A Desonra – Capítulo 23 (Últimos Capítulos)

Classificação Indicativa

CAPÍTULO 01×23 – VISÕES DISTORCIDAS

Continuação imediata do capítulo anterior

CENA 1, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, SALA DE JANTAR, INTERIOR, NOITE

Clarisa demonstra estar sem reação, encurralada por Camila diante de todos, que a encara a espera de respostas; João aproxima-se das duas, confuso com o que acontece.

João – Mas do que você está falando, Camila? Já não basta querer nos fazer atrasar o pedido de casamento e agora vai querer bancar a imatura em ficar falando maluquices?

Camila – Ah primo, antes fossem maluquices, porque tem cada coisa pavorosa que a Clarisa esconde. Mas chega de papo, diz pra todo mundo como foi ser a amante de Dimitrio Soriano, priminha querida.

Clarisa não sabe como reagir diante dos questionamentos de Camila, e para tentar se ver livre, dissimula diante de todos.

Clarisa (dissimulando) – Você está louca, está completamente desequilibrada, tudo por conta do meu casamento com o João! Não basta ter se deitado com Dimitrio Soriano e ter ficado com o irmão dele, agora quer usar o seu erro para inventar calúnias sobre mim?

Irritada com os fingimentos de Clarisa, Camila a segura pelo pescoço, dificultando sua respiração; Assustados, todos aproximam-se das duas, tentando separá-la de Clarisa.

Camila – Você está me cansando com seus fingimentos e com o teatrinho que todos compram, eu cansei de pagar por coisas que você fez e agora me recuso a engolir tudo a seco, eu vou destruir o seu casamento assim como você destruiu o meu, sua imbecil!

Com muito esforço, Leon consegue separar a filha de Clarisa e a segura, impedindo que ela se solte; Clarisa corre para os braços de Salma, em prantos, enquanto Salma encara Camila com um possessivo olhar.

Leon – Mas o que é isso, Camila? O que está acontecendo com você para agir assim com a sua prima depois que chegou daquela viagem?

Camila (gritando) – Eu vou destruir o casamento dessa cachorra, eu juro, assim como ela foi capaz de destruir o meu ao inventar pérfidas mentiras a respeito do meu caráter!

Clarisa (dissimulando) – Eu não sei do que ela está falando, tia, ela está desequilibrada, é a segunda vez que ela me ataca e me ameaça dessa maneira, sendo que eu não fiz nada para merecer isso.

João – Francamente Camila, você sempre disse que a Clarisa era a dissimulada e invejosa, mas pelo o que a gente vê, você está completamente louca, e não vejo outra razão para isto a não ser o ciúmes de me ver junto com a Clarisa.

Camila – Como é que é? Eu vou acabar com essa palhaçada que é o casamento de vocês dois, sim, mas não por amor e inveja, e sim, para mostrar a todos a verdadeira cachorra mentirosa que Clarisa Olmedo-Dorantes é!

Salma (gritando) – Tirem essa insolente daqui, não quero ela nenhum minuto a mais debaixo do meu teto, fazendo escândalos dignos de uma mulher vulgar!

Camila – Daqui eu não saio nem morta, titia querida, vou ficar nessa casa até o dia em que essa desgraçada a quem você tanto defende seja desmascarada, e isso será muito em breve!

Disposto a acabar com toda a discussão, Leon sobe as escadas com Camila, indo lhe levar a seu quarto; Enquanto Salma e João consolam Clarisa, ela abre um pequeno e diabólico sorriso, que passa despercebido pelos dois.

CENA 2, HOTEL, QUARTO DE ÂNGELO, INTERIOR, NOITE

Ao celular, Ângelo conversa com Padre Guilhermo, enquanto caminha ao redor do quarto.

Ângelo (celular) – Pois é, padre, as coisas andam bem agitadas, primeiro é a descoberta da verdadeira mulher que desgraçou meu irmão, depois é eu descobrindo que a mãe da Camila está viva, porém, o que mais me desagrada é a Camila querendo o divórcio a qualquer custo.

