Descobertas – Capítulo 05

CENA 01: SHOPPING VITÓRIA, INTERIOR, MANHÃ.

Rosa, Catarina e Fernanda estão caminhando pelo shopping, vendo vitrines e conversando sobre vários assuntos. Elas compram algumas roupas e resolvem tomar um café na praça de alimentação.

(ROSA): – Ai, como eu adoro shopping, se pudesse vinha todos os dias.

(CATARINA): – A Rosa não muda né, devia ser estilista porque você respira tendências de moda.

(FERNANDA): – Eu gosto de moda, mas não sou muito ligada não.

(ROSA): – Pois devia! Homem gosta de uma mulher bem-produzida.

Fernanda fica cabisbaixa e Rosa percebe, sentindo-se mal pelo comentário.

(ROSA): – Desculpa amiga, não leve pro lado pessoal.

(CATARINA): – Como estão as coisas lá na sua casa, Fernanda?

(FERNANDA): – Daquele jeito né… Meu casamento nunca foi um mar de rosas, mas tem ficado cada dia mais difícil conviver com o Carlos.

(ROSA): – Mas amiga, você tem que dar um jeito, essa situação não pode se estender. Você tá bem tristinha…

(FERNANDA): – É… Mas vamos mudar de assunto? Não quero falar sobre problemas.

(CATARINA): – Ótimo, deixamos os problemas de lado. E os nossos filhos, Rosa, será que se casam?

(ROSA): – Ai, eu faria o maior gosto se a Stefanny e o Jonathan se casassem, mas esses jovens não pensam mais em casamento, Catarina.

(FERNANDA): – E também tá cedo né, gente, eles tem só 17 anos, deixa eles curtirem a idade. É uma fase tão boa que não precisa ter pressa pra passar. Richard e Wesley estão solteiros, nem pensam em compromisso, de certa forma fico um pouco preocupada, com medo que eles não tenham convívio social, mas deixo livre, eles que decidem pelo melhor.

(CATARINA): – Penso o mesmo, temos que vigiar nossos filhos sim, mas tem que dar liberdade para as escolhas deles.

(ROSA): – O café e o papo estão ótimos, mas eu preciso ir pra casa, esqueci meu calmante em casa e eu não fico sem ele. Meu vício, admito! – rindo. – Tchau amigas! Beijinhos!

Catarina e Fernanda se despedem de Rosa, que coloca um óculos escuros e vai embora. Elas permanecem ali por mais algum tempo, até que chega a hora de buscar os filhos na escola.

CENA 02: MANSÃO DE ROSA, INTERIOR, MANHÃ.

Lucas está descendo as escadas da mansão, somente de bermuda, com os arranhões visíveis em seu corpo e os olhos vermelhos de tanto chorar. Transtornado, ele caminha de um lado para outro na sala, sentindo uma profunda angústia com seu conflito pela orientação sexual. Logo, pensamentos mórbidos invadem sua mente.

(LUCAS): – Se eu morresse agora, toda essa angústia acabava… Ninguém vai sentir minha falta mesmo, sou um fardo pra todos.

Lucas segue caminhando de um lado para outro, atormentado. É quando ele se lembra de algo que pode acabar com sua vida. Sem pensar mais, Lucas corre até o escritório da mansão, onde seu pai trabalhava. Ele caminha até sua mesa e abra uma gaveta, retirando um revólver que estava encoberto com documentos. Lucas olha fixamente para o revólver e pensa em tirar sua vida naquele momento.

(LUCAS): – Vai ser rápido, nem deve doer… Só um tiro, bem na cabeça, aí acaba com toda esse sofrimento. – ele engatilha o revólver e, com as mãos trêmulas, aponta para sua cabeça. – Que Deus me perdoe!

Com a respiração ofegante, Lucas fica por alguns segundos procurando coragem para apertar o gatilho. Uma lágrima escorre de seus olhos e, decidido, Lucas fecha os olhos e aperta o gatilho. Porém, não há balas no revólver. Um silêncio mortal se propaga por alguns segundos. Lucas abre os olhos e observa o revólver, incrédulo.

(LUCAS): – Meu Deus, nem pra me matar eu sirvo…

Desolado, Lucas se ajoelha no chão do escritório e coloca o revólver no chão ao seu lado, chorando compulsivamente.

CENA 03: COLÉGIO MÁXIMO, EXTERIOR, MANHÃ.

Trilha Sonora: Can’t Stop The Feeling (Justin Timberlake).

