Troia (2ª Temporada) – Episódio 06

Troia

TROIA
AUTOR – Felipe Borges
Episódio 2×06 – A Peste

Troia

CENA 1/CASTELO/CORREDOR/INT./NOITE

Dois soldados passavam pelo corredor.

SOLDADO 1 — O exército aqueu não está de brincadeira, hoje trouxeram mais escravos.

SOLDADO 2 — Me disseram que Criseida, filha do sacerdote Criseis está entre esses escravos.

Criseis que entrava no corredor, escuta tudo.

CRISEIS (ASSUSTADO) — Minha filha? Escrava dos espartanos?

Criseis se desespera e começa a chorar, assustando os soldados. Ele então se ajoelha e olha para cima.

CRISEIS (CHORANDO) — Poderosos deuses, salvem minha filha, minha única filha!

Antes que os soldados fossem até ele, Helena e Páirs chegam.

PÁRIS — O que aconteceu, Criseis?

HELENA — Estávamos indo para o nosso quarto agora e nos assustamos com o choro.

Criseis se levanta, ainda chorando.

CRISEIS (CHORANDO) — Criseida, minha filha, foi sequestrada, está sendo usada como escrava pelos aqueus.

Páris e Helena trocam olhares.

PÁRIS — Farei o possível para resgatá-la, mas controle-se.

HELENA — Vou pedir que preparem um chá para ajudar a acalmar.

CRISEIS — Muito obrigado!

CENA 2/CASTELO/QUARTO DE CREUSA E ENEIAS/INT./NOITE

Eneias entra e vê o quarto completamente destruído, com Creusa deitada no chão, chorando.

CREUSA (SECA) — Deixe-me em paz!

Eneias senta-se ao lado da esposa e a abraça.

ENEIAS — Creusa, você pode mudar, eu acredito em você.

CREUSA — Minha vida se transformou em um mar de catástrofes intermináveis.

ENEIAS — Eu estou do seu lado, você precisa ser forte, Ascânio precisa de nós dois.

Creusa sorri.

CREUSA — Meu único filho, por toda a eternidade, já que agora sou uma mulher com o ventre seco.

ENEIAS — Seja forte, nosso filho precisa de uma mãe de verdade e não de uma louca que quebra tudo o que vê por simples inveja.

Creusa suspira e deita com a cabeça nos braços de Eneias.

ENEIAS — Eu estou do seu lado, pode contar comigo!

Esparta

CENA 3/CASTELO/JARDIM/EXT./DIA

Hermíone caminhava sozinha pelo grande jardim.

HERMÍONE (P/ SI) — Não sei se aguento tudo o que está para vir sozinha…

Ela olha para o céu.

HERMÍONE (P/ SI) — Estou quase sozinha neste castelo escuro.

Ela senta-se sob uma árvore.

HERMÍONE (P/ SI) — Primeiro minha mãe, depois meu pai e meus tios, depois Clitemnestra e por último minha avó.

Ela começa a chorar e deita no chão.

HERMÍONE (P/ SI) — Mãe, eu preciso de você, volta logo! Que  o meu pai consiga trazê-la.

Ela continua chorando silenciosamente.

Ftia

CENA 4/CASTELO/JARDIM/EXT./DIA

Tétis e o velho Peleu, reis de Ftia, tomavam o típico café da manhã sob uma tenda no jardim, mas não estavam sozinhos e sim acompanhados de Deidamia.

TÉTIS — Sinto tanta saudade de Aquiles, já fazem dez anos que não o vejo.

PELEU — Faz muito tempo…

Deidamia sorri.

DEIDAMIA — Realmente faz muito tempo. Pelo menos ele me deixou grávida, toda vez que olho para Neoptólemo e como se estivesse vendo o poderoso Aquiles ali.

PELEU — O garoto é mesmo uma cópia do pai.

Deidamia sorri.

TÉTIS — É uma pena que ele tenha ficado em Licomedes.

DEIDAMIA — Meu pai fez questão, dizendo que Esquiro estava mais segura que as estradas.

PELEU — Ele tem toda a razão.

DEIDAMIA — E sobre Aquiles, você tem alguma notícia?

TÉTIS — Dizem que ele é um dos destaques da guerra, apenas isso.

PELEU — Muita pouca coisa chega até aqui, pelo mesmo medo que seu pai tem, em tempos de guerra as estradas não são seguras.

DEIDAMIA — Ao menos sabemos que ele está bem.

TÉTIS — Exato.

