O Amor é um Jogo – Capítulo 13

o-amor-e-um-jogo-classificacao

CENA 1, SHOPPING, BANHEIRO, FEMININO, INTERIOR, DIA

Karen geme e grita de dor ao ver o sangramento escorrer por sua perna; Cláudia se desespera, sem saber o que fazer para ajudar Karen.

Cláudia (gritando) – O que a gente faz? O que a gente faz? Ai Meu Deus!

Karen (gritando) – Me leva para um médico, rápido, me leva antes que possa acontecer algo com o meu filho!

Cláudia (desesperada) – Tá, tá! Me dá as chaves do seu carro, eu te levo!

Rapidamente, Karen retira as chaves de seu carro do bolso e entrega a Cláudia, que as segura em uma mão, e com a outra mão, ela apoia Karen em seu ombro, que saem do banheiro.

Corta para:

CENA 2, SHOPPING, PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO, INTERIOR, DIA

Bastante agitadas, Cláudia e Karen caminham pela a praça de alimentação, enquanto uma grande quantidade de sangue escorre por sua perna; Victória se assusta com o que vê e se aproxima das duas.

Victória – Meu Deus! O que tá acontecendo?

Cláudia – Não sei, a gente tava conversando no banheiro, e ai do nada, a Karen começou a gemer e a sangrar. Eu vou levar ela para o médico.

Victória – Meu Deus, eu vou com vocês.

Karen (chorando) – Não precisa. Pegue um taxi e leve essas compras com você, depois eu te dou notícias. Cláudia, vamos rápido por favor!

Victória – Quer que eu chame o Miguel pra qualquer coisa?

Karen (gritando) – Não fala não ao Miguel, pelo o amor de Deus! Cláudia, vamos logo.

Cláudia – Tá, vamos logo. Tchau Vicky.

Victória – Tchau…

Cláudia e Karen andam apressadas pelo o lugar, enquanto várias pessoas as observam, comentando o fato de Karen estar sangrando; Victória fica apreensiva e preocupada com o estado de Karen.

CENA 3, HOSPITAL, CORREDOR, DIA

Giovana continua congelada de medo de Helena, ao ser flagrada saindo do consultório de Rafaela.

Helena – Me responda Giovana, o que estava fazendo no consultório da Doutora Rafaela.

Giovana – Bom mãe… É que eu estava me sentindo mal, e ai resolvi me consultar com ela… Por quê? Tem algum problema?

Helena – Certo… Mas acontece que a Doutora Rafaela é especializada em cuidar de casos de HIV. Giovana, para de mentir e fala logo, você tá com HIV, é isso?

Giovana – É claro que não, mãe, eu juro. Olha, volta para o seu trabalho, eu não posso falar nada agora, assim que eu chegar em casa, conto tudo, nos mínimos detalhes.

Helena – Eu espero que você tenha uma ótima e convincente explicação para me dar, porque do contrário…

Giovana – Calma mãe, eu estou falando a verdade. Volta para o seu consultório. Tchau, mais tarde nos falamos.

Giovana dá um beijo na bochecha de Helena e lhe observa com um falso e nervoso sorriso; Helena lhe encara rapidamente, mas volta para seu consultório; Giovana respira aliviada e logo volta para o consultório.

CENA 4, CAMPINHO DE FUTEBOL, INTERIOR, DIA

Miguel, Breno, Rafael e Júnior jogam futebol em um pequeno campo de futebol, vazio e a céu aberto; Enquanto isso, Felipe está sentado em um banco, assistindo a partida e pensando em Victória; A partida acaba, e logo os quatro se sentam ao lado de Felipe e lhe observam.

Rafael – Ei mano, que cara de idiota é essa?

Felipe não dá a mínima, por conta de seus pensamentos ocuparem sua mente; Júnior começa a lhe dar empurrões e alguns tapas de leve na cabeça e ele logo retoma seu foco.

Felipe – Ah, oi… O que vocês querem comigo?

Miguel – Nada, a gente só estava te observando, enquanto você olhava para o nada com uma cara de imbecil.

Os quatro riem, mas Felipe não acha graça.

Felipe – Tava pensando a Victória…

Júnior – Quem? Naquela loirinha da nossa turma que é sua amiga?

Felipe – É, ela mesma… Sabe, eu acho que estou gostando dela, e isso faz um tempo, mas coragem de me declarar eu não tenho…

Rafael – Ah não, mais um querendo por uma coleira no pescoço…

Breno – Cala a boca e deixa ele falar. Vai Felipe, continua.

Felipe – Então, eu gosto dela faz um tempo, se brincar, desde até de quando nos conhecemos. Mas ai eu resolvi ficar quieto, porque não tinha coragem de me declarar a ela, e também não concordava com o modo que ela tratava as pessoas junto com a Cláudia, e ai resolvi ficar calado.

