O Amor é um Jogo – Capítulo 17

o-amor-e-um-jogo-classificacao

CENA 1, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, QUARTO DE GIOVANA E KAREN, INTERIOR, NOITE

Sozinha em seu quarto, Karen caminha um pouco, aproveitando-se que todos estão na sala.

Karen – Essa cadeira está me torturando, não aguento mais ficar sentada…

Karen pega seu celular e começa a olhar algumas fotos de Miguel.

Karen – Mas como é por você, vou me prestar a tudo isso, tudo isso porque eu te amo.

Karen sorri e coloca seu celular sob sua mesa de cabeceira; De repente, a porta se abre e Helena entra e flagra Karen em pé; Karen se assusta e fica com medo, prester a ter seu segredo descoberto. Sem saber o que fazer, Karen se desespera por dentro, mas se mantém fria; De repente, ela se joga no chão, para despistar sua falsa paraplegia.

Karen (gritando) – Ai! Ai!

Helena – Karen! Calma, eu vou te ajudar!

Helena corre até Karen para lhe ajudar a se levantar; De repente, Fernando, Giovana e Danilo entram no quarto, assustados com os gritos.

Fernando – Mas o que está acontecendo, que gritos são esses?

Karen (gemendo) – Ai papai, ai… Eu tava tentando andar… Ainda bem que a Helena chegou para me ajudar bem na hora que eu cai… Ai…

Fernando – Mas você sabe que está proibida de tentar andar sozinha, por que foi tentar?

Karen (gemendo) – Desculpa pai… Eu só estava querendo tentar… Ai meu braço…

Helena – Calma Karen, eu vou te ajudar.

Helena segura Karen pelo os braços e a levanta, em seguida, lhe colocando na cadeira de rodas.

Karen – Obrigada Helena, obrigada mesmo.

Karen sorri para Helena, que lhe retribui o gesto.

Fernando – Ainda bem que não foi nada sério, mas não tente andar de novo, por favor.

Karen – Tudo bem, não vai mais acontecer.

Helena – Bom, passou o susto, não aconteceu nada demais, graças a Deus… Então Karen, eu tinha vindo aqui perguntar se você não quer jantar…

Karen – Não Helena, eu estou sem fome, mas obrigada…

Fernando – Tem certeza?

Karen – Não pai, eu realmente estou sem fome, quem sabe depois eu faço um lanche.

Fernando – Tudo bem então, se quiser algo é só dar um grito. Bom, vamos voltar para a mesa.

Helena obedece e acompanha Fernando, em seguida, Danilo e Giovana os seguem; Após todos saírem do quarto, Karen fecha a porta e a tranca, em seguida se levantando de sua cadeira.

Karen – Droga, como eu sou burra! Por que eu não tranquei a porta? Graças a Deus que a Helena acreditou nessa desculpa esfarrapada. Agora tenho que ser mais cautelosa, se não, bye bye segredo.

Após terminar de falar sozinha, Karen volta para sua cadeira de rodas.

CENA 2, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, SALA DE JANTAR, INTERIOR, NOITE

De volta a mesa, Fernando, Helena, Giovana e Danilo continuam a jantar e conversar.

Fernando – Eu já disse para a Karen, não é para tentar andar, mas não, é o mesmo que nada.

Helena – Sorte que eu cheguei bem na hora, se não podia ter acontecido algo pior.

Danilo – Olha gente, vocês vão me julgar e tal, mas eu não engoli essa desculpa da Karen.

Fernando – Como assim, não entendi porque você não se convenceu.

Danilo – É que é meio bizarro a Karen tentar andar né, ela não sente o movimento das pernas, como que ia fazer algo do tipo?

Fernando – Mas isso não quer dizer nada, ela pode tentar andar se apoiando nas coisas.

Danilo – Helena, a Karen tava se apoiando em algo quando você chegou?

Helena – Pelo o que eu vi, ela não estava se apoiando em nada não…

Danilo – Viu? A Helena tá dizendo que ela não estava apoiada em nada, então essa desculpa não é válida.

Fernando – Como assim não é válida? Você deu agora para desconfiar do estado da sua irmã?

Danilo – Quer saber da verdade? Desconfio sim do estado dela, nunca confiei na minha irmã, não vai ser agora que eu não confio.

Fernando – Nossa Danilo, sua irmã tá paraplégica e mem assim você deixa de ficar de implicância com a sua irmã?

