Fantasma Vivo – Capítulo 16 (Antepenúltimo Capítulo)

CENA 01: CASA DE C. ALBERTO/QUARTO DE ELIZABETH/INT./NOITE

LETREIRO: “São Paulo, 1992”

Elizabeth está em seu quarto apreensiva quando ouve o barulho do carro de Carlos Alberto chegar. A mulher corre para a sala, ela encontra o marido fumando charuto na janela.

ELIZABETH – E então? Nasceu?

C. ALBERTO – Nasceu.

Elizabeth se emociona.

ELIZABETH – Um menino?

C. ALBERTO – Isso mesmo.

Elizabeth corre para abraçar o marido.

ELIZABETH – Isso não é maravilhoso? Até ontem eu era só uma mulher que não conseguia engravidar e agora eu vou ser mãe.

C. ALBERTO – Satisfeita agora? Você finalmente terá o seu tão sonhado filho.

ELIZABETH – Eu não estou só satisfeita, eu estou feliz, muito feliz.

Carlos Alberto encara Elizabeth e sopra a fumaça do charuto.

C. ALBERTO – Não entendo essa sua obsessão em ter filhos, deveria agradecer por não ter conseguido ter um.

ELIZABETH – Não diga uma coisa dessas, não​ há nada mais triste para uma mulher do que não ter um filho. Eu serei eternamente grata a essa mulher por aceitar nos doar essa criança.

Carlos Alberto olha para Elizabeth com desdém.

C. ALBERTO – Hoje em dia essas garotas não fazem mais questão de ter filhos, e as que têm não pensam duas vezes em se livrar.

ELIZABETH​ – Não vamos julgar o que levou ela a fazer isso, o importante é que ela concordou e eu vou fazer essa criança, a mais feliz do mundo.

Elizabeth sorri emocionada.

FLASH!

 

CENA 02: HOSPITAL/QUARTO/INT./NOITE

Elizabeth entra lentamente no quarto do hospital, no leito está Simone amamentando um bebê.

ELIZABETH – Nossa! Mas você é tão jovem.

Simone sorri e Elizabeth se aproxima e acaricia as mãos do bebê emocionada.

ELIZABETH – Você tem certeza de que quer fazer isso?

SIMONE – Tenho sim, ele vai estar em melhores mãos com vocês.

Carlos Alberto entra no quarto e observa Simone, a jovem encara o homem com o olhar assustado.

ELIZABETH – Pode ter certeza que ele vai ser a criança mais feliz desse mundo, e eu serei grata a você a minha vida toda.

SIMONE – Eu só tenho um pedido a fazer para a senhora.

ELIZABETH – Peça o que quiser.

SIMONE – Eu quero que ele se chame Vicente.

Carlos Alberto fica furioso ao ouvir Simone.

C. ALBERTO – Esse nome não.

ELIZABETH – Por que não, querido? É o desejo dela, e eu achei um nome lindo.

SIMONE – Obrigada.

Simone sorri e Carlos Alberto a encara com ódio.

A cena fica embaçada lentamente.

 

CENA 03: APARTAMENTO DE ANTHONY/QUARTO/INT./NOITE

Anthony conversa com Diana pela webcam.

ANTHONY – Ela estava muito apreensiva, com um papo chato de família. Mas eu consegui fazer com que ela fizesse exatamente o que eu queria.

DIANA – E você demonstrou ser um ótimo subordinado.

ANTHONY – Eu sei disso, faço o que for necessário por dinheiro.

DIANA – Eu quero as cópias desses vídeos o quanto antes.

ANTHONY – É claro gata, esse vídeos serão todos teus.

DIANA – E onde está a sua comparsa?

ANTHONY – Riely? Bem, ultimamente ela tem investido bastante no tal “casamento” com o Vicente.

DIANA – Casamento? E pra quê isso? Ela já tá com a faca e o queijo na mão, não precisa disso.

ANTHONY – Eu tentei dizer isso a ela, mas ela está cega de amores pelo otário, e tu sabes como é mulher apaixonada, né?!

DIANA – Essa garota só é um atraso nos meus planos.

ANTHONY – É, ela é gostosa mas não pensa como você.

Diana fica pensativa por um momento

DIANA – Espera aí, eu acabo de ter uma ideia que vai transformar esse casamento no melhor casamento da história.