Padre Guilhermo (celular) – Pelo o que vejo, essa moça não quer seu perdão, mas mesmo que você tenha errado muito com ela, eu ainda torço para que tudo isso se resolva. Mas agora me diga, não pretende continuar com aquela ideia estapafúrdia de vingança, mesmo que tenha descoberto quem é a verdadeira mulher, né?

Ângelo (celular) – Eu desgracei muito a Camila com minha vingança, e no final, ela não era a culpada de nada. Eu até gostaria de acertar minhas contas com a verdadeira desgraçada, porém está tudo a cargo da Camila, que diz que isso agora é assunto dela.

Padre Guilhermo (celular) – Vocês não aprendem mesmo com seus erros, mas somente Deus pode julgar vocês… Mas então, vamos falar de algo que me parece ser muito bom: Como foi essa descoberta da mãe dessa moça?

Ângelo (celular) – Ah padre, eu acabei conhecendo essa mulher por acaso, teve um dia que eu quase a atropelei e a partir disso nos aproximamos, até que ela disse que conhecia os Olmedo-Dorantes e hoje, me disse que era a verdadeira mãe dela. Mas você não sabe da outra parte disso, enquanto eu falava pra ela que eu ia ajudar ela se aproximar da Camila, eis que ela chega na cafeteria onde a gente estava, mas acabou que ela interpretou toda aquela situação de uma forma errada, achando que éramos amantes.

Padre Guilhermo (celular) – Mas que situação, hein meu filho, só espero que tudo se resolva entre você, essa moça e sua esposa, e que as duas possam se acertar como mãe e filha.

Ângelo (celular) – Também espero, mas acho difícil a Camila querer olhar na minha cara após aquela atitude precipitada… Enfim, eu vou dormir, padre, hoje foi um dia muito cansativo para mim. Nos falamos outra hora, boa noite e fique com Deus.

Padre Guilhermo (celular) – Tenha um bom sono, meu filho, e que Deus o abençoe e que esteja sempre a seu lado.

Ângelo desliga a ligação e joga seu celular em cima da cama, e em seguida, entra no banheiro as suíte, para trocar-se antes de dormir.

CENA 3, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, QUARTO DE CAMILA, INTERIOR, NOITE

Camila está sentada em sua cama, um pouco mais tranquila após a crise nervosa que teve instantes atrás; Leon caminha ao redor do quarto, à procura de explicações sobre o estado de Camila.

Leon – Francamente Camila, não houve necessidade daquele show lá embaixo, além de ter atrasado sua presença no jantar. Diga, por que está fazendo essas coisas, minha filha?

Camila – Eu tenho meus motivos, a Clarisa não é coisa boa e você sabe disso, não me diga que agora irá defender ela?

Leon – Eu sei que a Clarisa sempre foi um claro reflexo da Salma, mas eu não vejo justificativa para o que você fez lá embaixo, sinceramente. Me diga, é o amor do João que você quer reconquistar? Por isso que quer se divorciar do seu marido?

Camila – Não é isso, eu já disse milhares de vezes que a mim o João não interessa como homem, o único amor possível por ele é o de primos, e por isso que eu quero livrar ele desse casamento, principalmente após eu ter descoberto várias coisas ao respeito do verdadeiro cará ter da Clarisa.

Leon – Mas como que você pode provar que a Clarisa é tudo isso o que você está dizendo? Porque realmente, minha filha, está difícil ter que acreditar em você com toda essa situação.

Camila – Por enquanto eu não posso provar, mas acredite, tudo o que digo é verdade, a Clarisa é uma má pessoa sim, que foi capaz de me envolver em calúnias e arruinar meu casamento antes que ele começasse. Poxa tio, você sempre esteve do meu lado nas horas ruins e sempre me defendeu, por que agora você não vai acreditar em uma só palavra do que eu digo e vai ficar do lado da Clarisa?