Breno – Entendo, mas ai, qual é o problema dessa vez?

Felipe – A gente acabou se afastando um pouco, sabe, por conta disso ai, mas agora eu quero me reaproximar dela e me declarar, mas tenho medo que ela não tenha mudado.

Júnior – Ah cara, é só por isso? Não vai dizer o que sente a ela por essa frecsura de que ela trata os outros mal?

Felipe – Você não entende, é que eu acho isso errado e acho também que se a gente começasse a namorar, isso ia causar brigas.

Miguel – Olha cara, se eu fosse você, me declarava logo pra ela, digo por experiência própria, pois ficar calando os sentimentos não é bom. E quanto a isso, comece a andar mais com ela, pra ver como está o comportamento dela.

Felipe – Até que não é má ideia, assim eu posso ver se ela continua a mesma garota mesquinha e arrogante que eu conheço. Se ela tiver mudado, eu tomo coragem e me declaro.

Júnior – Só não vá fazer nenhum teste com ela e depois dizer que era um teste, vá por mim.

Felipe – Ah Júnior… — risos.

Rafael – Ah, vamos jogar logo e parar de fazer fofoca, a gente tá parecendo umas senhoras que passam a tarde toda conversando, só falta o chá e os biscoitos.

Breno – Vamos então, seu frango, vai perder de novo.

Rafael dá um tapa na cabeça de Breno e começa a rir; Eles se levantam e pegam a bola que está no chão, voltando a partida de futebol que estavam jogando.

CENA 5, HOSPITAL, CONSULTÓRIO, DIA

Karen e Cláudia estão sentadas em frente a mesa do ginecologista do hospital, que analisa os exames de Karen.

Cláudia – E então doutor, como está a minha amiga? Ela tá bem? O filho dela vai ficar bem também?

Ginecologista – Bom, o sangramento foi controlado e os resultados do exame já estão prontos, então vamos direto ao assunto: Karen, pelo os seus exames, dá pra perceber que você não estava tendo uma rotina de grávida, né? Você estava bem abaixo do peso, pelo o que eu vi aqui, você fuma, né?

Karen – Sim, mas eu parei assim que descobri que estava grávida.

Ginecologista – Bom, mesmo assim, você descobriu sua gravidez apenas três meses depois, mas fumava nesse tempo, né?

Karen – Sim, eu descobri que estava grávida mais precisamente ontem, e ai parei de fumar no mesmo instante, por quê?

Ginecologista – Ah, pois é… Olha Karen, eu vou parar de enrolar, ok? Então, devido ao seu baixo peso e o uso do cigarro, o feto que você estava carregando teve um mal desenvolvimento, o que acabou ocasionando um aborto espontâneo. Lamento Karen, mas você não está mais grávida.

Após as duras palavras do ginecologista, Karen se choca e põe a mão em sua boca, começando a chorar no mesmo momento; Cláudia também fica chocada com a notícia e ampara a amiga, que chora descontroladamente.

CENA 6, CARIOCÃO LANCHES, INTERIOR, DIA

Após saírem do hospital, Giovana e Cecília estão no Cariocão, sentadas em uma mesa junto com Camila, que conversa com as amigas sobre a consulta de Cecília.

Cecília – A doutora Rafaela foi bem atenciosa comigo, me explicou todos os detalhes dos dois exames que eu tenho que fazer. Ela me explicou que eu tenho chances de não estar com a doença.

Camila – Nossa amiga, vamos rezar para que você não tenha nada, você não merece nada disso.

Cecília – Agora estou mais tranquila com o que a doutora falou, estou mais confiante após tudo isso.

Giovana – Já eu, tomei um baita susto no hospital.

Cecília – Susto? Que susto é esse que você não me contou.

Giovana – Amiga, jura que minha mãe me pegou saindo do consultório e começou a me fazer perguntas, achando que eu estava doente.

Cecília – Nossa, culpa minha né, se não fosse por mim…

Giovana – Calma amiga, você não tem culpa de nada, eu vou me explicar com ela. Tem problema se eu falar que era você que tava se consultando?

Cecília – Tem problema algum, você não pode ficar nessa saia justa.

Camila – E então, quando vai ser o primeiro teste?

Cecília – Tá marcado para depois de amanhã, mas eu não vou receber o resultado desse exame, só o do segundo exame, que é uma espécie de confirmação.

Camila – Hum… Olha, eu prometo estar do seu lado nessa luta toda de exames e resultados, e vou torcer para que você não tenha nada.

Giovana – Somos duas, o seu problema é nosso, sua preocupação é nossa.

Cecília – Obrigada amigas, de verdade, vocês estão sendo como duas irmãs para mim.

