Fantasma Vivo – Capítulo 05

CENA 01: CASA DE C. ALBERTO/QUARTO DE VICENTE/INT./NOITE

LETREIRO: “SÃO PAULO, 2007”.

Vicente está sentado na cama com os olhos marinados em lágrimas de tanto chorar após Carlos Alberto o flagrar beijando Arthur. Ao fundo é possível ouvir Elizabeth tentando acalmar o marido que está furioso. Um barulho de porta se fechando pode se ouvir e Elizabeth em lágrimas adentra a porta do quarto.

ELIZABETH – Você precisa me contar o que aconteceu, meu querido.

Vicente encara a mãe que se aproxima com um semblante triste.

VICENTE – Eu não posso mentir mãe. Aconteceu exatamente o que ele falou.

Elizabeth não consegue segurar o choro.

ELIZABETH – Como isso é possível? Vocês são irmãos, Vicente.

VICENTE (chorando) – É mais forte do que eu, mamãe. Eu não sei o que fazer pra esse sentimento ir embora.

Elizabeth abraça o filho que cai em prantos no colo da mãe.

ELIZABETH – Nós vamos dar um jeito nisso, meu filho. Vai passar!

VICENTE – Eu não quero mais sentir isso, não importa as consequências. Nem se o único jeito disso passar é eu me afastar de uma vez por todas do Arthur.

ELIZABETH – Do que você tá falando?

VICENTE – Eu preciso ir embora daqui.

A imagem foca no rosto assustado de Elizabeth e fica embaçada.

CENA 02: LISBOA/APT. DE VICENTE/INT./NOITE

Após reviver lembranças dolorosas da ultima vez que viu Arthur, Vicente fica pensativo, ele continua como retrato de infância dele e do irmão.

VICENTE – Amanhã finalmente eu cumpro minha promessa Arthur, e confesso que vai ser a promessa mais difícil que eu já cumpri.

Nesse momento, Riely aparece de surpresa e abraça o noivo por trás.

RIELY – Estás a falar sozinho, amor meu?

VICENTE – Só pensando um pouco.

RIELY – Tu e teus pensamentos.

VICENTE – Um dia tu me decifras. (Risos)

RIELY – Enfim, tudo pronto?

VICENTE – Sim, amanhã bem cedo embarcamos rumo ao novo mundo.

RIELY – Eu quero muito agradecer-te por levar meu irmão conosco, não sei o que seria dele se ficasse sozinho aqui.

VICENTE – Tudo bem, logo logo seremos uma mesma família, então não me importo.

RIELY – É por isso que eu te amo tanto.

Eles se beijam e Riely percebe a fotografia na mão do noivo e a puxa subitamente.

RIELY – O que tanto olhas nessa foto?

VICENTE – Me devolve isso.

Ela observa a foto cuidadosamente.

RIELY – Esse és tú? (Risos)

VICENTE- É só uma fotografia antiga.

RIELY – Nossa, tu já eras um gatinho desde pequeno. (t) E quem é esse ao teu lado?

VICENTE – É meu irmão, Arthur.

RIELY – Huum, então a beleza é de família mesmo.

VICENTE – Sim, agora me dê isto.

Vicente pega rapidamente a fotografia da mão de Riely.

RIELY – Por que fica tão nervoso quando falo de tua família?

VICENTE – Eu não estou nervoso, só cansado. Não vamos perder tempo falando de passado. Melhor nos deitarmos que amanhã levantamos cedo.

RIELY (estranhando) – Está bem então.

Os dois se deitam na cama e a imagem foca no rosto desconfiado de Riely.

CENA 03: SÃO PAULO/EXT./DIA

TRILHA SONORA: Ride – Lana Del Rey

Imagens aceleradas mostram o amanhecer na cidade de São Paulo.

CENA 04: CASA DE C. ALBERTO/SALA DE JANTAR/INT./DIA

Arthur chega à sala de janta com um olhar apático e ainda com cara de sono senta-se a mesa ao lado dos pais. Carlos Aberto e Elizabeth estranham a presença dele.