Eles continuam conversando.

Troia

CENA 5/CASTELO/SALA DO TRONO/INT./DIA

Príamo estava sentado em seu trono, Hécuba ao seu lado, em pé. Páris entra.

PRÍAMO — Meu filho, pode confessar, depois que pisamos no castelo, não sentimos uma gota de vontade de voltar para aquele campo de batalha.

Páris sorri.

HÉCUBA — Você não parece confortável, Páris. O que está acontecendo?

PÁRIS — Um assunto muito sério está me trazendo até aqui.

PRÍAMO — Diga…

PÁRIS — Criseis está desesperado, Criseida está sendo feita de escrava pelos homens de Menelau.

HÉCUBA — Criseida não é a filha de Criseis?

PÁRIS — Exato, minha mãe. Ele está desesperado e pediu minha ajuda.

PRÍAMO — Eu permito a ida de vocês até o campo de batalha, talvez Menelau a entregue. Vida de escrava, no meio de tantos guerreiros, não é fácil.

CENA 6/CAMPO DE BATALHA/ZONA ESPARTANA/EXT./DIA

Criseida e Briseida caminhavam pelo lado de fora das tendas espartanas.

CRISEIDA — Agamenon não é nem um pouco simpático, não sabe as humilhações que ele me fez passar.

BRISEIDA — Não diga isso tão alto, somos apenas escravas.

CRISEIDA — Espero que logo meu pai saiba e venha me buscar, não vou aguentar tudo isso por muito tempo.

BRISEIDA — Diferente de Agamenon, Aquiles é um homem de verdade. Não me quis para fins sexuais, mas sim como companhia. Estou sendo uma serva para Aquiles, apenas isso. E convenhamos, cuidar de uma tenda não é tão difícil.

CRISEIDA — Que isso tudo acabe rápido, odeio guerras, ainda mais tão longas!

Micenas

CENA 7/CASTELO/SALA DO TRONO/INT./DIA

Clitemnestra se deliciava com o melhor vinho do castelo. Electra então entra, com uma bandeja repleta de frutas nas mãos.

ELECTRA — Aqui está as frutas que a senhora pediu.

Electra entrega a bandeja para Clitemnestra, que ri.

CLITEMNESTRA — Você é uma péssima criada, sabia?

Clitemnestra joga as frutas na filha e volta a rir.

CLITEMNESTRA (RINDO) — Não sei como ainda não lhe matei, seu verme.

ELECTRA — O que eu fiz de errado, mãe?

CLITEMNESTRA — Não sou sua mãe, sou rainha de Micenas! Exijo respeito! Agora sobre seu erro, não quero mais frutas, quero pães, perdi a vontade de comer frutas.

Electra recolhe asa frutas que haviam caído no chão, coloca-as na bandeja e sai silenciosamente.

Troia

CENA 8/ACAMPAMENTO TROIANO/TENDA DE HEITOR/INT./DIA

Páris e Criseis já haviam chegado fazia um tempo e agora conversavam com Heitor.

HEITOR — Então Criseida foi capturada pelas tropas de Menelau e vocês querem conversar com ele na esperança de salvá-la?

CRISEIS — Exato, alteza!

PÁRIS — Heitor, nos dê a permissão para conversar com Agamenon, ele é o responsável pelos escravos.

HEITOR — Nosso pai já sabe disso?

PÁRIS — Não só sabe como aprovou.

CRISEIS — Eu lhe peço, futuro soberano, minha filha não merece este fim!

Heitor suspira.

HEITOR — Eu permito, converse com os soldados que irão acompanhá-los Páris.

PÁRIS — Conversarei.

Criseis agradece com uma reverência e sai junto de Páris.

CENA 9/CASTELO/JARDIM/EXT./DIA

Helena estava no jardim com Cassandra, quando Hécuba chega.

HELENA — Não sabem como estou preocupada com Páris, queria a companhia dele até a guerra chegar a um fim.

Hécuba ri.

HÉCUBA — Não seja tão falsa. A guerra acontece apenas por sua culpa!

CASSANDRA — Mãe, não vamos inicar uma discussão, o momento já é tenso o suficiente.

HÉCUBA — Estou apenas dizendo a verdade.

HELENA — Com licença, não quero discutir.

Helena começa a andar e a se afastar da rainha, que a segura pelo braço.

HÉCUBA — Nunca saia sem a minha permissão, meretriz!

Helena consegue soltar-se das mãos da rainha e volta a andar.