Cecília dá sua mão esquerda para Giovana e sua mão direita para Camila e as três se entreolham sorrindo.

CENA 7, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, QUARTO DE GIOVANA E KAREN, INTERIOR, DIA

Karen chora, deitada sob o colo de Cláudia, que lhe consola.

Karen (chorando) – Por que comigo? O que eu fiz para merecer isso?

Cláudia – Calma amiga, é dolorosa a perda de um filho, eu sei, mesmo sem ter um.

Karen (chorando) – Mas não é por causa dessa gosminha que eu estou triste, e sim por causa do Miguel. Com que cara eu vou dizer ao Miguel que eu perdi essa criança? Agora que ele não olha mais na minha cara!

Cláudia se choca com as frias e monstruosas palavras de Karen e se levanta da cama, andando pelo o quarto.

Cláudia – Meu Deus, como você é fria, você é um monstro! Karen, eu não te reconheço…

Karen seca suas lágrimas e se levanta da cama, se parando em frente a Cláudia.

Karen – Monstro, eu? Só porque eu cansei de dizer que não queria essa criança, e só queria ela por outros interesses? Tá bom, eu sou um monstro. Eu chorei no consultório pelo o medo de perder o Miguel, e não por causa dessa criança.

Cláudia – Sabe por que você perdeu essa criança? Por castigo, é, isso foi um castigo de Deus por desprezar essa criança. E é bem feito, você perdeu a criança um dia após descobrir estar carregando ela.

Karen – Cala essa boca Cláudia, antes que eu enfie minha mão nessa sua cara de falsa puritana.

Cláudia – Tá bom, eu vou me calar, mas o que eu disse não é nenhuma mentira.

Karen – Agora eu tenho que pensar em como direi ao Miguel que perdi essa maldita criança.

Cláudia – Cono assim?

Karen – Não entendeu minha filha? Vou ter que me machucar, fazer algo para que o Miguel ache que perdi a criança.

Karen anda de um lado para o outro no quarto, pensando no que pode fazer para enganar Miguel, enquanto Cláudia lhe observa, balançando a cabeça para os lados como forma de não concordar com nada do que acontece.

CENA 8, CARIOCÃO LANCHES, INTERIOR, DIA

Ainda na lanchonete, Giovana e Cecília continuam conversando com Camila.

Giovana – Ah amiga, agora me lembrei de uma coisa.

Camila – O que foi?

Giovana – Não é nessa época que começa o intercolegial da cidade?

Camila – Ah, é mesmo! A gente tem que falar com o Digão para inscrever o time, não podemos ficar de fora.

Cecília – Não mesmo! Será que o Escolhas leva o prêmio desse ano?

Camila – Espero que sim, seria uma sorte o Escolhas ganhar, já que é o primeiro ano do time feminino.

Giovana – Já imaginou? Ia ser massa.

De repente, Miguel, Breno e Júnior entram no Cariocão e vão até a mesa onde estão as meninas.

Miguel – Oi meninas.

Elas se viram e se deparam com os três; Giovana se levanta e beija Miguel; Breno se aproxima e tenta beijar Cecília, mas ela vira o rosto, lhe deixando decepcionado, enquanto ela lhe dá um tímido sorriso; Camila e Júnior se encaram friamente, não trocando nenhuma palavra.

Breno – E ai, do que tanto falam?

Camila – A gente tava falando que o intercolegial feminino da cidade está perto e de que vamos falar com o Digão para nos inscrever.

Miguel – Nossa, que legal! Já o masculino é só daqui a uns meses.

Júnior (resmungando) – Até parece que vai adiantar alguma coisa em se inscreverem, meninas não jogam tão bem quanto nós.

Camila se vira para Júnior e lhe encara, que vira o rosto em seguida.

Camila – Fale mais alto, querido. Pra sua informação, a gente joga tão bem quanto vocês, até melhor se duvidar.

Giovana – Ai Deus… Até quando vocês vão ficar de picuinha um com o outro?

Cecília – É gente, se beijem logo, vocês se amam, não tem pra que ficarem fazendo isso.

Camila – Se dependesse de mim, mas certas pessoas ficam de infantilidade.

Júnior – E certas pessoas adoram testar as outras, como se fossem meros brinquedos.

Giovana – Ih, começou a sessão de lavagem de roupa suja, melhor eu até ir indo, não quero me meter em nada.

Cecília – Somos duas.

Giovana e Cecília se levantam e se abraçam a Miguel e Breno, respectivamente, enquanto Camila as encara.

Giovana – Tchau amiga, a gente já vai porque em briga de marido e mulher, não se mete a colher.

Cecília – É isso ai, que vocês se resolvam.

As duas riem.

Miguel – Tchau brother.

Breno – Amanhã a gente se fala.