ANTHONY – Uau! E o que tu estás a pensar?

DIANA – Com o tempo você vai saber, mas por enquanto preocupe-se com a velha. Ela vai ser fundamental nesse meu novo plano.

ANTHONY – Então eu já posso começar a tirar dinheiro dela?

DIANA – Quanto mais, melhor. Mas, lembre-se eu quero metade de tudo o que você conseguir.

Anthony dá um sorriso.

ANTHONY – É claro, afinal se não fosse você, hoje eu não estaria aqui.

FLASH!

 

CENA 04: [FLASHBACK: LISBOA/QUARTO/INT./NOITE]

LETREIRO: “Lisboa, 2015”

Anthony está mexendo em seu notebook, ele navega um site de garotas de programa que se exibem pela internet.

ANTHONY – Nossa! Tu és muito gostosa, sabias?

Ele se refere a uma garota mascarada que dança uma música sensual. Anthony está hipnotizado com a beleza do corpo da moça.

ANTHONY – De onde tu és?

GAROTA – Brasil.

ANTHONY – Uau! Está explicado tanta beleza assim.

A garota continua dançando e exibindo o seu corpo.

ANTHONY – Quais as chances de tu me mostrares teu rosto?

A garota se aproxima da lente.

GAROTA – Na realidade são as maiores possíveis.

ANTHONY – Sério? Geralmente as garotas não mostram o rosto.

GAROTA – Digamos que eu sou uma garota diferente.

ANTHONY – Ótimo então me mostra.

Ela faz que não com o dedo indicador.

GAROTA – Antes eu tenho uma pergunta.

ANTHONY – Quantas tu quiseres.

GAROTA – Até onde você disposto a ir  vai por dinheiro?

O jovem sorri maliciosamente.

ANTHONY – Digamos que eu embarco em qualquer loucura por dinheiro.

Ela então tira a máscara revelando o rosto de Diana.

DIANA – Então acho que encontrei a pessoa certa para o que eu preciso.

Anthony sorri.

ANTHONY – Uau! Tú és uma gata.

DIANA – Eu tenho só mais uma pergunta.

ANTHONY – Qual?

DIANA – Já ouviu falar em um médico chamado Vicente Toledo?

Anthony sorri maliciosamente.

FLASH!

 

CENA 05: CASA DE C. ALBERTO/QUARTO DE ELIZABETH/INT./NOITE

Elizabeth está deitada na cama com os olhar triste, Arthur entra com um chá.

ARTHUR – Tente se acalmar mamãe.

ELIZABETH – Eu já estou mais calma, meu filho.

Carlos Alberto entra no quarto ainda fumando um charuto.

C. ALBERTO – Interessante, eu nunca vi você sair para tomar um ar e no dia que sai é assaltada. Que ironia!

ARTHUR – Por favor, é melhor você não começar com essa sua ironia.

C. ALBERTO – Mas eu não estou sendo irônico, só estou curioso.

ELIZABETH – Eu sai porque precisava me acalmar depois do que aconteceu.

C. ALBERTO – Vai querer botar a culpa em mim?

ELIZABETH – Eu não estou botando culpa em ninguém. Carlos Alberto por favor sai daqui.

Carlos Alberto dá um sorriso irônico e sai. Elizabeth tom o chá e  olha para o filho que esta ao seu lado.

ELIZABETH – Obrigada querido.

ARTHUR – É melhor você descansar.

Elizabeth dá um sorriso tímido e se deita.

ARTHUR – Dorme bem.

Arthur dá um beijo na testa da mãe e sai. Elizabeth fica pensativa.

ELIZABETH​ – Desculpa, meu filho.

 

CENA 06: APARTAMENTO DE VICENTE/QUARTO/INT./NOITE

Vicente está deitado na cama e Riely está adormecida em seu peito descoberto, ela dorme serenamente com um sorriso de felicidade. Já Vicente está com olhos marinados, ele respira profundamente.

VICENTE (off) – Você pode me chantagear, pode tirar tudo o que eu tenho, pode fazer o que quiser comigo. Mas, você não vai fazer o Arthur sofrer, eu não vou deixar isso acontecer.

 

CENA 07: SUBÚRBIO DE S. PAULO/CASA DE SOLANGE/INT./NOITE

Suelen está deitada na cama dá mãe, ela agarra um travesseiro e pensa em Solange.