Danilo – Não é implicância, eu só apenas não tenho confiança na minha irmã, ela sempre mentiu, é uma dissimulada, não posso confiar nela dessa maneira. Eu já estou satisfeito, irei para o meu quarto.

Danilo se levanta da mesa e pega seu prato, o colocando dentro da pia; Ele vai para seu quarto, deixando Helena, Fernando e Giovana sozinhos à mesa.

CENA 3, CASA DA FAMÍLIA SOUZA, SALA DE JANTAR, INTERIOR, NOITE

Miguel, Tomás e Laura jantam a mesa, enquanto conversam.

Miguel – Mãe?

Laura – O que foi? Quer me dizer algo?

Miguel – Sim. Eu estive pensando, e acho que eu devia trazer a Karen aqui em casa, para vocês conhecerem ela melhor…

Laura – O que? Não, eu não quero essa menina aqui em casa.

Miguel – Ótimo, começou… Eu tento fazer com que vocês tenham uma imagem melhor da Karen, mas tá difícil…

Tomás – Imagem melhor? Filho, você mesmo disse coisas horríveis dessa menina, como você quer que a gente pense algo de bom dela?

Miguel – Mas isso é passado, ela mudou realmente e eu quero que vocês a conheçam melhor.

Tomás – Ah filho… Você não acha que está mentindo para si mesmo? Confundindo pena por amor por essa menina?

Miguel – Não é pena, eu amo ela, prometi a mim mesmo que ficaria junto com ela neste momento difícil.

Tomás – Filho, você está se contradizendo, você acabou de dizer que a ama e que prometeu que ficaria com ela nesse momento difícil, isso me parece que você quer dar um amor que você acha que existe só para ela se sentir melhor. E mais, toda a vez que você fala o nome da Giovana você reage diferente, como se ainda a amasse.

Miguel – Mas eu amo a Karen, ninguém me compreende, todos estão contra mim.

Tomás – Cono você quer que alguém te apoie, sendo que você falou para todos que essa menina não presta?

Laura – Olha, chega dessa discussão! Eu já disse e vou repetir, não quero essa menina na minha casa. Não quero saber se você está com ela por pena, porque ela tá paraplégica, não quero saber. Você tinha uma ótima namorada e acabou fazendo que com ela termine com você por conta dessa sua obsessão de dar um amor que não existe a essa menina.

Irritado e calado, Miguel se levanta da mesa e sobe as escadas, deixando Laura e Tomás a sós.

Tomás – Nosso filho está se iludindo demais, enganando si próprio.

Laura – Ele não vai ficar com essa menina, nem que eu tenha que impedir ele.

Tomás – Não será necessário, uma hora ele se dará conta de que ele não a ama.

Laura pega nas mãos de Tomás, enquanto os dois se entreolham com uma expressão preocupada.

CENA 4, PASSAGEM DE TEMPO

Takes de paisagens da cidade são mostradas a cena, enquanto um letreiro escrito “1 mês depois” percorre a tela.

CENA 5, COLÉGIO ESCOLHAS, PÁTIO, INTERIOR, DIA

Giovana anda acompanhada de Cecília pelo o pátio, enquanto conversam. De repente, Giovana para de andar e começa a observar Miguel a levar Karen em sua cadeira de rodas, que conversam e sorriem.

Cecília – Ah amiga, ainda está triste por conta dessa aproximação do Miguel e da Karen?

Giovana – Sim. Eu não consigo acreditar que o Miguel me esqueceu tão rápido, e ainda mais por ter me trocado pela a Karen, a quem ele garante que mudou.

Cecília – E ela não mudou? Pelo o que eu vejo…

Giovana – Não acredito que você acreditou mesmo que ela mudou. Amiga, essa garota se faz de boa mas destila veneno como ninguém, e o pior que eu não posso provar para todos quem é a Karen.

Cecília – Que bom que a diretora já autorizou você a voltar para o colégio.

Giovana – Sim, mas vai ser duro ver esses dois juntos todo o dia…

Cecília – Hum… Vamos mudar de assunto? Daqui a uns dias sai o resultado do meu exame de HIV.

Giovana – Sério? Bom, vamos ter que rezar para que não dê positivo, né.

Cecília – Eu já estou resignada, estou preparada para que se o resultado dê positivo.

Giovana – Não fala isso, o resultado vai dar negativo, você vai ver!

Cecília – Gostaria de pensar o mesmo, mas já estou preparad para o pior.

