Descobertas – Capítulo 28

CENA 01: PENSÃO DA YOLANDA, INTERIOR, MANHÃ.

Maria e Jonathan estão se beijando no sofá da sala da pensão, muito apaixonados.

(JONATHAN): – Nem acredito que a gente tá se acertando, Maria… Eu te amo tanto, mas tanto, que eu tive muito medo de que você nunca mais olhasse pra mim depois que fiquei deformado.

(MARIA): – Tua deformação é o que menos importa, Jonathan. Tua atitude comigo foi decepcionante, mas você deu várias provas que se regenerou e isso basta pro meu coração te aceitar de novo. Eu te amo!

Eles se beijam novamente, quando Bruna entra correndo na sala e esbarra neles, em que os dois caem no sofá e ela no chão.

(MARIA): – Credo, Bruna, não olha por onde anda não hein?

(BRUNA): – Não tenho tempo pra ficar vendo casalzinho meloso no meu caminho. – levantando.

(MARIA): – Você anda muito estranha ultimamente, Bruna, a madrinha tá muito preocupada contigo. Vê se te orienta, garota!

(BRUNA): – Quem tem que se orientar é ela, que tá lá caída no meu quarto. Agora fui!

Maria e Jonathan se chocam e levantam do sofá, correndo até o quarto de Bruna. A jovem permanece na sala e vê a bolsa de Maria, abrindo e tirando a carteira, pegando todo o dinheiro e guardando a carteira de volta na bolsa. Quando Bruna vai sair da pensão, ela esbarra em Rosa, que estava prestes a apertar a campainha. Rosa se recorda de Bruna como amiga de Stefanny, mas não entende seu comportamento desconexo. Ela entra na sala da pensão e estranha o silêncio, mas logo Maria e Jonathan entram na sala, desesperados e se assustam com a presença de Rosa.

(JONATHAN): – Dona Rosa, o que a senhora está fazendo aqui? – intrigado.

(ROSA): – Oi Jonathan… Eu vim conversar com a Maria, consegui o endereço daqui com sua mãe. Mas, pelo visto, vocês parecem preocupados. O que houve?

(MARIA): – Minha madrinha tá caída no quarto, ela tá passando mal. Vou chamar uma ambulância! – chorando.

(ROSA): – Ai meu Deus… Fique calma, eu vou ligar pro hospital particular que eu utilizo, eles vão atender a sua madrinha por minha conta.

(MARIA): – Imagina, Dona Rosa, a senhora não tem porque se preocupar com isso. – chorando.

(ROSA): – Fique tranquila, eu quero te ajudar e nós precisamos ser rápidos, um hospital público agora poderia agravar o estado da sua madrinha.

Maria agradece Rosa e abraça Jonathan, enquanto ela aciona o hospital particular.

CENA 02: CASA DE FERNANDA E CARLOS, QUARTO DE RICHARD, INTERIOR, MANHÃ.

Richard está deitado na cama após tomar um banho, bebendo um café forte servido por Fernanda, que senta ao lado de Luana na beira da cama.

(FERNANDA): – O que foi isso, meu filho? Dormindo na rua?

(RICHARD): – Eu não sei muito bem o que aconteceu, minha cabeça tá doendo muito e eu não lembro de nada.

(LUANA): – Imagina o tamanho do porre que tomou pra não lembrar de nada. Eu não pensei que você fosse assim, Richard…

(RICHARD): – Eu só lembro da briga que rolou aqui em casa com o meu pai, depois eu lembro que eu sai e fui numa boate. Aí a memória acaba… Falando nisso, cadê o pai, mãe?

(FERNANDA): – Foi trabalhar. Ele tomou um porre também, dormiu no chão da sala, acredita? Me disse coisas horríveis, mas tudo bem, já estou acostumada.

(RICHARD): – Pois não devia, a senhora não deve mais engolir essa falta de respeito dele. Pede o divórcio, mãe, não mantenha mais esse casamento por causa dos filhos, eu já sou adulto e o Wesley completará a maioridade daqui alguns meses.

(FERNANDA): – Não é tão simples assim, meu filho, eu já tenho mais de 40 anos, nunca trabalhei na vida, não tenho um imóvel pra morar além desse, me divorciar agora é como ter que recomeçar a vida do zero. Recomeçar após os 40 anos é muito difícil, eu não tenho mais o ânimo da minha juventude, quando me casei com o Carlos.

(LUANA): – Eu sinto muito pela situação, mas eu não desejo que tudo se acerte porque, pelo pouco que eu conheço o meu sogro, ele não vai mudar. Quem tem que mudar é a senhora, o primeiro passo seria o divórcio. A senhora tem amigas que vão te ajudar nessa hora difícil, eu não acredito que elas fechariam as portas.

(FERNANDA): – Eu também acho que elas não fechariam as portas pra mim, mas eu não acho justo incomodá-las com os meus problemas pessoais. Com o Carlos, eu me entendo. E quando a você, Richard, nunca mais desapareça desse jeito, muito menos durma na rua, eu não te eduquei pra isso. Bom, agora eu vou deixar os pombinhos namorarem um pouco.

Luana e Richard riem e Fernanda levanta da cama, saindo do quarto. Logo, os dois se beijam apaixonadamente, até que de repente, Luana se afasta ao sentir uma náusea muito forte, cobrindo a boca com sua mão.

(LUANA): – Ai credo, que enjoo esquisito. – tossindo. – Já passou.