SUELEN – Ah, mamãe. Se você estivesse aqui seria tudo diferente. Eu não sei pra onde ir, o que fazer pra derrotar esse homem.

Nesse momento, o celular da garota toca e ela atende.

SUELEN – Alô? (t). O quê?

Suelen dá um sorriso de alegria ao receber a notícia de que Solange estava viva.

 

CENA 08: AVENIDAS MOVIMENTADAS/EXT./DIA

TRILHA SONORA: Attention – Charlie Puth

Imagens aceleradas mostram o amanhecer na cidade de São Paulo.

 

CENA 09: CASA DE C. ALBERTO/SALA DE JANTAR/INT./DIA

Vicente conversa com a mãe.

VICENTE – Você entrou em estado de choque mãe, é perfeitamente normal​ em uma situação pela qual a senhora passou.

ELIZABETH – É, acho que foi isso mesmo.

VICENTE – Mas você já está bem agora, não está?

ELIZABETH – Já estou melhor.

VICENTE – E onde está o A…

Vicente é interrompido pela chegada de Riely que entra na casa sem bater, e caminha na direção dele.

RIELY – Oiiii… Acordei e não te encontrei em casa, imaginei que tu estivesse aqui.

Ela dá um beijo forçado em Vicente e volta suas atenções para Elizabeth.

RIELY – E como vai minha sogrinha?

ELIZABETH – Bem.

RIELY – Nossa! Não é o que parece sua cara está péssima.

ELIZABETH – Eu só estou um pouco…

RIELY – Não importa, tenho uma notícia que com certeza vai alegra-la.

ELIZABETH – Notícia?

VICENTE – Riely, realmente eu acho que…

RIELY – Eu e o Vicente vamos marcar a data do casamento para daqui a alguns dias.

Arthur que descia as escadas ouve a frase de Riely e para repentinamente, Vicente vê Arthur na escada, os dois se encaram.

VICENTE – Arthur?

RIELY – Arthurzinho? Que bom que você chegou, justo quando eu estou anunciando o nosso casamento. Ah! E não esqueça eu faço questão de que você seja o nosso padrinho.

Arthur dá um sorriso sem graça e sai sem dizer nada.

ELIZABETH – Vocês não acham que estão se precipitando? Vocês mal se instalaram e…

RIELY – A verdade é que já adiamos demais esse casamento.

Vicente olha para a porta por onde Arthur acabara de sair.

RIELY – Não é Vicente?

Vicente encara Riely que sorri cinicamente.

CENA 10: HOSPITAL/QUARTO/INT./DIA

Solange abre os olhos lentamente e o primeiro rosto que vê é o de Suelen que a observa apreensiva.

SOLANGE – Suelen? É você?

SUELEN – Sou eu sim, mamãe eu estou aqui.

SOLANGE – Fico feliz em ver você.

SUELEN – Eu é que fico feliz em ver você, nem acreditei quando me ligaram.

SOLANGE – Assim que acordei eu pedi que ligassem pra você, eu estava sem documentos e eles não sabiam nada ao meu respeito. Eu pensei que estaria preocupada.

SUELEN – Pior que isso eu achava que você estivesse… Esquece!

SOLANGE – Eu consegui filha, aquele desgraçado mandou me matarem, mas dos dois tiros um errou e outro atingiu meu ombro.

Eu fingi que estava morta para que eles me largassem no barranco que eu caí. Depois disso não me lembro de nada, só sei que acordei aqui.

SUELEN – O importante é que está bem e logo logo vai voltar pra casa.

SOLANGE – E o que aquele canalha fez com você?

SUELEN – Ele não fez nada. Eu não deixei. Percebi a tempo que você estava certa. Ele me levou…

(A garota começa a chorar)… Ele me levou para uma sala… Uma …

SOLANGE – Uma sala da tortura. É lá que ele pratica aqueles atos…

SUELEN – Como você pôde se envolver com alguém como ele? E ainda trabalhar pra ele? Trazer garotas inocentes para serem….

Suelen fecha os olhos e uma lágrima cai.

SOLANGE – Por muito tempo eu fechei os meus olhos para o que ele fazia. Eu só pensava em dinheiro e era isso que ele me dava, eu não pensava nas garotas, não pensava no sofrimento delas. Eu só pensava em mim mesma e no dinheiro que ele me dava.