ELIZABETH – Filho? Que bom te ver, nós nunca tomamos café da manhã juntos.

C. ALBERTO – E essa cara?

ARTHUR – Infelizmente é a única que eu tenho.

ELIZABETH – Filho, não fale assim com o seu pai.

C. ALBERTO – Tá vendo a educação que você dá pra esse moleque?

ARTHUR – Eu não sou nenhum moleque.

C. ALBERTO – Mas o que deu em você pra me responder dessa forma? Ah, já sei ainda com raivinha por causa daquele seu amigo pobretão.

ARTHUR – Se é do Túlio que está falando pode ficar despreocupado porque se depender de mim ele nunca mais entra nessa casa.

ELIZABETH – Aconteceu alguma coisa filho?

ARTHUR – Mas por que isso agora? Vocês nunca se importam comigo, por que estão tão preocupados comigo?

C.ALBERTO – Eu não tenho tempo para essa infantilidade. Estou de saída.

Carlos Alberto limpa a boca com um guardanapo, se levanta e sai rispidamente. Elizabeth olha preocupada para o filho.

ELIZABETH – O que deu em você?

ARTHUR – Só estou cansado de tanto sofrimento.

ELIZABETH – Mas do que você está f…

ARTHUR – Ai mãe, já deu pra mim.

Arthur se levanta rapidamente e sai deixando a mãe sozinha.

ELIZABETH – E esse foi mais um bom café da manhã em família.

CENA 05: LISBOA/APT. DE VICENTE/INT./DIA

Riely está terminando de se arrumar quando alguém bate na porta. A jovem vai até aporta e quando abre vê Anthony todo produzido com óculos escuros.

ANTHONY – E então? Pareço um legítimo brasileiro?

RIELY – Só um pouquinho.

ANTHONY – Poxa caprichei tanto.

Ele entra arrastando sua bagagem.

RIELY – Deixou tudo certa lá no apart.?

ANTHONY – Sim, tudo na paz. E onde está o otário?

RIELY – Está no banheiro.

ANTHONY – Então eu posso te agarra um pouquinho.

Anthony agarrar Riely e dá um cheiro em seu pescoço e depois lhe dá um beijo quente.

RIELY – Tú estás louco? Se o Vicente aparece, adeus viagem.

ANTHONY – Ah, tu sabes que eu não resisto ao teu charme.

RIELY – O que importa é que nosso plano está dando certo. Assim que chegar ao Brasil eu vou fazer aquele idiota ir pra cama comigo e aí nós estaremos com a vida ganha.

ANTHONY – Com toda certeza.

Vicente aparece todo sorridente.

VICENTE – Anthony? Que bom que chegou. Já estamos de saída.

ANTHONY – Sim. Já estou pronto.

RIELY – Eu também, e eu estou muito ansiosa para chegarmos logo.

VICENTE – No mínimo 10hras de viagem ainda lhe aguardam minha querida.

RIELY – Nossa!

VICENTE – Bom então vamos?

RIELY – Vamos!

Os três saem arrastando suas bagagens.

CENA 06: CASA DE CARLOS ALBERTO/QUARTO DE ELIZABETH/INT./DIA

Elizabeth está no quarto conversando com sua amiga Steffany pelo telefone.

ELIZABETH – Eu já não sei o que fazer, amiga. Minha família esta se destruindo e eu não consigo evitar.

STEFFANY – Amiga, o que você tem que fazer é deixar que as coisas se resolvam sozinhas.

ELIZABETH – Como assim? Eu fico de braços cruzados?

STEFFANY – Não foi isso que eu disse. Só acho que você se preocupa muito com essa sua família e esquece de pensar em você.

ELIZABETH – Você acha?

STEFFANY – Eu tenho certeza. Deixe as coisas como estão e dê um jeito em você mesma, se o Carlos Alberto não dá conta de você. Procure alguém que dê.

