A Flor do Sertão – Capítulo 21 (últimos capítulos)

A Flor do Sertão - Logo

CENA 01: MG/ITAÚNA/CASA DE ANTÔNIO/INT./MANHÃ

Regina e Antônio se olham. A câmera foca nos olhos de Regina. São mostradas várias imagens de inovações tecnológicas que insinuam uma passagem de tempo. Regina envelhece. Se passam 23 anos.

Regina sai do banheiro já vestido e secando os cabelos com uma toalha. Ela anda pelo corredor da casa. A câmera mostra Paula no interior do carto da mãe. Ela está sentada na cama ansiosa. Regina abre a porta de seu quarto e entra. Ela se surpreende com a presença de Paula. Regina olha para a filha, que a encara seriamente. Paula tem fúria nos olhos e Regina está confusa com a atitude da filha.

REGINA: Que isso, Paula? Você aqui no meu quarto e me olhando assim… O que houve, minha filha?

PAULA: O que houve? Eu já descobri tudo de você, dona Regina. Achou que eu não ia descobrir seu passado sujo. Acabou a sua pose de boa senhora!

REGINA: Passado sujo? Não entendi. Do que você tá falando?

PAULA: Eu sei que o Antônio não é meu pai e que eu sou fruto da sua safadeza…

Regina aproxima-se da cama e tenta sentar perto da filha, que se levanta. Regina fica sem entender . Paula a encarado com desprezo.

REGINA: Você me respeite que eu sou sua mãe!

PAULA: E uma pessoa como você merece respeito? Como você teve coragem? Era melhor ter me abandonado quando eu nasci… Pelo menos me pouparia de ser filha de uma vagabunda! Você traiu sua honra, sujou minha reputação, eu tenho vergonha de você!

Tomada pela fúria ao ouvir aquilo, Regina dá um tapa em Paula.

REGINA: Cala essa boca! Você não sabe de nada, sua ingrata! Eu fiz muita coisa por você. Você acha que eu vim pra porque eu quis?

PAULA: Ou porque não teve um homem que te quis. Chega! Ontem eu e a Lucrécia discutimos. Ela me disse que meu pai… O Antônio, te trouxe pra cá. Ela falou que eu sou filha de um homem qualquer e que você me teve por um acidente durante sua safadeza. Eu te odeio!

REGINA: E você prefere acreditar em uma mulher que odeia a mim e a você, do que em sua mãe? Pensa, minha filha.

O silêncio toma conta do quarto.

REGINA: Você já tem idade suficiente para entender… O Antônio não é seu pai! Mas a história não é do jeito que você pensa… Eu vou te contar tudo!

[FLASHBACK] CENA 02: PRACINHA/EXT./MANHÃ – 1993

Surge um cavalo branco correndo, no qual está montada uma mulher de cabelos negros e soltos, que se balançam com o vento.  A mulher se vira para trás, procurando por alguém. Quando ela volta a olhar para frente, é cercada por um homem também a cavalo. O animal sobre o qual ela estava se assusta e a derruba.

BENTO: REGINAAAA!

Bento desce rapidamente do seu cavalo e corre até Regina, que está caída no chão com olhos fechados. O rapaz chega bem perto dela.

BENTO (desesperado): Regina, meu amor, fala comigo! Num faz isso comigo não, meu amor! Regina, acorda!

Bento, desesperado, começa a chorar. De repente, Regina se levanta e ri.

BENTO: Regina?! Eu não acredito. Então era…

REGINA: Duvido tu me pegar agora.

Regina sobe no cavalo e sai andando. Logo, Bento dá um sorriso e vai atrás dela. Um homem olha pra Regina e Bento resmunga.

[FLASHBACK] CENA 03: CASA DE BENTO/SALA DE ESTAR/INT./TARDE

Regina chega na casa de Bento. Ela bate na porta três vezes, mas ninguém atende. Após ouvir algumas risadas, Regina decide entra.

REGINA: Ele deixou o rádio ligado alto por demais. Que bom que vamo nos acertar!

Após andar pelos cômodos da casa, Regina chega ao quarto Bento. Ela se coloca em frente a ele. Do lado de fora era possível ouvir aqueles barulhos. Parecia um casal em seu momento intimo. Regina fica nervosa, sua respiração ofegante mostrava o medo de ver o que estava acontecendo ali dentro.