No pátio, os alunos conversam no recreio. Richard, Victor, Wesley, Jonathan, Stefanny e Patrícia estão reunidos abaixo de uma grande árvore, no fundo da escola.

(RICHARD): – Ai caramba, lá vem vocês pedir pra mim ser responsável por vocês na balada de novo…

(VICTOR): – Poxa Richard, qual é o problema? A gente é amigo, cara, não custa nada! A gente só quer se divertir, mas só você é adulto né, não precisa pedir autorização para os pais.

(RICHARD): – Ai, ai, ai… Tá bom, eu entro na balada com vocês e informo pra segurança que sou o responsável.

(VICTOR): – Valeu, fico te devendo essa de novo! – dando um cascudo nele.

(RICHARD): – Mas olha, de responsável mesmo eu só fico do Wesley, porque ele é meu irmão. Você, Jonathan, Stefanny e Patrícia, é cada um por si, não vou ficar cuidando de marmanjo.

(WESLEY): – Eu não vou ir nessa balada, não tô afim.

(VICTOR): – Ah não, vai sim, Wesley! Pô, somos melhores amigos, vai me abandonar lá?

(WESLEY): – Deixa de frescura que rapidinho você encontra companhia né, seu safado!

(PATRÍCIA): – O Wesley falando em safadeza? Surpreendente, é tão quietinho…

(RICHARD): – Os quietos são os piores, Patrícia.

Wesley fica envergonhado, mas ri. Stefanny abraça carinhosamente Jonathan e sussurra em seu ouvido.

(STEFANNY): – Você não vai na balada, aproveita nessa noite e sai com a Maria, é o momento perfeito.

Jonathan compreende e dá um selinho em Stefanny.

(JONATHAN): – Galera, eu também não vou.

(VICTOR): – Ah, porque? Poxa, tinha que ir todo mundo, reunir a galera!

(JONATHAN): – Eu vou ter um compromisso com meus pais, não vai rolar. Mas da próxima vez, eu vou.

(RICHARD): – Pelo visto, vai só nós, Victor.

(PATRÍCIA): – Negativo, eu também vou, não perco uma baladinha por nada!

(STEFANNY): – Eu também, adoro! O Jonathan deixa né?

(JONATHAN): – Deixo? – intrigado.

(STEFANNY): – Deixa sim, nosso namoro é de plena confiança, não existe essa bobagem de ciúmes. – dando um beliscão nele, que disfarça.

(VICTOR): – Então perfeito, vamos quase todos! Bora se divertir! Será que você descola o carro do seu pai pra nos levar, Richard?

(RICHARD): – Ah, meu amigo, isso é missão impossível, o meu pai é indobrável com o carro dele, melhor a gente rachar um táxi.

(STEFANNY): – Bobinhos, eu peço pro motorista da minha mansão levar a gente, relaxem!

(VICTOR): – Vamos chegar na ostentação!

Todos riem e seguem conversando no recreio. Pelo pátio, Maria e Luana caminham e conversam.

(LUANA): – O Jonathan te chamou pra sair? Como assim, gente? E a louca da Stefanny?

(MARIA): – Não, ele chamou como amigo, quer só conversar comigo e mostrar a cidade.

(LUANA): – Olha, o Jonathan não é um cara do tipo canalha, mas sei lá, eu acho estranha essa aproximação com você.

(MARIA): – Eu também acho estranho, mas aceitei. Acho que ele tá bastante envergonhado pelas atitudes da Stefanny e quer se desculpar de alguma forma, mas coitado, ele não tem culpa de nada.

(LUANA): – Pode ser… Então, bom passeio pra vocês! Mas abra o olho hein…

Maria ri e segue caminhando com Luana. Minutos depois, o sinal toca e, pouco a pouco, os alunos se dirigem a suas salas de aula.

CENA 04: DIAS DEPOIS.

Alguns dias se passam e chega ao final de semana. Todos os jovens se preparam para se divertir no sábado e domingo, após a primeira semana de aula.

CENA 05: PENSÃO DA YOLANDA, QUARTO DE MARIA, INTERIOR, NOITE.

Maria está sentada na cama, segurando um pequeno espelho nas mãos, olhando seu reflexo enquanto passa batom rosa claro. Ela pensa em Jonathan e fica com um sorriso bobo estampado no rosto. Yolanda bate na porta e entra no quarto.

(YOLANDA): – Nossa, como minha afilhada está linda! Vai sair?

(MARIA): – Vou, madrinha. Um colega da escola me convidou pra tomar um sorvete.

(YOLANDA): – Ai Maria, mas agora de noite? Porque ele não te convidou pra sair de dia hein?