(RICHARD): – Ué, que estranho… Espero que não seja nada demais. – intrigado.

Luana concorda e se recompõe, beijando Richard novamente.

CENA 03: HOSPITAL, INTERIOR, MANHÃ.

Yolanda está passando por uma cirurgia delicada no coração, enquanto Maria e Rosa estão sentadas na sala de espera, muito ansiosas.

(MARIA): – Ai, será que ela vai se salvar? – aflita.

(ROSA): – Claro que vai, fique tranquila, ela está sendo tratada por um dos melhores cirurgiões cardíacos de Vitória.

(MARIA): – Muito obrigado pela generosidade, Dona Rosa, se não fosse pela senhora, eu acho que teria perdido a única parente viva que eu ainda tenho. – lágrima escorre.

(ROSA): – Oh querida, foi até bom você tocar no assunto, era sobre isso que eu queria conversar contigo lá na pensão. – respirando fundo. – Então, o Wesley me contou tudo sobre o Lucas e eu fiquei bastante surpresa, não sabia da homossexualidade do meu filho nem que ele namorava o filho da minha amiga. Bom, o Wesley sabia a senha do computador do Lucas e nós acessamos ele, acabamos encontrando uma cópia da carta de despedida que o meu filho escreveu pra mim.

(MARIA): – Cópia? Mas cadê a original que a senhora nunca viu então?

(ROSA): – A Stefanny rasgou, ela queria impedir que eu descobrisse que ela teve influência na depressão do Lucas que o levou ao suicídio, e também queria evitar que eu lesse uma parte da carta que mencionava você, Maria.

(MARIA): – Eu? Mas eu e o Lucas mal trocamos palavras na escola, a gente nem se conhecia. – intrigada.

(ROSA): – Pois é, mas esse mundo é muito pequeno, Maria. Eu vou te explicar do início: quando foi diagnosticado com um câncer maligno que o vitimaria em no máximo seis meses, o meu marido resolveu mudar de vida. Deixou a empresa sob comando de um grande amigo e passou a conviver mais com seus amigos, rever parentes, viajar, enfim… No meio disso, ele me revelou que tinha descoberto há pouco tempo que tinha uma filha fora do casamento, fruto de uma traição de quase 20 anos. O sonho do meu marido era ter conhecido a filha antes de morrer, mas ele não conseguiu. No leito de morte, me fez jurar que ia continuar pagando o detetive pra encontrá-la. Foi o que eu fiz, mas eu não sei por que motivo o detetive revelou ao Lucas a identidade da filha perdida e não pra mim. – segurando nas mãos dela. – Maria, você minha enteada, meia-irmã do Lucas e da Stefanny! Você é a filha que o meu marido teve fora do casamento!

Maria está perplexa com a revelação, encarando Rosa com desconfiança, soltando as mãos dela e ficando em pé, caminhando de um lado para outro.

(MARIA): – Eu? Meia-irmã da Stefanny? Não pode ser… Isso é loucura! Minha mãe não teria traído meu pai, eles tinham um casamento muito feliz!

(ROSA): – Quando meu marido se envolveu com tua mãe, ela ainda era solteira. Ela casou grávida com seu pai, mentiu que você era filha dele pra evitar uma exposição pública. Meu marido só foi saber da sua existência no último ano de vida porque sua mãe o procurou, pedindo ajuda pra tratar uma forte anemia que você sofria. Confere?

(MARIA): – Confere, eu tava muito fraca mesmo, fiquei internada por vários dias em um hospital do Rio de Janeiro. Meus pais venderam umas cabeças de gado pra pagar isso.

(ROSA): – Na verdade, foi meu marido quem pagou tudo, mesmo sua mãe se recusando a te apresentar a ele nem sequer dizer teu nome. O Lucas revelou isso na carta e eu acredito no meu filho, você é sim minha enteada e eu quero muito realizar o desejo do meu falecido marido: você terá o sobrenome dele, terá direito a metade do patrimônio dele e, principalmente, vai morar na mansão.

(MARIA): – Eu não posso acreditar nisso tudo, é muita loucura… A senhora tem certeza dessa história, Dona Rosa? O Lucas não estava de zoeira?

(ROSA): – O Lucas não era como a Stefanny, ele tinha um caráter de ouro. Eu já conversei com a minha filha sobre isso, pressionei até ela confessar. Não resta dúvidas, você faz parte da minha família e eu quero te ajudar, eu preciso te ajudar, tenho essa dívida com seu pai. Pra evitar qualquer percalço, podemos fazer um teste de DNA, só pra confirmar mesmo, mas eu faço questão que você vá morar na mansão antes mesmo do teste. – levantando e se aproximando. – O Wesley irá morar hoje, vai ficar no quarto do Lucas, eu quero ajudá-lo agora que foi expulso de casa depois de se assumir gay, eu sou muito amiga da mãe dele e devo isso em memória ao Lucas. E você, aceita? Por favor, aceite!

(MARIA): – Eu e a Stefanny sob o mesmo teto e como irmãs… Sei não, Dona Rosa!

(ROSA): – Deixa que com a Stefanny, eu me entendo. Você tem direito a tudo aquilo e não adiantou ela rasgar a carta de despedida do Lucas, a verdade veio à tona do mesmo jeito porque o destino está sendo a favor daqueles que fazem o bem.