SUELEN – E quando você se deu conta?

SOLANGE – Quando ele se interessou pela minha filha.

SUELEN – Então você só percebeu agora?

SOLANGE – Não, eu não estou falando de você.

FLASH!

 

CENA 11: [FLASHBACK: CASA DE SOLANGE/INT./DIA]

LETREIRO: “São Paulo, 1991”

Carlos Alberto deixa Solange em casa.

SOLANGE – Obrigada, chefe pela carona.

C. ALBERTO – Já sabe o que eu quero em troca.

SOLANGE – Pode deixar, ela vai estar lá.

FLASH!

[CASA DE SOLANGE/QUARTO/INT./NOITE/]

Solange procura uma roupa para Simone que está chorando.

SOLANGE – Enxuga esse rosto, não quero que o chefe a veja assim.

SIMONE – A senhora está me dando de mão beijada para esse homem?

SOLANGE – Ele vai pagar muito bem por você.

SIMONE – Mas eu sou sua filha.

SOLANGE – E daí? Melhor ainda, assim não teremos problemas.

SIMONE – Mãe eu só tenho 16 anos.

SOLANGE – E já é moça, idade nunca foi problema.

SIMONE – Eu amo o Vicente, não vou me prestar a esse serviço sujo só porque você quer.

SOLANGE – Vicente? Aquele pobretão que nunca te deu nada? Já está decidido, você vai encontrar o Carlos Alberto e ponto final.

FLASH!

[EVENTOS TOLEDO/SALA SECRETA/INT./NOITE]

Simone está presa amarrada pelas mãos na cama, uma mordaça na boca, a garota está ofegante e Carlos Alberto começa a chicoteá-la, os gritos de Simone começam a tomar conta do lugar.

C. ALBERTO – Sabe que eu acho que você me pegou de um jeito diferente das outras. Você é muito mais especial para mim, sabia?

Ela olha apreensiva para o homem.

C. ALBERTO – Está emocionada com a minha declaração?

A jovem fecha os olhos enquanto ele tira o cinto e a observa com desejo.

FLASH!

[RESTAURANTE/MESA/INT./NOITE]

Simone e Carlos Alberto estão em um restaurante, Carlos Alberto ouve atenciosamente o que Simone lhe conta.

C. ALBERTO – Grávida?

SIMONE – Isso mesmo.

Carlos Alberto ​fica​ sério por um momento mas logo em seguida dá um sorriso.

C. ALBERTO – Isso é maravilhoso.

SIMONE – Maravilhoso?

C. ALBERTO – Às vezes o destino prega peças na gente.

SIMONE – Mas  que você está falando?

C. ALBERTO – Olha, não vou mentir pra você, eu nunca quis ter filhos. Mas um filho seu me agrada, imagina só, uma criança com os seus olhos, o seu sorriso. Ah, um filho da primeira mulher que eu me apaixono na vida. Seria incrível!

SIMONE – Está louco? Eu não posso ter esse filho.

C. ALBERTO – Que disse que não?

SIMONE – Eu não tenho condições pra isso, além do mais, eu não te amo eu nunca iria conseguir olhar pra essa criança sem lembrar dá forma como ela foi gerada.

C. ALBERTO – Você vai ter esse filho, porque eu quero que você tenha e está decidido.

SIMONE – A minha mãe disse que não é a primeira vez que acontece e que você sempre paga um aborto. E é isso que eu vim atrás com você.

C. ALBERTO – E eu já dei a minha resposta. Você vai ter esse filho.

SIMONE – Por que você quer tanto esse filho? Você mesmo diz que nunca quis ter um.

C. ALBERTO – Eu nunca​ quis, mas a minha esposa quer, desde que nos casamos que ela deseja ter uma criança. O problema é que ela teve um problemão no útero quando mais jovem e agora as chances dela engravidar são mínimas.

SIMONE – Onde você quer chegar?

C. ALBERTO – Você vai ter essa criança e vai doar para mim e minha esposa. Pra todos os efeitos eu estarei criando meu próprio filho, mas ela não precisa saber.

SIMONE – Como você tem coragem de enganar sua mulher desse jeito?

C. ALBERTO – A mulher é minha e eu faço o que quiser.

Simone encara o homem com tristeza.

FLASH!

Suelen ouve a mãe contar a história da irmã.