(MARIA): – Não sei, ele só perguntou se eu queria conhecer melhor a cidade, conversar um pouco, aí eu topei. Ele é um cara muito gentil, Dona Yolanda, pode ficar despreocupada.

(YOLANDA): – Mesmo? Ah, eu fico preocupada, a rua tá muito perigosa hoje em dia e você é nova aqui, as coisas não são como lá no interior, Maria. Você nem conhece esse rapaz direito, toma cuidado!

(MARIA): – Calma madrinha, pode ficar tranquila, eu sei me cuidar. A gente só vai bater um papo, nada mais. Se ele tentar algo além de conversa, eu vou embora.

Yolanda compreende e dá um beijo no rosto de Maria, que sorri. Naquele instante, Bruna entra no quarto, com uma blusa decotada e uma minissaia curta.

(BRUNA): – Mãe, vou sair tá, volto depois da meia-noite, beijos.

(YOLANDA): – Como assim, minha filha? Que roupa é essa? – Bruna ri e sai do quarto. – Ei menina, volta aqui!

Yolanda sai atrás de Bruna, enquanto Maria fica pasma.

CENA 06: PENSÃO DA YOLANDA, EXTERIOR, NOITE.

Trilha Sonora: Criminal (Britney Spears).

Bruna está quase entrando num táxi, quando Yolanda a puxa pelo braço.

(YOLANDA): – Bruna, que ousadia é essa? Como você resolve sair de casa sem pedir permissão?

(BRUNA): – Ai mãe, me deixa, eu não sou mais bebê! – soltando as mãos dela. – Eu vou sair com meus amigos, me divertir na noite, algum problema?

(YOLANDA): – Nenhum, só quero saber quem são esses amigos, aonde é a festa e que horas você volta.

(BRUNA): – Não adianta eu dizer o nome dos meus amigos, a senhora não conhece ninguém mesmo. Eu vou numa balada super descolada e não sei que horas eu volto, vai depender de como será a festa.

(YOLANDA): – Não Bruna, eu não posso deixar você sair desse jeito, eu vou morrer de preocupação…

(BRUNA): – Ai mãe, para de estresse, que saco! Eu não sou mais criança! Eu só vou dançar e bater papo com a galera. Desencana!

Bruna entra no táxi, que parte, deixando Yolanda preocupada. Logo, um carro de luxo estaciona em frente a pensão e dele desce Jonathan, muito bem-vestido. Maria sai da pensão, vestindo uma roupa simples, mas que desperta a atenção de Jonathan. Pela primeira vez, ele percebeu a beleza dela.

(MARIA): – Oi Jonathan. Madrinha, esse é meu colega, o Jonathan. Essa é minha madrinha, a Dona Yolanda.

(JONATHAN): – Oi, Maria. Prazer, Dona Yolanda. – cumprimentando. – E não me chama de colega, Maria, eu sou teu amigo.

(YOLANDA): – O prazer é meu. Divirtam-se!

Maria e Jonathan agradecem e entram no carro, enquanto Yolanda observam com preocupação ao ver o carro partir.

CENA 07: MANSÃO DE ROSA, QUARTO DE LUCAS, INTERIOR, NOITE.

Lucas e Wesley estão sentados na cama, conversando. Lucas está bastante melancólico e Wesley se choca com as marcas de arranhão em seu rosto.

(WESLEY): – Lucas, o que aconteceu contigo? Porque você está com essas marcas?

(LUCAS): – Não foi nada, Wesley, é bobagem…

(WESLEY): – Bobagem? Você se machucou desse jeito e acha bobagem? Porque você se arranhou assim?

(LUCAS): – Eu não me arranhei, eu tropecei no jardim e cai no meio das roseiras, me espetei nos espinhos, foi isso.

(WESLEY): – Deixa de ser mentiroso, eu te conheço! Lucas, você se arranhou sim, porque você fez isso? O que você tem? Desabafa comigo!

(LUCAS): – Eu queria sumir, Wesley. Sumir pra sempre. Não aguento mais viver assim. Me machuquei pra ver se passava essa angústia…

(WESLEY): – Oh meu amor… – ele abraça o namorado, que geme de dor pelos arranhões. – Nunca mais se machuque desse jeito, viu? Você precisa se acalmar, ter esperança de que isso um dia vai acabar. Quem sabe você não converse com sua mãe? Talvez ela entenda sua condição e aceite numa boa…

(LUCAS): – Wesley, para com isso! – empurrando. – Você tá falando essas coisas só pra me agradar, pra tentar me pôr pra cima, mas eu sei que tudo isso é mentira! A minha mãe nunca vai aceitar ter um filho gay, ela pensa como meu pai, eu tenho certeza!