ELIZABETH- Você está sugerindo que eu traia meu marido?

STEFFANY – Pese como quiser. Eu sou mais jovem que você, então ás vezes tenho essas ideias malucas, mas aí é com você. É como dizem: “Se não quer, tem quem queira”.

ELIZABETH – Isso é louc…

STEFFANY – Eu vou ter que desligar, mais tarde a gente se fala. E pensa no que eu te falei.

Steffany desliga o celular e deixa Elizabeth confusa.

ELIZABETH – Será que ela está certa?

CENA 07: LISBOA/AEROPORTO/INT./DIA

TRILHA SONORA: Dangerously- Charlie Puth

Imagens mostram rapidamente Vicente, Riely e Anthony embarcando no avião rumo ao Brasil.

CENA 08: FACULDADE/EXT./DIA

Diana está sentada embaixo de uma árvore, ela segura um celular e é possível ver o nome de Elizabeth como chamada recente. A jovem dá um sorriso diabólico.

DIANA (off) – Aquela velha vadia não poderia ficar de fora da minha vingança, a mulher de Carlos Alberto. Eu não tenho nada contra ela, mas ela está na minha lista pelo simples motivo de ser esposa daquele demônio e vai sofrer as consequências junto com o filhinho querido dela. E o melhor jeito de fazer isso? É sendo amiga dela. Aquela amiga que ouve e que aconselha da melhor forma possível. (Risadas). Eu, ou melhor, dizendo, a Steffany vai fazer de tudo pra que a minha amiga consiga ser feliz. Só que não. (risadas)

 

Diana continua sorrindo, quando percebe a chegada de Arthur.

DIANA – Arthur!

ARTHUR- Oi Diana.

DIANA – Achei que você não viria, sabe, depois do que aconteceu ontem.

ARTHUR – Eu resolvi encarar. Se eu ficar me escondendo pode ser pior, e eu posso ficar maluco.

DIANA – Olha eu sei que nós nos conhecemos ontem, mas eu posso te ajudar a passar por essa barra.

ARTTHUR – A ultima pessoa que me disse isso falou coisas horríveis a meu respeito.

DIANA – Mas em mim, você pode confiar. Tipo eu já passei por isso, me sentia solitária, ninguém me entendia, meu pai me odiava, minha mãe só se preocupava em chamar a atenção dele e pra completar a minha melhor amiga me abandonou, a única pessoa que eu podia contar foi pra longe, eu me sentia um verdadeiro fracasso.

ARTHUR – Nossa! A sua história é muito parecida com a minha.

DIANA – Está vendo, eu consegui me libertar e você também pode.

ARTHUR – Será que eu posso confiar em você?

DIANA – É claro que pode Arthur, eu sou a melhor pessoa pra te ajudar. Talvez o destino tenha me colocado em seu caminho.

ARTHUR – Obrigado.

Os dois se abraçam e Diana dá um sorriso cínico. Túlio afastado observa intrigado os dois.

TÚLIO – Qual é a dessa garota?

CENA 09: EVENTOS TOLEDO/RECEPÇÃO/INT./DIA

A secretária de Carlos Alberto ensina Suelen como usar o computador, mas a jovem parece não se importar.

LÍDIA – E então, você usa essa ferramenta aqui e…

Suelen olha atentamente para a porta da sala de Carlos Alberto.

LÍDIA – Ô garota presta atenção que eu não tenho todo o tempo do mundo.

SUELEN – Escuta, o seu Carlos Alberto já chegou?

LÍDIA – Sim, mas isso não é da sua conta. Ele é um homem muito ocupado e não tem tempo pra…

Nesse momento, Carlos Alberto aparece na recepção muito sorridente.

C. ALBERTO – Não se preocupa, dona Lídia, eu me encarrego de ensinar a senhorita Suelen.

LÍDIA – Mas senhor, eu…

C. ALBERTO – Eu já disse.

LÍDIA – Tudo bem.