Giovana – Vamos parar de falar de coisa ruim. Bom, topa ir comer algo no Cariocão? É por mina conta hoje.

Cecília – Okay, vamos.

Cecília ajeita sua mochila, e em seguida, sai junto com Giovana do colégio; A câmera foca em Cláudia, que está parada e sozinha em um canto do pátio; De repente, Karen se aproxima dr Cláudia por trás, sem fazer muito barulho.

Karen – O que faz ai sozinha? Pensando na morte?

Com o susto, Cláudia se vira de frente para Karen, que ri com o susto da amiga.

Cláudia – Credo, que susto!

Karen – O que tá fazendo ai plantada?

Cláudia – Nada não, tava vendo você e o Miguel juntos e depois vim para cá. E por falar em Miguel, como está indo o seu rolo com ele?

Karen – As mil maravilhas! A cada dia que passa, ele está mais comovido com o meu estado, enquanto eu, me faço de difícil. Eu s volto para ele quando ele me pedir em casamento. — risos.

Cláudia – Nossa, como você consegue se contentar com a pena dele? Porque amor é algo que ele não sente por você.

Karen – Pena, amor, seja lá o que for, eu não me importo, me contento em ter ele ao meu lado e afastado da biscatinha da Giovana. Bom, quer almoçar lá em casa? Ficaremos sozinhas, poderemos por o papo em dia, poderei caminhar um poquinho, porque essa cadeira de rodas está me matando.

Cláudia – Tá, vamos sim. Quer que eu dirija?

Karen – Sim, deixa eu pegar as chaves aqui e ai já vamos.

Karen retira as chaves de seu carro de seu bolso e entrega a Cláudia; Cláudia ajeita sua mochila e em seguida, vai com Karen até a saída do colégio.

CENA 6, CARIOCÃO LANCHES, INTERIOR, DIA

Giovana, Cecília e Camila estão sentadas em uma mesa, enquanto conversam; Sem dar muita atenção para o assunto das amigas, Camila fica virada de costas para as duas, observando Júnior com um olhar vago.

Cecília – Ei, Camila! Camila!

Giovana começa a dar alguns tapas leves no ombro de Camila, tentando lhe chamar a atenção. De repente, Camila retoma o foco e se vira de frente para as amigas.

Camila – Oi… Desculpem, é que eu tava vendo algo…

Giovana – Algo ou alguém? Nós vimos o modo que você olhava o Júnior…

Camila – Sim, eu estava olhando o Júnior… Não consigo mais tirar da cabeça aquele beijo…

Cecília – Amiga, deixa de ser boba e se declara logo a ele, vai poder beijar ele quantas vezes quiser.

Camila – Esqueceu que eu já fiz isso? Mas levei um baita fora.

Giovana – Também né, genial ideia de fazer ele de trouxa e  se fazendo de difícil.

Camila – Vai me dizer que você não faria o mesmo no meu lugar…

Giovana – Não, não deixaria o coitado se arrastar para eu me divertir às custas dele.

Camila – Sabe que até me arrependo de ter feito isso.

Giovana – Mas agora não adianta chorar o leite derramado né.

Camila – Pois é…

Camila vira de costas novamente e volta a observar Júnior.

CENA 7, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, QUARTO DE GIOVANA E KAREN, INTERIOR, DIA

Sozinhas no quarto, Karen e Cláudia conversam.

Karen – Sabe amiga, já me vejo toda de branco, no altar e ao lado do Miguel. Pobre Giovana, perdeu o amor da vida dela para mim.

Cláudia – É… Você conseguiu o que queria…

De repente, Danilo entra em casa e joga sua mochila no sofá; Ao ir para seu quarto, ele ouve uma conversa vinda do quarto de Karen e se aproxima.

Karen – E para isso, fui capaz de mentir uma paraplegia, só para acusar a idiota da Giovana… Seria capaz de fazer coisas pior, mas forjar essa paraplegia só ferrou com ela.

Ao ouvir a confissão de Karen, Danilo se choca, não conseguindo imaginar que sua irmã foi capaz de forjar uma invalidez apenas para conseguir seus objetivos.

CENA 8, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, QUARTO DE GIOVANA E KAREN, INTERIOR, DIA

Ainda chocado, Danilo continua ouvindo atrás da porta as confissões de Karen; Sem pensar duas vezes, ele saca seu celular de seu bolso e começa a gravar tudo.

Cláudia – Cala a boca, alguém pode chegar e ouvir.

