Rebeca – É aí que você entra, Ângelo. Como marido dela, você vai tentar me aproximar da Camila, sem que ela saiba dos nosso laços de sangue. Eu poderia pedir ajuda a qualquer outro familiar, mas duvido que algum deles pudesse me ajudar após eu abandonar a Camila nas mãos dela daquela forma.

Ângelo – Como você sabe, meu casamento com a Camila vai de mal à pior, e ela deu entrada no processo de divórcio. Eu acabei magoando ela demais, mas isso é história para outro momento. Não garanto nada, mas posso tentar aproximar você da sua filha.

Rebeca pega em uma das mãos de Ângelo, comovida com o apoio do rapaz.

Rebeca – Obrigada Ângelo, muito obrigada mesmo por não ter me julgado e por estar disposto a me ajudar nessa missão que parece impossível.

Ângelo sorri, demonstrando o apoio à Rebeca naquele momento.

CENA 5, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, QUARTO DE CLARISA, INTERIOR, DIA

Clarisa levanta-se, aos gritos após a surra dada por Camila, que lhe encara com um uma expressão de fúria.

Camila – Isso é para você aprender a não bancar a dissimulada para cima de mim, sua ordinária!

Clarisa (chorando) – A tia Salma vai ficar sabendo de tudo isso, sua maluca, sua psicopata! Socorro, socorro! – gritos.

Camila – Cala a boca, cala a boca! – grito. – Se você gritar a sua situação só vai piorar e eu conto para todo mundo da sua listinha longa de atrocidades.

Camila (chorando) – Ninguém vai acreditar em uma só palavra dita por você, sua psicopata! Me ajudem, socorro! – gritos.

De repente, ouvem-se batidas constantes na porta do quarto, tratando-se de Salma, apavorada com os gritos vindos do quarto da sobrinha; Imediatamente, Camila e Clarisa se entreolham e se calam.

Salma (Off) – Abram essa porta, seja lá quem estiver aí dentro!

Camila aproxima-se da porta, enquanto encara Clarisa com uma expressão ameaçadora.

Camila (sussurrando) – Você cala a sua boca, não vai dizer nem um só piu, ouviu bem?

Clarisa demonstra se sentir ameaçada com Camila, que para de a encarar e imediatamente vira-se para a porta, a destrancando; Ao abrir a porta, Salma, acompanhada de Gema, entram apressadas no quarto, e ao se depararem com o estado em que as duas primas encontravam-se, se apavoram.

Salma – Mas o que aconteceu nesse quarto, meu Deus? Por que vocês duas estavam trancadas aqui, aos gritos?

Camila encara Clarisa, com um olhar ameaçador; Amedrontada com o momento, Clarisa resolve tranquilizar Salma e Gema, omitindo o que realmente aconteceu ali.

Clarisa (balbuciando) – Não… Não aconteceu nada aqui, tia… Nada não…

Salma – Mas olha para você, meu bem, está toda descabelada e roxa! Não me diga que…

Imediatamente, Salma percebe sinais de agressão em Clarisa e aproxima-se de Camila, segurando seu braço com força.

Salma – Garota você voltou a agredir a Clarisa? Escuta aqui, se a Clarisa me confirmar isso, eu juro que te despacho de volta para aquela fazenda, aproveitando que suas malas estão arrumadas!

Camila dissimula e encara Clarisa em um tom ameaçador.

Camila – Eu não agredi a Clarisa, tia, eu juro! Nós duas estávamos ensaiando as falas de uma peça que eu vou estrelar, onde a mocinha desmascara a vilã, que deu o golpe em um fazendeiro e causou a sua morte, não é, prima?

Clarisa resolve concordar com o que é dito por Camila, temendo que a prima possa dizer algo que a comprometa.

Clarisa (balbuciando) – Sim, é verdade sim… Camila e eu estávamos ensaiando… Estávamos sim… Não se preocupe, tia, esses machucados são maquiagem e eu estou bem, não se preocupe…

Salma acaba se convencendo e solta o braço de Camila, que passa sua outra mão sob ele.

Camila – Enfim, eu vou dar uma volta de carro, estou precisando. Mais tarde nós duas ensaiamos mais falas, certo, priminha?