SUELEN – E ela teve o filho?

SOLANGE – Teve, mesmo relutante, ela concordou em ter a criança. Foram nove meses maravilhosos. A cada dia que passava ela se apaixonava ainda mais pelo filho, mas eu sempre a lembrava que assim que a criança nascesse, não seria dela.

SUELEN – Mas isso é horrível, imagine o quanto ela deve ter sofrido.

SOLANGE – Ela sofreu por um tempo, mas o Carlos Alberto garantiu que ela seria contratada como babá e cuidaria do filho. Ela ficou muito feliz quando o bebê nasceu, até que…

Solange se emociona e não consegue terminar..

SUELEN – O que aconteceu mãe?

SOLANGE – Ele matou ela.

Suelen se assusta ao ouvir o que a mãe falou.

 

CENA 12: FACULDADE/REFEITÓRIO/INT./DIA

Arthur está no refeitório pensativo, quando é surpreendido por Yago.

YAGO – Arthur?

Arthur olha para Yago com desdém.

ARTHUR – O que você quer?

YAGO – Eu tenho que te falar algo.

ARTHUR – Falar o quê? E não quero ouvir nada que você tenha a dizer.

YAGO – Olha, eu sei que você tem todos os motivos para me odiar, mas eu quero te pedir desculpas …

ARTHUR – Mas é muita cara de pau você me pedir isso de novo, vai me oferecer bebida de novo? Vai colocar drogas no meu bolso?

YAGO – Olha, eu fiz aquilo porque…

ARTHUR – Por diversão, da mesma forma que você se divertiu comigo naquele dia, naquele maldito dia.

YAGO – Eu sei, eu sei que eu errei.

ARTHUR – Se você sabe, por favor não venha com historinhas, eu não vou te perdoar.

Arthur se levanta e sai deixando Yago sozinho e cabisbaixo.

 

CENA 13: SUBÚRBIO DE SÃO PAULO/CASA DE TÚLIO/INT./DIA

Túlio sai de casa e vê sua mãe costurando.

TÚLIO – Estou indo pra faculdade.

Tânia continua costurando sem prestar atenção.

TÚLIO – A senhora vai continuar me ignorando dessa forma?

Tânia para por um momento.

TÂNIA – Como já disse eu preciso de um tempo pra digerir o que você escolheu pra sua vida, por favor, não me questione mais. Quando for a hora eu digo o que decidi.

TÚLIO – Está certo. Eu só espero que quando a senhora decida, não seja tarde demais.

Túlio sai e Tânia continua costurando, mas ela para e põe a mão na cabeça e fica pensativa.

 

CENA 14: EVENTOS TOLEDO/ESCRITÓRIO DE C. ALBERTO/INT./DIA

Carlos Alberto observa um retrato de Simone.

C. ALBERTO – Era pra você estar aqui comigo​ agora, mas você preferiu que não fosse assim.

Nesse momento ele recebe um telefonema.

C. ALBERTO – Alô?

CAPANGA – Serviço feito chefia, os dois idiotas que o senhor mandou tirar de cena a essa hora estão tomando chá com o diabo.

O capanga observa os corpos dos dois homens que haviam entrado na casa de Solange e impedido que C. Alberto levasse Suelen.

C. ALBERTO – Ótimo, quem sabe assim eles aprendem a não se meterem onde não chamados.

O homem desliga o telefone e dá uma risada sádica.

C. ALBERTO – Ah, Suelen dessa vez você não vai me escapar.

 

CENA 15: HOSPITAL/ QUARTO/INT./DIA

Solange continua contando a história de Simone e Carlos Alberto.

SOLANGE – Como já disse, a Simone nunca gostou do Carlos Alberto, ela se encontrava com ele porque eu a obrigava. Na época, ela namorava um rapaz chamado Vicente, eles se amavam demais, mas eu não via aquele romance com bons olhos, ele era pobre e não ia dar um futuro digno para ela. Mas isso não foi o pior, o Carlos Alberto descobriu o romance deles.

FLASH!

[FLASHBACK: BECO ESCURO/EXT./NOITE]

Os capangas de Carlos Alberto jogam o corpo de Vicente na frente de Carlos Alberto, o jovem está cheio de hematomas após ser espancado.

VICENTE – Quem é você?