Regina hesita em abrir a porta, até que ouve um gemido de prazer. Ela respira fundo e coloca mão sobre a maçaneta e a gira lentamente. O close vai para seus olhos assustados com a cena que vê.

Bento e Francisca param de transar e encaram Regina.  Eles se entreolharam. O silencio toma conta do lugar. A decepção de Regina era evidente. Francisca e Bento se enrolam nos lençóis e se levantam.

REGINA: Bento… Eu num acredito!

BENTO: Regina…

Regina vai até Francisca.

REGINA: Como tu foi capaz?

FRANCISCA: Tu que não soube segurar um homem.

Regina dá um tapa no rosto de Francisca.

[FLASHBACK] CENA 04: ÔNIBUS/INT./NOITE

É mostrada a imagem de uma estrada escura com uma forte tempestade. A câmera está bem distante e vai se aproximando aos poucos de um ônibus. A visão privilegiada permite a visualização de várias pessoas no seu interior. Alguns dormem e outros observam a forte chuva que caia. A câmera mostra Regina e sua família. Geraldo, Maria e José estão dormindo. Com uma freada brusca, Maria desperta e estranha Regina estar acordada.

MARIA: O que foi filha? Vai dormir um pouco.

REGINA: Pensando na vida… E tô de olho pra ver se o motorista não vai dormir.

MARIA: Mas ele é profissional.

REGINA: Num confio no ser humano não…

MARIA: Boa noite, filha!

REGINA: Boa noite. Te amo!

Regina continua observando o motorista. Enquanto, dirige ele começa a fechar os olhos e tem rápidos cochilos. Regina percebe e se levanta para ir alertá-lo. O ônibus segue andando em alta velocidade, sem direção. Regina chega à cabine do motorista e consegue acordá-lo. Imediatamente, o motorista retoma a direção. Uma luminosidade toma a conta do ônibus. Um caminhão começa a buzinar, querendo passar na frente do ônibus. O caminhão invade a pista contrária e faz fila dupla com o ônibus. Outro caminhão segue na curva.  O motorista do primeiro caminhão não percebe a aproximação do veículo e continua correndo. Desafiado, o motorista do ônibus tenta chegar à curva primeiro. Os dois veículos chega à curva e se deparam com o segundo caminhão. O primeiro caminhão tenta desviar e joga o ônibus ribanceira abaixo. O veículo cai em um córrego e é arrastado pela correnteza devido a forte tempestade.

NARRAÇÃO DE REGINA: Há 23 anos, eu vivi no sertão piauiense com minha família. Eu era muito feliz. Naquela época eu namorava um rapaz chamado Bento. Ele era muito ciumento, mas eu o amava. A gente pensava em casar, mas ele e o destino estragaram tudo. No vilarejo que eu morava tinha um coronel muito poderoso. Nós não nos dávamos bem, mas depois ficamos próximos. Foi aí que ele foi um mostro e tentou. Felizmente, eu consegui fugir e a partir daí, resolvi me acertar com o Bento. Nós tínhamos brigado no dia anterior. Eu fui até a casa dele. Tive a maior decepção da minha vida… O Bento estava na cama com a minha irmã Francisca. Meu mundo desabou! O destino fez com que eu e minha família fossemos para a capital, mas… Um grave acidente destruiu nosso sonho. O ônibus caiu em um rio e eu nunca os encontrei.

[FLASHBACK] CENA 05: MANSÃO DOS ALMEIDA/SALA DE ESTAR/INT./MANHÃ – 1993

A cena se clareia.

REGINA: Aí eu vim parar aqui…

HERMÍNIA: Ai, eu mereço! Ficar escutando uma historinha de quinta… Só não é pior que as novelas do Benedito, cruzes!

As duas continuam conversando. Ricardo chega em casa.

RICARDO: Mãe, cheguei. Já levei meu carro pra mecânica…

Ricardo vai até a sala de estar e se depara com Regina. Os dois trocam olhares. Parece que acaba de nascer um novo sentimento no coração de Regina. Hermínia continua falando, mas ela não presta atenção.