(MARIA): – Eu estou chocada com tudo, nem sei o que dizer, não consigo acreditar que não sou filha daquele homem a quem eu sempre chamei de pai e que eu sou irmã de uma garota que sempre me odiou. Dona Rosa, eu agradeço por tudo, mas eu não posso ir embora da pensão, ainda mais agora com a madrinha passando por uma cirurgia no coração e com a Bruna daquele jeito, provavelmente usando drogas como rolam os boatos pelo Colégio Máximo. A madrinha precisa de mim na pensão.

(ROSA): – Não seja por isso, tua madrinha pode morar na mansão contigo também, sem problema algum. Qualquer coisa, eu posso ver uma clínica de reabilitação pra filha da sua madrinha, não me custa nada. Inclusive, tô pensando em promover uma reforma na pensão, pelo que vi hoje é um lugar bem aconchegante e simples, mas uma reforma nunca é demais, revigoraria o ambiente pra novos clientes.

(MARIA): – Nossa, como a senhora é boa, Dona Rosa! A Stefanny não herdou teu coração generoso, o que é uma pena. Bom, se a madrinha puder morar na mansão, então eu vou também.

(ROSA): – Ah, que maravilha! – abraçando. – Eu vou te proporcionar uma vida melhor, a vida que teu pai biológico queria ter te proporcionado antes de falecer.

Maria sorri, ainda confusa e surpresa com tudo, enquanto Rosa permanece abraçada nela, acariciando seus cabelos.

CENA 04: COLÉGIO MÁXIMO, EXTERIOR, MANHÃ.

Stefanny está caminhando pelo pátio da escola, sozinha, procurando por Patrícia, enquanto cumprimenta outros alunos por sua popularidade. É quando ela avista a amiga sentada em uma pedra no fundo da escola e corre até lá. Patrícia está fumando maconha, mas ao ver Stefanny se aproximar, ela coloca o braço com o cigarro atrás da pedra e disfarça.

(STEFANNY): – Ai amiga, quanto tempo, você anda muito sumida hein! – abraçando.

(PATRÍCIA): – Oi amiga, saudades! – tossindo.

(STEFANNY): – Gente… – se afastando. – Que cheiro forte é esse? – intrigada.

(PATRÍCIA): – Cheiro? Não tô sentindo nada não… Mas o que você tem? Tá tão aflita!

(STEFANNY): – Minha vida tá uma bomba! Eu tô desesperada! Olha, é segredo, tá? – respirando fundo e ficando de costas, enquanto Patrícia aproveita e fuma. – Minha mãe me deu uma surra de cinto ontem, depois que eu sai do banho. Foi horrível, tava pelada ainda, doeu pra cacete!

Patrícia não se controla e começa a gargalhar com o cigarro de maconha na boca, quando Stefanny vira para trás e se choca ao ver a amiga rindo daquele jeito.

(STEFANNY): – Que isso, Patty? Tá rindo da minha desgraça? E o que é isso na tua boca?

(PATRÍCIA): – Seriam dentes? – rindo e fumando.

(STEFANNY): – Nossa, até as piadas do tio do pavê são melhores! Patty, você anda muito estranha ultimamente. Desaparece, não me procura mais, raramente responde meus recados nas redes sociais, agora te vejo fumando… O que tá acontecendo hein?

(PATRÍCIA): – Tô vivendo, queridinha! – assoprando fumaça no rosto de Stefanny, que tosse. – Cansei de ser teu capacho pra tudo, agora tô sendo eu.

(STEFANNY): – Ah é? E você é isso daí? Tá parecendo uma mendiga, uma favelada, uma pobretona! Cadê tua classe, tua vaidade, teu carisma, tua amizade por mim?

(PATRÍCIA): – Amizade? – rindo e fumando. – Cara, tu é muito hipócrita! Eu fui tua amiga até quando tu precisava, me usou como laranja no cyberbullying contra a Maria e quando eu pensei em abrir o jogo, tu não pensou duas vezes em me denunciar né, sua vaca!

(STEFANNY): – Que isso, Patrícia, eu não admito que… – gritando.

(PATRÍCIA): – Tu não é ninguém pra admitir alguma coisa, Stefanny! Eu me afastei de ti porque eu quis, tu é uma falsa e me enganou, mas ainda bem que agora eu encontrei as pessoas certas.

(STEFANNY): – Ah, já tem novas amizades? Eu conheço? Acho que não, pelo visto deve ser uma ralé…

(PATRÍCIA): – Conhece sim: a Bruna e o Ryan!

(STEFANNY): – O Ryan também? Então, esse cigarro… É maconha? – surpresa.

(PATRÍCIA): – Adora uma ervinha, quer provar? – estendendo a mão e recolhendo. – Vai comprar, otária, esse aqui custou um brinco que roubei da minha mãe. – rindo.

(STEFANNY): – Que decadência, que vexame… Eu pensei que estava no fundo do poço, mas vejo que você está pior do que eu, ultrapassou o subsolo. Quem não quer mais convivência agora sou eu, sua drogada!

Stefanny sai e Patrícia se irrita, indo atrás da amiga e puxando ela, mas Stefanny se vira e a empurra, fazendo Patrícia cair no chão. Ela ri caída e fumando maconha, enquanto Stefanny vai embora, furiosa. No caminho, ela esbarra em Abigail, deixando cair algumas pastas da mão da diretora.

(STEFANNY): – Ai, me desculpe! – recolhendo do chão e entregando.

(ABIGAIL): – Tudo bem, querida, obrigado pela ajuda. Parece assustada… O que foi?

(STEFANNY): – Não sabia que era permitido se drogar no Colégio Máximo.