C. ALBERTO (sorrindo) – É melhor irmos pra minha sala.

Suelen o segue sorridente e Lídia fica desconfiada.

CENA 10: SUBURBIO DE S. PAULO/ESCOLA/EXT./DIA

Solange fala com uma jovem pela grade de uma escola do subúrbio. A garota é atraente e usa um batom provocante.

YARA – Nem pensar Solange.

SOLANGE – Qual é Yara, ele disse que paga qualquer quantia.

YARA – Nem por todo dinheiro do mundo, eu ainda sinto as dores daquela noite.

SOLANGE – Mas ele não quer você, ele quer carne nova. E eu sei que você tem várias amiguinhas.

YARA – Eu não vou colocar minhas amigas nisso. Elas já sabem a fama do Carlos Alberto, nenhuma vai querer, nem adianta tentar.

SOLANGE – Você já foi melhor hein Yara. Nunca recusou homem nenhum.

YARA – Acontece que aquilo não é um homem, é um monstro. Quando você tiver um homem de verdade, me procura.

Yara joga beijos para Solange e volta pra escola. Solange fica furiosa.

SOLANGE – Que droga! Será que vou ter que apelar para garotas fora do ramo?

Ela observa algumas garotas que estão no pátio da escola.

CENA 11: EVENTOS TOLEDO/ESCRITÓRIO DE C. ALBERTO/INT./DIA

Carlos Alberto está ao lado de Suelen enquanto ela utiliza o computador.

C. ALBERTO – Entendeu direitinho, princesa?

SUELEN – Acho que sim.

C. ALBERTO – Você é muito esperta.

SUELEN – E o senhor continua com seus elogios.

C. ALBERTO – O que é bonito é para ser elogiado.

SUELEN – Bom, é melhor eu voltar para a recepção, não quero atrapalhar o senhor.

C. ALBERTO – Você não me atrapalha em nada.

Carlos Alberto passa suas mãos, alisando as costas de Suelen e estava abaixando cada vez mais até que Suelen assustada se levanta rapidamente.

SUELEN – Eu sei o meu lugar seu Carlos. É melhor eu ir.

Suelen sai da sala apressada.

SUELEN (off) – Nossa! Por essa eu não esperava.

Carlos Alberto com um sorriso cínico observa Suelen se afastar.

C. ALBERTO – Pode se fazer de difícil garota. Eu adoro as novinhas difíceis.

Ele acende um charuto e começa a fumar.

CENA 12: FACULDADE/SALA/INT./DIA

Diana estuda arquitetura juntamente com Arthur, Túlio e Yago. Os três estão na sala de aula quando Yago tira sarro de Arthur ao perceber que ele e Túlio estão afastados.

YAGO – E então, Arthurzinho? Você e o Túlio decidiram dar um tempo?

Todos na sala começam a rir.

ARTHUR – Isso não é da sua conta.

YAGO (debochando) – Ah não fale assim comigo que eu fico triste.

TÚLIO – Dá pra você calar essa boca, Yago?

YAGO – Ou o quê? (t) Anda, defende sua fêmea.

A turma toda para pra olhar os dois que se encaram friamente, mas são interrompidos quando o professor entra na sala.

YAGO – Dessa você escapou.

Arthur encara Túlio seriamente.

CENA 13: FACULDADE/CORREDOR/INT./DIA

Após a aula, Diana caminha pelo corredor quando Yago a puxa para um canto.

YAGO – E então?

DIANA – Então o quê?

YAGO – Melhorou?

DIANA – Do que você está falando?

YAGO – Qual foi daquele papinho de ontem? “Como conseguiu essas fotos?” “Como eu tive coragem de fazer isso?” Faça-me o favor né Diana?!

DIANA – Você sabe que ás vezes eu tenho essas recaídas.

YAGO – Que bom, por que eu odeio a Diana boazinha.

Diana cai na gargalhada.

