Segredos da Paixão – Capítulo 08

OITAVO CAPÍTULO

 

Cena 1

TARDE, Casa de Lorena

LORENA: Eu não fiz nada, tá louca mulher!?

CARMEN: Louca? Minha filha nunca mentiria pra mim, ainda mais naquele estado, se ela disse que tu é a culpa é porque tu é.

Carmen acerta uma bofetada em Lorena a derrubando.

CARMEN: Eu vou acabar com tua raça! Assassina maldita!

Imediatamente Elisa se mete na frente e empurra Carmen.

ELISA: O que tu tá pensando? Acha que pode chegar na casa dos outros e fazer o que quiser?

CARMEN: Sua filha matou a minha.

ELISA: Até onde eu sei, a Gaby morreu após fazer um aborto, o que tu tá fazendo são acusações graves, saia da minha casa agora!

Antes que Carmen continuasse suas insinuações, Elisa a expulsa de sua casa.

ELISA: O que tem a dizer sobre isso, Lorena?

LORENA: Essa mulher é louca, só pode.

ELISA: Tu não tá me escondendo nada?

LORENA: Ah mãe, não viaja. A Carmen tá assim porque perdeu a filha é normal. – Ela vira as costas com raiva. – Agora vou pro meu quarto, vê se não enche.

 

Cena 2

ANOITECENDO, Rua, cidade vizinha

Guilherme caminha por uma rua qualquer. O lugar até então aparenta ser um pouco desconhecido para ele, que agora parado em um ponto da rua, olha para a tela do celular a fim de averiguar algum endereço. Em seguida, volta o olhar para um estabelecimento a alguns metros a sua frente. Trata-se de um motel.

Após ter passado pela portaria e pedido a informação que precisava, lá estava ele, em frente a porta do quarto número 16. Uma certa aflição chega, porém ele sabe que precisa continuar. Guilherme dá dois toques na porta, e em poucos instantes ela abre.

Parado, olhando para a escuridão lá dentro, o jovem cria coragem e atravessa porta adentro.

Aos poucos sua visão vai se acostumando as luzes apagadas, e ele percebe que não estava tão escuro quanto pensava. Alguns passos à sua frente, de pé, está a pessoa que o obrigou a ir até lá, Matheus, encarando-o seriamente.

MATHEUS: Então você realmente veio? – Com um olhar fixo em Guilherme.

GUILHERME: Tô aqui, como você me obrigou! – Ainda aflito com tudo que está acontecendo.

MATHEUS: Você tinha a opção de ter seu segredo revelado e virar um “bichinha” para todos saberem, mas é lógico que essa não é sua intenção…

GUILHERME: Aquilo que aconteceu entre nós, foi um erro! Eu nunca quis isso! Nunca quis estar num quarto de motel com outro homem! – Diz, Guilherme, tentando persuadir Matheus a repensar, seja qual for os planos que ele tenha para aquele momento.

MATHEUS: Tá dizendo isso porque não sou aquele teu amigo, aqui contigo!

GUILHERME: Me respeita! Eu não to afim, com ninguém, minha namorada morreu faz pouco tempo e…

MATHEUS: E tá fazendo a linha santa, é? Pensa que não reparei no jeito como olha pro seu amigo? Se fosse ele, duvido toda essa “frescura” em me “dár”, mas não vou voltar atrás! Aquela vez foi um erro que você cometeu e me deixou louco de desejo de te encontrar! – Ele olha para Guilherme fixamente – Foi o destino. Agora, Tu vai fazer tudo que eu quiser! Então, é melhor ser viado só pra mim, do que para todos. Não acha? – Guilherme, pasmo, não esboça reação.

Matheus vai em direção a cama próxima deles no pequeno quarto. Ele senta, e começa a tirar a calça, Guilherme de pé, apenas observa tudo.

Ao jogar suas roupas no chão, a imagem nos mostra Matheus só de cueca, sentado na beirada da cama. Ele pede para Guilherme ir até lá.

MATHEUS: Ei? Vem aqui comigo… – Ele está acariciando suas partes intimas por cima da cueca. Guilherme continua parado, olhando – Vem fazer aquilo que você fez aquela vez. Vem!