Karen – Calma, ninguém vai chegar e ouvir nada. Enfim, fui capaz de tudo isso por amor ao Miguel, e também porque eu quis acabar com a Giovana. Essa vadia nunca devia ter entrado no meu caminho e ter tirado o Miguel de mim.

Cláudia – Você odeia tanto assim a Giovana? Tipo…

Karen – Tipo sendo capaz de matar ela? Sim, é claro! Eu sou capaz até de matar, matar só para ter o Miguel e arruinar a Giovana. Ah, éramos tão amigas, mas por que foi logo querer o mesmo carinha que eu?

Cláudia – Olha, eu não acho para tanto…

Karen – Não acha para tanto? Querida, eu estou tendo que usar uma cadeira de rodas para enganar todo mundo, tendo que me fazer de coitadinha e de paraplégica. Já que me meti nisso, vou até ao fim.

Cláudia – Tá bom, como quiser… Eu não estou sendo a favor disso tudo, mas você sempre terá o meu silêncio, suas confidências vão junto comigo para o túmulo.

Karen – É muito bom mesmo…

Danilo para a gravação e vai para seu quarto, em estado de choque por conta das confidências escabrosas de Karen.

Danilo – Não acredito que minha própria irmã foi capaz de tudo isso… Eu sabia que era uma mentirosa, uma dissimulada, mas capaz de forjar uma paraplegia e até mesmo matar… Mas você não irá tão longe, não vou ter medo do que vier pela a frente.

Danilo guarda seu celular em seu bolso e fica pensativo sobre o que ouviu de sua irmã.

CENA 9, SHOPPING, PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO, INTERIOR, DIA

Sentados em uma mesa, Felipe e Victória tomam duas taças de milk shake, enquanto conversam.

Felipe – Seu milk shake está bom?

Victoria- Está uma delícia, e o seu?

Felipe – Também. Quer provar um pouco?

Victoria – Eu quero.

Victoria pega um dos canudos da taça de Felipe e põe na boca, bebendo o milk shake de Felipe.

Victória – Hum, está ótimo! (T) Sabe, eu queria falar algo, mas não sei se devo…

Felipe – Ih, começou, agora termina. Pode começar.

Victoria – Sabe Felipe, é que faz um tempinho que eu estou sentindo algo, mas coragem para falar…

De repente, Rafael se aproxima da mesa dos dois, interrompendo Victória bruscamente.

Rafael – Felipe? E ai, brother?

Felipe – Qual é, mano?

Felipe se levanta e cumprimenta Rafael com um aperto de mão: Victoria se desanima, pois perdeu a oportunidade de se declarar a Felipe.

Rafael – Oi Victória, tudo bem?

Victoria – Oi Rafa, tudo sim.

Rafael – E ai brother, o que estão fazendo aqui? Não vai me dizer que isso é um encontro de namorados? — risos.

Felipe – Que nada cara, a gente é só amigos mesmo…

Victória – Sim…

Victoria se desanima ao ouvir falar que Felipe é apenas seu amigo, sem saber dos reais sentimentos dele; Felipe e Rafael conversam, sem dar muita atenção para Victória.

CENA 10, APARTAMENTO DE BRENO, QUARTO, INTERIOR, DIA

Sentados em cima da cama, Breno e Cecília se beijam.

Breno – Eu te amo, sabia?

Cecília – Eu também, não quero me separar de você nunca!

Breno – Nem eu!

Breno se levanta da cama e veste sua camisa, enquanto Cecília continua senatada.

Cecília – Amor, eu queria saber de uma coisa…

Breno – Que coisa?

Cecília – Amor, se eu tivesse alguma doença, sei lá, qualquer uma que puduesse ser incurável ou que pudesse infectar alguém, você me apoiaria?

Breno – Nossa, que pergunta é essa? Me pegou de surpresa… Você tá com alguma doença?

Cecília – Mas é claro que não, eu só queria saber mesmo, pois tem vários namorados que não apoiam suas namoradas nesses momentos.

Breno – Hum… Bom, voltando a sua pergunta: Sim, eu te apoiaria, e você sabe disso. Nos amamos e sempre estaremos juntos, seja nos momentos ruins ou bons.

Após a resposta de Breno, Cecília sorri, sabendo que seu namorado lhe apoiaria em algum mau momento; Ela se levanta da cama e abraça Breno, que sorri.

Cecília – Te amo, você é a melhor pessoa do mundo!