(ABIGAIL): – Se drogar? Óbvio que não é permitido! Do que você tá falando?

(STEFANNY): – Vá no fundo do pátio e veja.

Stefanny se afasta e Abigail fica intrigada, indo até o fundo do pátio e se surpreendendo ao ver Patrícia fumando. Imediatamente, ela segura a aluna fortemente pelo braço e a puxa até a sala da direção, enquanto alguns alunos assistem tudo. Ryan e Bruna que estão entrando na escola, veem de longe Patrícia entrar na sala da direção com um cigarro de maconha na mão, e ficam com medo.

(BRUNA): – Putz, a velha azeda pegou a Patty com maconha! Sujou agora!

(RYAN): – Que merda! Se a Patty dizer que eu vendi a maconha pela boca de fumo do meu pai, eu volto pra Fundação Casa! Eu tenho que dar um jeito… – ele revira a mochila e encontro uns comprimidos, sorrindo. – Já sei o que fazer… Ah Abigail, tu não perde por esperar! – rindo.

Bruna fica curiosa, mas ri mesmo sem entender, enquanto Ryan caminha até a sala da direção, sendo seguido por Bruna. Próximo ali, Wesley está caminhando e mexendo em seu celular, enquanto Victor fazia o mesmo em sentido contrário. Ambos não se veem e se esbarram, encarando-se fixamente e seriamente, com curativos pela briga.

(VICTOR): – Não se dê ao trabalho de me cumprimentar, eu dispenso.

(WESLEY): – Quem disse que eu ia fazer isso?

(VICTOR): – Não olha por onde anda não?

(WESLEY): – E você, não olha também?

(VICTOR): – Idiota… A bichinha não foi no dentista ainda ver se quebrou algum dente?

(WESLEY): – Não, mas você foi? Se foi, me dê o endereço de quem arrumou os seus.

(VICTOR): – Tá muito marrento, Wesley, não combina com teu perfil afeminado…

(WESLEY): – Victor, para de ser otário e me deixa em paz?

(VICTOR): – Você que tem que me deixar em paz depois daquela nojeira que eu descobri.

(WESLEY): – Eu já me assumi pra minha família e pros meus amigos, todo mundo já sabe que eu sou gay. Cansei de viver escondido, com medo e vergonha, eu não tenho porquê me envergonhar de ser algo normal.

(VICTOR): – Normal? – rindo. – Desde quando ir contra a natureza é ser normal? Homem com homem, onde já se viu…

(WESLEY): – A natureza das pessoas é aquela que nasce com elas. Minha natureza é gostar de homens sim, eu nasci assim e não tem como mudar. Demorei pra entender isso, pra me aceitar, mas agora eu consegui me libertar dos meus próprios preconceitos. Foi muito triste apanhar do meu melhor amigo, mas sabe, isso serviu pra algo: me abriu os olhos de que não vale a pena viver pra agradar os outros! Tua surra me libertou pra vida, Victor.

(VICTOR): – Que decepção, não pensei que veria o cara que eu considerava meu melhor amigo desse jeito, daqui a pouco tá enrolado numa bandeira LGBT e fazendo passeata!

(WESLEY): – E se eu estiver, qual o problema? A vida é minha, você não tem nada a ver com isso. Eu não tenho culpa se você não é bem resolvido, mas eu também não posso te julgar porque eu já passei por essa fase, só espero que um dia você se liberte.

(VICTOR): – O que você tá querendo insinuar, seu viado? – segurando a gola da camisa.

(WESLEY): – Insinuar nada, eu tô afirmando. – se soltando. – Você pode mentir pra quem quiser, até pra você mesmo, dizendo que eu te abusei naquela noite, mas a grande verdade é que você gostou de transar comigo e não quer aceitar isso, você é gay ou bissexual, sei lá, mas não consegue admitir que sente atração por homens, muito menos que sentiu atração pelo teu melhor amigo. Você tava bêbado, mas não inconsciente!

(VICTOR): – Eu só não enfio um soco nessa tua cara agora porque o inspetor tá perto e eu não quero treta com a diretora e meus pais… Nunca mais repita isso! – encarando.

(WESLEY): – Eu não vou repetir, porque mesmo sendo apaixonado por você, eu não quero conviver contigo. Você tem nojo de mim, pois eu tenho nojo do teu preconceito. Sinto pena de ti, Victor, em pleno 2017 com pensamentos tão retrógrados. Na boa? Se cruzar comigo de novo, me ignore, porque é o que eu farei contigo.

Wesley se afasta e Victor fica pensativo, porém furioso com as acusações que o ex-amigo lhe fez. Wesley entra no banheiro e se apoia na pia, chorando de angústia após a discussão, mas aliviado também por ter se assumido e enfrentado o preconceito.

CENA 05: COLÉGIO MÁXIMO, SALA DA DIREÇÃO, INTERIOR, MANHÃ.

Patrícia está sentada em frente à mesa de Abigail, que abre a mochila dela e encontra um pacote com ervas.

(ABIGAIL): – Isso aqui é maconha, Patrícia. Nem ouse mentir pra mim, porque eu sei que é.

(PATRÍCIA): – Tá sabendo demais… Já usou então? – rindo.

(ABIGAIL): – Me respeita, eu sou a diretora! Trazer drogas pra escola e usar em nossas dependências é algo inadmissível, resultando em sua automática expulsão. O destino conspirou a meu favor porque agora mesmo eu tenho uma reunião de pais e professores, vou levar teu caso à reunião e provavelmente teus pais estejam nela. Quem mais usa drogas contigo? Te vejo pra cima e pra baixo com aquele tal de Ryan, é com ele que você consegue maconha né?