Guilherme começa a sentir uma certa excitação. Um sentimento começa a tomar conta de seu corpo e mente. Mas ele mantém-se firme parado onde está. Aos poucos, Matheus vai perdendo a paciência.

MATHEUS: Vou ter que esperar muito? – Engrossando o tom de voz.

Algo em Guilherme o diz para ir, porém sua outra parte diz para permanecer onde está. Dividido, entretanto, sabendo que não podia provocar a ira de Matheus, ele começa a caminhar até o chantagista. Em poucos passos, ele se vê diante de Matheus e agacha. Logo leva as mãos em direção ao órgão dele, o acariciando.

MATHEUS: Já esperei muito por esse dia! Vai direto ao ponto! – Apressando o sexo oral.

Guilherme excitado, porém tentando não demonstrar, puxa a cueca do mau caráter. O pênis dele fica ereto em sua frente. Um desejo toma conta dos pensamentos de Guilherme, que sem mais demoras começa a fazer sexo oral em Matheus, que se retorce de prazer.

MATHEUS: Você é o melhor! – Diz ele, pondo a mão sobre a cabeça de Guilherme – Tentei com outros caras, todo esse mês, após fazer com você. Mas ninguém se compara! – Guilherme ouve e continua a chupa-lo.

 

Cena 3

NOITE, Mansão, interior

Deitado no sofá da sala, Diego lembra do dia em que foi a casa de Guilherme, e da reação que o amigo teve, após ver o vídeo em que seu pênis estava amostra.

DIEGO (em pensamento): Acho que peguei pesado com o Gui. Mas aquele otário me achou “bem dotado”

Ao fim do pensamento, ele dá uma risada, sozinho. Alguns segundo depois, escuta estalar de passos, alguém estava vindo,.a porta da sala abre e Dorival entra pela sala.

DIEGO: Pai? – Dorival, olha para ele parando no meio do caminho – Estava lhe esperando. Preciso falar com o senhor sobre um assunto sério que aconteceu com a Sandra.

O homem fica apreensivo.

DORIVAL: Seja o que for, você me diz amanhã. Vá dormir!

DIEGO: Eu não quero ir dormir!  É um assunto sério! O senhor pode me dá um minuto? – Ele não vê outra saída a não ser escutar o que o filho tem para dizer.

DORIVAL: Vamo então! Diga o que aconteceu com essa mulher.

DIEGO: A Sandra teve mais um daqueles ataques e se eu não chego há tempo, ela teria morrido! Tá na hora dela ter alguém pra ajudá-la aqui.

DORIVAL: Não estamos em condições de contratar mais ninguém! Ainda não entendeu que não tá entrando dinheiro?! – Dorival dá as costas para Diego e sobe, deixando o filho sem mais respostas.

Diego fica inerte ao pé da escada, com uma das mãos no corrimão, olhando o pai seguir passo a cima.

 

Cena 4

NOITE, Motel, quarto 16

Aos poucos a imagem vai ficando nítida dentro do quarto escuro, enquanto vai aproximando da cama. Sentado a beira dela, Matheus se mostra satisfeito com a boa performance de Guilherme no sexo oral. Porém, agora parece querer dar mais um passo na relação sexual.

No centro da cama, ele pede para que Guilherme deite junto. O que ele não esperava.

GUILHERME: Cara, eu acho que já fizemos o que tínhamos pra fazer – Diz, tentando evitar a relação.

Matheus alterado força o rapaz a deitar com ele.

MATHEUS: Sabe o que é isso aqui? – puxando um revólver debaixo de um dos travesseiros – Isso aqui não é pra mim! Deita logo aqui!

Guilherme toma um susto e obedece.

MATHEUS: Tira toda essa roupa primeiro! – Com a arma apontada para Guilherme. Do outro lado ele começa a se despir.

Agora, totalmente nu, ele vai para a cama, deitar-se com Mateus. A imagem fica sobre os dois, vista de cima.

Guilherme fica de lado, enquanto Matheus tenta pôr uma camisinha. Ao conseguir, ele vai até o ombro de Guilherme.

MATHEUS: (sussurrando) Agora você vai saber o que é bom – Diz, ao pé do ouvido de Guilherme.