Clarisa – Sim, vamos ensaiar mais cenas mais tarde…

Camila sorri ironicamente para Clarisa, e em seguida, retira-se do quarto; Um pouco tempo depois, Salma e Gema retiram-se do quarto, e com isso, Clarisa ajoelha-se, chorando de raiva ao se ver encurralada por Camila. Ela esmurra o chão algumas vezes seguidas, enquanto uma expressão de ódio toma conta de seu rosto.

CENA 6, RUAS, DIA

Camila dirige sua caminhonete, com seus óculos escuros no rosto; De longe, ao observar o jipe de Ângelo estacionado, ela resolve ir até o local onde o marido está. Ela estaciona sua caminhonete atrás do jipe de Ângelo e adentra a cafeteria, imaginando que Ângelo esteja por lá; Mais afastado, Ângelo conversa com Rebeca sobre o plano de aproximação de Camila e sua mãe, enquanto segura sua mão. Ao observar a atitude suspeita do marido com Rebeca, Camila resolve se aproximar da mesa, não escondendo o ciúme que sente no momento.

Camila – Mas olha o que temos aqui, pelo para quem não queria o divórcio, você mudou de ideia muito rápido.

Ângelo se sente desconfortável com a situação, já que Camila viu em um visão destorcida o que acontecia ali; Ao olhar no rosto de Camila, rebeca fica gélida e paralisada, por estar frente à frente com sua filha pela primeira vez após ter abandonado-a. Por sua vez, Camila encara a mãe com uma expressão nada agradável, motivada por ciúmes após ter lhe flagrado em uma atitude suspeita com Ângelo.

CENA 7, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, SALA DE ESTAR, INTERIOR, DIA

Já recomposta e com uma maquiagem para disfarçar os hematomas sofridos, Clarisa adentra à sala de estar, onde está Salma, sentada em um dos sofás.

Clarisa – Tia, podemos conversar?

Salma – Claro meu bem, sente-se, também preciso perguntar algumas coisas a você.

Clarisa senta-se no sofá ao lado de Salma e vira seu rosto para a tia.

Salma – Minha filha, quando eu entrei no seu quarto e vi você a Camila naquela situação, onde ela disse que vocês estavam ensaiando cenas… Me diga, o que ela disse era verdade? Tem certeza que ela não te agrediu naquele momento?

Clarisa fica indecisa em contar toda a verdade e ver-se longe de Camila, mas correndo o risco de ser desmascarada ou ficar em completo silêncio e sofrendo nas mãos da prima; Após instantes calada, Clarisa toma sua decisão a respeito da resposta.

Clarisa – Estávamos encenando sim, tia, ela não tinha ninguém e com muita insistência da parte dela, resolvi ajudá-la, apesar de estar com muita má vontade.

Salma – Hum, entendo, mas ainda sim, fiquei assustada com os gritos vindos do seu quarto. Bom, você disse que tinha algo a me dizer, do que se trata mesmo?

Clarisa – Ai tia, desde que a Camila voltou para essa casa ela têm sido uma ameaça enorme para o meu futuro casamento, e você sabe disso. E eu acabei tomando a decisão de não convidá-la para meu casamento. O que a senhora me diz?

Salma – O que posso dizer? O casamento é seu, princesa, mas acho que pegaria muito mal, apesar de tudo, não convidar uma familiar tão próxima como a Camila.

Clarisa – Mas me entenda, se ela quiser, em um estalar de dedos, consegue o João de volta para ela, além de que se ela comparecesse a esse dia especial para mim, seria capaz e roubar todo o meu brilho em meio a todos os convidados.

Salma – Bom, você quem decide, não estou em condições de opinar em nada, apenas digo para que você converse com o João sobre sua decisão, e é bem possível que ele não goste nada disso.

Clarisa – Tudo bem, eu farei o que está dizendo, apenas vim comunicar a senhora mesmo…

Clarisa dá um beijo na bochecha de Salma e pega sua bolsa; Uma das empregadas abre a porta de saída da mansão e Clarisa sai, e em seguida, a porta é fechada.

CENA 8, CAFETERIA, INTERIOR, DIA

Rebeca continua paralisada diante de Camila, contendo-se para não desabar emocionalmente diante de sua filha, que sequer sabe o laço que as une; Camila encara Rebeca fixamente, demonstrando em seu o ciúme que sente por conta daquela situação.