(WESLEY): – Como você pode ter certeza se vocês nunca conversaram sobre isso? Teu pai era homofóbico, mas não quer dizer que tua mãe será também!

(LUCAS): – Você acha que me assumir vai resolver meus problemas? Se fosse assim, então porque você também não se assume, Wesley? Claro que não, você sabe que tua família não vai aceitar, todo mundo vai te rejeitar e quem sabe até te expulsar de casa. Eu também sinto isso, eu não quero passar por isso!

(WESLEY): – Eu sei que a situação é difícil, mas tem que ter uma pontinha de esperança…

(LUCAS): – Sabe quando meus problemas vão se resolver? Quando eu morrer. Só a morte vai aliviar minha angústia.

(WESLEY): – Ai Lucas, para de ficar dizendo essas coisas, eu não gosto quando você fala isso. – acariciando seu rosto. – Vem cá, deixa eu cuidar de você. Aqui nós estamos protegidos do mundo ali fora e não precisamos ficar de teatro.

Lucas dá um tímido sorriso e Wesley se aproxima, dando um beijo longo e apaixonado. Em seguida, os dois deitam na cama e ficam entre beijos e abraços acalorados.

CENA 08: PRAÇA, EXTERIOR, NOITE.

Maria caminha com Jonathan pela praça da cidade, enquanto conversam timidamente.

(MARIA): – Você tem 17 anos né? Então, como você dirige?

(JONATHAN): – Ah, eu peguei o carro emprestado do meu pai… E eu sei dirigir, ele me ensinou, só não tenho carteira de habilitação.

(MARIA): – Teu pai é bem liberal, te emprestou assim, nua boa…

(JONATHAN): – Na verdade, ele nem sabe que eu sai com o carro dele… Mas relaxa, não vai acontecer nada! – eles caminham um pouco em silêncio. – Você tá gostando de morar aqui, Maria?

(MARIA): – Tô, a cidade é muito bonita e aos poucos estou me acostumando.

(JONATHAN): – Ah sim… Sua madrinha parece bem simpática, assim como você. Mas e teus pais? Você não fala deles… Eles ficaram lá no interior?

(MARIA): – Eu não falo dos meus pais porquê… É que eu sou órfã, Jonathan. Meus pais morreram num acidente há alguns meses e eu vim pra cidade morar com a única parente que eu tenho.

(JONATHAN): – Nossa… Eu nem sei o que dizer! Eu sinto muito. Mas não vamos pensar em coisas tristes hoje, ok? Tem uma sorveteria ótima logo em frente, eu prometi pagar um sorvete pra você, então vamos?

(MARIA): – Já que você insiste… – rindo. – Sabe, vou te contar uma coisa: eu nunca comi sorvete!

(JONATHAN): – Não? Como não? – surpreso.

(MARIA): – Eu morava muito no interior, Jonathan, lá não tinha sorvete, só no mercado próximo à cidade, mas era muito longe da fazenda em que eu morava. Além disso, a gente não tinha muito dinheiro, então o pouco que a gente tinha era pra comprar o essencial.

(JONATHAN): – Tô impressionado, nunca pensei que hoje em dia alguém pudesse desconhecer coisas que são tão comuns. Então, eu vou ter a honra de pagar teu primeiro sorvete. Vem, eu tenho certeza que você vai adorar!

Jonathan segura na mão de Maria e a puxa, os dois saem correndo e rindo até a sorveteria, que fica ao lado da praça.

CENA 09: BOATE, INTERIOR, NOITE.

Trilha Sonora: Duele el Corazón (Enrique Iglesias).

A música está no volume máximo. Pessoas jovens e de meia-idade dançam, conversam e tomam bebidas alcoólicas, sob o som ensurdecedor da batida. Richard está tomando uma cerveja encostado na bancada do bar, enquanto observa as mulheres da boate dançando. Logo, ele vê Victor aos beijos com uma garota na parede.

(RICHARD): – Tá louco, esse daí não perde tempo…

Richard ri e bebe. Stefanny e Patrícia estão dançando e bebendo energético, enquanto conversam.

(STEFANNY): – Nessa hora, a tosca da Maria tá caindo na lábia do Jonathan.

(PATRÍCIA): – Será que ela vai cair tão rápido assim?

(STEFANNY): – E quem resiste ao príncipe do meu namorado?

Patrícia ri e vê seu celular vibrar. Ela verifica a mensagem e mostra para Stefanny.

