Cadeia Sem Grades – Capítulo 10

Cena 1: Campana/ Mansão de Paulino/ Quarto de Paulino, Noite

Taís pega na mão de Paulino, mas ele esquiva.

Paulino: O fato, é que você me escondeu toda essa história, porque não confia em mim o suficiente para isso. E sinceramente, Taís, se você não confia em mim, é melhor pararmos com nossa relação por aqui!

Taís olha para ele, surpresa e com o desespero tomando conta de si novamente. Tudo o que ela não queria, era ficar sem o amor de Paulino.

Taís: Não, Paulino! Eu só não lhe contei toda essa história porque não achei necessário… Eu só queria esquecer a vida infeliz que eu tinha! 

Paulino: Mas você podia ter aberto seu coração comigo, desabafado! Eu ficaria sabendo de todo o sofrimento que passou, e você poderia ter tirado um peso de suas costas! Você não confiou em mim!

Taís: Me perdoe, Paulino. Por favor! Eu te amo!

Paulino: Eu também te amo, Taís. Muito! Mas eu quero confiança, não quero um relacionamento frágil. Já basta o que eu passei com a Alana!

Taís: Não me compare com a Alana. Não me ofenda dessa maneira!

Paulino: Não estou comparando, estou apenas esclarecendo que não quero mais passar por tanto sofrimento! É melhor nos afastarmos. Ao menos por um tempo. Eu preciso pensar, esfriar minha cabeça.

Taís se levanta da cama, com os olhos marejados.

Taís: Tudo bem, irei embora. Mas pense com carinho, não desista do nosso amor! Caso mude de ideia, sabe onde me encontrar.

Paulino não diz nada, e Taís sai do quarto, deixando as lágrimas rolarem. Sozinho, Paulino não resiste e chora, se entregando ao sofrimento e decepção que aquela noite lhe trouxera.

Cena 2: Campana/ Carro de Dário, Noite

O carro estaciona em frente ao hotel Campana Palace. Alana e Dário estão dentro do veículo.

Dário: Ainda não entendi. O que tem nesse lugar que possa ser de meu interesse?

Alana: Eu moro neste local horrendo, mas felizmente é temporário.

Dário: E no que exatamente isso me interessa?

Alana: Não é somente eu quem mora aqui. Taís também. Entendeu?

Dário se surpreende e abre um sorriso.

Dário: Você está falando sério, Alana? Mas isso é uma ótima notícia, será bem mais fácil levar minha mulher embora!

Alana: Exatamente, só precisamos de um plano eficiente para realizar essa missão com sucesso. Venha até meu quarto, vamos falar sobre isso em um local mais reservado, onde ninguém possa ver.

Ela lança um olhar malicioso para ele, que entende a insinuação e ri.

Dário: Nem pense. Eu amo a Taís!

Alana: E você deixará de amá-la se passar a noite comigo? Venha logo, se passar a noite no meu quarto, vai facilitar nosso serviço amanhã. A Taís é minha vizinha de porta, e amanhã bem cedo, executamos o nosso plano. Além de termos uma noite memorável para não se esquecer um do outro, poderemos pensar num plano e executá-lo sem correr o risco de alguém descobrir.

Dário: Da forma que você fala, parece que já tem um plano perfeito para tirar a Taís daqui.

Alana: E tenho, só precisamos organizar os detalhes. Agora venha, vamos aproveitar essa noite maravilhosa.

Ela lança novamente um sorriso malicioso, e Dário corresponde, concordando com ela. Após, ambos saem do carro e adentram o hotel.

Cena 3: Campana/ Mansão de Paulino/ Sala de Estar, Noite

Taís desce as escadas correndo e chorando. Ela passa por Olavo, Odete, Rodolfo, Lucília e Vanessa na sala, mas continua correndo, saindo pela porta de entrada.

Vanessa: Mas o que será que aconteceu?

Odete (sorrindo): Seu pai deve ter caído em si, minha neta! Abriu os seus olhos!

Vanessa: Como? Do que a senhora está falando?

Rodolfo: Pare de encher a cabeça da Vanessa com suas bobagens, mãe! – para Vanessa – Se acalme minha sobrinha, logo você terá uma explicação. Aguarde.

Vanessa concorda e Lucília se levanta.

Lucília: Eu vou atrás da minha amiga, ela deve estar precisando de ajuda.

Olavo: Amiga? Ah claro. Eu devia ter imaginado, até que vocês combinam. Um ótimo par de golpis…

Rodolfo (interrompendo Olavo): Não ouse encerrar essa frase, pai! – para Lucília – Meu amor, fique aqui. A Taís deve estar precisando de um momento sozinha após tudo o que aconteceu. Amanhã vocês conversam.