Miguel e Breno cumprimentam Júnior com um aperto de mão; Instantes depois, Miguel, Giovana, Breno e Cecília saem, deixando Camila e Júnior sozinhos, que se encaram e não trocam uma palavra.

CENA 9, ANOITECE O DIA

Vários takes de imagens do trânsito do Rio de Janeiro, que se agita com o passar das horas.

CENA 10, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, SALA DE JANTAR, INTERIOR, NOITE

O lugar está bastante silêncio, com Giovana, Karen e Helena jantando; De repente, Helena puxa conversa com Karen.

Helena – E então Karen, como foi o dia?

Karen – Bem.

Helena – E está se alimentando bem por conta da gravidez?

Karen – Olha Helena, não precisa se preocupar comigo, eu sei me cuidar, ok? Agora licença, eu vou sair, mais tarde volto.

Karen se levanta e pega sua bolsa que está atravessada entre a cadeira; Ela abre a porta e sai, dando uma forte batida.

Helena – Eu tento me aproximar dessa menina, mas fica difícil…

Giovana – Não liga mãe, ela é muito infantil, sabe.

Helena – Hum… E então, vai me contar o que estava fazendo no consultório da Doutora Rafaela hoje?

Giovana – Bom mãe, você pode não acreditar, mas ok. Eu fui com uma amiga pra ela marcar um exame de HIV. Faz uns meses, e ela se sentia mal, ai eu resolvi pesquisar os sintomas dela e apontaram que podia ser AIDS. E foi isso.

Helena – Nossa, coitada dessa sua amiga. E os pais dela já sabem?

Giovana – Não, ela tá sem coragem de falar com eles, coitada…

Helena – Você me deu um susto, sabe. Quando eu te vo saindo daquele consultório, pensei milhares de coisas.

Giovana – Nossa mãe, sério? Mas olha, nem tem porque ficar preocupada, eu ainda sou virgem, e se eu tivesse transado com o Miguel, ele teria me dito que tinha a doença.

Helena – Hum… Ok então, filha, está tudo esclarecido então, não vou mais ficar preocupada.

Giovana se levanta e se aproxima de Helena, lhe dando um beijo na bochecha; Ela sorri, e Giovana volta para seu lugar.

CENA 11, CASA DA FAMÍLIA SOUZA, QUATRO DE MIGUEL, INTERIOR, NOITE

A sós no quarto, Miguel e Tomás tem uma conversa de pai e filho.

Tomás – E ai, filho, como está indo a mãe do seu filho? A Karen, né?

Miguel – A gente não se falou hoje, mas acredito que ela esteja bem. Acho que amanhã eu posso trazê-lá aqui em casa para a gente ter uma conversa com vocês.

Tomás – Hum… E como tá indo essa situação toda envolvendo o seu namoro?

Miguel – Ela tá bem insegura, mas eu disse a ela que não será esse filho que vai nos separar.

Tomás – Hum… Estou gostando de te ver responsável assim, esse filho te trará muito mais responsabilidades.

Miguel – Mesmo que esse filho não seja meu com a Giovana, eu darei todo meu amor de pai a ele, independente de qualquer coisa.

Tomás – Você vai ver, ser pai é uma experiência muito boa.

Miguel – Espero ser um pai tão bom quanto você é comigo.

Tomás – E será, pode ter certeza.

Tomás e Miguel se entreolham sorrindo e logo em seguida, eles selam um abraço carinho de pai e filho.

CENA 12, CARIOCÃO LANCHES, INTERIOR, NOITE

Já sentadas numa mesa, Cláudia e Karen conversam baixo.

Cláudia – E ai, o que tem de tão importante para me contar?

Karen – Amiga, eu já sei como falar ao Miguel como perdi essa criança.

Cláudia – E ai, o que vai fazer? Vai falar toda a verdade?

Karen – Mas é claro que não, né. Olha, o que eu tenho em mente vai me fazer ficar com ele e ainda por cima, ferrar com a vida da Giovana.

Cláudia – Conta logo, eu já estou ficando curiosa.

Karen – Eu vou tentar me matar dentro do colégio, e fazer todos pensarem que a Giovana tentou me matar. Ela vai se ferrar com isso tudo. Não é genial? Eu tento suicídio, faço pensarem que foi a Giovana que tentou me matar, e ai a vida dela será arruinada, e de quebra, o Miguel fica comigo.

Cláudia – Meu Deus, eu não sei o que dizer… Aliás, eu sei né, que você está completamente louca.

Karen – Ah, me poupe de bancar a santinha tá, você tem tantos podres quanto eu.

Cláudia – Eu sei, não precisa me lembrar. Mas enfim, como será essa tentativa de suicídio?

Karen – Eu não quero dizer, porque quero que até você seja pega de surpresa, mas tenho tudo planejado. Vou forjar uma discussão com a Giovana, e nessa discussão, eu vou tentar me matar.