(PATRÍCIA): – A Bruna tá do lado de fora da boate, barraram ela por ser de menor. Tá pedindo pra gente convencer o Richard a ser responsável por ela também. E agora?

(STEFANNY): – Ai, tô fora!

(PATRÍCIA): – Mas ela é nossa amiga, não custa a gente pedir pra ele…

(STEFANNY): – Eu gosto da Bruna, mas ela é muito grudenta… Ai, sem paciência hoje, quero me divertir sem um carrapato em mim! Chega de papo, vamos dançar e vai procurar um gatinho pra você, tá cheio hein…

Patrícia ri e guarda o celular, voltando a dançar com Stefanny. Enquanto isso, Richard estava sentando num puff, mexendo no celular. É quando ele vê Luana caminhando pela balada, muito bem vestida, de cabelo arrumado e maquiagem feita. Ele se encanta por sua beleza, que até então nunca tinha notado. Luana se escora na parede, observando as pessoas dançando e sentindo-se envolvida pela música. Richard levanta-se do puff e vai até Luana, que se surpreende ao vê-lo.

(RICHARD): – Oi, Luana… Tudo bem?

(LUANA): – Oi… Tudo e você?

(RICHARD): – Tudo também. Quem diria, você numa balada hein!

(LUANA): – E qual é o espanto? Acha que só porque sou estudiosa, não gosto de festas?

(RICHARD): – Sei lá, é que eu não pensei que curtisse música eletrônica…

(LUANA): – Eu curto muito, só não tenho costume de sair sempre que nem você e tua turminha de amigos. Cadê todos eles, te abandonaram?

(RICHARD): – Ah, tão por aí, se divertindo. Quer dançar?

(LUANA): – Eu? Ah, eu sou meio desengonçada, Richard…

(RICHARD): – Não tem problema, eu também sou! – rindo.

(LUANA): – Obrigada, mas eu cheguei agora e…

(RICHARD): – Eu não dancei desde que cheguei, você veio sozinha e não é legal ficar isolado numa balada. – estendendo a mão. – Vem, vamos dançar um pouco, Luana?

Luana fica dividida, mas resolve aceitar. Ela segura na mão de Richard e os dois caminham até o centro da pista, começando a dançar. Na batida eletrônica, Richard e Luana trocam olhares, os quais nunca tinham trocado. Um atrai o outro, como nunca tinham se atraído. Eles seguem dançando, envolvidos com a música e tentando entender o que estão sentindo.

CENA 10: BOATE, EXTERIOR, NOITE.

Victor sai de mãos dadas com uma mulher, que o beija assim que cruzam a porta. De longe, Bruna o avista e corre até ele, interrompendo o beijo.

(BRUNA): – Oi Victor, desculpe atrapalhar, mas você sabe se o Richard tá aí?

(VICTOR): Oi Bruna… Sim, ele tá aí, porquê?

(BRUNA): – Eu queria pedir pra ele falar com a segurança e me deixar entrar, eu sou de menor e tô sem autorização da minha mãe. Você pode pedir pra ele, por favor?

(VITOR): – Vish, vai ser difícil… Eu já sai da balada, não posso entrar de novo, sou de menor. E meu brother tá ocupado agora, se é que você me entende… – rindo.

(MULHER): – Vamos então? Quero te conhecer melhor…

(VICTOR): – Só se for agora… Tchau Bruna, boa sorte aí!

(BRUNA): – Peraí, oh moça, você é de maior? Podia me ajudar a entrar?

(MULHER): – Sou de maior, mas já tô indo embora. Eu nem te conheço, acha que vou me responsabilizar por você? Te vira!

Bruna engole a resposta e observa a mulher saindo com Victor aos beijos e amassos até seu carro. Bruna envia mais mensagens a Patrícia e Stefanny, mas é inútil. Chateada, ela resolve voltar pra casa.

CENA 11: SORVETERIA, INTERIOR, NOITE.

Maria e Jonathan estão comendo sorvete bem entusiasmados, enquanto conversam descontraídos.

(MARIA): – Ai, adorei o sorvete, é uma delícia! As pessoas mentiram pra mim, diziam que era bom, mas na verdade é maravilhoso, é ótimo! Agora que eu conheço essa sorveteria, vou vir mais vezes, até vou convidar a Luana.

(JONATHAN): – Que bom que você gostou, Maria. Você é bem amiga da Luana né?

(MARIA): – Sou, ela foi a primeira pessoa que se aproximou de mim lá na escola, a gente se dá super bem.