Lucília, incomodada com a frase de Olavo, concorda.

Lucília: Você tem razão, meu amor. Ficarei aqui com você e com seus adoráveis pais. Tenho certeza que eles vão adorar minha presença por mais alguns minutos.

Ela sorri ironicamente, irritando Olavo e Odete.

Odete: Vamos falar com o Paulino, Olavo. Nosso filho deve estar precisando de nós.

Olavo: Vamos minha querida, assim aproveitamos para respirar um ar mais agradável do que o presente nessa sala.

Olavo se levanta junto com Odete, mas Rodolfo intervém.

Rodolfo: Deixem o Paulino sozinho, ele deve estar precisando de um momento só seu também. Outra hora, quando toda essa situação se normalizar, os senhores falam com ele. Não o perturbe agora.

Olavo e Odete se olham e acabam concordando em deixar Paulino sozinho naquela noite, e se sentam no sofá.

Cena 4: Campana/ Hotel Campana Palace/ Quarto de Alana, Noite

A porta se abre e Alana adentra com Dário, que esbanja um sorriso.

Dário: A Taís mora aqui em frente? Eu preciso ir lá agora!

Alana: Ela nem deve estar aqui no hotel à essa hora. Temos que agir pela manhã, quando todos ainda estiverem dormindo.

Dário: Por quê? Me diga o seu plano!

Alana: Eu só digo depois que você me satisfazer! 

Ela pega na cintura de Dário e o puxa contra si, o beijando. Ele corresponde. Eles deitam na cama e os beijos e carícias se intensificam.

Cena 5: Campana/ Mansão de Paulino/ Quarto de Paulino, Noite

Paulino está sentado na cama, chorando, triste pelo atrito no seu relacionamento com Taís. Vanessa adentra o quarto, e ele seca as lágrimas.

Paulino: Oi, minha filha. Senta aqui com o papai.

Vanessa se senta ao lado do pai e o abraça.

Vanessa: Todos já foram embora, acharam melhor não te incomodar.

Paulino: O jantar nem foi servido, não é? Essa noite é para ser esquecida…

Vanessa: Eu não estou entendendo o que aconteceu, mas imagino que o senhor e a Taís brigaram. Estou certa?

Paulino: Eu me decepcionei com ela, acabamos brigando e nos afastando.

Vanessa: Vocês se amam, pai. Não a abandone. Não faça os dois sofrerem.

Paulino: Eu estou confuso, Vanessa. Preciso pensar bem em tudo o que aconteceu, esfriar a cabeça.

Vanessa: Pense e tome a melhor decisão. Só não deixe a sua felicidade de lado.

Ela sorri para Paulino, que retribui. Após, Vanessa lhe dá um beijo na bochecha.

Vanessa: Boa noite, papai.

Paulino: Boa noite, querida.

Vanessa se retira do quarto, e Paulino permanece sentado, pensativo.

Cena 6: Campana/ Hotel Campana Palace/ Quarto de Taís, Noite

A porta se abre e Taís adentra, chorando. Ela fecha a porta e caminha até a cama, onde se joga.

Taís (chorando): Como é que o Dário foi me encontrar aqui nessa cidade?! Voltou já desgraçando a minha vida. Agora que eu finalmente estava recomeçando a minha vida e redescobrindo como é ser feliz, como é amar alguém, esse monstro reaparece para me atormentar! Esse deve ser meu destino, tenho que me conformar. Será que só conseguirei ter paz quando o dia da minha morte chegar?

Ela vira de lado e abraça o seu travesseiro, chorando ainda mais.

Cena 7: Campana/ Hotel Campana Palace/ Quarto de Alana, Noite

Alana e Dário estão deitados na cama, cobertos por um fino lençol.

Dário: E então, qual o plano para tirar a Taís dessa cidade? Tem que ser algo que a separe do Paulino definitivamente! Não vai ser fácil, a Taís é muito ingrata. Pela sua reação, não creio que ela queira voltar para o Rio de Janeiro comigo.

Alana: Se eu bem conheço o Paulino, ele deve ter ficado bem decepcionado com a Taís após essa bomba que explodiu com a sua chegada. Mas isso não garante que ele desista dela, por isso precisamos separá-los definitivamente.

Dário: E você disse que já tinha pensado em como fazer isso. Me diga, não tenho tempo a perder!

Alana: Como você mesmo disse, a Taís não vai simplesmente entrar no seu carro e voltar para o Rio de Janeiro. Logo, você terá que levá-la a força, e sem que ela perceba.

Dário olha para Alana, assimilando o plano.