[FLASHBACK] CENA 06: MANSÃO DOS ALMEIDA/COZINHA/INT./NOITE

Ricardo vai até a cozinha e fica admirando Regina.

REGINA: O senhor quer que eu prepare um lanche?

RICARDO: Não. Eu quero outra coisa…

Ricardo se aproxima de Regina e acaricia seu rosto.

RICARDO: Desde que te vi, já me apaixonei… Você é linda!

REGINA: Desculpa. O senhor é o meu patrão.

Ricardo surpreende Regina e lhe tasca um beijo.

NARRAÇÃO DE REGINA: Em Teresina, eu conseguiu um emprego em uma casa bem chique. Lá eu conheci o seu pai Ricardo, filho da minha patroa. Na primeira vez que o vi, fiquei mexida, mas sabia que ela era o patrão e eu apenas uma empregada. Nós nos beijamos e eu pensei que ele me amava… Um dia ouvi uma conversa dele com a mãe e descobri que ele me beijou por causa de uma aposta e que tinha uma namorada. Tive uma nova decepção amorosa, mas não tinha me envolvido tanto como com o Bento. Um dia eu encontrei o coronel do vilarejo. Ele me sequestrou e o carro bateu. Nesse acidente o coronel morreu, mas eu sai ilesa. Nesse mesmo dia, eu conheci o Antônio. Muitas coisas aconteceram depois disso. Até que um dia, seu pai me dopou e me levou pra cama. Ele me confessou isso no dia seguinte. Eu dei a notícia da gravidez, mas ele não quis te assumir e conseguiu me expulsar da casa com uma armação de que eu roubei uma joia da mãe dele. Sozinha, eu reencontrei o Antônio. Ele me ofereceu ajuda, e eu inocente, aceitei.

CENA 07: MG/ITAÚNA/CASA DE ANTÔNIO/INT./MANHÃ

A câmera volta a mostrar a imagem do quarto. Regina está sentada na cama, emocionada ao lembrar do passado. Paula está em pé, chocada com tudo que ouviu.

REGINA: O Antônio estava disposto a me ajudar a te criar. Ele disse que era solteiro e com o tempo, a gente poderia construir uma relação de amor e carinho. Quando eu cheguei aqui, tudo era diferente. Ele era separado, tinha três filhos… Era um alcoólatra e me traia.

PAULA: Então, por que você ficou com ele?

REGINA: Eu não tinha a que recorrer. Como eu ia voltar pro Piauí? Os primeiros meses foram um inferno. Os filhos dele fizeram de tudo para me expulsar daqui. Eu quase te perdi porque passei mal, mas a Suzana não me ajudou. Eu tive o seu irmão e o ódio dos três aumentou ainda mais…

PAULA: Você só veio pra cá por minha causa… Eu sou um peso! Meu pai não me quis e eu só trouxe desgraça para você. Eu nem devia ter nascido!

Paula pega sua bolsa e sai correndo, arrasada. Regina tenta alcança-la, mas não consegue.

REGINA: Paula, minha filha, volta aqui!

Regina entra para o quarto. Ao fundo, a câmera mostra uma porta sendo aberta. Lucrécia sai do quarto.

LUCRÉCIA: Então a sonsa caiu na minha conversa… Vou acabar com você, sua desgraçada!

Lucrécia vai atrás de Paula.

CENA 08: MG/ITAÚNA/CASA DE ANTÔNIO/SALA/INT./MANHÃ

A câmera mostra Rodolfo na sala de estar. Ele está impaciente, andando de um lado para o outro.

RODOLFO: Eu não vou beber. Não vou!

Vários flashes atormentam Rodolfo. Ele vai até um pequeno armário na cozinha e volta com uma garrafa de pinga na mão;

RODOLFO: É só um pouquinho pra aliviar…

Rodolfo dá vários goles da bebiba. Instantes depois, a câmera o mostra dormindo no sofá. Luciana entra em cena e se depara com o marido naquela situação. Decepcionada, ela se aproxima.

LUCIANA: Rodolfo. Rodolfo! – dando alguns tapas no rosto dele– Acorda, homem. Você tá fedendo pinga. Não acredito que bebeu de novo…

Luciana busca um copo de água e joga no rosto de Rodolfo, que acorda.

RODOLFO: Que diabos aconteceu, mulher?