(JONATHAN): – Tá certo… Mas a gente tava conversando antes sobre redes sociais, quer dizer então que você não tem nenhuma?

(MARIA): – Não, lá no interior não tinha internet. Nunca tive computador, celular, eu sou bem desligada dessas modernidades, sabe.

(JONATHAN): – Caramba, eu não me imagino sem tecnologias. Tenho várias redes sociais e tô sempre interagindo com meus amigos por lá.

(MARIA): – Sei lá, eu sou muito caipira mesmo, prefiro contato cara a cara com meus amigos. – rindo.

(JONATHAN): – Você é uma garota diferente, Maria.

(MARIA): – Ser diferente é bom?

(JONATHAN): – Acho que sim. Se todo mundo fosse igual, não teria graça.

(MARIA): – Sua namorada e o grupinho dela não pensam assim…

(JONATHAN): – É porquê elas são incapazes de ver que atrás dessa diferença se esconde uma garota incrível.

Maria fica corada e em silêncio, enquanto Jonathan a encara com afetividade.

(MARIA): – Falando nela… Ela sabe que você tá aqui comigo?

(JONATHAN): – Não. Na verdade, a gente tá meio brigado, sabe? A Stefanny é muito possessiva, me sufoca demais. Mas eu não quero falar dela agora, eu quero esquecer meus problemas. E você, Maria, tem namorado?

(MARIA): – Eu? Claro que não! – ficando com o rosto corado.

(JONATHAN): – Porque diz “claro que não”? Qual é o problema em namorar? Você é uma garota muito bonita e simpática, não vejo mal algum…

(MARIA): – É… Vamos embora, Jonathan?

(JONATHAN): – Ah… Já?

(MARIA): – Já tá tarde e eu não quero preocupar a madrinha.

Jonathan compreende e levanta-se junto com Maria, pagando a conta da sorveteria e caminhando até o carro, indo embora.

CENA 12: PENSÃO DA YOLANDA, EXTERIOR, NOITE.

Jonathan está estacionando o carro de seu pai em frente a pensão aonde Maria mora. Eles tiram o sinto de segurança e ficam em silêncio, se olhando.

(JONTHAN): – Gostou do passeio então?

(MARIA): – Muito! Você é um cara muito legal, Jonathan. Obrigada!

(JONATHAN): – Não tem que agradecer nada, Maria, eu só quis ser gentil contigo.

(MARIA): – Tá certo… Bom, eu vou indo então… Boa noite! – ela abre a porta.

(JONATHAN): – Ei, espera! – ela fecha a porta. – Quando a gente se vê de novo?

(MARIA): – Na escola, como sempre.

(JONATHAN): – Só na escola? Poxa… Eu queria te ver outras vezes também. – ele coloca sua mão sob a mão dela. – Maria, sua companhia me fez muito bem, eu estava precisando renovar minhas energias depois da minha briga com a louca da Stefanny.

(MARIA): – Ah… – tirando a mão dele. – Que bom que você melhorou. Mas já tá tarde, é melhor você voltar pra casa, seu pai pode notar que você pegou o carro escondido.

(JONATHAN): – É, tem razão, eu preciso voltar, sei que hoje vai ter sermão. – rindo. – Mas antes, eu quero levar uma coisa, pra mim ter motivos pra sonhar hoje.

Trilha Sonora: Ciego (Reik).

Maria não compreende e Jonathan se aproxima vagarosamente. Ele acaricia delicadamente o rosto dela, que fica arrepiada. Os dois se olham fixamente com ternura até que, de repente, Jonathan beija a boca de Maria. E pela primeira vez, seus corações disparam para o amor.

CONTINUA…

NO PRÓXIMO CAPÍTULO: Richard e Luana se beijam na boate.

Anúncios

33 thoughts on “Descobertas – Capítulo 05

  1. Descobertas tá meio devagar, quase parando… não que isso seja uma reclamação, eu entendo a necessidade de os primeiros capítulos terem um ritmo mais lento, os personagens têm que estar muito bem posicionados no tabuleiro para a chegada do Jorge e, principalmente, do Ryan… e agilidade não é o forte deles, ou então da maioria deles.

    Bruna já foi tombada pela primeira vez, e nem Lucas nem Maria tiveram algo a ver com esse tombo. Ao que tudo indica, Bruna terminará a trama no fundo do poço, esquina com a rua da amargura.

    Por que eu acho que esse lance da boate vai dar merda e ninguém vai escapar ileso do que vai acontecer? Nem Richard, nem Victor, nem Wesley, nem Bruna, nem Luana, nem Patrícia e nem Stefanny. Será que vai ser aí que nós vamos conhecer o Ryan? Acho que não, no máximo algo que os leve até o Ryan.