(PATRÍCIA): – Ai que stress, dirê, qual o mal de fumar uma ervinha hein? Que saco! Pode me expulsar, assim não vejo mais tua cara de piranha enrustida.

Abigail se choca e vai responder, mas naquele momento Ryan entra na sala, ofegante.

(RYAN): – Diretora, tão chamando a senhora com urgência na secretaria, tem que ir agora mesmo!

(ABIGAIL): – Ok Ryan, eu tô indo. E você, Patrícia, não saia daqui, aguarde que teus pais já vão chegar.

Abigail sai da sala e, imediatamente, Ryan coloca duas pastilhas de LSD no copo de água, que dissolvem rapidamente, enquanto Patrícia sorri sarcasticamente.

(PATRÍCIA): – Tu não vale nada, Ryan!

(RYAN): – A Abigail vai ficar doidona… Partiu boca de fumo?

Patrícia concorda e sai da sala com Ryan, ambos encontram Bruna no fim do corredor e pulam o muro da escola com suas mochilas. Minutos depois, Abigail volta à sala e não encontra os alunos, ficando brava. Logo, Helena entra na sala.

(HELENA): – Oi Abigail, todos os professores já estão na sala aguardando por suas orientações pra reunião que começa daqui a meia hora com os pais, você vai demorar?

(ABIGAIL): – Não, eu já estou indo, só estou surpresa com o que acabo de descobrir de uma aluna. – bebendo o copo de água. – Vamos porque essa reunião promete, Helena!

Helena não compreende, mas sai da sala juntamente com Abigail, indo para a reunião de pais e professores.

CENA 06: MANSÃO DA ROSA, INTERIOR, TARDE.

Rosa abra a porta da mansão para Maria e Wesley entrarem, cada um carregando duas malas com seus pertences, além de usar a mochila da escola nas costas. Eles caminham pela sala e deixam as malas não chão, sendo acariciados no rosto por Rosa.

(ROSA): – A minha casa, é a casa de vocês agora também. Vocês não são meus hóspedes, são morados daqui, é a minha nova família.

(WESLEY): – Muito obrigado, Dona Rosa, a senhora tá sendo um anjo, de verdade.

(MARIA): – Eu nem sei como agradecer por tamanha generosidade. Espero que a madrinha se recupere logo para vir pra cá também.

(ROSA): – A Yolanda está bem, você viu que o médico disse que a cirurgia foi um sucesso e que amanhã ou depois de amanhã ela terá alta. Bom, agora vocês podem se instalar nos quartos. O Wesley ficará no quarto que era do Lucas e a Maria ficará no quarto ao lado, que era de hóspedes, mas agora será todo seu e da sua madrinha.

Maria e Wesley sorriem e, naquele momento, Stefanny surge no topo da escada e encara os dois fixamente.

(STEFANNY): – Então a senhora vai mesmo transformar a nossa mansão numa pensão, mamãe? – descendo as escadas. – Era só o que me faltava, dividir o mesmo teto com um viado e uma bastarda.

(ROSA): – Filha, por favor, tenha mais respeito porque eles vão morar com a gente e eu não quero atritos aqui dentro.

(STEFANNY): – Eu e a caipira vadia sob o mesmo teto sem atritos? Sorry, mas é impossível! Cada vez que eu olho pra Maria, eu lembro da traição do papai e me embrulha o estômago. Como ele foi capaz! A senhora não pensa isso?

(ROSA): – Não. Toda vez que eu vejo a Maria, eu lembro do seu pai no leito de morte, implorando pra gente continuar investigando a filha que ele teve fora do casamento pra proporcionar uma vida mais digna. Cadê sua consciência, Stefanny?

(WESLEY): – Essa daí já nasceu sem… – cochichando.

(STEFANNY): – Cala essa boca porque eu não quero escutar tua voz de bicha!

(WESLEY): – Melhor ser gay do que ser uma mau-caráter como você, que foi capaz de esconder a carta de suicídio do teu irmão por egoísmo, deixando tua própria mãe sofrendo por meses sem saber o motivo do Lucas ter se matado.

(STEFANNY): – A mãe e o irmão são meus, você não se mete na minha vida!

(MARIA): – Não esqueça que o irmão também era meu, infelizmente não pude conviver com ele, mas gostaria muito, pois ele parece ter algo que você não tem: alma.

(STEFANNY): – É sério que eu vou ter que aturar essa gentinha na minha mansão, mamãe?

(ROSA): – Em primeiro lugar: a mansão é minha, não sua. Em segundo lugar: os incomodados que se retirem, fique à vontade.

(STEFANNY): – A senhora seria capaz de expulsar a própria filha pra morar com eles?

(ROSA): – Eu não disse isso, mas se você quiser ir embora, pode ir, mas a Maria e o Wesley ficam, logo mais vem a Dona Yolanda também. – aproximando-se deles. – Venham, vou mostrar os quartos, queridos.

Rosa, Maria e Wesley sobem as escadas, enquanto são encarados com muito ódio por Stefanny, que logo vê um porta-retratos de família na mesa da sala e o segura, encarando seu pai no centro da foto, ao lado dela, sua mãe e seu irmão.