Leon aproxima-se de Camila e senta a seu lado, segurando suas mãos e olhando nos olhos da filha.

Leon – Eu quero muito acreditar no que você diz, mas não que eu esteja duvidando de você, e sim, que o que você diz e sem nenhuma prova está muito confuso.

Camila – Eu prometo que uma hora eu te mostro todas as provas que conspiram contra Clarisa, mas por hora, apenas acredite no que eu digo, mesmo que seja difícil de acreditar.

Leon – Tudo bem, eu tentarei levar fé no que você me diz e ficarei à espera das tais provas que você tanto diz ter…

Ele dá um forte abraço em Camila, tentando lhe confortar após pensar estar sozinha naquele momento; Ele levanta-se e caminha até a porta do quarto.

Leon – Fique bem, e saiba que não importa qual for o momento, jamais estarei longe de você…

Ela esboça um tímido sorriso alegre, e em seguida, ele sai do quarto, falando com si mesmo em voz baixa.

Leon (sussurro) – Minha filha…

Ele segue em direção à seu quarto que fica no mesmo corredor, e ao entrar, fecha a porta com uma leve batida.

CENA 4, MANSÃO OLMEDO-DORANTES, SALA DE ESTAR, INTERIOR, NOITE

João conforta Clarisa com um forte abraço, enquanto a jovem está com sua cabeça apoiada no ombro do noivo, em prantos; De repente, Salma entra no cômodo, carregando uma xícara de chá.

Salma – Tome, filha, irá te fazer bem, é de camomila.

Clarisa pega a xícara e dá um gole na bebida, e em seguida, coloca a xícara sob a mesinha em sua frente.

Clarisa (chorando) – Aquela louca conseguiu o que queria, acabar com mais um momento importante para mim, inventado calúnias baixas para tentar me atingir.

João – Até agora eu estou espantado com a Camila, jamais vi ela surtar daquela maneira, falar umas coisas tão aleatórias e sem sentido…

Salma – Eu sempre disse que essa menina queria brincar com os seus sentimentos, arrumou um casamento fogo de palha com o irmão do amante que ela arrumou para quê? Para querer ter você de volta agora que está prestes a se casar?

João – A Camila não significa mais nada para mim, ainda mais depois desse show que ela armou apenas para conseguir atenções.

Clarisa (chorando) – Ela me odeia, é uma verdadeira maluca, não é a primeira vez que ela me ameaça só por causa do João.

Salma – Pois ela pode ficar ciente de que ela não tem mais vez nesta casa, e com isso, ela pode muito bem ir voltar a morar naquela fazenda e deixar a todos nós em paz de uma só vez.

João – Duvido que ela queira sair daqui, afinal, o papai dá muita importância para ela e por isso não aceitaria sair daqui.

Clarisa (chorando) – Para mim tanto faz que ela saia desta casa ou não, mas se ficar, ela pode ficar sabendo que eu não terei medo e revidarei cada bofetada que ela me der, e mais, eu não quero aquela maluca no meu casamento.

João – Tudo bem, como você quiser, meu amor, mas vamos esquecer tudo isso, acho bom a gente ir dormir e esfriar a cabeça, essa não foi uma boa noite para nenhum de nós.

Salma – O João tem razão, e por isso, eu acho que já vou indo.

Salma dá um beijo nos rostos de cada um dos dois, e em seguida, retira-se da sala.

João – Você quer que eu te leve até seu quarto?

Clarisa – Não, eu vou ficar mais um pouco por aqui, em frente à lareira e bebendo meu chá, talvez isso me acalme. Vá indo, amanhã nos falamos.

Clarisa dá um beijos nos lábios de João, que retira-se do cômodo, deixando-a a sós; Ela seca suas lágrimas, e uma expressão diabólica de fúria toma conta de seu rosto.

Clarisa – Maldita infeliz, eu deveria te despachar para o inferno por causa dos seus teatrinhos, mas felizmente ninguém vai acreditar numa só palavra sua. Minha sorte só aumenta, enquanto o seu calvário, só fica mais profundo, desgraçada dos infernos.

