Coração de Mentiras – Capítulo 17 (Antepenúltimo Capítulo)

Coração de Mentiras 2

CENA 1: IGREJA/INT./TARDE

Continuação Imediata do capítulo anterior

THELMA (Chocada): Isso… Isso é verdade, Flávio? Você é o culpado pelo meu sofrimento, pela minha dor por ter perdido a pessoa que eu mais amava nessa vida?

RODRIGO (Nervoso): Infeliz! Desgraçado! Eu vou te matar, moleque!

Enfurecido, Rodrigo vai até Flávio e soca seu rosto. Outros policiais afastam o homem.

RODRIGO (Nervoso): Eu vou te matar, seu infeliz, ouviu? Você destruiu a minha vida, destruiu os meus planos. –Tenta se soltar mas é impedido– Me soltem! Eu vou matar esse assassino com minhas próprias mãos! Me soltem!

THELMA (Chorando): Calma, pai!

Thelma se aproxima de Flávio e começa a bater em seu peito.

THELMA (Chorando): Por que você mentiu? Por que fez essa crueldade comigo, Flávio? Você não tinha esse direito… Não tinha.

FLÁVIO (Chorando): Me desculpe, Thelma, mas eu não sabia que o destino seria tão cruel com nós dois. Aquela não era a minha intensão.

RODRIGO (Nervoso): Depois de destruir a vida de uma inocente, é fácil dizer que tudo era um engano, que não tinha nenhuma intensão de ferir. Nunca pensei que um dia iria reencontrar o bandido que tirou a vida da mulher que eu amava. Irei te destruir seu marginal, infeliz, filho da puta! Você vai conhecer o diabo em pessoa, Flávio. Ei de quebrar a sua cara.

Rodrigo se solta e avança em cima de Flávio desferindo vários socos e chutes. Os policiais novamente o segura e o afastam de Flávio que é levado para a viatura policial. Thelma se aproxima do pai e o abraça.

THELMA (Chorando): A Justiça vai ser feita e ele vai pagar pela morte da mamãe.

Rodrigo se apoia em Thelma e começa a chorar. Na viatura, Flávio chora através do vidro do porta malas.

FLÁVIO (Chorando): Me desculpe, Thelma.

A viatura parte e o Delegado se aproxima de Rodrigo e Thelma.

DELEGADO: O culpado será encaminhado a noite para o presídio da capital. Lamento pelo ocorrido com a sua família. Tenho que ir, tentam ter uma boa tarde.

O Delegado se retira da Igreja em direção a sua outra viatura. Enquanto isso, Rodrigo e Thelma se afastam.

RODRIGO (Chorando): Nunca pensei que o culpado pela morte de Antônia iria aparecer. Aquele dia foi tudo tão corrido que nem pude ajudar a minha mulher.

THELMA: Vamos pensar positivo, pensar que a morte dela será vingada e que o Flávio vai pagar por isso.

MARIA: Se aproximando– Me perdoem, mas esse foi o único momento que encontrei para dizer a policia e colocar meu irmão atrás das grades. Também fiquei surpresa e em estado de choque quando descobri que aquele jovem, não era quem eu imaginava que era. Que vergonha, meu Deus, que vergonha.

Chorando, Thelma abraça Maria. Rodrigo se senta em um banco e sofre em silêncio.

CENA 2: CASA DE VICTÓRIO/SALA/TARDE

Victório destranca a porta e entra no local. Ele olha ao redor da casa e pensa em Maria.

VICTÓRIO (P/si): É, nossa história de amor se resume nesse lugar. Você confiou em mim como quase ninguém confiou e agora nossa história parece que aos poucos foi se apagando, Maria. –Pausa– Quer saber? Vou ir atrás de você e falar tudo o que sinto.

Victório se vira para se retirar da casa, mas ao olhar para a parede, observa uma sombra de alguém que estava atrás dele. O homem se vira e se depara com o Padre José.