HÉCUBA — Viu, ela não respeita a própria soberana.

CASSANDRA — Mãe, chega desse teatro.

HÉCUBA — Ela é rainha em Esparta, mas aqui ela é apenas uma adúltera da pior espécie! Capaz de criar uma guerra!

Hécuba sai furiosa do jardim e Cassandra respira fundo.

CENA 10/ACAMPAMENTO AQUEU/TENDA DE AGAMENON/INT./DIA

Criseida se vestia, enquanto Agamenon estava deitado nu sobre um monte de pele de animais, sua cama.

AGAMENON — Mais tarde quero que trabalhe melhor, não me satisfez como deveria.

CRISEIDA — Sim, senhor…

Então entram Castor e Polux, irmãos de Helena e Clitemnestra.

CASTOR — Senhor Agamenon, temos uma notícia de última hora!

Agamenon se levanta e começa a se vestir.

AGAMENON — Digam!

POLUX — Criseis, o pai de sua escrava está aqui e quer falar com você.

CRISEIDA (FELIZ) — Meu pai?!

Ela sai correndo da tenda.

AGAMENON — A audácia dos troianos me surpreende mais a cada dia!

Ele pega sua bainha com a espada e sai, acompanhado dos príncipes espartanos.

CENA 11/ACAMPAMENTO AQUEU/EXT./DIA

Criseida sorri esperançosa ao ver seu pai ao lado de Páris e de alguns soldados.

CRISEIDA (CHORANDO) — Pai!

Criseis olha para a filha e sorri e ver que ela corria em sua direção.

CRISEIS — Então é mesmo verdade!

Os dois se encontram e se abraçam em seguida, um abraço demorado.

CRISEIS (EMOCIONADO) — Eu vou tirá-la daqui, os deuses estão ao nosso lado!

Eles continuam abraçados, enquanto choravam de alegria.

CENA 12/ACAMPAMENTO AQUEU/TENDA DE AQUILES/INT./DIA

Briseida vê Aquiles sentado no chão e vai até ele.

BRISEIDA — Pensando na vida?

AQUILES — Pensando em tudo que deixei para lutar aqui.

Briseida senta-se ao lado dele.

BRISEIDA — Pátroclo me disse que você tem uma mulher, a princesa de Esquiro.

Aquiles ri.

AQUILES — Sim, a bela Deidamia. Sinto tanta falta dela.

BRISEIDA — Também me disseram, que você, fugindo na guerra, se escondeu fantasiado de mulher na corte de Licomedes e assim conheceu Deidamia.

AQUILES — Minha história é tão famosa, me sinto tão importante.

Ambos riem.

BRISEIDA — Espero que logo você volte para ela.

AQUILES — Espero o mesmo, também sinto saudades de meus pais.

BRISEIDA — Meus pais foram mortos quando invadiram a vila onde eu morava. De minha família só restou eu.

AQUILES — Imagino como deve ser difícil…

Briseida sorri.

BRISEIDA — Posso ter perdido meus pais, mas ganhei um grande amigo.

AQUILES — Quem?

BRISEIDA — Você!

Os dois se abraçam, felizes.

CENA 13/ACAMPAMENTO AQUEU/EXT./DIA

Agamenon chega, acompanhado de Castor e Polux. Criseis e Criseida então separam-se.

AGAMENON — Que momento comovente…

CRISEIDA — Eu lhe peço, senhor…

AGAMENON (GRITANDO) — Quieta! Aqui você é apenas uma escrava!

Criseis entra na frente da filha.

CRISEIS — Não permito que fale assim com minha filha. Estou aqui para termos uma conversa civilizada!

Agamenon começa a rir e Páris se aproxima de Criseis.

AGAMENON — Já sei o que vocês querem, mas já digo, Criseida continua aqui!

PÁRIS — Pense bem, Agamenon!

AGAMENON — Já pensei, caro Páris.

Criseis se desespera, começando a chorar.

CRISEIS (CHORANDO) — Por favor, entregue minha filha. É a única coisa que lhe peço!

Agamenon se diverete, assim como Castor e Polux e começam a rir. Criseis então se ajoelha, levanta as mãos e começa a olhar para o céu.

CRISEIS (CHORANDO) — Poderoso Apolo, meu senhor, salve minha filha, ela não merece este triste fim!

Olimpo

CENA 14/CASTELO DE APOLO/SALA DO TRONO/INT./DIA

Apolo, que atirava flechas com seu arco dourado contra um alvo de ouro começa a escutar a voz de Criseis.