Camila – Vamos Ângelo, não vai me apresentar a sua amiga, que estava segurando em sua mão e que estava sorrindo tão alegre?

Ângelo e Rebeca não sabiam como reagir; Ele, por não encontrar a forma adequada para apresentar mãe e filha, e ela, por não saber o que dizer.

Ângelo – Bom, essa aqui é a Rebeca, uma amiga recente minha, e agora pouco, falávamos de você.

Rebeca – Muito prazer!

Com o nervosismo, Rebeca esboça um forçado sorriso e estende sua mão para Camila, que a ignora; Rebeca sente-se mal com o desprezo expressado no olhar da jovem e abaixa sua mão.

Camila – Aposto que deveriam estar falando muito bem de mim, claro, porque eu vi de longe vocês tão alegrinhos, de mãos dadas, até estranhei, pois eu havia pedido o divórcio ao Ângelo, mas ele me disse que não aceitava, pois me amava, mas acho que não…

Ângelo – Mas o que é isso, Camila? Não queira armar uma crise de ciúmes agora, ainda mais na presença da Rebeca.

Camila – Crise de ciúmes? Imagina! Bom, como eu vejo que você está em companhia, não vou os atrapalhar mais, e irei para o escritório do meu primo, pra começar a dar entrada no processo de divórcio, sabe? (T) Enfim, aproveitem o café, outra hora nos falamos, Ângelo.

Camila acena para Ângelo, sorrindo ironicamente para o marido; Ao sair do estabelecimento, Camila imediatamente deia desabar sua tentativa de sair superior diante daquela situação e deixa uma lágrima escorrer de seu rosto, decepcionada com o possível caso entre seu marido e Rebeca; Ela entra em seu automóvel, e ao dar a partida, sai. O foco retoma ao estabelecimento, onde Rebeca demonstra estar decepcionada.

Ângelo – Não fica assim, Rebeca, não percebeu que a Camila estava apenas com ciúmes? Releve, ela não é assim dessa forma que você viu.

Rebeca – Mas ela me destratou de uma forma que me deixou tão abatida, e que sinceramente, acho que ela nem vai querer voltar a olhar na minha cara.

Ângelo – Foi como eu disse, a Camila estava tomada por ciúmes, e além do mais ela nem sabe que é sua filha. Mas eu vou esclarecer as coisas com ela e novamente vamos tentar uma reaproximação, certo?

Rebeca concorda com a cabeça, expressando ainda estar deprimida com o ocorrido.

CENA 9, APARTAMENTO DE ERIC, INTERIOR, DIA

Clarisa entra apreensiva no apartamento, causando o estranhamento em Eric, que não entende o que acontece com a amante.

Eric (irônico) – Tá bom, agora me fala o motivo para essa cara de idiota, quebrou uma unha, bateu o carro ou algo do tipo?

Clarisa – Sem ironias, Eric, o assunto é sério e pode comprometer todo nosso futuro.

Eric – Fala logo que eu tenho mais o que fazer, e se o assunto me interessar, eu vejo o que faço por você.

Clarisa – Sabe o que aconteceu? A Camila descobriu tudo, descobriu do meu caso com o Dimitrio, do meu aborto e sabe-se lá mais o que essa idiota descobriu!

Eric – Ai, cacete! Mas me diz, ela descobriu mesmo ou só está blefando para que você mesma se entregue?

Clarisa – É bem difícil que essa idiota esteja blefando, está bem na cara dela que descobriu toda a verdade. Se alguém souber de algo a respeito disso, estamos ferrados, todos os nossos planos irão por água abaixo.

Eric – Mas e agora, será que ela vai abrir a boca dela?

Clarisa – Não sei, não sei o que essa desgraçada está pretendendo, a única coisa que ela disse é que usaria tudo o que sabe para acabar com o meu casamento, assim como eu acabei com o dela antes de começar.

Eric – Então fica esperta, patricinha, não se deixe cair nas mãos da justiceira aí, caso contrário, vamos ter que apelar para outros métodos, nos quais ela calaria a boquinha dela para sempre.

Clarisa – Eu sei, já tenho algumas estratégias para que ela não diga nada, se nada funcionar, o plano é mandar ela para o inferno mesmo.

Clarisa e Eric entreolham-se, apreensivos atrás de soluções para impedirem que a verdade venha à tona através de Camila.