Ela dá um gole em seu chá, enquanto sua expressão de ódio cada vez mais aumenta.

CENA 5, AMANHECE UM NOVO DIA

CENA 6, TEATRO, EXTERIOR, DIA

Camila sai do teatro e caminha desatenta pela calçada, enquanto lê suas falas em um roteiro; De repente, ela esbarra novamente em Eduardo, e ao reconhecer o jovem, ela sorri.

Camila – Você de novo? Oi, Eduardo, não é?

Eduardo – Vejo que decorou o meu nome. – risos. – E aí, tudo bem com você, Camila?

Camila – Eu vou levando, mas e você, tudo bem?

Eduardo – Minha vida vai indo na mesma, mas tudo bem… Agora, novamente nos esbarramos aqui em frente ao teatro, uma coincidência e tanto, não é?

Camila – Realmente, chega a ser bem engraçado esses encontros que temos, à base de esbarrões. – risos. – Mas me diga, está à toa, sem nada pra fazer?

Eduardo – Na verdade sim, por quê?

Camila – Bom, topa ir tomar um suco e comer algo? Quem sabe a gente vai conhecendo um pouco mais de nós dois, já que até decoramos nossos nomes. – risos.

Eduardo – É uma boa, topo sim o convite.

Camila sorri, e Eduardo corresponde; Eles caminham rumo a uma lanchonete mais próxima, enquanto começam a conversar.

CENA 7, RUAS, DIA

Ângelo e Rebeca caminham lado a lado pelas calçadas, enquanto conversam.

Ângelo – Sua ideia é uma loucura, Rebeca, como você acha que o Leon vai reagir quando te ver na frente dele?

Rebeca – Me expulsar do escritório dele é que não vai, eu o conheço bem e sei que ele ouviria o que eu tenho à dizer.

Ângelo – Mas você acha que isso não vai por em perigo sua tentativa de aproximação com a Camila? Afinal, ele pode muito bem dizer a todos que você está nesta cidade.

Rebeca – Isso se a Salma já não tiver dito a todos que eu estou de volta, mas de qualquer forma, irei contar com a sorte de que ele não diga nada a minha filha. Mas e você, irá fazer o que agora?

Ângelo – Estou indo atrás da Camila no teatro onde ela trabalha, eu quero tentar me explicar com ela, dizer que tudo o que ela viu ontem entre nós dois não passou de um mal-entendido.

Rebeca – Espero que você consiga, pois não sabe o quanto estou angustiada em achar que minha filha possa não querer voltar a olhar para mim, ainda mais se saber que sou sua mãe.

Ângelo – Fique tranquila, a Camila não será capaz de fazer isso, se tudo for esclarecido, ela irá se aproximar de você, eu garanto. Bom, eu vou indo, boa sorte com o Leon.

Rebeca – E você com a minha filha!

Rebeca se despede de Ângelo com um beijo na bochecha, e em seguida, eles tomam rumos diferentes.

CENA 8, APARTAMENTO DE ERIC, INTERIOR, DIA

Eric está sentado no sofá, fumando um cigarro e tendo em uma das mãos uma garrafa de cerveja; Ele observa Clarisa, que caminha de um lado para o outro com um copo de uísque em mãos.

Clarisa – E no fim, eu acabei fazendo doce, dizendo que não era necessário que aquela idiota saísse daquela casa, mas que claro, eu retribuiria cada tapa que ela me desse. Ah mas você não sabe a vontade que eu tenho de pegar cada roupa dela e jogar daquela sacada…

Eric – Isso é para os fracos, você e eu estamos em outro nível, amorzinho, solucionamos as coisas na base do revólver.

Clarisa – Isso só pioraria as coisas no momento, mas não nego que minha maior vontade é de acertar uma bala no meio da testa daquela idiota!

Eric (fumando) – Mas fazer o que, as únicas medidas cabíveis no momento são de barrar a entrada dessa idiota no seu casamento, e convenhamos, não vai adiantar muita coisa.