    Jonathan conseguiu o que queria. Laçou a Maria. Mas… será que ele vai ter coragem de levar o plano da Stefanny até o fim? Será que ele vai chegar até à exposição da Maria sem fraquejar ou pensar em desistir? Melhor dizendo, será que a Maria chegará a ser exposta pela Stefanny?

    Uma coisa sobre o Lucas: o que aconteceu com o pai dele? Morreu? Foi embora? Sumiu via pó de pirlimpimpim? Tenho a leve impressão de que a resposta está no lugar mais óbvio possível, mas eu nem reparei. Mas enfim, novamente expresso aqui a pena que eu sinto do Lucas… até agora, nada está desviando do trajeto imaginado por mim para ele na trama.

    Curtido por 1 pessoa

    • A primeira semana teve um ritmo mais lento, de fato, mas a partir de segunda-feira, vem intensas reviravoltas que vão remexer em todos os núcleos e o ritmo ficará mais acelerado para os desdobramentos dos personagens. Sobre o marido de Rosa, o pai de Stefanny e Lucas, ele faleceu há alguns anos, está na chamada do perfil dos personagens. A respeito de Jorge e Ryan, semana que vem eles dão as caras. Obrigado pelas opiniões, Glay! ❤

      Curtido por 1 pessoa

  2. Arrasou pra mim não tem nada de ritmo lento tá muito é maravilhoso… Apaixonado pela tua escrita Airton… Não mata o Lucas Por favor amo as cenas dele com Wesley fico imaginando como é lindo…Bruna se ferrou mais que merecido….Luana se dando bem… Começando a curtir a Maria e o Jonathan…#LuLey

    Curtido por 1 pessoa

  3. E o drama de Lucas e Wesley está cada vez mais intenso. Promete muito esse núcleo nos próximos capítulos. Nem Stefanny quer saber de Bruna. Eu fiquei com pena, confesso, mas ela mereceu. Luana e Richard? Não sei não, hein… Jonathan e Maria deram o primeiro beijo. Achei muito bonitinho esses dois, de verdade. Mesmo sabendo a intensão que ele tem, vejo que o amor por ela é maior do que com Stefanny, se é que ele já sentiu isso por ela.

    Parabéns, Airton! 😀 Que venha o próximo capítulo.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Capítulo longo e agitado, amamos?

    E vamos ao #MyAnalysis

    Descobertas – Capítulo 05

    Rosa, Fernanda e Catarina estão no shopping, fazendo compras (num sexshop, brincadeira. 😛) e após as compras (calientes), elas saem para tomar um café na praça de alimentação – Fernanda fala que o seu casamento está terrível, e que é impossível conviver com Carlos – o que o Carlos fez de tão grave para a Fernanda? Algo me diz que ele traiu ela, e digo mais: com um homem! – não sei por que, mas a Rosa e a Fernanda não me soam preconceituosas, creio que se Wesley e Lucas assumissem a sua homossexualidade, elas encarariam numa boa… já certas pessoas, vulgo Richard, Carlos e Stefanny se indignariam.

    Gente, eu tô ficando chocado com o estado da depressão do Lucas, será que ninguém percebe que tem algo de errado com esse garoto (Wesley não conta), ele tentou suicídio! Pegou um revólver que tinha no escritório do falecido e homofóbico pai e tenta se suicidar… ainda bem que o revólver não tinha balas, não admitiria que o melhor personagem da web morresse.

    Richard, Victor, Jonathan, Patrícia e Stefanny conversam sobre irem a uma balada no final de semana. Richard reclama que todos só querem que ele vá para se “responsabilizar” por eles, mas diz que vai. Wesley diz que não vai e Stefanny não deixa Jonathan ir, pois ele precisa começar a agir no plano de seduzir Maria, pois mera conversa fiada não seduz ninguém.

    Dias se passam, chega o tão esperado final de semana… Maria se arruma para sair com Jonathan, enquanto Bruna diz a Yolanda que vai sair para a balada, Yolanda pede satisfações a Bruna, mas ela a deixa no vácuo, vadia!

    Chocado com a Maria dizendo que nunca tomou sorvete e nunca teve acesso a internet… meu Deus, eu não vivo sem tecnologia, eu acho que nunca vou querer morar no interior (nada contra quem mora).

