BOMBA: filho de Pablo Escobar detona série “Narcos” e lista os erros da produção da Netflix!

p11993086_b_h10_ab

Wagner Moura é o protagonista da série renomada.

Se você já terminou de assistir à 2ª temporada de “Narcos”, deve ter se perguntado ao longo de vários episódios: “Isso aconteceu de verdade?“. Filho de Pablo Escobar, Sebastian Marroquin (antes conhecido como Juan Pablo Escobar) dá a sua versão de alguns acontecimentos narrados na série.

O escritor fez um post no Facebook com o título de “Narcos 2 e suas 28 Quimeras“, no qual diverge de vários episódios contados na série protagonizada pelo brasileiro Wagner Moura.

Sebastian Marroquin, hoje com 39 anos, já escreveu um livro sobre o pai, no qual dá a sua versão dos fatos. Apesar de reconhecê-lo como um criminoso, defende Escobar incondicionalmente e diverge até mesmo de informações oficiais da polícia colombiana. Ele, por exemplo, defende a tese de que o narcotraficante teria cometido suicídio.

Um homem bom

Carlos Henao, cunhado de Pablo Escobar, retorna na 2ª temporada depois de uma temporada em Miami para renovar os negócios. Na série, ele é assassinado pelo grupo Los Pepes em mais uma tentativa falha de capturar Escobar.

Segundo o filho de Escobar, Carlos não era um traficante de drogas e nunca morou em Miami. Ele era um arquiteto que ajudou a construir algumas casas, estradas e pontes da Fazenda Nápoles, uma das várias mansões de Escobar. “Meu tio era um bom homem, que nunca se envolveu em atividades ilegais“, relata. Ele nunca foi preso na Colômbia ou em outro país por nenhum crime e era um vendedor de Bíblias. De acordo com Marroquín, o tio foi capturado pelos Pepes, torturado, morto e exposto publicamente, como mostrado com tantos outros cadáveres na série.

Time errado

Segundo o filho de Escobar, o narcotraficante não torcia para o Atlético Nacional, e sim para o Deportivo Independiente Medellín. “Se os roteiristas não sabem o time favorito de Pablo, como eles ousam contar o resto de uma história desse jeito e vender como a verdade?”, questiona.

La Quica

O destino de um dos sicários mais fiéis de Pablo Escobar também é alvo de críticas de Sebastian. O escritor diz que La Quica foi preso em Nova York cerca de um ano antes da fuga de Pablo da Catedral. Ele foi condenado por falsidade ideológica e por plantar a bomba no avião da Avianca, que matou mais de 100 pessoas, como apareceu na primeira temporada do seriado. De acordo com Marroquín, o responsável pela bomba foi Carlos Castaño, a mando de Escobar.

Fuga

A fuga de Pablo da sua prisão particular – a Catedral – não foi tão grande e impactante quanto mostrado na série, afirma Sebastian. “Não houve nenhum tipo de confronto e apenas um guarda da prisão morreu“, diz. Ele completa que seu pai não teve nenhuma ajuda da lei para escapar. A fuga já havia sido planejada muito antes, quando, durante a construção da prisão, Pablo pediu para que fossem deixados alguns tijolos mais frouxos na parede.

Atiradora

Segundo Sebastian, sua mãe, Maria Victoria, nunca comprou ou usou uma arma. Ela nunca atirou em nada também.

Los Pepes

Não foi a CIA que propôs que os irmãos Castaño criassem o grupo Los Pepes, afirma Sebastian Marroquin. A decisão teria partido de Fidel Castaño, junto com o cartel de Cali e as autoridades locais e estrangeiras, que fizeram vista grossa para os vários crimes e pessoas desaparecidas.

Coronel Carrillo

Sebastian Marroquin também afirma que Pablo Escobar nunca matou nenhum coronel “Carrillo”, como é chamado o principal Chefe do Grupo de Busca em “Narcos”. O papel do ator Mauricio Compte, na verdade, é ficcional e inspirado no coronel Hugo Martinez, que foi dividido em dois personagens diferentes. Após a morte de Carrillo, o incorruptível Hugo Martinez é apresentado como seu substituto à frente das buscas por Escobar.

Luxo? Longe disso!

Diferente do que é mostrado em “Narcos”, onde Pablo e sua família escapam de uma mansão para outra, a vida real era um pouco menos luxuosa – pelo menos, é o que diz o filho do narcotraficante. Segundo Sebastian, a família se escondia em cortiços, não em mansões.

Os carteis colombianos

Sebastian também questiona a informação de que Medellín controlava o tráfico em Miami e Cali, em Nova York. Segundo ele, o consumo da droga era tão grande que faltavam narcotraficantes e sobrava

Moncada e Galeano

Se “Narcos” mostra um Pablo Escobar impulsivo e sem arrependimentos, Sebastian diz o contrário, principalmente quando se trata da morte de dois de seus sicários, Moncada e Galeano. Os dois foram sequestrados pelo cartel de Cali e, para que saíssem de lá vivos, prometeram entregar Pablo e seus homens. Gravações telefônicas provam o acordo. Apesar disso, o filho garante que Pablo perdoou Moncada no último minuto, mas já era tarde demais. Para o filho, “este foi um dos crimes que determinou a caída e o fim de meu pai“.