Cecília sorri e beija Breno, que se alegra com o carinho da namorada.

CENA 11, ANOITECE O DIA

Takes de paisagens do trânsito agitado da cidade ao anoitecer são mostradas a cena.

CENA 12, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, SALA DE ESTAR, INTERIOR, NOITE

Miguel e Karen estão sozinhos na sala, conversando enquanto trocam olhares alegres; De repente, Danilo entra na sala e joga uma indireta para Karen.

Danilo (falando baixo) – Tem gente que não merece o amor da outra, pena que um dia a máscara cai…

Karen – Falou algo, irmãozinho?

Danilo – Nada não, nada…

Miguel – E ai cara, tudo bem?

Danilo – Tudo sim… E ai, vai ficar para o jantar?

Miguel – Vou sim, fiquei de ajudar a Karen em uma matéria e ai vou ficar sim.

Danilo – Hum…

De repente, a porta da sala se abre, e Giovana entra; Ao se deparra com Karen e Miguel, ela não dá muita atenção para os dois.

Giovana – Oi gente…

Danilo – Oi Giovana!

Miguel – Oi…

Miguel sorri timidamente para Giovana, que lhe ignora; Karen lhe encara, mas Giovana se mantém firme.

Danilo – Giovana, eu queria falar com você, pode ser?

Giovana – Agora?

Danilo – De preferência, sim.

Giovana – Bom, tudo bem, eu só vou guardar algumas coisas e depois eu passo no seu quarto.

Danilo – Tudo bem então…

Giovana sorri para Danilo, que lhe corresponde o gesto; Giovana vai para seu quarto e Danilo para o seu; Miguel fica intrigado, achando que algo a mais pode estar acontecendo entre os dois.

Miguel – O que tá acontecendo? Os dois estão…?

Karen – Juntos? Nunca, essas duas mosca-mortas nunca se viram dessa maneira. O que foi, está com ciumes?

Miguel – Óbvio que não, eu gosto é de você.

Miguel sorri para Karen, que lhe retribui com um tímido sorriso.

Corta para:

CENA 13, CASA DA FAMÍLIA SAMPAIO, QUARTO DE DANILO, INTERIOR, NOITE

Alguns minutos se passaram, e Danilo está sentado na sua cama, a espera de Giovana; De repente, Giovana entra no quarto.

Danilo – Tranca a porta, não quero que ninguém ouça a nossa conversa.

Giovana – Nossa, você parece que tá diferente, o assunto é tão importante assim?

Danilo – Mais grave do que você imagina!

Giovana estranha Danilo, mas não dá muita importância; Ela tranca a porta e em seguida, se senta ao lado de Danilo.

Danilo – Antes de mais nada, quero que você prometa que o que verá aqui, não sairá daqui, pelo menos por enquanto.

Giovana – Tá bom, prometo o que você quiser, mas vamos logo!

Danilo retira seu celular do bolso de sua calça.

Danilo – Ouça isso com bastante atenção.

Danilo aperta em uma gravação; Ao ouvir a gravação, Giovana se surpreende ao ouvir Karen confessar todas suas armações, e uma expressão mista de surpresa, ódio e espanto toma conta de seu rosto.

valeapenaverdenovo

11 thoughts on “O Amor é um Jogo – Capítulo 17

  1. Sem palavras depois desse capítulo, amo a Karen, mas eu quero ver a Giovana desmascarando ela
    Esses acontecimentos passaram em qual/quais capítulo(s) na versão original?
    Parabéns pela fantástica web, Willian!
    Estou adorando essa reprise

    Curtir

  2. Adorei o Danilo gravando a conversa da Karen com a Cláudia!E o mais chocante é que a Karen revelou todos os segredos apenas a Cláudia!Será que o Danilo vai revelar isso para todo mundo?Parabéns pelo capítulo!

    Curtir

  3. O auge do nariz empinado da Karen. Agora, apareceu um buraco no caminho dela e não demorará muito para que ela caia dentro dele.

    Sinceramente, a falta de coragem da Cecília em se abrir com o Breno e expor toda a situação a ele foi um golpe daqueles no relacionamento deles. Mostra que ela não confia nele. Se ela foi capaz de compartilhar essa barra com a Giovana e a Camila, que são suas amigas, por que ela não seria capaz de fazer o mesmo com o Breno, que é a pessoa que ela escolheu pra passar o resto da vida ao seu lado? Não compreendo isso…

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s