CENA 10, OLMEDO-DORANTES ADVOCACIA, ESCRITÓRIO DE JOÃO, INTERIOR, DIA

João abre a porta de seu escritório e Camila entra, em prantos; Imediatamente, ela abraça João, que estranha a reação repentina de Camila.

João – Mas o que aconteceu, Camila? Venha, sente-se.

Ele puxa uma cadeira e Camila senta-se, e em seguida, ele se senta, ficando frente a frente com Camila.

João – Agora me conta, o que houve para você estar chorando dessa maneira?

Camila (chorando) – É o Ângelo, João, eu vi ele com outra mulher, ninguém me contou, eu que vi! E eu agora estou assim, feito uma completa idiota que achava que ele ainda me amava…

João – Mas eu não entendo, você quer o divórcio, mas ainda sim o ama?

Camila (chorando) – Amava, porque agora para mim tudo se acabou, já que ele só brincou comigo. Eu quero dar entrada no processo de divórcio o mais rápido possível, espero que você consiga atender o meu desejo o mais rápido possível.

João – Claro, se você quer assim eu vou dar entrada no processo de divórcio o quanto mais rápido eu puder, mas peço um pouco de paciência, pois isso pode levar alguns dias até.

Camila compreende, e em seguida, João levanta-se e aproxima-se de uma outra mesa em seu escritório, onde está um garrafa térmica e algumas xícaras; Enquanto serve café, Camila olha fixamente para uma caixinha preta que está em cima da mesa do primo. Ele volta a se aproximar da mesa e dá uma das xícaras a Camila, que agradece esboçando um pequeno sorriso; Ele senta-se novamente.

Camila – E essa caixinha, primo? Não me diga que…/

João (cortando) – Sim, essa aqui é a aliança que comprei hoje cedo, para que hoje à noite eu possa pedir a mão da Clarisa em casamento.

Ele pega a caixinha e a abre, dando a aliança nas mãos de Camila, que encara fixamente o anel.

Camila – Primo, você está certo dessa decisão que tomou em casar-se com a Clarisa?

João – Sim, ela me ama e eu estou aprendendo a amá-la, então eu acho que essa é a perfeita oportunidade para que nós dois possamos nos casar. Por quê?

Camila – Primo, não é querendo te deixar paranoico, mas, você confia plenamente na Clarisa?

João – Sim, apesar das intrigas do passado que ela fez, que não prefiro voltar a mencioná-las, tenho plena confiança na Clarisa sim. Mas me diga você, por que está fazendo essas perguntas?

Camila – Não me entenda mal, mas, eu acho que você não está fazendo a decisão certa em se casar com a Clarisa, ela esconde muitas coisas, que por hora, prefiro que isso não venha à tona, mas se você soubesse, teria uma profunda decepção…

João – Camila, por favor, não me diga que agora vai querer me separar da Clarisa e vai querer inventar histórias escabrosas?

Camila – Eu disse para você não me levar à mal, mas vejo que não adiantou muito… Eu sei de muitas coisas e posso prová-las, mas eu não vou me intrometer no seu relacionamento com a Clarisa, já que é você quem sabe o que está fazendo de sua vida…

Camila toma um gole de sua xícara de café, enquanto demonstra estar decepcionada com o modo em que João já havia deixado se envolver com Clarisa.

CENA 11, ANOITECE O DIA

CENA 12, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, QUARTO DE CAMILA, INTERIOR, NOITE

Camila terminava de se arrumar diante do espelho para o jantar, quanto Gema conversa com a jovem.

Gema – Ai minha filha, os seus tios devem estar te esperando faz um tempão, o João vai pedir a mão da Clarisa e você tem que estar presente, filha.

Camila – Calma Geminha, eu estarei lá na hora, quero ser a grande atração desse jantar.

Camila retoca seu batom e ao terminar, senta-se em sua cama, ficando de frente para Gema.

Gema – Eu te conheço bem, menina, agora pode ir me contando o que está armando.

Camila rapidamente se levanta e puxa Gema pelas mãos, lhe fazendo sentar a seu lado.

Camila – Geminha, lembra-se quando você a tia Salma viram eu e a Clarisa sozinhas naquele quarto, totalmente descabeladas e a Clarisa cheia de arranhões no rosto?