GUILHERME: Por favor cara, não faz isso! A gente pode tentar isso outro dia – Argumenta, em vão.

MATHEUS: Cala a boca que você vai gostar! – Ele dá uma risada esbaforida no rosto de Guilherme, ao mesmo tempo que leva a arma em direção a cabeça dele.

A mão de Matheus vai até a cintura de Guilherme, e a segura firme. Com força, ele vai tentando penetrá-lo. Guilherme em contrapartida faz cara de dor e se remexe na cama.

GUILHERME: Não faz isso cara!

MATHEUS: (irritado) Cala a boca!!! – E se vira sobre Guilherme, o penetrando completamente.

Os movimentos de vai e vem começam, enquanto Guilherme por baixo, está com cara de dor e sofrimento. Matheus não para, e segue com o ato maliciosa em cima de Guilherme.

MATHEUS: Que delícia! Caralho!

A imagem agora é vista pelo reflexo do espelho que está no teto do quarto. E logo tudo escurece.

 

Cena 5

NOITE, Casa de Lorena, quarto

Sentada a beira de sua cama com uma foto em suas mãos, ela acaricia o rosto de Jimmy, na imagem. Lágrimas brotam e rolam até cair sobre a foto.

 

Trilha Sonora (Careless Whisper)

 

Um pequeno flash de lembranças vem a sua mente. Ela via Jimmy e Gaby se beijando e vivendo um amor proibido.

LORENA: Maldita seja a Gaby, que arda no inferno. – Dizia sozinha. – Meu único amor é você, Jimmy! Por favor, me perdoa!

Ela continuava acariciando a foto de seu amado.

LORENA: Você vai me amar, não é?

A imagem fica embaçada e fica cada vez mais distante, até sumir.

 

Cena 6

NOITE, Ruas de Vila do Rei

Guilherme finalmente deixa o hotel, seus passos são lentos e ele sente uma dor extrema na região lombar, ele chorava incessantemente ao lembrar-se do abuso.

 

Cena 7

NOITE, Mansão, externo

Escorado ao muro no lado de fora de sua mansão, Diego contempla, solitário para cima. Alguns metros a frente, está o prédio onde mora Guilherme. Não é possível identificar se ele olha para o andar do apartamento do amigo ou para o céu estrelado.

Passos são ouvidos, quebrando todo o silêncio em volta. Ao olhar, Diego percebe a aproximação de Guilherme, que tinha acabado de virar a esquina, e vai em direção a ele. Rápido os dois ficam de frente, porém, antes que Diego diga alguma coisa, Guilherme lhe dá um abraço e nos braços do amigo, começa a chorar.

 

Som Instrumental (In The Name Of Love)

 

Diego percebe o choro de Guilherme e com as mãos nos ombros do amigo, o afasta para que assim possa olhar nos olhos dele.

DIEGO: O que foi Gui? – Questiona, olhando diretamente em seus olhos.

Guilherme resiste por algum tempo, mas Diego insiste. Ao perceber a insistência, Guilherme começa a falar.

GUILHERME: Desculpa, cara! Mas eu não consegui segurar – Diz, enxugando as lágrimas em seu rosto – Tá acontecendo tanta merda na minha vida, cara.

Diego tenta acalmá-lo, e o chama para sentarem no meio fio.

DIEGO: Vem Gui, senta aqui – Guilherme, pensa uns segundos, mas aceita. Os dois ficam sentados lado a lado – Eu sei pelo que você tá passando! Ou melhor, eu posso não saber, mas tu é um cara forte, vai superar tudo isso.

GUILHERME: Obrigado.

Os dois sorriem um para o outro. A imagem vai distanciando deles, subindo, os andares do prédio a sua frente vão se mostrando um por um, até parar no andar de Guilherme. Rose está na sacada, observando a interação do filho e do amigo.

 

Cena 8

NOITE, Mansão, quarto de Dorival

Deitado, porém sem aparente cansaço, Dorival acaricia sua enorme cama de casal. A imagem vista de cima mostra o homem com o olhar frio e distante. Ele passa o rosto sobre os lençóis, como se estivesse acariciando alguém que não está ali.