    Enquanto isso, numa buate de striptease e prostituição. 😛 …Richard fica abismado ao ver Luana na balada e se admira com a sua beleza; ele a chama para dançar – Airton, você tá me fazendo ir contra todos os meus princípios e tá me fazendo shippar um casal, não creio! – Do lado de fora da buate… Bruna tenta entrar, mas não consegue, pois é menor de idade; ela manda mensagens para as amigas do grupinho piranhas malvadas, porém, elas visualizam e a deixam no vácuo, ela pede ajuda a Victor, mas não consegue entrar – não vou mentir, adorei ver a Bruna sendo pisada e deixada no vácuo. Bem feito, sua vadia! Piranha! Cachorra!

    Do lado de fora da pensão de YolandaMaria e Jonathan conversam, descontraídos; ela diz que precisa ir, porém, antes que ela vá, ele a beija – ai, eles lacram tanto quando tão juntos! ❤

    Os personagens que mais se destacaram nessa primeira semana foram: Maria, Jonathan, Stefanny, Wesley, Luana, Lucas, Bruna, Yolanda, Abigail e Rômulo

    A primeira semana foi divina! Ansioso para as próximas sete!

    Parabéns, Airton. 😀

    Curtido por 1 pessoa

  5. Nossa coitado do Lucas, quase tirou a própria vida. O jeito metido da Stefanny me irrita, morro. O plano dela segue dando certo. E Jon e Maria se beijaram, acho que agora as coisas vão começar a mudar.
    Parabéns query ;*

    Curtido por 1 pessoa

  6. Lucas tenta se matar com um tiro na cabeça, mas felizmente, a arma estava sem munição. Tudo se encaminha para que ele cometa suicídio, eu sofro. Lucas e Wesley formam um belo par, e vou defendê-los até o fim.

    Falando em ótimo par… Richard e Luana se aproximaram na boate, e não sei porque, mas acho que vou shippar os dois.

    Por outro lado, Jonathan e Maria se aproximam cada vez mais, e rola um beijo entre eles. Esse casal eu não consigo shippar, Jonathan não me desce, o que ele está fazendo é asqueroso, e mesmo se apaixonando de verdade, a merda já está feita. Eu penso na Stefanny humilhando a Maria, e só consigo me lembrar da Olga usando o Danilo para zoar com a Ana Francisca em Chocolate com Pimenta 😛

    Parabéns, Airton 😀

    Curtido por 1 pessoa

    • Lucas chegou ao limite da depressão, mas será que ninguém além de Wesley será capaz de ver isso para reverter o quadro? Que bom que está começando a shippar Luana e Richard, muito em breve eles vão despertar ao amor. Sobre Maria e Jonathan, eles estão se apaixonando de uma forma errada, através de um plano de Stefanny, aguarde e verá os desdobramentos. Apesar da semelhança com “Chocolate com Pimenta”, os rumos serão completamente opostos. Muito obrigado, Jean, te espero segunda! ❤

      Curtido por 1 pessoa

  7. Parabéns Airton, li de meio dia mas na hora de comentar caiu a internet. Capítulo muito bom. O plano de Stefanny vai realmente juntar Maria e Jhonatan, que cenas lindas. Curti muito.
    Você esta tratando da homossexualidade de forma correta e real. Podia ser sua web no lugar de malhação.
    Conflitos verdadeiros de adolescentes.
    Vamos ter novos casais e com certeza mais cenas bonitas como desse capítulo.
    Os núcleos estão bem encaixados, cada um com seus dilemas e questionamentos. Personagens fortes, carismáticos, muito odiáveis(no bom sentido) e uns bem tristes e complexos( principalmente os que estão na questão da sexualidade)
    Descobertas me faz ter vontade de voltar a acompanhar diariamente o blog, só pra ler essa trama emocionante, divertida e verdadeira.
    Sou adolescente e conheço pessoas com esses problemas, pois são verdadeiros e de adolescentes mesmo.
    Desculpa por ler so hoje, sei que não vale ponto, mas saiba que eu gostei muito.
    Semana passada tinha provas e amanha tenho outra. Estava estudando e as vezes cai a internet, sinal não é muito bom. Difícil! kkkk
    PARABÉNS, TOP!

    Curtido por 1 pessoa

    • Tudo bem, Gremista, entendo seu tempo curto, mas fico muito feliz em saber que você arranjou um tempinho e leu todos a primeira semana e deu sua opinião. Embora não valha ponto de audiência, sua opinião é extremamente válida pra mim e fico muito satisfeito com tantos elogios. Se conseguir acompanhar ou sempre que quiser/puder aparecer, será bem-vindo, sua participação é sempre muito importante para mim como autor! 😀 ❤

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s