APOLO (P/ SI) — Parece a voz de meu sacerdote troiano.

Neste instante um vento toma conta do local e ali aparece Afrodite, sorridente.

AFRODITE — Não vai ajudar seu servo mais fiel, Apolo?

APOLO — Eu não dei muita atenção para o pedido dele…

AFRODITE — Acontece que a filha do sacerodte foi feita de escrava pelas tropas espartanas, que se recusam a devolvê-la, ele não sabe mais o que fazer. Conta apenas com sua ajuda.

Apolo faz o arco e a aljava de flechas desaparecerem.

APOLO — Como você disse, ele é um mortal fiel, também serei fiel com ele. Os aqueus sentirão meu poder!

Ambos sorriem.

Troia

CENA 15/ACAMPAMENTO AQUEU/EXT./DIA

AGAMENON — Vamos acabar com essa palhaçada?

Agamenon puxa Criseida para perto dele, Criseis levanta rapidamente, mas quando iria avançar sobre Agamenon, Páris o segura.

PÁRIS — Criseis, se controle!

CRISEIDA (CHORANDO) — Por favor, quero meu pai. Não mereço ser feita de escrava!

Agamenon enpurra Criseida, a jogando no chão.

CRISEIS (GRITANDO) — Maldito!

Antes que a discussão continuasse, um forte vento toma conta do local, fazendo muita terra e poeira levantar do chão. O vento logo para e os troianos se assustam ao ver todos os aqueus repletos de feridas na pele, Criseida também não possuía nenhuma ferida.

AGAMENON (ASSUSTADO) — O que está acontecendo?

O pavor toma conta dos guerreiros espartanos.

CRISEIS — Entregue minha filha, o deus Apolo está do meu lado!

AGAMENON (FURIOSO) — Criseida nunca mais voltará a vê-los!

Agamenon começa a arrastar Criseida, sendo protegido por guerreios aqueus.

CRISEIS (GRITANDO) — Eu voltarei para te levar minha filha!

Passagem de Tempo

Alguns dias

CENA 16/FÓRUM OLIMPIANO/INT./DIA

Os deuses se reuniam novamente em uma ampla discussão sobre a guerra de Troia, por conta da interferência de Apolo com a praga sobre os aqueus.

ATENA — Você foi imaturo, desrespeitou uma lei ao se envolver apoiando publicamente um dos lados da guerra.

APOLO — Eu sou independente, tenho o direito de me manifestar!

HERA — Você é muito ousado, isso sim!

AFRODITE — Deixem Apolo em paz, ele fez o que qualquer um de vocês teria feito, apenas ajudou um fiel.

HERA — Cale-se, Afrodite!

ZEUS (GRITANDO) — Basta, à partir de agora a segurança ficará mais rígida, não aguento mais tante discussão, estamos discutando a dias e ainda não chegamos um resultado que traga paz para o Olimpo.

ATENA — O que você propõe?

ZEUS — Eu vigiarei a guerra pessoalmente, nenhum deus vai se aproximar de Troia sem que eu veja, nenhum deus sequer pensará em interferir. Não quero uma guerra entre deuses!

Troia

CENA 17/CASTELO/QUARTO DE HEITOR E ANDRÔMACA/INT./DIA

Andrômaca segurava o filho nos braços, deitada sobre a cama. Heitor então entra e corre sorridente até esposa e filho. Ele havia acabdo de chegar do acampamento troiano, portanto ainda vestia sua armadura.

HEITOR (EMOCIONADO) — Então esse é o nosso filho?

ANDRÔMACA — Sim, amor!

Os dois se beijam.

HEITOR (EMOCIONADO) — Você foi capaz de realizar meu maior sonho, sempre sonhei em ser pai!

ANDRÔMACA — Mesmo com todos os golpes de sua irmã…

HEITOR — Esqueça Creusa, será que eu posso pegá-lo?

ANDRÔMACA — Claro!

Andrômaca entrega o bebê para Heitor.

ANDRÔMACA — Fico feliz que tenha conseguido um tempo durante a guerra.

HEITOR — A peste que atinge os aqueus os impede de lutar, então consegui um pequeno tempo de folga. Ele ainda não tem nome?

ANDRÔMACA — Queria que você estivesse junto, para que ajudasse a escolher o nome!

Heitor levanta o bebê.

HEITOR — Ótimo! Ele se chamará… Astíanax

ANDRÔMACA (SORRINDO) — Que nome belo!