DORIVAL: Minha amada… – Passando a mão sobre a cama – Por que você me deixou? Por quê?

A imagem vai distanciando.

 

 

Cena 9

NOITE, Mansão, externo

Ainda sentados no meio fio, Diego e Guilherme seguem conversando.

DIEGO: Desde quando você começou a namorar com a Gaby, a gente não tinha esse tipo de conversa – Olhando para Guilherme – Eu não sei se as pessoas têm medo de mim ou se não gostam só por não gostar mesmo, mas de verdade, não me faz falta. Você é o único amigo que tenho! – Conclui.

Próximo a ele, Guilherme escuta tudo, e continua com um certo desconforto. Diego não percebe nada.

GUILHERME: O que quer dizer com isso? Que pra ti foi melhor a Gaby ter morrido pra eu ficar livre pra cair na gandaia contigo? – Ele não aguenta mais e levanta.

DIEGO: Não, Guilherme, eu não quis dizer isso, mô barra pesada isso dela, mas…

Guilherme acerta um soco no rosto de Diego o derrubando no chão.

GUILHERME: Vê se cresce cara! Tu fica por aí, de festinha em festinha pegando uma e outra e agora falando da minha namorada, que tá morta! Tu não sabe pelo o que eu to passando.

DIEGO: Me perdoa. – Disse ele em meio a um suspiro.

O som da voz de Diego penetra Guilherme de uma maneira hipnotizante. Agora mais do que nunca ele sabia que sentia algo diferente pelo amigo, e talvez por isso Guilherme sentia tanta raiva de Diego, sentia raiva dele ser um garanhão e pegar todas, Guilherme sentia ciúmes.

GUILHERME: Tá cara, foi mal, eu preciso de um tempo! – Diz, se despedindo do amigo e fugindo de algum ato inconsciente que o entregue.

DIEGO: Volta quando tiver melhor.

Guilherme nada diz, apenas segue em frente enquanto chora.

Rose que estava observando a conversa dos dois da sacada, entra no apartamento.

 

Cena 10

NOITE, prédio, apartamento, sala, interno

Aos atravessar porta adentro, Guilherme dá de cara com a mãe, sentada no sofá da sala. Ela levanta e se direciona a ele.

ROSE: Aonde você esteve filho? Fazia tempo que não chegava em casa a essa hora. Eu estava preocupada.

GUILHERME: Não me diga, agora resolveu se preocupar com seu filho querido… Ah esqueci, tu não é minha mãe!

ROSE: Não fala assim comigo.

GUILHERME: Quer que eu fale como?

ROSE: Eu sou sua mãe, exijo que…

GUILHERME: Escuta aqui, ó estranha, tu não tem direito de nada aqui.

ROSE: Escuta tu, Guilherme, eu te adotei e de dei um lar, tu tá sendo ingrato comigo.

GUILHERME: Eu perdi minha namorada, tu não sabe o que eu to sentindo, e ainda por cima descobri que tu me enganou durante anos, você é uma maldita! Deveria ter me deixado morrer então, seria bem melhor do que viver essa vida de merda, essa vida de pobre!

Rose não aguenta e acerta uma bofetada em Guilherme fazendo ele se calar.

ROSE: Pobre! Pobre, mas com muito orgulho, trabalhadora sim, te sustentei mais de 18 anos, te dei tudo e tu acha que isso não é o suficiente? A morte da Gaby é um pretexto pra tu se fingir de vítima, nós dois sabemos que tu não é, eu cansei Guilherme, cansei de tu bancar o sofredor da história, vá já pro teu quarto.

Ainda com a mão sobre o rosto, Guilherme encara Rose remoendo um ódio absoluto por ela a quem chamava de mãe, em seguida ele deixa a sala.

 

Cena 11

NOITE, prédio, apartamento, quarto, interno

A câmera segue corredor adentro, atrás dele. Ao bater a porta do quarto, agora do outro lado, ele sente que não há mais porque segurar as lágrimas que vêm de maneira incontrolável.

O foco fica nele, enquanto cai aos prantos deitado no chão do quarto.