VICTÓRIO: Padre? O que o senhor faz aqui?

PADRE JOSÉ: Olá, Victório, eu já estava de saída. Fiquei aqui por causa que estava me escondendo da sua ex esposa.

VICTÓRIO: O que a Regiane fez com o senhor?

PADRE JOSÉ: Nada que possa ser útil no momento, apenas lhe peço sigilo total, okay? –Victório concorda com a cabeça– Ah, minha sobrinha Maria que me trouxe aqui. Fiquei sabendo que entre vocês dois ouve um caso, ou ouvi errado?

VICTÓRIO: Ouve sim, pois nós dois eramos um apaixonado pelo outro. Claro, se eu soubesse desde o início que a Maria era sua sobrinha, jamais iria pedir para que fizesse aquilo que fazia na rua.

PADRE JOSÉ: Então você é o responsável por levar minha sobrinha até esse caminho, Victório?

VICTÓRIO: Não, padre, é que…

PADRE JOSÉ: Esquece. Pra mim pouco importa já que eu e Maria já fizemos as pazes, e por você eu jamais sentiria uma magoa ou um desprezo por causa disso. Enfim, tenho que ir, filho, o trabalho me chama.

O Padre se encaminha até a porta e a abre.

VICTÓRIO: A benção, padre?

PADRE JOSÉ: Só isso que eu sirvo pra você? Pra dar a benção e ouvir seus pecados?

VICTÓRIO: Não entendi o que o senhor quis dizer com isso. Se explique.

PADRE JOSÉ: -Risos- Deus lhe abençoe, Victório.

O padre sai da casa carregando uma sacola. Victório o olha sem entender as palavras do padre.

VICTÓRIO: Então tá. Bom, vou espera-lo se afastar da casa para poder sair também. Aproveitando que estou aqui, irei tomar uma chuveirada como despedida desse lugar.

Victório se vira e se encaminha para o banheiro.

CENA 3: CASA DE VICTÓRIO/BANHEIRO/TARDE

Com a água do chuveiro caindo e escorrendo em seu corpo nu, Victório se banha. Ele alisa todas as partes do corpo retirando o excesso do sabonete que ficavam espalhados por ele. O homem pensa em Maria, mas logo vem a imagem do padre em sua mente. O homem se assusta.

VICTÓRIO: Eu hein.

O foco vai para a porta do banheiro onde alguém espia pela brecha ali deixada. Descobrimos que quem espiava era nada mais nada menos que o padre José.

PADRE JOSÉ (Sussurrando): Que homem, meu Deus! Valeu muito a pena ter voltado, senhor.

Ele morde os lábios e cautelosamente se retira da casa.

CENA 4: CADEIA/CELA/TARDE

Segurado por diversos policiais, Heitor, apenas de bermuda que o deram, é encaminhado algemado para uma das celas que estava lotada de detentos. Ao entrar, o jovem se aborrece por causa dos homens que o olhava.

HEITOR: O que foi? Perderam alguma coisa aqui?

DETENTO: Ou, ou, ou… Não vem querer bancar o durão aqui não entendeu, filhinho de papai e mamãe? Pensa que é assim, cacete? Eu hein. –Olha para a barriga do jovem– Hum… Você tem um tanquinho legal.

Todos da cela sorriem.

HEITOR (Nervoso): Oh viadinho, eu não pertenço a sua raça imunda não, okay? Não sou viado!

DETENTO: E quem aqui falou que você é viado? Vem achando que aqui o tratamento é diferente só porque você tem dinheiro que não é não. Todos os novatos tem que obedecer e ouvir o que os donos dessa merda diz, escutou?

HEITOR: -Risos– Veja só… Que imundo! Saibam que tenho que ter tratamento especial aqui sim. Diferente de vocês eu sou a vítima disso tudo. Uma desgraçada armou pra mim.