Os dois novamente se beijam, apaixonados!

CENA 18/ACAMPAMENTO AQUEU/TENDA DE MENELAU/INT./DIA

Menelau, com a pele coberta de feridas, estava sentado em seu trono, enquanto dois servos jogavam um pouco de água sobre o rei. Os servos também possuíam o corpo coberto por feridas.

MENELAU — Joguem mais água, a coceira só piora! Onde está Agamenon, ele está atrasado!

Agamenon entra, envolvido por um fino lençol branco, por conta das muitas feridas.

MENELAU (GRITANDO) — Eu exijo, Agamenon! Liberte Criseida. A guerra está sendo atrasada, muitos estão morrendo dentro de suas tendas!

AGAMENON — Eu não vou liberá-la…/

MENELAU (GRITANDO) — É uma ordem, se você não a libertar por bem eu a libertarei e você sofrerá severas consequências!

Agamenon suspira.

AGAMENON — Busquem por Criseis, irei libertar Criseida!

Esparta

CENA 19/CASTELO/JARDIM/EXT./DIA

Clitemnestra chega no jardim, acompanhada por algumas servas. Penélope, que estava sentada sob uma tenda, se levanta.

CLITEMNESTRA — Finalmente cheguei, não aguentava mais ficar na estrada.

PENÉLOPE — Você não deveria ter vindo, Clitemnestra.

CLITEMNESTRA (SECA) — Rainha Clitemnestra, não sou sua amiga para tamanha liberdade.

PENÉLOPE — Você realmente mudou muito. Olha suas roupas, você parece uma sombra, toda vestida de preto. Você não trasmite sentimento algum pelas expressões faciais.

CLITEMNESTRA — Enquanto está aqui se preocupando comigo, Odisseu deve estar transando com uma prostituta troiana.

PENÉLOPE — Não fale de Odisseu, sua assassina!

CLITEMNETSRA (GRITANDO) — Eu ordeno respeito! Agora que já fui recebida vou para meus aposentos!

Clitemnestra entra no castelo, acompanhada de suas servas, enquanto Penélope grita de raiva.

Troia

CENA 20/ACAMPAMENTO AQUEU/EXT./DIA

Agamenon estava do lado de fora de sua tenda, acompanhado de Criseida, a única daquela acampamento sem nenhuma ferida.

AGAMENON (SECO) — Seu pai conseguiu, Criseida.

CRISEIDA — Sempre tive certeza que vocês me entregariam. Era apenas uma questão de tempo!

Criseis então chega, acompanado de alguns soldados.

CRISEIS — O que quer, Agamenon?

AGAMENON — Leve sua filha, leve Criseida.

Criseida corre até os braços do pai e o abraça , chorando.

CRISEIDA (CHORANDO) — Não sabe como senti falta de seu abraço!

CRISEIS — Também esperei muito por este dia!

Um vento forte toma conta do acampamento e após a poeira abaixar, as feridas que haviam no corpo dos aqueus desaparecem. Criseis e Criseida então vão embora, enquanto os aqueus comemoram.

CENA 21/CASTELO/JARDIM/EXT./NOITE

O céu estava completamente estralado, a Lua Cheia iluminava tudo. Helena chega no jardim, chorando, e senta-se sob uma árvore.

HELENA (P/ SI – CHORANDO) — Não sei se aguento mais, todos aqui me odeiam…

Ela enxuga uma lágrima que descia pelo rosto.

HELENA (P/ SI – CHORANDO) — Quero minha vida de volta, meu castelo, minha família, minha filha…

Helena fica silenciosa por alguns minutos.

HELENA (P/ SI – CHORANDO) — Que os deuses cuidem de ti, Hermíone. É  a única coisa que posso fazer agora!

Ela deita na grama e continua chorando.

CENA 22/ACAMPAMENTO AQUEU/TENDA REAL/INT./NOITE

Menelau havia se reunido com Odisseu, Agamenon e Aquiles, os melhores guerreiros, para discutir os próximos passos na guerra.

MENELAU — Agora que a praga cessou podemos voltar ao campo de batalha.

AQUILES — Não vejo a hora, quando mais rápido voltarmos, mais cedo a guerra acabará.

ODISSEU — Também quero que a guerra acabe logo, quero voltar para Penélope o mais rápido possível.

AGAMENON — Eu quero apenas uma coisa, uma nova escrava!

Menelau se surpreende.

MENELAU — Não traremos mais escravos, não quero outra praga!