LUCIANA: Você bebeu de novo, seu safado.

RODOLFO: Ah, me deixa em paz.

LUCIANA: Não deixo não. Eu não aguento mais esse seu vício. Chega!

RODOLFO: Se você não calar a boca, eu vou te dar outra surra, Vai lavar vasilha!

Luciana sai de cena e Rodolfo volta a dormir.

CENA 09: MG/ITAÚNA/CASA DE SÔNIA/QUARTO/INT./MANHÃ

A câmera mostra o interior de uma casa simples. O foco vai para um quarto. A imagem está embaçada e vai se clareando aos poucos. Sônia está segurando um aparelho celular. Ela está aparentemente irritada.

SÔNIA: Esse advogado é um incompetente! Um péssimo desses…

Sônia continua tentando fazer uma ligação.

SÔNIA: Desisto. Ainda tenho que lidar com gentinha de quinta… Sofro!

Sônia desliga o telefone e se senta no sofá. A câmera mostra seu olhar pensativo.

SÔNIA: Tô vendo que eu vou ter que dar meu jeito de roubar a casa do Antônio. O Hélio não serve pra nada mesmo.

Sônia se levanta e vai até uma gaveta. Ela a abre e pega uma caixa. A câmera mostra Sônia segurando uma foto.

SÔNIA: Ah, Antônio… Eu até te amei, juro. Você me deu muito prazer com o Tonhão. Tive até esses filhos inúteis… Só que você resolveu me trair e me trocou pela nordestina sem sal. Nem com a negação dos meus filhos e meus planos infalíveis, a desgraçada foi embora. Mas gora eu vou acabar com os dois! Eu juro.

Sônia vai até a sala de estar e liga o notebook. Ela começa a mexer no aparelho com um olhar determinado.

CENA 10: MG/ITAÚNA/COLÉGIO/SALA DE AULA/INT./MANHÃ

No pátio do colégio, todos os alunos estão reunidos, atentos ao novo diretor, que dá um discurso e se apresenta aos alunos pelo microfone.

DIRETOR: Eu sou o novo diretor do colégio. Hoje começa um novo ciclo pra história dessa instituição. Espero que seja um final ano de sucesso para todos.

Os alunos aplaudem o diretor. Em seguida, todos os alunos e professores se procuram as salas de aula. Em uma das turmas do 1° ano, Jorge entra. Em seguida, entra Maria e os demais alunos.  Jorge fica olhando fixamente para Maria e decide ir até ela.

JORGE: Olá! Bom dia, Maria. Você está muito linda hoje.

Maria o olha com desprezo.

MARIA: Disso eu já sei, queridinho!

JORGE: Você quer tomar um sorvete mais tarde?

MARIA: Eu sair com você? Se poupe né…

Maria vai até a frente da turma e chama a atenção de todos.

MARIA: Olha gente, o nerdizinho me chamou pra sair. Um iludido, coitado.

Todos da sala riem de Jorge.

CENA 11: MG/ITAÚNA/MOTEL/QUARTO/INT./MANHÃ

A câmera mostra um casal na cama. Eles transando estão debaixo do lençol. É possível ouvir alguns gemidos e ver o casal se mexendo. Eles param de praticar tal ato. A câmera foco no rosto dos dois, que se desenrolam do lençol. É Antônio e Nazaré.

NAZARÉ: Nossa! Desse jeito você me mata, meu gostoso! Que transa! Cheguei ao meu ápice…

ANTÔNIO: Que bom que aproveitou, porque essa é a última vez que nos vemos…

NAZARÉ: Como assim, meu amor? Vou não pode me deixar.

ANTÔNIO: Eu tenho família. Fiquei pensando em tudo que eu já fiz e a Regina não merece isso. Quero ser um marido melhor. Essa foi nossa última manhã juntos.

Antônio veste sua calça e coloca um tênis. Ele olha para Nazaré e se despede.

ANTÔNIO: Adeus!

Nazaré que estava deitada, se enrola no lençol e se levanta.

NAZARÉ: Não me abandona não. Fica comigo, fica.

Nazaré deixa o lençol cair e fica completamente nua.

ANTÔNIO: ACABOU!

Antônio sai, deixando Nazaré aos plantos.