DETENTO: E ainda acusa uma mulher pelos seus atos. –Risos– É um frouxo mesmo. –Se aproximando– Vou te deixar ciente de uma coisa, valeu? O aviso é: Abaixa as asinhas, porque se não…

HEITOR (Desafiando): Se não o que, mariquinha?

No momento, Heitor é surpreendido com um forte soco do homem e cai no chão. O detento desfere vários chutes na barriga do jovem que agoniza de dor. Um policial aparece e retira Heitor daquela cela desacordado. Um alvoroço vindo das celas daquele corredor acontece. Heitor sai dali carregado e desacordado.

CENA 5: CADEIA/SALA DE VISITAS/TARDE

Flávio entra algemado na sala e se surpreende com o Padre José sentado ali em sua frente. O policial fecha a porta e deixa os dois sentados.

FLÁVIO: O que é que você quer, hein? Veio me humilhar igual aos outros? Saiba que já estou me sentindo um lixo então pode se poupar.

PADRE JOSÉ: Não vim te humilhar, e sim ver a que caminho você decidiu escolher.

FLÁVIO: Falou certo, eu decidi escolher.

PADRE JOSÉ: Cala a boca e não me interrompa! Além de ir por esse caminho infeliz, usou o nome de Deus como se fosse um brinquedo. Utilizou o nosso pai para tentar destruir sua irmã. Uma atitude lamentável essa.

FLÁVIO: Fingi ser um fiel pra acabar com ela sim! Eu queria fazer todos enxergar que a Maria também errava caso descobrissem o que eu fiz um dia. Mostrar a você que assim como eu, ela também possuía um caráter baixo desprezível.

PADRE JOSÉ: Mas dessa forma, Flávio? Dessa forma, filho?

FLÁVIO: Foi a única maneira que encontrei para fazê-los acreditar em mim e não naquela prostituta. Agora vejo que foi uma perda de tempo pois eu estou aqui nessa merda. O único errado dessa história sou eu.

PADRE JOSÉ: A Maria fez aquilo por amor. Amor a um homem que ela sonha em construir uma família.

FLÁVIO: Eu não roubei, matei por amor, mas porque necessitava. Depois da morte de meus pais ninguém me dava algum tipo de atenção. A única forma que vi que seria alguém, foi nesse mundo do crime. Vou ser sincero, tio, eu não me arrependo de nada que fiz. Nada!

O padre se levanta friamente e se encaminha até a porta de saída. Antes de se retirar, ele se vira para o sobrinho.

PADRE JOSÉ: Que seja feita a justiça divina.

O padre se retira deixando Flávio sozinho naquela sala.

CENA 6: IGREJA/FUNDO/SALA/TARDE

Deitada no colo de Miguel, Thelma ainda está mal pelo que descobriu a tarde e conversa com ele.

MIGUEL: Então aquele marginal estava se escondendo… Ele pensou que aqui ninguém iria encontra-lo, mas acabou sendo pego.

THELMA: Sim, agora esse assassino vai pagar pelo que fez com a minha mãe. Espero que Deus o castigue e o coloque anos pagando pelo mal que causou a mim e ao meu pai.

MIGUEL: A justiça será feita, meu amor, a morte de sua mãe vai ser vingada, acredite.

Thelma se senta e olha para Miguel. Ele sorri pra ela.

MIGUEL: Bom, marquei com o padre Rafael  e ele quem vai nos casar na semana que vem.

THELMA: Semana que vem, Miguel? Não ficou em cima da hora?

MIGUEL: Claro que não, meu amor. Quero está ao seu lado o mais rápido possível para podermos nos amar e viver felizes.

THELMA: Mas e as coisas? Como vão ser planejadas assim depressa? Temos que comprar tudo.

MIGUEL: Eu e meu pai, nós alugamos algumas coisas e compramos as alianças nessa manhã. A maioria das coisas já estão prontas só falta o seu vestido e meu paletó.