Cláudia – E você não pensou se pode morrer nessa sua brincadeira de querer conquistar o Miguel?

Karen – Olha querida, eu pensei, e se eu morrer, acho que até vai ser melhor sabe, assim a Giovana pode ser presa por homicídio.

Karen começar a soltar uma risada diabólica, assustando Cláudia e tomando os olhares de todos em volta, mas em seguida, ela se recompõe.

Karen – Só vou sentir pelo o Miguel se eu morrer, mas ele não vai querer ficar com uma assassina mesmo, então nem me preocupo.

Cláudia – Eu não sei porque ainda fico chocada com você. Você está completamente louca, sua obsessão pelo o Miguel e pela a Giovana está te fazendo mal.

Karen – Ai, calma querida, é claro que eu não vou morrer, só disse isso pra te assustar, adoro ver a sua cara de medo quando eu falo dos meus planos malucos.

Cláudia – E pior que você consegue me assustar com essas coisas…

De repente, Camila se aproxima da mesa de Karen e Cláudia, carregando um bloco de notas e uma caneta na mão.

Camila – E ai, vão pedir algo?

Karen – Você viu alguém te chamar aqui? Retire-se, não quero nada não.

Camila – Então o que faz aqui se não quer nada? Retire-se você então, fofa.

Karen se levanta e se aproxima de Camila, lhe encarando friamente; Camila não demonstra medo e encara Karen; Cláudia se levanta e se aproxima das duas, com medo de que Karen possa se meter em alguma confusão.

Karen – Sabe, acho que vou embora dessa espelunca mesmo, esse seu ar de sapatosa me enjooa, sabe. Vamos Cláudia, já conversamos o que precisávamos.

Karen pega sua bolsa em cima da mesa e coloca atravesada a seu braço; Calada, Cláudia obedece Karen e se prepara para sair do local, mas as duas são impedidas por Camila, que as seguram pelo o braço.

Camila – Esperem um pouco. Cláudia, poderia segurar isso aqui rapidinho? Tenho algumas coisinhas para fazer.

Cláudia segura o bloco e a caneta de Camila, assustada com o que ela fará; Karen começa a se esquivar, temendo que Camila vá lhe bater, mas Camila dá meia-volta e pega um grande copo de suco de laranja e se aproxima novamente de Karen, despejando todo o conteúdo do copo em cima de Karen.

Karen (gritando) – Aiiii! Sua sapatão nojenta, olha o que você fez!

Camila – E saia daqui antes que eu perca a paciência e te dê um soco nessa sua cara de porcelana.

Furiosa, Camila pega suas coisas que estão na mão de Cláudia; Com medo, Cláudia se retira do local com Karen, que está furiosa pelo o banho de suco que Camila lhe deu. Camila ri sem parar com o que acabou fazer.

CENA 13, PRAIA, NOITE

Cecília e Breno caminham pela a orla da praia, de mãos dadas enquanto conversam.

Breno – Meu amor, você sabia que eu te amo?

Cecília – Sei seu bobo, e eu também te amo, sabia?

Breno – Ah, é? Então já que a gente se ama, que tal se você me der um beijinho?

Breno se vira de frente para Cecília e aproxima seu rosto do dela, mas quando Breno tenta lhe beijar, ela vira o rosto; Ele se enfurece, mas disfarça a raiva.

Breno – Vem cá Cecília, porque ultimamente você tem me ignorado e me desprezado? Aquele dia quando eu quis transar com você, você fez um escândalo, e agora nem meus beijos você quer mais.

Cecília – Breno, eu já te expliquei, eu ando meio doente, e eu não quero te contaminar.

Breno – Doenças, doenças… Você tá sempre me dando a mesma desculpa. E agora vive de segredinhos com suas amigas, como se quisesse esconder algo de mim. O problema é comigo, é isso? Se quiser, a gente pode terminar aqui e agora.

Breno se cala e no mesmo instante, Cecília abaixa a cabeça e começa a chorar; Breno se comove com seu choro.

Breno – Desculpa, eu não queria ter falado com você desse modo, desculpa…

Cecília (chorando) – Se é isso que você quer, a gente pode terminar, aqui e agora.

Breno – Não, eu não quero terminar com você, só falei isso na hora da raiva, desculpe.

Cecília (chorando) – Eu não quero mais te importunar com meus problemas e segredinhos, acho que essa é a melhor decisão.

Breno – Por favor Cecília, não faz isso, eu juro que isso foi na hora da raiva. Eu não consigo me ver longe de você, não quero me separar de você.

Cecília para de chorar no mesmo momento; Breno levanta sua cabeça e seca suas lágrimas e ela sorri.