Gema – Lembro, vocês duas até disseram que estavam ensaiando as falas de uma tal peça que você ia estrelar…

Camila – Pois bem, acontece que eu menti, e forcei a Clarisa a concordar com tudo o que eu disse.

Gema – Então você tá querendo dizer que…/

Camila – Sim, eu dei uma surra de verdade nela, uma surra na qual eu não me arrependo por nada e que ainda vai render muita coisa por conta dos motivos que me levaram a isto.

Gema (horrorizada) – Minha nossa! Mas por que você bateu na sua prima? Quais são esses motivos tão graves que você diz.

Camila – Por enquanto eu não posso dizer, estou planejando algo que vai mostrar a todos quem a Clarisa verdadeiramente é, e você não perde por esperar para saber todas as atrocidades cometidas pela minha prima.

Gema – Ai minha virgem santíssima, eu ainda estou sem entender nada e temo que algo de muito ruim pode vir por ai.

Camila – E você não está errada, a Camila está enterrada até o pescoço por sua lista de podres, de coisas escabrosas que ela foi capaz de cometer, e mesmo estando com vontade de fazer justiça, sinto pena dos meus tios quando souberem de tudo… Mas enfim, chega de conversa, outra hora eu conto mais detalhadamente a você. Irei terminar de me arrumar e já desço, diga à todos que não precisam me esperar.

Gema compreende o pedido de Camila e retira-se do quarto; Camila levanta-se e volta a ficar diante do espelho, terminando de se arrumar.

CENA 13, HOTEL, QUARTO DE REBECA, INTERIOR, NOITE

Eduardo e Rebeca estão sentados sob a cama, conversando sobre Camila.

Rebeca – Eu fiquei muito feliz em ver a minha filha ali na minha frente, mas logo depois tudo o que eu sentia desmoronou com o modo que ela me tratou, por conta de um mal-entendido…

Eduardo – Mas mamãe, releve, ela estava com ciúmes, era o marido dela, e como viu tudo de uma forma errada… Mas e ele, vai te ajudar mesmo a aproximar você a Camila?

Rebeca – Sim, apesar do casamento deles estar em uma situação estremecida, enfrentando divórcio e tudo mais.

Eduardo – Mas acredito que agora você está mais tranquila após dividir a sua história com alguém além de mim e da Vânia. Mas cá entre nós, quando você vai procurar a sua irmã ou o pai da minha irmã?

Rebeca – Muito em breve, eu já havia mandado um e-mail para a Salma, lhe deixando ciente que eu estava de volta e que queria a minha filha. Já o Leon, eu planejo fazer algo mais de surpresa, pois garanto que ele não iria me destratar feito minha irmã. Mas e você, vai continuar com o seu plano de se aproximar daquele teatro onde a sua irmã trabalha?

Eduardo – Amanhã mesmo eu darei uma passada por lá e espero encontrá-la, o que mais quero é me tornar amigo dela, que ela possa ter plena confiança em mim…

Rebeca – Fico feliz que pelo menos com você, ainda há chances da Camila se aproximar, já comigo, é bem provável que ela volte a querer olhar na minha cara, tudo por achar que eu sou a “outra” do esposo dela.

Eduardo dá um abraço em Rebeca e um beijo em seu rosto, tentando lhe consolar.

Eduardo – Calma mãe, é só um mal-entendido, tenha fé que logo tudo vai se esclarecer e você e a Camila vão se tornar amigas, até que ela saiba do laço que une vocês duas.

Rebeca sorri e dá um beijo na testa de Eduardo, que apoia sua cabeça em seu peito, demonstrando estar feliz com o carinho expressado pela mãe.

CENA 14, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, SALA DE JANTAR, INTERIOR, NOITE

Todos demonstravam estar cansados por esperar Camila para o jantar seguido do pedido de casamento de Clarisa, principalmente a jovem, que demonstrava medo por alguma surpresa desagradável vindo da prima.

Salma – Será que não dá para irmos direto ao assunto? Essa garota nem apareceu na mesa, e pelo o que a Gema disse, ia demorar bastante…

João – Melhor esperarmos, quero todos reunidos para poder fazer o pedido oficial como manda o figurino.

Clarisa – Ah João, vamos fazer agora, porque não duvido que a Camila esteja fazendo isso de propósito somente para atrasar a gente!