THELMA: Calma! Seu pai? Não entendi.

MIGUEL: Sim, Thelma, meu pai não morreu. Ele está vivo, meu amor, vivo. Pode ser difícil de acreditar, mas essa é a verdade. Estou muito feliz com isso, amor. Os dias estão voltando a clarear pra mim. –Risos.

THELMA: Ai, Miguel… –O abraça– É mesmo difícil de acreditar, mas me conte como foi que ele se salvou disso tudo.

A conversa vai ficando abafada e o foco vai para a próxima cena.

CENA 7

ANOITECE EM FÊNIX NEGRA

CENA 8: RODOVIÁRIA/ÔNIBUS/NOITE

Dentro do ônibus, o Padre está sentado ao lado da janela olhando a parte externa através do vidro.

PADRE JOSÉ: Quando eu voltar se prepare, Regiane, vou acabar com você e ainda ei de tira-la o homem que sempre amei. Ninguém vai me impedir de acabar com sua raça e destruir a sua vida.

O sacerdote retira de seu bolso um colar com um pingente de coração. Ele beija o objeto e o coloca de volta ao bolso. O ônibus parte em direção a capital.

CENA 9: IGREJA/EXT./NOITE

A cidade estava sendo clareada pela lua cheia que se posicionava no centro do céu, e pelas luzes dos postes do local. Maria caminha pela praça e vai em direção a frente da igreja. Sua mente é tomada pelos momentos com Victório.

Trilha Sonora: Hello- Adele

MARIA: E pelo jeito nossa história não vai ter um ponto final. Você escolheu um outro rumo e acho que isso foi o que nos separou. Nosso amor era algo tão lindo e ao mesmo tempo tão diferente, mas… –Uma lágrima escorre em seu rosto– eu gostava.

A moça se encaminha para dentro da igreja marejado em lágrimas.

CENA 10: MANSÃO DOS VASCONCELLOS/JARDIM/NOITE

Um carro estaciona naquele chão gramado e de dentro sai Regiane.

REGIANE: E comprovei que aquele maldito foi parar atrás das grades. Eu sou uma diva nessa vida.

Regiane caminha pelo jardim e se surpreende com suas peças de roupas sendo jogada do alto de seu quarto por Victório.

REGIANE: O que significa isso? O que esse louco está fazendo com minhas roupas?

Revoltada, Regiane se encaminha para dentro de sua mansão e sobe para seu quarto.

CENA 11: MANSÃO DOS VASCONCELLOS/QUARTO DE REGIANE/NOITE

No momento em que Victório iria jogar mais umas peças de roupa até o andar de baixo da Mansão, Regiane aparece e o impede que faça tal ato.

REGIANE: Você está ficando louco, Victório? O que pensa que está fazendo com minhas roupas?

VICTÓRIO: O que deveria ter feito desde quando apareci aqui, jogando fora. Aproveitando esse momento, pegue sua mala e comece a arruma-la com as roupas que estão no jardim porque aqui nessa mansão você não vive mais.

Victório se encaminha para o corredor do andar. Regiane o segue.

Corte para: Corredor do andar

REGIANE: Não irei sair dessa mansão nem morta! Tudo o que lhe pertence é meu também por direito. Afinal, fomos casados não é mesmo?

VICTÓRIO: Mas em nenhum momento o casamento foi com divisão de bens. –Risos– Logo você não pode desfrutar de nada que tem meu nome.

REGIANE (Nervosa): Você não pode fazer isso comigo, Victório. Nós nos amamos.

VICTÓRIO: Amávamos, ou seja, passado, não amo mais. Agora –Olha seu relógio de pulso– Você tem exatos dez minutos para sair daqui que nem uma cachorra vira lata. Se você não sair, serei obrigado a chamar a polícia.

Se encaminha para a escada quando Regiane o segura pelo braço.

REGIANE: Então vou levar o meu filho comigo caso eu vá embora.