Breno – Te amo Cecília, e prometo ser paciente com essa sua doença, que eu nem sei qual é. Tudo bem?

Cecília – Muito obrigada pelo o apoio.

Cecília abraça Breno, que sorri; Ela pega novamente em sua mão e em seguida voltam a caminhar pela a orla da praia.

CENA 14, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, SALA DE ESTAR, INTERIOR, NOITE

Já era tarde da noite, e Fernando, Helena e Giovana esperam por Karen na sala, que ainda não chegou.

Fernando – Onde se meteu essa garota? Já vão ser quase meia-noite.

Helena – Ela saiu faz algumas horas e quando saiu, fez questão de não dizer onde ia.

De repente, a porta da sala se abre e Karen entra, totalmente melada e com a roupa suja por conta do suco que Camila lhe jogou; Todos lhe olham, enquanto Karen mantem uma expressão furiosa no rosto.

Karen – Não falem nada e também não fiquem me encarando, e me deixem em paz! Agora eu vou tomar um banho, e não quero ninguém enchendo a minha paciência.

Karen joga sua bolsa no sofá com bastante força e em seguida entra no banheiro; Os três se entreolham, sem entender nada.

Giovana – Eu vou para o quarto, quando ela sair do banho, vou ver se arranco algo dela.

Fernando – Lhe desejo sorte, pois você vai precisar.

Giovana sorri e em seguida, se aproxima de Helena e Fernando e dá um beijo em cada um; Ela entra em seu quarto.

Corta para:

CENA 15, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, QUARTO DE GIOVANA E KAREN, INTERIOR, NOITE

Já se passaram alguns minutos e Karen já havia saido do banho; Ela veste sua camiseta, enquanto Giovana lhe observa.

Giovana – E ai, quer me contar o que aconteceu pra você chegar toda melada e suja em casa?

Karen – Não te interessa.

Giovana – Calma, eu só queria saber mesmo…

Karen – Me poupe da sua falsa preocupação, sua falsidade me enoja.

Giovana – Eu não estou sendo falsa com você, realmente eu tenho preocupação com você, apesar das várias intrigas que temos.

Karen – Ai garota, cala a boca tá, pare de fingir que é sonsa, eu sei muito bem que você só quer rir de mim.

Giovana – Oi? Está louca? Eu só quero saber o que aconteceu com você, pare de falar essas coisas desconexas.

Após terminar de se vestir, Karen se aproxima de Giovana e segura seu braço, apertando com força.

Karen – Eu não te suporto, não suporto sua falsidade. Eu já deixei claro que vou te destruir, e esse dia está bem próximo, você vai se arrepender de ter mexido comigo!

Karen solta o braço de Giovana e lhe encara, e em seguida, vai até sua cama e se deita; Giovana não demonstra medo das falsas ameaças de Karen e alisa seu braço.

Giovana – Está completamente louca…

CENA 16, AMANHECE O DIA

Takes de paisagens da orla da praia da cidade são mostrados a cena, enquanto o Sol nasce.

CENA 17, COLÉGIO ESCOLHAS, PÁTIO, INTERIOR, DIA

Giovana e Cecília caminham pelo o pátio do colégio, enquanto conversam.

Giovana – Acredita? Eu fui me preocupar com o que aconteceu com ela e ela me retribui com ameaças. Aquele olhar dela chegou a me assustar.

Cecília – Eh, parece que ela tá obcecada mesmo em se vingar de você e tomar o Miguel para ela.

Giovana – Ela disse que irá desgraçar minha vida e que esse dia está próximo.

Cecília – Nossa… E você, o que acha dessas ameaças?

Giovana – Olha, eu nem ligo, mas também não posso dizer que não sinto medo, mas estou preparada para tudo.

Cecília – Hum…

Giovana e Cecília continuam conversando; A câmera foca em Karen e Cláudia, que também conversam.

Karen – É hoje! É hoje que meu plano entrará em ação, mal posso esperar pelo o passar das horas.

Cláudia – E que horas vai acontecer tudo isso?

Karen – Na hora da saída, nessa hora é que tudo vai acontecer.

Cláudia – Vê lá hein, não vá se machucar sério com isso tudo.

Karen – Ata né, é impossível eu não me machucar com o que eu vou fazer. E aliás, tem uns detalhes a mais acertados, mas isso ninguém vai ficar sabendo. Quem sabe daqui a um tempo eu te conte tudo.

Cláudia – Quanto mistério hein… Mas te desejo sorte, se é a esse tipo de método que você quer recorrer.

Cláudia dá um pequeno e falso sorriso a Karen, que lhe retribui com um largo sorriso malicioso; O sinal toca.

Karen – Ih, primeira aula! Já contando as horas.

Karen continua com seu sorriso no rosto, mas uma expressão de preocupação se forma no rosto de Cláudia; As duas entram no colégio, junto com uma multidão de alunos.