(STEFANNY): – Porque você tinha que trair a mamãe e ter uma filha hein? Eu nunca vou aceitar essa bastarda! – jogando o porta-retratos na parede, quebrando-o. – A mamãe tá fazendo isso pra me provocar… É guerra que ela quer? Pois é guerra que ela terá!

Stefanny respira fundo e se mantém firme em seu rancor, sem paciência para aturar as mudanças em sua vida.

CONTINUA…

NO PRÓXIMO CAPÍTULO: Richard procura por Ryan para comprar crack.

Anúncios

35 thoughts on “Descobertas – Capítulo 28

  1. Alguém vai se salvar desse mundo das drogas???
    Rosa até, que em fim se acordou para a vida. E ainda se mostrou que é bondosa.
    Essa cena do Wesley e do Victor vai render.
    Poderia ter um flashback explicando como o Lucas, descobriu que era irmão da Maria.

    Parabéns, Airton!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Parabéns!
    Capítulo excelente.
    Rosa ajudou Yolanda, como pode ser mãe da escrota da Stefanny!
    Rosa é muito generosa e está fazendo agora o que não fez toda vida com Stefanny, dando limites a ela.
    A abordagem das drogas virou o assunto principal. Quase todos núcleos tem alguém usando drogas. é um gravíssimo problema de nossa sociedade.
    Wesley enfrentou o preconceito de Victor e ainda afirmou que ele é bissexual, acho que é mesmo.
    Maria foi surpreendida com a notícia de ser meia irmã de Lucas e Stefanny.
    Patricia chegou ao fundo do poço mesmo, mas agora enfrentou Sefanny.
    Jonatan e Maria juntos. O que será esse enjoou de Luana, gravidez?
    O gancho foi bom e mostrou que Stefanny não vai aceitar facilmente essa situação.
    Treta por aí!
    Abgail pegou Patrícia fumando maconha. Ryan colocou drogas na água da diretora, como vai ser essa reunião hein! kkk
    Muito bom!

    Curtido por 1 pessoa

    • Pois é, Stefanny não puxou a Rosa, diferente do Lucas, que era bom, mas não está mais aqui, infelizmente. As drogas cresceram muito na trama mesmo e vão ficar bem complicadas agora na reta-final. Wesley tomou coragem e enfrentou Victor, ele se aceitou como é e não vai admitir mais o preconceito alheio. A reunião dos professores promete, risos. Obrigado pelas opiniões, Gremista! ❤

      Curtir

  3. Bruna me chocou bastante com o seu estado no capítulo anterior e espero que Yolanda realmente melhore, é bastante triste :/ Maria finalmente descobriu a respeito de seu passado e Rosa está sendo um amor com ela ❤ Wesley enfrentou Victor e falou boas verdades \o/ Wesley, Maria e Yolanda serão grandes companhias para Rosa 😦 Mais um capítulo ótimo 😀

    Curtido por 1 pessoa

    • Bruna está perdendo o controle no vício das drogas e isso a levará para caminhos bem difíceis. Maria vai mudar de vida, agora rica vai poder ajudar a madrinha e ter uma vida melhor, porém na companhia de Stefanny. Wesley tomou personalidade e enfrentou Victor, ele não vai mais tolerar preconceito. Obrigado pelas opiniões, Wilson! ❤

      Curtir

  4. Que lindooooooo amg que atitude o Wesley teve ao encarar o Victor de igual pra igual. Assim é que se faz. Não pode se sentir inferior nunca por ser gay. Algo que nasce com a própria pessoa. Ninguém escolhe. Amei ele encarar ele, mostrou segurança e ainda falou na cara do lixo que ele é gay ou bi. Quem sabe assim o lixo comece a enxergar a realidade. Essa Stefanny é nojenta. Um lixo sem alma mesmo e sem caráter. Wesley pisou nela. O rei do capítulo e o dono da história kkkkkkk Parabéns amigo.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Todo o capítulo foi perfeito, mas o destaque fica por conta do confronto entre WESLEY e VICTOR…Digno padrão GLOBO.

    Wesley não é pior ou melhor do que alguém pelo simples fato de ser “gay” e isso é só a orientação sexual , tenho muitos amigos “gays” e respeito todos eles, pois não são bichos e nem aberração como alguns julgam ser…

    Maria ser meia irmã de Stefanny foi genial e aposto que isso vai render muito…

    Enfim, desculpe por não comentar sempre, mas é que apesar de toda a minha correria ainda tem um fato novo em minha vida…Vou me casar pela segunda vez…Em Julho…Segunda vez antes dos 24 é loucura, né?
    Então, quando vc chegou aqui lembra da minha história com a minha ex, então…Graças a Deus me livrei dela e encontrei uma garota bem mais legal…

    Desculpe por falar de minha vida pessoal aqui em seu capítulo, mas é só para vc entender a minha ausência nos capítulos…VIDA CORRIDA.

    Enfim, capítulo perfeito!