 

Cena 12

AMANHECER, Cenas da cidade

A noite em Vila Do Rei mostra um céu coberto de estrelas. Depois a imagem da pequena cidade é mostrada vista de cima, em seguida é mostrado o nascer do sol.

 

Cena 13

MANHÃ, prédio, cozinha, interior

Guilherme caminha em direção a cozinha. Lá, ele não encontra a mãe, como em quase todas as manhãs. O café está a mesa, e tudo em volta está arrumado a sua espera. Ele começa a se servir, ao tempo em que a notificação de uma nova mensagem chega em seu celular.

ROSE (mensagem de texto): Filho, desculpa ter saído sem te avisar ou te esperar para tomarmos café. Mas hoje tenho que chegar mais cedo no trabalho. Lhe desejo um ótimo dia. Nos vemos mais tarde. Te amo!

Após terminar de ler a mensagem deixada pela mãe, ele esboça um sorriso, mas logo o desfaz, seu coração gritava para fazer as pazes com Rose, em seguida larga o celular sobre a mesa para tomar seu café da manhã.

 

Cena 14

MANHÃ, Mansão, externo

Na área externa da Mansão, Diego caminhando até o portão de entrada. Ao chegar, tem sua passagem liberada pelo porteiro da casa.

Assim que o jovem se encontra no lado de fora, um homem sai de um carro, estacionado próximo a casa. E pede para Diego o esperar.

HOMEM: Ei, você? Espera aí! – Diego olha, e de primeira, leva um leve susto. Porém aguarda até o homem chegar próximo a ele.

DIEGO: Você quer falar comigo? – Pergunta, intrigado, após o homem ficar frente a ele.

HOMEM: Bom dia, rapaz! Nossa, agora você é um homem! – Diz, olhando para Diego que se mostrar sem entender nada.

DIEGO: Desculpa senhor! Mas não me lembro de te conhecer. O senhor é quem? – Questiona, ao tempo em que olha para a figura em sua frente. O homem está trajado em um terno, muito bem vestido. Quem seria?

Após a interrogação feita por Diego, o homem trata de se apresentar formalmente. A figura atende pelo nome de Tadeu.

HOMEM: Me chamo Tadeu e desculpa pela chegada assim, inesperada. Mas eu procuro pelo seu pai. Será que posso entrar para falar com ele?

DIEGO: Olha, Seu Tadeu. Meu pai não tá em casa não… Não sei se o senhor sabe, mas meu pai é dono do Líder, e nesse momento ele deve tá lá – Pego de surpresa, ele improvisa.

TADEU: É verdade! É que eu tava fora do país há alguns anos. Para ser exato, há 10 anos – frisa o homem – Muito obrigado meu jovem! Há! Já ia esquecendo e sua mãe, por onde anda?

DIEGO: Não mora mais aqui.

Tadeu faz um gesto afirmativo e sai, Diego acompanha os passos do homem até o carro, que antes de partir, dá um “tchau” para ele, parado em frente a casa.

 

Cena 15

MANHÃ, escola, sala de aula

Com os olhos fixos na porta da sala, Guilherme observa todos que entram e saem, como se esperando a passagem de alguém em especial, até que Matheus atravessa pela porta, dando um susto forte nele. O nervosismo fica a flor da pele, é como se a cada passo que Matheus desse rumo a ele, um medo cada vez maior tomasse conta de seu corpo.

Ao chegar perto, Matheus diz algo em baixo tom.

MATHEUS: Delícia! – Diz, próximo do ouvido de Guilherme.

Guilherme fica sem mexer um músculo. Ele sente como se seu corpo houvesse paralisado. Essa sensação ruim só acaba, no instante em que Diego entra na sala. Todo mal que ele havia sentido a poucos minutos atrás, se transforma em alegria, ao ver a figura do amigo se aproximar dele.

DIEGO: E aí. – Diz sentando na cadeira ao lado – Tá melhor?

Guilherme fecha a cara e desvia o olhar.

GUILHERME: Não vamos mais falar sobre o que aconteceu, eu to bem.

 

Cena 16

MANHÃ, Casa de Lorena, sala, interior

Lorena tinha ido a escola, e Elisa fica em casa, ela esta sentada no sofá assistindo televisão, quando escuta um grito pedindo ajuda.