Dário: Fala em sequestro? Interessante…

Alana: O único problema, é que precisamos dar um jeito de apagá-la. Se a sequestrarmos consciente, ela fará o maior escândalo. E temos que agir na surdina, sem que ninguém desconfie.

Dário: Não vai ser difícil desmaiar a Taís. Eu tenho uma arma, está na minha bagagem.

Alana: Você está maluco? Qual a lógica de atirar na Taís? Você a quer morta?

Dário: Claro que não! Apenas usarei a arma para desmaiá-la. Uma coronhada na cabeça já será suficiente.

Alana: Entendi… Agiremos amanhã bem cedo, quando as ruas ainda estiverem desertas. Irei distrair o gerente do hotel, e você…

Alana continua explicando o plano, e Dário escuta atentamente. Porém o som é abafado.

Cena 8: Imagens Aleatórias

Amanhece em Campana, ao som de Sorte No Amor – Fernanda Takai e Andy Summers.

Cena 9: Campana/ Hotel Campana Palace/ Quarto de Taís, Dia

Taís está deitada em sua cama, dormindo com as mesmas roupas da noite anterior. Após chorar durante toda a madrugada, ela finalmente pegara no sono. É possível ouvir batidas na porta, e ela se acorda, lentamente. As batidas continuam, Taís caminha devagar e desanimada até a porta, e a abre. Ela se assusta ao ver Dário e Alana do lado de fora, e antes que pudesse expressar qualquer reação, ele avança contra si, tapando sua boca, e a impedindo de gritar. Alana adentra o quarto e Dário retira seu revólver da cintura, e com ele bate na nuca de Taís, que desmaia. Uma pancada forte o suficiente para desmaiá-la por algum tempo, mas não ao ponto de causar um grande ferimento. Alana pega uma mala no armário, e de dentro do mesmo, retira as roupas de Taís, as organizando dentro da bolsa. Após terminar, ela entrega a mala para o parceiro, que continua com Taís no colo.

Alana: Agora eu vou executar a parte final do plano, vou atrair o gerente para longe da entrada do hotel. Está muito cedo, as ruas estão desertas. É só agir em silêncio, que dá certo.

Dário: Pode deixar, vai tudo sair como o planejado.

Ela sai do quarto, e Dário fica observando e aguardando discretamente.

Cena 10: Campana/ Hotel Campana Palace/ Quarto de Alana, Dia

Com um martelo em mãos, Alana caminha até o banheiro. Ela adentra e num ato rápido, bate com a ferramenta na torneira da pia, fazendo jorrar água pelo cômodo. Ela toma cuidado para não se molhar, e guarda o martelo no balcão da pia. Após, ela sai dali, deixando a torneira esguichando água. Alana sai do quarto, e no corredor avista Dário na porta do apartamento de Taís, que está entreaberta. Ela pisca para ele e desce as escadas.

Cena 11: Campana/ Hotel Campana Palace/ Recepção, Dia

Alana chega na recepção e vai direto ao balcão, falar com o gerente. Dissimulada, ela reclama.

Alana: Que péssima estrutura tem esse hotel! Isso aqui precisa de uma reforma, urgentemente!

Gerente: Se acalme, senhora. Qual o problema?

Alana: A torneira do meu banheiro quebrou, esse é o problema!

Gerente: E como foi que isso aconteceu, senhora?

Alana: Não importa como aconteceu, o que importa é que o meu quarto está inundando. Resolva o problema, você é o responsável por essa espelunca!

Sem contrariar, o gerente apenas concorda e sobe as escadas junto com Alana.

CORTA PARA:

Hotel Campana Palace/ Corredor

Alana caminha pelo corredor que dá acesso aos quartos, ao lado do gerente. Com a porta entreaberta, Dário observa. Ele vê a amante entrando no seu quarto com o responsável pelo hotel, e abre a porta. Com Taís ainda desacordada em seu colo, ele sai e caminha até as escadas, a qual desce. Como estava muito cedo, os corredores estavam vazios.

Cena 12: Campana/ Mansão de Paulino/ Sala de Jantar, Dia

Paulino e Rodolfo estão conversando e tomando café da manhã. Paulino lhe conta tudo o que aconteceu entre ele e Taís.

Paulino: Em resumo, eu me afastei da Taís. Eu me decepcionei, é como se ela não confiasse em mim para contar seus segredos…

Rodolfo: Tente entendê-la. Você já parou para pensar o quanto ela sofreu nas mãos do Dário? Nós convivemos com ele na infância, principalmente você. E sabemos que desde criança, nosso primo sempre foi muito agressivo, possessivo. Vocês dois viviam brigando. E Taís teve a infelicidade de casar com ele. Acabou sofrendo com os ataques do Dário. Ela apanhou, foi humilhada. Tenho certeza que aqui em Campana, tudo o que ela mais queria era esquecer esse passado.