Clarisa – Espero que adiante, sim, e digo mais, ainda acho que essa idiota está só blefando, meu tio tentou arrancar algo dela, mas ela disse que no momento não pode provar nada.

Eric – Talvez essa aí esteja sofrendo de sérios problemas mentais, mas se estiver dizendo a verdade, pobre dela caso mencione uma só letra escrita naquela carta.

Clarisa – Ela não teria tanta ousadia, já que se possivelmente ela leu aquela carta, deve saber que posso ser capaz de coisas que façam ela se arrepender amargamente de querer me afrontar.

Eric – Enfim, o melhor que você tem a fazer no momento é tentar evitar que essa intrometida diga algo, caso contrário, você sabe onde fica guardado o revólver, não é?

Eric e Clarisa se encaram com expressões malignas no rosto, demonstrando serem capazes de qualquer coisa para que o segredo que envolve Dimitrio venha à tona.

CENA 9, LANCHONETE, INTERIOR, DIA

Camila e Eduardo estão sentados em uma mesa, bebendo dois copos de suco, enquanto conversam.

Camila – Mas sabe, ultimamente eu tenho passado por tantas coisas que às vezes penso seriamente em me matar, em pegar uma navalha e cortar meus pulsos, já que em vida eu sofro tanto, na morte não faria tanta diferença.

Eduardo – Mas nossa, não diga isso, você tem mais é que erguer a cabeça e enfrentar cada problema, pensar em coisas negativas apenas atrapalham o seu bem estar e dificultam as soluções de seus problemas.

Camila – Sei lá, eu posso parecer durona até, de bem com a vida, mas se tem uma coisa que eu não consigo é pensar positivo. Mas enfim, eu não quero te incomodar com minhas besteiras, já que a gente mal se conhece.

Eduardo – Não, não é incomodo algum, sei que a gente mal se conhece, mas se tenho uma coisa que eu quero é me aproximar de você e ser seu amigo, uma pessoa com quem você possa dividir seus problemas, sabe?

Camila fica receosa e desconfia das intenções de Eduardo, que na verdade, quer ter uma melhor aproximação com a irmã.

Camila – Eu não sei, Edu, não me interprete mal, mas não sei se suas intenções são boas, como te contei, eu acabei de sair de um casamento…/

Eduardo – O quê? – risos. – Não Camila, fique calma, realmente eu só quero amizade com você, acredite, esse tipo de intenção entre nós dois não pode ser possível.

Eduardo pega em uma das mãos de Camila, que fica mexida, e ainda desconfiada das intenções de Eduardo.

Eduardo – O que me diz, podemos ser amigos e confidentes?

No exato momento, Ângelo, que estava à procura de Camila, entra no estabelecimento, e ao ver a esposa tendo sua mão segurada por Eduardo, ele tem uma pequena crise de ciúmes e resolve se aproximar.

Ângelo (irônico) – Mas olha só o que temos aqui, pelo o que vejo, você também não é totalmente santa, não é?

Camila assusta-se ao ser flagrada pelo marido naquela situação, que também lhe deixava incomodada pelo modo que Eduardo segurava uma de suas mãos; Ângelo os encara com uma séria expressão, tomado pelos ciúmes.

CENA 10, OLMEDO-DORANTES ADVOCACIA, ESCRITÓRIO DE LEON, INTERIOR, DIA

Leon e João conversam, sentados de frente um para o outro, sobre a confusão armada por Camila na noite passada.

João – Ainda não consigo encontrar uma explicação que seja plausível de justificar o que a Camila fez ontem, eu poderia dizer que ela estava possuída, aquela não era ela.

Leon – Também não sei exatamente o que tem se passado com a sua prima, desde que você anunciou seu casamento com a Clarisa, ela tem agido de uma forma estranha.

João – É conveniente pra ela, pediu divórcio do casamento dela com o Ângelo, voltou a morar lá em casa, bem quando eu e a Clarisa decidimos nos casar. Se ela não quis meu amor sincero antes, não será agora que ela terá, ainda mais em cima de histórias malucas.