João acaba cedendo aos incansáveis pedidos de Clarisa e Salma, e levanta-se, atraindo os olhares de todos a sua volta.

João – Bom, como todos sabem, de uns tempos para cá, eu a Clarisa começamos um namoro, namoro esse que tem rendido vários bons momentos. E a partir disso, eu tomei uma importante decisão, e para isso eu preciso do consentimento de vocês dois, mãe e pai, que também criaram a Clarisa como filha de vocês.

João dá um leve suspiro, por conta do momento que o deixa incomodado; Ele dá sua mão para Clarisa, que levanta-se, ficando frente à frente com o namorado.

João – Clarisa Olmedo-Dorantes, você aceita ser minha esposa?

Antes que Clarisa pudesse responder, Camila finalmente surge até a sala de jantar, batendo palmas em um tom sarcástico por conta do pedido feito.

Camila (irônica) – Vivam os noivos, parabéns pelo casamento que está por vir!

Revoltada com o deboche, Clarisa se afasta de João e aproxima-se da prima, a encarando com uma expressão em fúria; Leon e João observam as duas com uma expressão confusa, enquanto Salma expressa seu descontentamento pela interrupção de Camila.

Clarisa – O que você quer, garota? Ser o centro das atenções em mais um momento mais importante para mim? Já não bastou o seu atraso proposital e agora você quer armar um showzinho?

Camila (irônica) – A palavra mais apropriada para o momento é espetáculo, e dessa vez, vou deixar para você o papel de protagonista, mas uma protagonista diferente, uma que é bem malvada, sabe? (T) Então, vamos começar? Agora que está prestes a casar, por que não revela a todos o caso que você teve com Dimitrio Soriano, o irmão do Ângelo?

Clarisa entra em pânico ao ser posta contra a parede por Camila, que lhe encara com uma expressão irônica e debochada; Todos sentem-se confusos com o que acontece, sem entender onde Camila quis chegar. A imagem se congela no rosto de Clarisa, e aos poucos, a imagem é transformada em uma carta amarelada com as letras do papel borradas.

25 thoughts on “A Desonra – Capítulo 22 (Última Semana)

  1. GRITOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Gente, não vou mentir, adorei o reinado da Camila, Clarisa é uma rainha, mas foi pisada dessa vez e ela mereceu a surra, aqui se faz, aqui se paga. Ai, Camila, não destrói a sua soberania, crise de ciúmes e indo chorar pro João não, ok. João pede Clarisa em casamento e Camila surge e a desmascara, revelando seu caso com Dimitrio, adooooooooooooooooroooooooooo, tá pegando fogo, a casa da rainha Clarisa caiu, mas obviamente, ela não ficará por baixo o tempo todo.

    Parabéns Willian. ❤

    Curtir

  2. Socorro! Camila 100% arrasou com a priminha hoje. Adorei a determinação dela e as verdades que ela disse para Clarisa. Agora nn tem mais pra onde fugir, queridinha, hahaha… E eu pensando que a máscara cairia no dia do casamento, me surpreendi. Até o final dessa temporada tem muita água pra rolar ainda. Camila, vc entendeu tudo errado! Fiquei em shock com ela pensando que Ângelo e sua mãe tinham algo. Achei bonitinho a crise de ciúmes dela, rsrs… Será que João conseguirá evitar o casamento com a cobra? Parabéns, Willian. 😀 Já esta deixando saudades. ❤

    Curtir

  3. A máscara da Clarisa vai cair… quer dizer, vai ser arrancada pela Camila. Seria a destruição de Clarisa?

    Ângelo descobriu que a Rebeca é a mãe da Camila, mas o encontro delas não foi tão amigável assim. Viajando na maionese um pouquinho, eu acho que a segunda temporada será centrada um pouco nesse plot… acertei ou passei longe?

    #MomentoDivulgaçã1: https://audienciadatvmix.wordpress.com/2016/08/23/mundos-opostos-capitulo-17/

    Curtir

  4. Adorei a surra que a Camila deu na sonsa. Morri com ela dizendo que era um ensaio de uma peça e a Salma caiu, morro. Rebeca conta a Ângelo que é mãe da Camila e todo o passado, pena que Camila está achando que Ângelo esta lhe traindo, um mal entendido. Socorro com a Camila tirando a máscara da Clarisa no jantar de noivado. Parabéns pelo capítulo Will!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s