Paulino: Eu sei o quanto ela sofreu. Inclusive, eu vi com meus próprios olhos o desgraçando do Dário desferindo um tapa contra ela. Eu amo muito a Taís, mas acho que ela podia ter me contado a sua história. Assim, ela ainda desabafaria comigo, e eu ficaria sabendo de tudo que ela passou!

Rodolfo: Leve em consideração que a Taís, em momento algum mentiu para você, Paulino. Muito menos traiu sua confiança. Ela apenas omitiu o seu passado. Você ama essa mulher, e ela te ama. Não a perca.

Paulino olha para o irmão, pensativo.

Paulino: Você tem razão, Rodolfo. Ontem eu estava de cabeça quente, acabei tomando uma decisão precipitada. Suas visitas sempre vem em boa hora meu irmão, irei procurar a Taís e reparar o meu erro logo mais.

Ele sorri para Rodolfo, que retribui, feliz por ter convencido o irmão a não desistir de Taís. Ambos voltam a comer.

Cena 13: Campana/ Beco, Dia

O carro de Dário está estacionado no beco deserto. Ele está no banco passageiro do veículo, posicionando o corpo desacordado de Taís. Ela fica inclinada, praticamente deitada no banco. Dário sai de dentro do carro e fecha a porta. Ele avista Alana vindo em sua direção. Ela chega até ele.

Alana: Tudo certo por aqui?

Dário: Sim. E lá no hotel? Ocorreu tudo como planejado?

Alana: Eu consegui enrolar o gerente. Agora vá, não perca tempo.

Dário concorda com a cabeça.

Dário: Foi muito bom ser seu parceiro, Alana.

Alana: Eu digo o mesmo, Dário.

Ela lança um olhar malicioso para ele, e segura seu queixo, lhe dando um rápido e provocante beijo.

Alana: Quem sabe um dia nos encontramos novamente. Adeus, Dário.

Ela se vira e sai caminhando pelo beco, até sumir de vista. Dário adentra seu carro, se sentando em frente ao volante. Ele olha para Taís durante alguns segundos, com um sorriso de satisfação no rosto. De repente, ela começa demonstrar reação, se mexendo e soltando gemidos de dor. Ela olha ao redor, sem entender nada. E antes que Taís pudesse compreender a situação, Dário cerra seus punhos.

Dário: Mil desculpas, meu amor. Mas é preciso.

Ele desfere um forte soco na face de Taís, que ainda desnorteada, desmaia novamente. Sangue escorre do nariz da mulher.

A imagem congela no rosto inconsciente de Taís. Aos poucos, a sombra de uma grade se forma sobre a mulher.

Anúncios

26 thoughts on “Cadeia Sem Grades – Capítulo 10

  1. Paulino rompe com Taís, nããããããão, você merece uns tabefes, seu cretino, não soube entender a dama, OLHA AQUI 😡 Morrendo com a safada da Alana se jogando pro Dário e ele aceitando também! Odete e Olavo seguem muito rudes com Lucília, que casal nojento. Dário agride Taís com uma coronhada e Alana distrai o gerente do hotel, permitindo que Dário tire a esposa do local e a leve embora a força. Rodolfo conversa com Paulino e convence o irmão a reatar com Taís. Horrorizado com Taís acordando no trajeto e o Dário dando um soco nela pra desmaiá-la, mas que FDP, gente eu odeio esse cara, tem que ter um final bem trágico! Meus parabéns, Jean, pise mais e mais! 😀

    Curtido por 1 pessoa

    • Alana, uma cedida? Risos.

      Rodolfo convenceu Paulino que ele devia reatar com Taís, mas Dário sequestrou ela com a ajuda de Alana. Será que é tarde demais para Paulino procurar Taís?

      Adoro, obrigado Airton 😀

      Curtido por 1 pessoa

  2. Alana é uma cobra mesmo. Ela não só levou o Dário pra cama (outro safado, jura amor eterno pra uma e se deita com outra) como também sequestrou a Taís!
    Aposto que o Paulino vai fazer o herói e vai resgatá-la.
    Confesso que no começo da novela não gostava muito da Vanessa, mas ela tá bem bonitinha agora.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Infelizmente, não consegui me atualizar, sofro. Mas eu deixo o meu pontinho na audiência, acho que não me atualizarei antes da contagem terminar. Mas creio eu que o desenvolvimento da web deve estar mais do que divino.

    Parabéns, Jean!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Dário realmente é um monstro, como se não bastase espancar e dar pauladas na pobre Taís, ainda corta os punho da mesma.
    Alana como toda vilã é bem safadinha.
    Parabéns Jean, capitulo show.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s