ELISA: O que é isso?

Ela abaixa o volume da televisão e consegue ouvir melhor.

“Socorro!”

O pedido por ajuda apenas se intensificava a medida que Elisa se aproximava do porão.

ELISA: Meu Deus. – Ela faz o sinal da cruz antes de abrir a porta que dá acesso ao porão.

O coração de Elisa parece saltar pela boca.

Ela finalmente abre a porta do porão, imediatamente a luz invade a escuridão daquele recinto.

A imagem de pânico e terror se faz presente no olhar de Elisa ao ver Jimmy amarrado alguns degraus abaixo.

 

CONTINUA…

Anúncios

23 thoughts on “Segredos da Paixão – Capítulo 08

  1. No ar, mais um capítulo de “Segredos Da Paixão”. E neste, Guilherme sofrerá uma violência muito forte de Matheus. Leiam, opinem é feito para vocês!

    Curtir

  2. Guilherme, não dá pra te defender. Não se desarma de jeito nenhum, tá sempre com a pata do coice pronta pra atacar o primeiro que tenta te ajudar. Não dá pra esperar nada diferente de um final solitário pra ti.

    Dorival é uma figura bem interessante. Ao que se parece, ele foi abandonado pela mulher sem qualquer razão aparente e isso acabou influenciando na construção de uma personalidade fechada, inflexível e, claramente, misógina. De fato, a única ligação entre Dorival e Geórgio de Alvos da Sociedade é que ambos são movidos pelo mesmo desejo de ver sua família reconstruída novamente. Dorival é misógino, e Geórdio homofóbico.

    Até quando se impõe, a Rose é fraca. Eu, se fosse ela, já teria expulsado o Guilherme de casa. “Se eu não sou tua mãe, por que tu ainda vive debaixo do mesmo teto que eu? Vai embora daqui!”, pronto, isso já bastava pro Guilherme parar de cu doce. Duvido que ele iria passar muito tempo longe dela.

    Assustado com a Lorena. Então, isso significa que ela foi realmente responsável pelo aborto e morte da Gaby? Só porque ela teve um caso com o Jimmy, o homem que ela ama e mantém em cativeiro dentro de casa? Bom, a deixa para o próximo capítulo promete desvendar todos os mistérios desse núcleo, e esclarecer boas dúvidas sobre a Lorena, a Gaby e o Jimmy.

    Por quanto tempo Guilherme vai permitir se submeter às chantagens do Matheus? Bom, ainda não ficaram muito claras as intenções do Matheus com o Guilherme. Não consigo pensar que ele esteja fazendo isso puramente por maldade, deve haver algo a mais.

    Curtido por 1 pessoa

    • Obrigado pela participação Pietã! Senti falta de suas ótimas opiniões, haha.
      Quanto a atitude de Guilherme, acredito que ele já esteja chegando no limite dele, uma hora ele desarma. E quanto a Rose, é um fato que está mais do que na hora dela reagir, será?

      E sobre o fato de Matheus ter agido de maneira brutal com Guilherme? O medo de ter um erro revelado, justifica ele ser submisso ao mal caráter, porém o que Matheus fez, não tem nome! E já no próximo capítulo teremos revelações sobre o caso de Lorena, Gaby e Jimmy. Não perca!

      Curtir

  3. Cada dia mais emocionante, a história e as tramas estão envolvidas em doses pesadas de segredos, fez a web se destacar com esse aspecto único e que nunca saberemos o que exatamente vai acontecer.
    Parabéns 😀

    Curtido por 1 pessoa

  4. As cenas quentes do Guilherme e Matheus, pode ser consideradas como estrupo em seu ponto de vista. Por que para mim estrupo é qualquer relação foçada, entre dois seres.
    Parabéns!
    Uma curiosidade, eu ainda não entendi a abertura, o que ela significa???

    Curtir

    • Isso! Guilherme foi de fato estuprado por Matheus, infelizmente. Se estiver se referindo a música, ela nos leva a crer que só o amor, pode curar, salvar, independente de como seja esse amor.

      Obrigado Paulo! Continue acompanhando

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s