Valentina Herszage demora até 6 horas para gravar cenas com canguru em 3D, em “Pega Pega”!

Um certo canguru roubou a cena nos primeiros capítulos de “Pega Pega”. No universo particular de Bebeth (Valentina Herszage), o bichinho de pelúcia encontrado na mata enquanto ela fugia do pai, Eric (Mateus Solano), ganhou voz e movimentos graças à imaginação da adolescente e a uma animação em 3D. Mas transformar em realidade o mundo mágico da menina, traumatizada após a perda precoce da mãe, não é uma tarefa simples.

— Faço a mesma cena cinco vezes. Começo contracenando com a boneca desanimada só para ter uma referência, depois repito com a boneca e dois manipuladores. Na terceira vez, a gente tira a boneca. O que vale é a minha interpretação contracenando com o nada. Em seguida, gravo mais uma vez com o nada e com um fundo azul atrás. Na quinta vez, às vezes tem um robô que faz os movimentos que serão vistos no ar através da animação — explica a atriz de 19 anos, estreante em novelas.

Na sinopse de “Pega pega”, a autora Cláudia Souto compara a relação de Bebeth com a canguru Flor (batizada assim porque a boneca usa um lenço florido no pescoço) a de Calvin e Haroldo, sucesso nas tirinhas. Mas a parceria na novela não será tão duradoura quanto a dos personagens dos quadrinhos. As alucinações de Bebeth estão previstas para acabar a partir do capítulo 20, quando a personagem já estará vivendo o seu primeiro amor com Márcio (Jaffar Bambirra).

A novidade causou rebuliço nas redes. Parte do público viu Flor com estranheza: “Ursos de pelúcia vão ter vida nessa novela?”, questionou @luizashippa no Twitter. “Ai gente, uma mulher desse tamanho falando com uma canguru é demais para mim”, escreveu @deprekardashian.

Nada que afete a empolgação de sua amiga na ficção.

— É a primeira vez que uma novela utiliza esse recurso. É um exercício de paciência e concentração. Já ficamos seis horas para gravar uma cena. Mas o resultado é mágico — observa a intérprete de Bebeth.

Foi em setembro de 2016 que a canguru Flor começou a ser gerada. Os pais da “criança”, quatro designers e três animadores, integrantes da equipe de efeitos visuais de “Pega pega”, deram o pontapé inicial no trabalho fazendo protótipos do animal através da técnica fotogrametria. Em seguida, o molde físico ganhou uma versão digital e, a partir daí, veio a construção do esqueleto computadorizado, chamado de rigg, a colocação de textura para dar a impressão de pelo e, finalmente, a animação.

— Como Bebeth não reconhece a canguru como um boneco, aos olhos dela precisávamos imprimir realidade. Partimos para um caminho de fazer esse personagem em 3D, ou seja, colocar uma ideia de cartoon. Fomos atrás de um caminho que tem tecnologia. Mas minha intenção do uso da tecnologia é escondê-la. Não estou fazendo uma obra de ficção científica — observa o diretor artístico Luiz Henrique Rios, completando: — A tecnologia entra para que, de alguma maneira, nos possibilite contar uma história e criar esse mundo ficcional, a fim de que o público viaje conosco. É um trabalho árduo.

Fonte: Extra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s