CENA 18, CARIOCÃO LANCHES, INTERIOR, DIA

Camila esfrega o chão da lanchonete, que ainda está sujo do suco que Camila jogou em Karen, enquanto José checa o caixa.

Camila – Ah pai, deixa eu ir lá no Escolhas, outra hora termino de limpar isso.

José – Nada disso mocinha, ninguém mandou sujar o chão da lanchonete, vai limpar tudo.

Camila – Ah pai, eu já te expliquei porque fiz isso, não é justo.

José – Mesmo assim, você acha certo jogar bebida numa cliente?

Camila – E você acha certo a garota vir aqui só pra me chamar de sapatona? Ela deu sorte que eu não quebrei a cara dela.

Camila retira as luvas de látex e joga dentro do balde e em seguida se levanta, indo até ao balcão.

Camila – Vai pai, deixa eu ir lá no Escolhas! Eu tenho que falar com o Digão a respeito do intercolegial femino.

José – Ué, pra que tanta pressa? Você pode ir a tarde pra falar com ele.

Camila – Mas pai, tem que ser agora! Deixa, vai!

José – Tá bom, pode ir, mas acho que isso tem outro nome…

Camila – O que está insinuando?

José – Acho que a senhorita quer ir lá no Escolhas para ver o Júnior, isso sim.

Camila fica nervosa com a insinuação de seu pai.

Camila (nervosa) – Oras, mas eu só quero ir lá para falar com o Digão, não pra ver esse traste. Agora eu vou indo, antes que você diga mais alguma gracinha.

Camila sai do Cariocão, esbravejando por causa das insinuações de José, que ri.

Corta para:

CENA 19, COLÉGIO ESCOLHAS, CORREDOR, INTERIOR, DIA

Camila anda pelo o corredor com pressa, e do outro lado, Júnior anda pelo o corredor bastante desatento; De repente, os dois se esbarram e Camila cai no chão; Júnior se abaixa para ajudar a garota com quem acabara de cruzar, mas se depara com Camila.

Júnior – Ah, até aqui…

Camila – Bom dia pra você também, também tive muito prazer em te ver, agora me ajude a levantar.

Júnior dá sua mão a Camila e lhe ajuda a levantar, e ao levantar, Camila tem seu corpo colado ao de Júnior, com seus rostos perto um do outro; Um clima rola entre os dois, mas rapidamente ela se afasta.

Camila – Então, dá pra me falar onde o Digão está?

Júnior – Que pergunta mais idiota hein, mas terei toda a educação de te responder: Ele está lá na quadra de esportes, que fica dobrando…/

Camila (cortando) – Ai querido, eu não sou vidente, como eu ia saber que ele estava lá ou não? E eu sei o caminho da quadra, muito obrigada.

Camila dá um encontrão em Júnior e caminha em direção a quadra de esportes; Virados de costas um para o outro, Júnior e Camila sorriem pelo o clima romântico que aconteceu entre os dois.

CENA 20, COLÉGIO ESCOLHAS, SALA DO TERCEIRO ANO, INTERIOR, DIA

Felipe está em frente a Victória, conversando com ela enquanto sorri. Em seguida, ele volta a sua mesa e se vira para Miguel e Breno.

Miguel – E ai cara, como foi?

Felipe – A gente ficou de sair hoje a tarde, espero que tudo dê certo.

Miguel – E vai dar, mas também você tem que criar coragem e se declarar a ela, né.

Felipe – Eu espero não travar na hora de falar com ela, mas acho que dessa vez não passa.

Felipe e Miguel reparam que Breno está bastante desatento e tentam chamar sua atenção.

Miguel – Ei brother, que cara é essa?

Breno – Estou pensando aqui na discussão que tive com a Cecília ontem…

Miguel – Discussão? Nossa, que chato…

Breno – Mas a gente se acertou, mas é que eu ainda não consigo entender umas coisas…

Miguel – Que coisas?

Breno – É que a Cecília tá me dizendo que está sempre doente e agora vive de segredinhos com a Giovana e com a Camila.

Miguel – Olha, eu acho normal as mulheres terem segredos uma com as outras, mas por que está tão intrigado?

Breno – É que sei lá, acho que isso tem algo haver comigo, faz tempo que ela tá me evitando e tá dando essa desculpa de doença.

Miguel – Vixe, olha amigo, nem sei como te ajudar, mas tenta conversar com ela, pergunta que doença é essa.

Breno – É, talvez essa seja minha única saída.

Miguel e Breno se entreolham por alguns segundos após a conversa, em seguida, Miguel e Breno voltam a copiar os exercícios que estão no quarto.