NAZARÉ: Você não vai me deixar. Eu vou ter você só pra mim!

CENA 12: MG/ITAÚNA/MORRO DO ROSÁRIO/EXT./MANHÃ

A câmera mostra um táxi estacionado em frente ao Morro do Rosário. Do seu interior, Paula desce. Ela está desanimada. A garota começa a subir o morro. Ao fundo, é possível ver Lucrécia a seguindo.

Corte rápido. Paula está no topo do morro. Ela está a uma altura de aproximadamente 300m. A garota está pensativa e triste.

PAULA: Eu sou um peso pra minha mãe. Meu pai não me quis… Eu não mereço viver.

Paula se aproxima de um barraco. Ela chora.

PAULA: Quem sou eu? Eu não mereço viver… Não mereço!

Paula tenta tomar coragem para se jogar daquela altura. Lucrécia vai se aproximando aos poucos.

LUCRÉCIA (baixinho): Que situação perfeita! Você não tá com coragem pra se jogar? Pode deixar que eu te mato com o maior prazer.

Lucrécia posiciona suas duas mãos para frente e se aproxima de Paula que está de costas.

Continua…

44 thoughts on “A Flor do Sertão – Capítulo 21 (últimos capítulos)

  1. Lucrécia, Sônia e Nazaré três cobrinhas! Uma pergunta Ari, o Antônio vai melhorar mesmo ou vai ter outro par romântico pra nossa rainha? Curiosa… agora, parabéns Ari❤

    Curtir

  2. A única cena que me incomodou foi a da apresentação da Sônia. Soou meio forçada.

    A cena 10 ficou meio mal formatada. O cabeçalho diz que a cena se passa dentro de uma sala de aula, mas o próprio roteiro contraria dizendo que a cena se passa no pátio do colégio. Na verdade, ali estão duas cenas: uma que se passa no pátio do colégio, que vai até a metade do terceiro parágrafo; e a partir daí, começa uma segunda cena.

    No mais, gostei do que vi.

    #MomentoDivulgaçã1: https://audienciadatvmix.wordpress.com/2016/08/29/mundos-opostos-capitulo-21/

    Curtido por 2 pessoas

  3. Paula se você quer se matar se mata logo e a apresentação da Sônia foi um lixo tô só dizendo a verdade a cena 10 tá toda mal feita porque diz que a cena tá se passando na sala de aula diretamente depois diz que tá no pátio e depois volta pra sala e tem muitos erros na escritura do texto Ari tenta corrigir isso!Glória tá seguindo com a carreira de pior atriz do mundo primeiro foi em Babilônia agora quer estragar uma web que foi um luxo na 1° fase e agora essa piranha quer estragar a segunda!

    Curtido por 1 pessoa

    • O destino da Paula será revelado hoje. Peço um pouco de educação, por favor. Se tiver achado ruim, diga RUIM. Agora falar LIXO é falta de respeito. Sinto muito pelo ocorrido. Que eu saiba (e olha que eu escrevi), a cena se passa no pátio e depois vai para sala. Ocorreu apenas um erro de digitação no cabeçalho, normal. Errar é humano! Infelizmente, eu tenho apenas 15 anos (isso não é desculpa) e não sou capaz de criar uma personagem a nível de televisão, como o senhor queria, sinto muito. A escalação de elenco é apenas uma simulação e você não deveria julgar um personagem por causa de um cena. Ainda tem alguns capítulos para ver seu desenvolvimento. E não pretendo estragar a segunda fase da minha web, cordialmente.

      Boa noite e passar bem.Obrigado pela participação.

      Curtir

  4. Pensei que Paula se tornaria uma pessoa chata após dizer aquelas coisas pra Regina, mas não, ela se culpou por tudo que aconteceu na vida da mãe. Agora a moça esta próximo a cometer um suicídio e próxima de ser assassinada, caso o suicídio não vem. A bebedeira de Rodolfo já deixou claro que esse homem não é flor que se cheire. Pode ser a primeira impressão, vamos ver. Sônia chegou mostrando a cobra que tem dentro de si, morro. Mais uma pedra no sapato de Regina assim como Nazaré. Parabéns, amigo! 😀 Adorei os flashes e essa nova fase.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s