Leon

A história de Leon, como contada na série, é uma mentira, afirma Marroquin. Segundo ele, o traficante não morava nos EUA e “era um homem absolutamente fiel e corajoso a serviço do meu pai. Ele morreu depois de ser sequestrado e torturado pelos irmãos Castaño em Medellín”.

O médico sanguinário

Uma das famílias que aparece na 2ª temporada é a dos irmãos Prisco. Nela, Ricardo era um médico que utilizava das suas habilidades para matar e torturar quem fosse preciso.

Na vida real, os Priscos foram trocados, diz Marroquin. Ricardo era um narcotraficante, mas morreu muito tempo antes da época em que ele é retratado, e tinha um irmão médico que, segundo Sebastian, “era um homem bom” e nunca se relacionou com o narcotráfico.

Ataque que não aconteceu

A família de Gilberto Rodriguez, um dos narcotraficantes do cartel de Cali, é atacada durante o casamento de sua filha em um dos episódios da nova temporada. Na vida real, isso nunca aconteceu, garante o escritor, que defende Escobar. “Meu pai jamais atacou sua filha, nem a nenhum membro de sua família. O trato era não tocar nas famílias. Meu pai o cumpriu. Acredito que eles não, no dia em que puseram a bomba no edifício Monaco, em 1988, onde vivíamos com minha irmã e minha mãe“.

Avó traidora

Na série, a mãe de Pablo protege seu filho de todos os jeitos possíveis e continua ao seu lado até o último momento, mas a versão de seu neto é diferente. Sebastian relata que sua avó paterna traiu seu pai ao se aliar com o irmão de Pablo, Roberto, negociando com Los Pepes, colaborando tão ativamente que conseguiram permanecer na Colômbia depois da morte de Escobar. A avó também não viajou para a Alemanha com a família do narcotraficante, como mostrado na série.

Feitos de reféns

Segundo Sebastian, a Procuradoria da Colômbia não queria ajudar tanto assim sua família. De Greiff também não era tão “bondoso” quanto na série. Seu escritório estava infiltrado pelo cartel de Cali, assim como a proteção oferecida por seus próprios agentes. “Estávamos em condição de reféns, sequestrados pelo nosso próprio país, acusados de delito de parentesco. Éramos dois menores de idade e duas mulheres presos em um pequeno quarto de hotel“, relembra.

Amante x esposa

Outra informação que Sebastian contesta é a de sua mãe teria contatado Virginia Vallejo, a ex-amante de Escobar, quando estava sob custódia. Nessa época, fazia quase uma década que Pablo não tinha contato com Virginia, que também era amante de um dos chefes do cartel de Cali ao mesmo tempo. Na série, o nome da jornalista foi trocado: Valéria Velez.

“Telefone é morte”

Pablo Escobar nunca mandou nenhum tipo de telefone para sua família quando ela estava no Hotel Tequendama; eles usavam o próprio telefone do hotel, diz o escritor. Sebastian relata que desligava toda vez que o pai ligava para protegê-lo, mas Pablo acabou sendo imprudente e ficou mais tempo na linha do que poderia, sabendo que seria rastreado. Ele dizia para o filho que “o telefone é a morte”.

Sebastian diz que na última ligação para sua família, Escobar pediu para falar com a esposa e com a filha, se identificou para a operadora de telefone com nome e sobrenome e conversou o máximo que pode, com a clara intenção de ser pego.

Suicídio

Para Sebastian, Escobar não foi assassinado, ele se suicidou. “Meu pai se suicidou tal como me disse dezenas de vezes que faria, por isso não me surpreendeu que o tiro que lhe tirou a vida veio de sua própria mão e arma, a dois milímetros de distância de onde sempre me jurou que atiraria. Não foi a polícia“, afirma.

Pós-morte

Depois da morte de Escobar, sua esposa foi chamada para uma reunião com o Cartel de Cali, com mais de 40 mafiosos da Colômbia. Eles pegaram a casa que era herança da família e a dividiram entre eles, como parte dos despojos de guerra. Sebastian diz que Maria Helena, mais conhecida como Tata, não foi assassinada porque Miguel Rodríguez-Orejuela, e não Gilberto, pouparam sua vida.

Fonte: Letícia Drewanz / Vix Brasil.

Anúncios

4 thoughts on “BOMBA: filho de Pablo Escobar detona série “Narcos” e lista os erros da produção da Netflix!

  1. Mas qualquer obra inspirada em fatos ou personagens reais, tem tramas fictícias criadas. Não assisto essa série, talvez o filho do Pablo tenha se sentido ofendido com a história modificada em alguns aspectos. Mas acho normal ter coisas fictícias paralelas a história real na qual a série se baseia. Mas alguns erros podiam ter sido evitados, verdade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s