    Curtido por 1 pessoa

  6. Rosa foi a pensão falar com Maria e pah! Deu de cara com Jonathan e Yolanda passando mal. Conseguimos ver uma mudança nessa mulher. Quem diria, hein, dá água pro vinho, eu gosto. E #BrunaVagabunda

    Luana enjoada? Não sei não. Será que vem um bebê por aí? Mas na situação em que Richard se encontra não seria um bom momento. E #BrunaVagabunda

    Patrícia tá doidona, tá doidona! Foi pega pela Abigail, bem feito! E Ryan foi mais esperto que a diretora e tacou um negócio em seu copo. Não sei o que esperar, sério. E #BrunaVagabunda

    Wesley chega de dizer que é apaixonado por Victor, apenas. E #BrunaVagabunda

    E Rosa contou a verdade pra Maria. Sim, querida caipira, você é meia irmã de Stefanny tá? Infelizmente o castelo de areia de minha rainha está desmoronando. Sofro e não é pouco. Que ela vire o jogo. E #BrunaVagabunda

    Parabéns, Airton! Ansioso pela continuação. 😀 E #BrunaVagabunda

    Curtido por 1 pessoa

    • Rosa teve uma grande reviravolta mesmo, ao conhecer o caráter podre da Stefanny, ela acordou pra vida. O enjoo da Luana é suspeitíssimo hein… Abigail nem imagina o que as pastilhas de Ryan podem lhe causar… Wesley é apaixonado por Victor, mas isso não impediu dele enfrentar o preconceito e colocá-lo no seu devido lugar dizendo umas verdades. O castelo de Stefanny está desmoronando mesmo e é só o começo, mas tem muito pra acontecer ainda, o parentesco entre Maria e ela promete. Obrigado pelas opiniões, Fred, e estou morto com a tag #BrunaVagabunda kkkkkkkkkkkkkkkk 😛 ❤

      Curtir

  7. E temos Stefanny mais sozinha do que nunca, depois de ela romper a amizade com Patrícia e Bruna, amo, uma tombada? Falando nisso, o tombo é ainda maior: ela vai ter que conviver com sua maior inimiga e com o garoto que odeia por ser homossexual, amooo. E adorei Rosa defendendo Maria e Lucas e sendo indiferente a Stefanny, finalmente Rosa abriu os olhos, né. E amei o pisão que o Wesley deu no Victor, um reizinho que tem meu respeito. E felizmente Yolanda está bem, não admitiria que nada acontecesse a ela, ok. E grito com Abigail, essa reunião realmente promete… imagino os micos kkk. Parabéns amg :*

    Curtido por 1 pessoa

  8. E estou esgotado de tanto fazer provas, a escola está fazendo um boquete muito forte nas minhas energias. No entanto, deixo o meu pontinho na audiência. Creio que no capítulo de hoje, venha comentário específico. Parabéns, Airton.

    Curtido por 2 pessoas

  9. Wesley enfrentou a louca do Victor, adoro 🙂
    Maria e Wesley na mansão, agora sim vai pegar fogo isso aí 🙂
    Luana com certeza tá buxuda 😀
    Ainda bem que Yolanda não morreu 😊
    Eita que o Richard vai se drogar mais então, Cruz credo jesuizinho 😮

    Curtido por 1 pessoa

  10. ** Chegando e bebendo champanhe para comemorar mais uma atualização com sucesso **

    Capítulo 22

    Jonathan e Maria se beijam, eu passo essa parte, risos. O que importa mesmo é que a Maria está decidida a dar uma surra na Steffany. Jorge se aproxima de Rosa, visando conseguir mais espaço na vida de Catarina. Adorei o jogo de verdade ou consequência, muitas indiretas. Gustavo é o único jovem da trama que se encontra deslocado, sem história própria e quase nunca aparece. Richard diz que aceitaria ter um familiar gay, e creio que ele aceitaria mesmo. Victor praticamente se entregou que já ficou com homem, né. E Maria debocha de Steffany e se prepara para dar uma surra na rival, adoro.

    Capítulo 23

    Gritando com o capítulo, devolva o meu fôlego, por favor.

    Maria desceu a mão na Steffany e surrou a vagabunda, adooooooroooo. E pra completar, rainha Luana filma tudo e espalha pra escola inteira. Parece que o jogo virou, não é mesmo, Steffany? E logo em seguida, temos outra pancadaria: Victor tira satisfações com Ryan e os dois trocam socos, eu não nego que adoro. No mais, Victor só se entrega sempre, suas reações deixam claro que sim, ele já ficou com homens. Bruna e Patrícia abrem uma conta na boca de fumo, sofri. Jorge persegue Catarina e Rosa, desde o shopping até a rodovia, elas de carro e ele de moto. Mas felizmente, Catarina conseguiu se livrar do Jorge, que se acidenta. Ufa! Adorei a cena, mas eu quero meu fôlego de volta. Maria visita Rômulo na cadeia e ambos tem a ideia de fazer Steffany pagar pelo que fez com o depoimento de Jonathan.

    Capítulo 24

    BINGO! Desde as chamadas me veio a possibilidade de Jonathan ser filho de Jorge e essa é a verdade. Na verdade, muitos suspeitaram, agora veio a confirmação. Mas o que me chocou mesmo foi o fato do Jorge ter incendiado a casa da Catarina para salvar a família dela e sair como herói, mas o plano deu errado. Mas não sei, acho que ainda tem coisa não revelada aí. Quem disse essa versão pra Catarina? Se foi o Jorge, não vimos… Sim, Luiz, ainda suspeito de você. Sofri com o Carlos querendo impedir que o Richard faça faculdade de Cinema, mas que lixo de ser humano. O que mais me indigna é a Fernanda se sujeitar a isso. Victor vê o Wesley pelado e se recorda da transa deles. Me poupando desde já, imagino que Victor vai se acovardar e dizer que o Wesley se aproveitou dele, e usando a bebida em sua defesa.