Leon – Mas você acha mesmo que a Camila está fazendo tudo isso por amor? Eu estou tentando acreditar no que ela tem me dito, que a Clarisa foi amante do Dimitrio e coisas mais, mas está muito difícil, sinceramente.

João – Difícil não, é impossível acreditar nessa história da Camila! Ela sim foi amante do Dimitrio, agora a Clarisa eu acho difícil, ela não é de ter muitos compromissos, ainda mais como amante de outros homens.

Leon – Será? A Camila pode não ser santa e estar inventando essas coisas, mas a Clarisa também está longe de ser santa. Eu sempre tive desconfiança em algo a respeito do caráter dela.

João – Ah papai, por favor, até você? Pelo pouco tempo que eu estou tendo uma convivência mais intensa com a Clarisa, posso ver o quanto ela têm sido injustiçada todo esse tempo.

Leon – Por favor digo eu, meu filho, para mim, você está se deixando ser envolvido pela Clarisa, está se tornando uma verdadeira marionete.

Revoltado com a opinião de Leon, João levanta-se de sua cadeira e dirige-se até a porta de saída do escritório.

João – É melhor não voltarmos a falar nisso, essa história da Camila só tem rendido assunto negativo, que só atrapalha tudo. Vou voltar pro meu trabalho, tenho muita coisa à fazer.

João abre a porta do escritório e sai, dando uma leve batida na porta; Leon demonstra-se preocupado com o estado de João, que parece estar envolvido até demais com a noiva.

CENA 11, LANCHONETE, INTERIOR, DIA

Camila continua sem jeito e solta sua mão da de Eduardo, que também acaba ficando sem jeito com toda a situação.

Ângelo – E aí, Camila, não vai me apresentar sua nova amizade? Vejo que vocês sim estão muito íntimos.

Eduardo – Não é nada disso…/

Ângelo (cortando) – Fica na sua, okay? (T) E pelo o que vejo, o seu novo alvo são os garotinhos, não é, Camila?

Camila – Ângelo, você está me ofendendo, não é nada disso o que você está pensando, estamos apenas tendo uma conversa de amigos…

Ângelo (irônico) – E amigos pegam nas mãos um do outro? Me poupe Camila, não queira me fazer de idiota, eu vi vocês numa situação bem amorosa.

Eduardo – Cara eu não quero nada com a Camila, e nem podemos ter nada, somente amizade.

Ângelo – Eu já falei para não se meter, menino, isso aqui é uma discussão de marido e mulher, ou melhor dizendo, ex-marido e ex-mulher, já que ela faz tanta questão do divórcio.

Camila – O que é isso? Uma vingança por conta do que aconteceu ontem? Você é muito infantil, deveria se poupar de um showzinho como esses.

Ângelo – Você também distorceu as coisas de uma forma errada, eu vim te procurar para esclarecer as coisas, mas não vou atrapalhar mais, vejo que a companhia desse garoto está muito melhor. Até outra hora.

Com uma dura expressão no rosto, Ângelo retira-se do estabelecimento, deixando Eduardo numa saia-justa, já que realmente não poderia ter nenhuma relação além da amizade com Camila.

Eduardo – Foi mal, eu juro que não queria causar problemas entre você e o seu marido…

Camila – Não foi nada, relaxa, estamos com um processo de divórcio em andamento, ele não tem que me cobrar nada, mesmo que você queira apenas minha amizade, espero.

Camila levanta-se e pega sua bolsa que está atravessada em sua cadeira; Ela tira de sua carteira algumas cédulas e dá a Eduardo.

Camila – Paga a conta aí, eu preciso ir. Outra hora nos vemos.

Camila despede-se com um pequeno e forçado sorriso para Eduardo, pois ainda estava incomodada com o que havia sido causado; Eduardo preocupa-se, pois acha que foi um obstáculo entre sua irmã e seu marido.