VICTÓRIO: Até parece que o Miguel vai querer ir com você sendo que o pai dele está aqui para protege-lo. Ainda mais após descobrir que a mãe dele é uma piranha!

Imediatamente, Regiane desfere uma forte bofetada no rosto de Victório.

REGIANE: Não me ofenda, seu otário. Sim, otário pois passou anos e anos achando que o filho que eu estava esperando seria de um frouxo que nem você. –Risos Irônicos- Um homem broxante jamais seria pai do Miguel. Jamais!

VICTÓRIO (Nervoso): O que você falou, vadia? O Miguel é sim meu filho!

REGIANE: Não, querido, quando me casei com você ele já estava na minha barriga. Agora entende o motivo por eu ter insistido para o nosso casamento acontecer o mais rápido possível?

VICTÓRIO (Nervoso): Não pode ser! Mentirosa!

Victório segura Regiane pelo braço.

REGIANE: Me solta!

Para se soltar de Victório, Regiane empurra o homem com uma força que o faz tropeçar em um degrau e cair rolando até abaixo da escadaria. A mulher olha espantada aquele momento quando Miguel entra na mansão e fica pasmo com a cena que presencia.

Foco em Victório desacordado no chão. Foco no rosto pasmo de Miguel. Foco no rosto espantado de Regiane.

FIM DO DÉCIMO SÉTIMO CAPÍTULO

Anúncios

24 thoughts on “Coração de Mentiras – Capítulo 17 (Antepenúltimo Capítulo)

  1. Fred, voltei a perder o capítulo de ontem e agora estou sem tempo para me atualizar. Espero conseguir ficar em dia até o último capítulo…
    Parabéns pela excelente trama!

    Curtido por 1 pessoa

  2. MIGUEL: Bom, marquei com o padre Rafael e ele quem vai nos casar na semana que vem.” – Quem é padre Rafael?

    Victório tem o tio e a sobrinha loucos por ele. Até então, estava claro que o Victório optaria pela Maria, mas agora ele começa a se sentir balançado pelo padre José. Me pareceu uma forçação de barra essa cena, mas ok…

    Heitor vai sofrer na cadeia, só acho.

    Será que agora a Regiane conseguiu se livrar do Victório? Bom, se ele cair dessa vez, ele arrasta a Regiane junto.

    Curtir

  3. Morri com a indecência do padre, algo me diz que essa paixão que o padre sentia pelo Victório não seria correspondida
    Padre José jura vingança contra Regiane, mas o destaque do capítulo foi Regiane jogando Victório da escada e Miguel chegando vendo tudo
    Parabéns, Fred!

    P.S: A web vai terminar mesmo numa quinta, ficando com 19 capítulos?

    Curtir

  4. Parabéns Fred muito bom!
    Regiane vai se ferrar se o Victório morrer, ainda acredito que não tenha ocorrido o incesto. Heitor vai sofrer na cadeia. Flávio é um psicopata.
    Padre finalmente viu o cegonho kkk, cada dia fica melhor. Esperando o final desses personagens.

    Curtir

  5. Mas gente, José querendo ou não, é muito hipócrita, ficou espiando o Victório tomar banho, grito.

    Flávio e Heitor conhecendo o fundo do poço, parece que vão se estrepar na cadeia, adoro.

    Regine empurrando Victório da escada, revelando que ele não é pai do Miguel. Pena que ela não disse que Rodrigo é o pai. Mas nessa altura do campeonato, acho que Victório morre, dessa vez, pra valer. E será que Miguel escutou a discussão também?

    Parabéns Fred. ❤

    Curtir

  6. Oi, amigo. Saudades! ❤

    Bem, estava muito ocupado esses dias e não pude prestigiar sua trama. Quero te parabenizar, pois tenho certeza que é um lacre. Espero conseguir ler a trama toda um dia.

    Parabéns pelo sucesso! 🙂

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s