DIANA – A proposito eu amei sua ceninha lá na sala. Com certeza o Arthurzinho sentiu a pressão.

YAGO – Você sabe que quando eu entro numa parada, é pra valer.

DIANA – E eu estou gostando bastante do seu trabalho.

Diana levanta a perna e põe sobre Yago e lhe dá um beijo quente.

CENA 14: [FLASHBACK] FACULDADE/BANHEIRO/INT./DIA

LETREIRO: Alguns meses atrás.

Yago está no banheiro lavando o rosto, quando o reflexo de uma figura provocante chama sua atenção.

DIANA – Olá?

YAGO – O que você está fazendo aqui no banheiro masculino?

DIANA – Não se preocupa que nós estamos sozinhos aqui.

YAGO – E quem é você?

DIANA – Sou alguém que pode te fazer muito feliz.

A jovem se aproxima e dá um beijo provocante em Yago.

YAGO – Nossa! Você é muito gostosa.

DIANA – E eu posso ser todinha sua, basta você fazer uns servicinhos para mim.

YAGO – Por você qualquer coisa, gata!

DIANA – Bom você já ouviu falar em Arthur Toledo?

YAGO – O esquisitão?

DIANA – Ele mesmo. Pois bem, eu ouvi falar que ele é caidinho por você.

Ela dá um sorriso cínico e Yago fica intrigado.

CENA 15: FACULDADE/CORREDOR/INT./DIA

Arthur caminha ofegante pelos corredores da faculdade. É possível ouvir sua respiração e os batimentos cardíacos acelerados. As vozes dos outros alunos ecoam na sua mente, e ao olhar para os rostos tem a impressão de que todos estão rindo de sua cara.

ARTHUR – PAREM! Por favor.

Alguns garotos para provoca-lo esbarram de proposito em seu ombro e o jovem se desequilibra e cai no chão. As risadas ecoam por todo o corredor e Arthur se sente ainda mais vulnerável, até que Túlio aparece para ajuda-lo.

TÚLIO – Arthur! Você está bem?

Túlio tenta levantar o amigo, mas ao ver que se trata de Túlio, Arthur dá um grito de raiva.

ARTHUR (gritando) – ME SOLTA!

Arthur se levanta rapidamente e sai correndo pelo corredor e as pessoas ao redor param para vê-lo e percebem que ele não está nada bem.

 

CENA 16: SÃO PAULO/EXT./NOITE

TRILHA SONORA: Fuckin Perfect – Pink

Imagens aceleradas das avenidas movimentadas de São Paulo mostram o entardecer.

 

CENA 17: CASA DE C. ALBERTO/SALA/INT./NOITE

Carlos Alberto está sentado no sofá, ele tira a gravata e relaxa. Elizabeth aparece e se surpreende ao ver o marido.

ELIZABETH – Chegou cedo querido?

C. ALBERTO – É hoje deu pra vir mais cedo.

ELIZABETH – Posso fazer uma massagem?

C. ALBERTO – Pode ser.

Elizabeth dá um sorriso e começa a fazer massagem no ombro do marido.

ELIZABETH – Fazia tempo que não tínhamos um momento assim.

C. ALBERTO – É, o trabalho me impede.

ELIZABETH- Já reparou que você sempre põe o trabalho em primei…

Elizabeth é interrompida pela chegada de Arthur, que está completamente desgastado, com os olhos vermelhos e bastante suado, depois de andar o dia todo em crise.

ELIZABETH – Arthur? O que aconteceu com você?

Ao ver o filho, Carlos Alberto se assusta.

C. ALBERTO – Por acaso você está drogado?

Elizabeth corre para acudir o filho.

ELIZABETH – Arthur, olha pra mim? O que aconteceu meu filho? Olha o seu estado.

C. ALBERTO – Ele está completamente drogado, Elizabeth.

ARTHUR – Infelizmente para o seu desgosto eu não estou.