AGAMENON — A escrava que quero já está aqui, não traremos ninguém novo!

MENELAU — Diga então de quem se trata

AGAMENON — Eu quero Briseida, a escrava de Aquiles.

Todos se surpreendem, principalmente Aquiles.

CENA 23/CASTELO/CORREDOR/INT./NOITE

Andrômaca passava pelo corredor, brincando com o filho nos braços. Creusa ouve e sai de seu quarto.

CREUSA — Chegou a hora de verdades serem ditas!

Ela começa a seguir Andrômaca que cantava uma música infantil para o filho e sorria ao ver o filho se divertindo com a música. Creusa segura a rival.

ANDRÔMACA — Me solta, sua víbora!

CREUSA — Você não sabe do que eu sou capaz, mas pode ficar tranquila, irei mostrar agora!

As duas ficam se encarando.

CENA 24/ACAMPAMENTO AQUEU/TENDA REAL/INT./NOITE

AQUILES (GRITANDO) — Eu não lhe entregarei Briseida!

AGAMENON — Eu sou o seu superior, deve me obedecer Aquiles!

ODISSEU — Calma rapazes!

AQUILES — Não vou ficar calmo, ela não é apenas uma escrava é minha amiga.

AGAMENON — Eu a quero, quero poder tocar aquele corpo, poder beijar, poder usá-la como usava Criseida.

AQUILES — Eu não a entregarei para sofrer em suas mãos, nunca! Rei Menelau, acabe com isto!

MENELAU — Não vou me envolver numa briga por escravas, tenho coisas mais importantes para pensar, aliás todos temos. Estamos no meio de uma guerra.

Aquiles respira fundo.

AQUILES — Fique com Briseida, não terei força para enfrentá-lo, mas também não terão mais minha força durante as batalhas. Eu não luto mais em seu exército, Menelau!

A câmera foca em Aquiles, furioso.

26 thoughts on “Troia (2ª Temporada) – Episódio 06

  1. Apolo interferiu na guerra de Esparta e Troia, jogando uma praga contra os guerreiros aqueus a fim de ajudar Criseis a resgatar Criseida. Claro, Zeus condenou a interferência de Apolo, pois ele exigiu que os deuses declarassem sua neutralidade neste conflito humano, a fim de que a guerra não se estenda ao meio divino. Claramente, uma guerra entre deuses causaria o fim do mundo.

    Enfim, os esforços de Apolo valeram a pena e Criseis conseguiu o que queria. Mas Agamenon, como mau perdedor, exigiu que Briseida fosse tirada de Aquiles e fosse feita a sua escrava. Aquiles tentou impedir, mas claramente seus esforços foram inúteis. E, em represália à perda da amiga, ele anunciou seu desligamento da guerra. Será que agora ele conseguirá preservar Briseida?

    Creusa ainda nutre aquela raiva da Andrômaca. E agora, pelo que eu entendi, ela tentará destilar seu veneno para acabar com a felicidade da rival. Será que ela conseguirá?

    #MomentoDivulgaçã1: https://audienciadatvmix.wordpress.com/2016/09/10/diva-episodio-05/

    Curtir

    • Realmente, se a guerra se estendesse para o lado divino o fim do mundo estaria decretado.
      Acho difícil ele salvar Briseida, afinal Agamenon é muito mais influente e poderoso que ele.
      Isso mesmo, Creusa fará de tudo para acabar com a felicidade de Andrômaca.

      Obrigado pela participação!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Com a ajuda de Apolo, Crseis conseguiu salvar Criseida
    Odeio esse Agamenon, quero que a Clitmnestra mate ele
    Parabéns!

    Curtir

  3. Creusa, Hécuba e Clitemnestra, estão roubando os holofotes para si. Três mulheres com personalidades fortes que a cada episódio nos surpreendem com seus atos. Apolo conseguiu libertar a filha de Criseis, que por sinal fez um reencontro lindo. Esta na cara que Aquiles tem algum tipo de sentimento por Briseida, mas será que ele vai se entregar a isso? Com ele fora do exército de Menelau, isso pode significar o início de uma baita reviravolta? Aguardemos. Parabéns, Felipe! 😀

    Curtir

    • Realmente, as três são destaques em meio a tantos personagens. Posso garantir que o sentimento que existe entre Aquiles e Briseida é a amizade. A saída de Aquiles provocará uma grande reviravolta no próximo episódio.
      Obrigado, Fred!

      Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s