    Capítulo 25

    Victor é um LIXO. Sabia que ele ia culpar apenas o Wesley pela transa dos dois e que usaria a desculpa de que estava bêbado. Me poupe, ele tava embriagado, não inconsciente, ele fez o que fez porque quis. Após a reação do Victor hoje, não vejo a menor possibilidade de um final feliz pra ele e pro Wesley juntos. Aliás, acho que o Wesley devia manter distância, assim o Victor com certeza iria sentir falta e voltar pro pé dele rapidinho. Carlos é outra merda desnecessária, podia ser dizimado e ninguém sentiria falta. O que mais me chateia nesse núcleo é a omissão da Fernanda. PQP, por que essa mulher se sujeita a tamanha humilhação? Por que não denuncia o marido agressor pra polícia? Não tem como defender. E Richard é apresentado para as drogas… Não queria que o personagem tomasse esse rumo, preferia que ele continuasse ativo dentro de casa e enfrentando o pai de igual para igual, Richard é mais forte do que isso. O núcleo das drogas já está bem composto com Ryan, Bruna e Patrícia.

    Capítulo 26

    Richard se droga, e ao ver Victor na balada, dá uma surra nele. Sinceramente? Adorei, mesmo Richard estando fora do seu juízo perfeito, o Victor mereceu apanhar, esse lixo. Jorge entrega a pizza na casa de Catarina e causa um mal estar na família. Wesley revela para a Rosa que é gay e era namorado de Lucas, e explica o porquê do filho dela ter se matado. Eles abrem os arquivos de Lucas no computador e descobrem a sua carta de despedida. AAAAAAAAAAA, eu tô gritando, ganchão do pop, vem revelação, finalmente virá a tona o que Maria tem a ver com isso tudo.

    Capítulo ​27

    SOCORRO, EU TÔ SEM AR, CHAMA O SAMU, CHAMA.

    E eu acertei, Maria e Steffany​ são irmãs. Que delícia, adoro quando decifro os mistérios. O marido da Rosa só revelou a existência dessa filha no leito de morte… Mas como o Lucas sabia que Maria era sua irmã? O que eu perdi? Não pensei que fosse dizer isso, mas… Rosa rainha! Adorei a surra que ela deu na Steffany, demorou, mas ela abriu os olhos e está enxergando como a filha é mau caráter. Luana encontra Richard dormindo na rua num estado deplorável. Maria contrata um advogado com a ajuda de Jonathan e Luiz para agir contra Steffany. Yolanda descobre que Bruna está viciada em drogas e passa mal, tendo um enfarte. E Bruna nem se importa, pelo contrário, rouba o dinheiro da mãe para comprar mais drogas.

    Capítulo 28

    Yolanda é socorrida por Jonathan e Maria e Rosa chega e paga uma cirurgia pra ela num hospital particular. Maria descobre a verdade, que é irmã da Steffany, e Rosa explica com mais detalhes a situação. Só tem uma coisa que eu não engoli: o Lucas ser o único a saber quem era sua irmã desconhecida. Porque diabos o detetive revelaria apenas para ele sobre a Maria, e não para a Rosa, que é a responsável pela família? Não vejo lógica nisso, se o detetive tinha que dizer para alguém o que descobriu, esse alguém era a Rosa. Patrícia é pega fumando na escola, mas Ryan consegue fugir com ela. Apenas aguardando essa reunião da Abigail, ela vai ficar doidona na frente de geral 😛 Wesley, pisa mais no fodido do Victor (literalmente, risos maléficos), eu imploro. Luana sentindo enjoo, berro, gravidez a vista? E Wesley chega de malas prontas na mansão de Rosa, juntamente com Maria, e Steffany surta. Adoro, agora a diaba vai ficar ainda pior.

    Menção honrosa: Patrícia perdendo a calcinha dentro da boate, uma cena que merece ser destacada. Eu ri horrores, sabe, uma situação dessa. Mas afinal, ela encontrou a calcinha?

    Felizmente, me atualizei de novo, que pisão no tempo corrido. A trama tá ótima, o ritmo se intensificou e tá só tiro, porrada, e bomba. Ansioso pelos desdobramentos desse luxo, que está caminhando rumo à reta-final. Parabéns, Airton, tá pisando bastante com Descobertas, amo fortemente. Agora vamos rir da desgraça​ da vagabunda da Steffany?

    Curtido por 1 pessoa

    • Você atualizado, eu adoro, eu me amarro, um reizinho mesmo. Pois bem, vou me deter a responder os questionamentos, mas eu li todo seu comentários e amei forte. A versão revelada por Catarina a Jonathan sobre Jorge é verdadeira, tudo o que ela disse é verdade, não há mais lacunas. Fernanda não denuncia Carlos por não sentir forças pra isso, é estranho, mas é comum, diferente de Catarina e Rosa, ela não tem a mesma firmeza pra enfrentar a vida, acaba sofrendo as consequências disso. Lucas soube do parentesco entre Stefanny e Maria (e consequentemente ele tabém) porque o detetive o procurou antes dele falecer. Infelizmente, Patrícia está sem calcinha, precisamos fazer uma vaquinha pra ela, tadinha… hahahaahaha 😛 Agora pra encerrar, vamos rir sim da desgraça da Stefanny e tá só no começo, a queda será cavalar ainda, mas ela não deixará de aprontar também, sofro! Obrigado pelas opiniões, Jean! ❤

      Curtido por 1 pessoa

  11. Capítulos maravilhoso turma da droga tá aprotando, louco pr Abigail ddoidona… Wesley como sempre divando…Sofre Estefany… Parabéns Airton

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s