C. ALBERTO – É bom mesmo, por que se estiver eu vou…

ARTHUR – Vai o quê? Vai me expulsar de casa como fez com o Vicente?

C. ALBERTO – Seu insolente.

Carlos Alberto levanta a mão para bater em Arthur, mas Elizabeth se põe na frente.

ELIZABETH – Não faça isso.

Arthur cai em prantos.

ARTHUR – Eu não aguento mais essa vida.

Arthur sai em direção à porta de entrada.

ELIZABETH – Espera Arthur?! Aonde você vai?

Arthur sai chorando e ao abrir a porta dá de cara com Vicente, Riely e Anthony.

ARTHUR – Vicente?

Arthur e Vicente se encaram.

A cena congela em efeito preto-e-branco e é amassada.

                        CONTINUA…

Anúncios

22 thoughts on “Fantasma Vivo – Capítulo 05

  1. O maior incômodo foi o atropelo. Aconteceu muita coisa em pouco tempo. Deu um rombo no espaço e no tempo… ou, pelo menos, nas minhas noções de espaço e de tempo.

    Ainda tô bem “?” com a Diana e o Yago. Afinal, no primeiro dia de aula, a Diana aparentemente não havia desgrudado do Arthur até o momento que o Túlio chegou com a foto. A relação dos dois permanece uma incógnita, portanto trabalharei com suposições. Assim sendo, eu suponho que a Diana e o Yago tenham algum tipo de relacionamento… seja um namoro, amizade colorida ou coisa que o valha. Só isso pode explicar tamanha intimidade entre eles: ainda não os vimos enquanto desconhecidos, o que me leva a crer que eles já começam a história como bons conhecidos.

    Sabia que a Riely ia recorrer ao clichê do irmão-que-na-verdade-é-amante. O Vicente já tá me irritando com essa passividade. Vamos ver o que vai acontecer no próximo capítulo.

    De resto, todos de parabéns.

    Curtido por 1 pessoa

    • Sério que você achou isso? Tipo sim aconteceu muita coisa, mas tudo ocorreu em um dia… Rs
      Não entendi muito bem sua opinião sobre Diana e Yago. Resumindo, Diana se uniu a Yago para prejudicar Arthur. Eles são meio que cúmplices, eles tem um relacionamento, o flashback mostrou como Diana conquistou ele, seduzindo Yago para trabalhar pra ela meio que em troca de favores sexuais. Por isso eles são tão íntimos.. Diana enviou as fotos para Yago e pediu para ele espalhar para turma… E ainda virão muitos outros serviçinhos sujos por aí… O problema é que Diana sofre de dupla personalidade então uma hora ela é louca vingativa e puta e outra hora ela é a doce e ingênua amiga de Arthur que só quer justiça.. meio complicado mas com o tempo vc entende.. hehe
      Riely recorreu ao clichê do amante parente e Vicente acreditou meio que porque não queria se separar se Riely​ às vésperas dá viagem e reencontrar Arthur sozinho talvez mexesse ainda mais com seus sentimentos.. (não que não vá mexer mesmo com ele acompanhado haha). E a história veio a calhar já que ela leva Anthony na bagagem.. Sei que é irritante a passividade de Vicente mas acredito que seja necessária.. kk espero vc no capítulo 06 e Obrigado pela análise tem me motivado muito. 😁😎

      Curtir

      • O flashback não ficou muito claro, Diana e Yago ainda pareciam que se conheciam nele; não convenceu.

        É entendível que os dois se uniram para prejudicar o Arthur: ela para atingir o Carlos Alberto, e ele, aparentemente, para se vingar da rejeição dele; sim, havia ficado claro naquele flashback que o Yago sente algo pelo Arthur, senão não teria o levado pra cama.

        Curioso para saber no que isso vai dar. Vamos ver se o Anthony sabe fazer algo além de esquentar a cama da Riely.

        Fico muito feliz em saber disso, de verdade. 😀 😀 😀

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s