CENA 21, COLÉGIO ESCOLHAS, QUADRA DE ESPORTES, INTERIOR, DIA

A turma do segundo ano está na quadra tendo sua aula de Educação Física com Digão; Ele treina algumas meninas, enquanto grita com elas.

Digão (gritando) – Vamos acelerar isso ai! Isso é um campo de futebol, não um salão de beleza! Tão parecendo umas amadoras!

Digão toca seu apito diversas vezes, como forma de pressionar as meninas.

Digão (gritando) – Acelera, acelera isso ai caramba! Como querem fazer um time se jogam que nem umas amadoras?

Digão toca seu apito mais algumas vezes; De repente, Camila entra na quadra e se aproxima de Digão.

Camila – Digão?

Digão – Camila! Oi, tudo bem?

Digão e Camila se cumprimentam trocando alguns beijos na bochecha.

Camila – Estou bem, obrigada. Eu vim falar com você sobre uma coisa.

Digão – Pode falar.

Camila – Ah, não sei se você está sabendo, mas agora neste mês haverá o intercolegial femino da cidade.

Digão – Puxa, é mesmo! Nem me lembrava que tinha um campeonato desses para times femininos. — risos.

Camila – Enfim, ai eu queria saber se você vai inscrever o nosso time no campeonato.

De repente, o sinal toca e Digão toca seu apito.

Digão (gritando) – Acabou a aula! Pro vestiário, já estão liberadas! (T) Camila, vamos até a sala dos professores? Lá a gente conversa melhor a respeito disso.

Camila concorda com a cabeça, e os dois caminham até a saída do vestiário, enquanto conversam sobre o intercolegial; A câmera foca em Karen e Cláudia, que observam Giovana.

Karen – Acho que já está na hora! Eu só vou me arrumar e vou ir até a sala. A Giovana certamente deve ir para lá e ai poderei por meu plano em prática. Me espera na escada do corredor, ok?

Cláudia – Ok, mas vê lá hein, se cuida.

A câmera foca na expressão diabólica formada no rosto de Karen, que observa cada passo de Giovana.

Corta para:

CENA 22, COLÉGIO ESCOLHAS, CORREDOR, DIA

Em um corte rápido de cena, é mostrado Karen alcançando Giovana no corredor, ficando a sua frente e atrás da escada que se encontra no corredor.

Karen – Giovana, podemos conversar? É rapidinho.

Giovana – Tá bom… O que você quer?

Karen – Bom Giovana…

Ao olhar para baixo, Karen vê Miguel conversando com seus amigos, e rapidamente, ela pega os braços de Giovana e coloca em sua barriga, gritando sem explicação.

Karen (gritando) – Para Giovana! Me solta! Não faz isso, por favor!

Giovana fica apavorada com o que acontece, sem entender nada; De repente, Miguel olha para trás e vê Karen gritando.

Giovana – O que é isso? O que você tá fazendo? Me solta!

Karen (gritando) – Não vai fazer essa besteira! Para Giovana, me solta!

Karen dá uma rápida olhada para trás e ao ver Miguel olhando para as duas, ela solta os braços de Giovana, dando a impressão que ela lhe empurrou; Com isso, Karen se joga do alto da escada, rolando vários degraus; Giovana observa Karen cair da escada, apavorada e com medo do que Karen acabou de fazer; Ao rolar o último degrau, Karen cai no chão, com o nariz sangrando e desacordada; Miguel se aproxima do corpo de Karen, apavorado com o que acabara de ver.

10 thoughts on “O Amor é um Jogo – Capítulo 13

  1. Karen começa a sangrar. Cláudia leva Karen para o hospital. Helena flagra Giovana saindo do consultório de Rafaela. Felipe conta a Breno, Júnior e Rafael que gosta de Victória. Karen descobre que sofrera um aborto. Cecília conta a Giovana que tem esperança de não ter contraído HIV. Karen revela a Cláudia que só estava triste por medo de perder Miguel. Camila se lembra de que o intercolegial acontecerá em breve. Giovana revela a Helena que tem uma amiga com suspeita de HIV. Miguel diz a Tomás que não terminará com Giovana. Karen revela a Cláudia seu plano para incriminar Giovana. Camila joga suco em Karen. Cecília rejeita Breno. Giovana não consegue descobrir o que aconteceu com Karen. Camila e Júnior trocam farpas. Breno fica curioso sobre a doença de Cecília. Karen finge ser empurrada da escada por Giovana.

    Capítulo maravilhoso, parabéns.😉

    Divulgação – https://audienciadatvmix.wordpress.com/2016/10/19/cartas-para-florenca-capitulo-05/

    Curtir

  2. A cena mais chocante foi a cena em que a Karen puxa uma conversa coma Giovana e pega no braço dela.Será que o plano de Karen deu certo?Será que o Miguel continuará confiando na Giovana?Adorei esse capítulo!

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s