CENA 12, OLMEDO-DORANTES ADVOCACIA, RECEPÇÃO, INTERIOR, DIA

Rebeca adentra o local e observa cada detalhe a seu redor; Ela aproxima-se do balcão, onde está uma das recepcionistas.

Recepcionista – Pois não, como posso ajudá-la?

Rebeca – Moça, eu preciso falar com o Dr. Olmedo-Dorantes, é um assunto de urgência.

Recepcionista – Com qual deles, o senhor Leon ou o enteado dele, o Dr. João?

Rebeca – Com o Leon, por favor, diga que é algo de urgência e que vai interessá-lo, porém, não diga a ele de quem se trata.

Recepcionista – Tudo bem, eu vou ligar para a secretária dele que irá repassar o recado. Enquanto isso, a senhora pode ir até o andar onde fica a sala dele e o escritório da secretária dele, que é o quarto andar.

Rebeca compreende e sorri para a recepcionista, como forma de agradecimento; Ela aproxima-se do elevador, e após a cabine se abrir, ela entra e aperta um dos botões, e novamente, a cabine se fecha.

Corta para:

CENA 13, OLMEDO-DORANTES ADVOCACIA, ESCRITÓRIO DE LEON, INTERIOR, DIA

Leon está ao telefone, recebendo um recado de sua secretária, enquanto demonstra estar confuso com o que é lhe dito.

Leon (telefone) – De urgência e que vai me interessar? […] E não tem identificação de quem é essa senhora? […] Que estranho… Mas okay, diga que eu autorizo a entrada dessa senhora.

Leon desliga seu telefone e o recoloca no gancho; De repente, ouvem-se batidas na porta, e de longe, Leon autoriza a entrada.

Leon (grito) – Entre!

De repente, a porta se abre, e aos poucos, Rebeca entra no escritório; Ao se deparar com o antigo amor do passado, Leon demonstra estar chocado e mexido, pois há anos não via Rebeca. Ela também demonstra estar mexida, porém se contém, mostrando-se firme e decidida.

Rebeca – Olá Leon, como vai?

O silêncio permanece da parte de Leon, que ainda não consegue acreditar que está diante de Rebeca após vinte e seis anos, enquanto ela o encara, tentando conter o nervosismo e o estado alterado em vê-lo. A imagem se congela no rosto de Leon, e aos poucos, a imagem é transformada em uma carta amarelada com as letras do papel borradas.

17 thoughts on “A Desonra – Capítulo 23 (Últimos Capítulos)

  1. Clarisa se safou, uma rainha dessas, mas logo o cerco se fecha novamente. Adorei esse pisão que o destino deu na Camila, ontem julgou o Ângelo e agora se encontrou na mesma situação e também foi interpretada errada. Rebeca indo se encontrar com João, e assim acontece, o desdobramento promete, ansioso pelo reencontro da Rebeca com a Salma.

    Parabéns Willian. 😀

    Curtir

  2. Que raiva! Ninguém acreditou nas verdades de Camila e sim nas mentiras e no teatrinho de Clarisa. Estou doido pra ver Salma e os demais se rastejando e pedindo o perdão da rainha e se eu fosse ela, fazia a difícil. Leon acreditando na filha foi lindo. Mesmo demonstrando ser o tio, o lado paterno dele jamais saiu de seu peito e jamais deixou de ser transmitido pra Camila. Eric só enche a cabeça de Clarisa com tragédias, sofro. O feitiço pode virar contra o feiticeiro, amigo. 😉 Ângelo com ciúmes, rsrsrs, muito lindo esses dois. Ontem Camila sentiu ciúmes de sua mãe com Ângelo. Hoje ele sentiu ciúmes dela com o irmão. Esse casal me faz torcer por eles cada vez mais. Rebeca foi atrás de Leon? SOCORRO! Agora vem mais tiro e bomba. Em shock!

    Parabéns, Willian! 😀 Ótimo capítulo e ansioso hoje!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s