C. ALBERTO – Eu sou alguém que você vai se arrepender de ter conhecido.

VICENTE – Por que você está fazendo isso comigo?

C. ALBERTO – A única coisa que você precisa saber é que a Simone é minha.

Carlos Alberto saca um revólver e aponta para Vicente.

VICENTE – Qual é cara? Não faz isso.

Carlos Alberto dá um sorriso diabólico e dispara contra o rapaz que cai morto.

FLASH!

SUELEN – A cada revelação eu me surpreendo mais com a psicopatia desse homem. Em pensar que eu quase cai na lábia dele.

SOLANGE – Sua irmã ficou desesperada, quase perdeu a criança, mas Deus a ajudou. Ela teve o bebê, mas jurou a vingança a Carlos Alberto e tomou uma decisão que mudou seu destino para sempre.

SUELEN – O que ela fez?

SOLANGE – Quando a mulher de Carlos Alberto foi visitar a criança pela primeira vez ela fez um pedido. Pediu que o menino se chamasse Vicente, para que Carlos Alberto sofresse cada vez que falasse o nome dele e se lembrasse do que tinha feito ao amor da sua vida.

SUELEN – E a mulher aceitou?

SOLANGE – Pior que aceitou, ela achava que o bebê tinha que ter algo que viesse da mãe. Carlos Alberto não pôde fazer nada. Naquele dia ele enlouqueceu, começou a dizer que ela colocou o mesmo nome do amado dela porque Vicente era o verdadeiro pai da criança. Ele não aceitava criar o filho de outro homem, mesmo ela dizendo que o filho era dele. A essa altura a esposa do Carlos Alberto já estava apegada a criança e já o chamava de filho. Aquele canalha tirou a vida da minha filha a sangue frio e ainda mandou que eu me livra-se do corpo.

Solange chora ao recordar-se.

SOLANGE – Eu disse a polícia que tínhamos sido assaltadas e que ela reagiu, foi a coisa mais difícil que eu já fiz.

SUELEN – E como a senhora pôde voltar a trabalhar com ele depois disso?

SOLANGE – Mas eu não voltei assim. Depois que isso aconteceu eu fugi para Ribeirão Preto, foi quando eu conheci o seu pai e engravidei de você. Por dois anos eu consegui conviver com ele, mas seu pai era muito possessivo e ciumento eu nunca podia sair de casa, não podia trabalhar, só cuidar da casa e de você. Eu não tinha meu dinheiro, não tinha minha liberdade, então quando você tinha pouco mais de um ano eu decidi voltar para São Paulo e implorei que ele me aceitasse de volta, mesmo relutante ele me aceitou. E por 14 anos eu venho trabalhando pra ele novamente dá mesma forma que antes, mas eu nunca esqueci o que ele fez com a Simone e quando eu vi você indo no mesmo caminho que ela eu me desesperei.

SUELEN – Que historia tenebrosa. Por que você nunca me contou isso?

SOLANGE – Eu não queria que você soubesse do meu passado, mas agora eu me arrependo, eu devia ter te alertado sobre esse monstro. Mas nós vamos conseguir derrotar ele filha, juntas, vamos vingar a morte dá sua irmã.

Suelen acaricia a mão da mãe.

SUELEN – Assim que​ você ficar boa, mamãe.

SOLANGE – Obrigada por me entender, filha.

SUELEN – Eu só estou fazendo o que eu deveria ter feito assim que me alertou.

Solange sorri.

SUELEN – Eu só tenho mais uma pergunta.

SOLANGE – Qual?

SUELEN – Há alguma chance desse filho realmente não ser do Carlos Alberto?

SOLANGE – Eu acho que a única pessoa que poderia responder essa pergunta, seria a Simone e talvez nem ela soubesse.

 

CENA 16: FACULDADE/CORREDOR/INT./DIA

Túlio encontra Arthur e pela primeira vez o abraça sem medo do que as pessoas possam falar.

TÚLIO – Como você está?

ARTHUR – Ah, estou vivendo.

TÚLIO – E em relação aquele assunto?

ARTHUR – Eu decidi esquecer.

TÚLIO – Esquecer? Assim do nada?

ARTHUR – Aconteceu tanta coisa que eu acho melhor deixar pra lá.

TÚLIO – Eu te entendo. Mas precisando conversar, pode contar comigo.

ARTHUR – Obrigado Túlio, você é mesmo um amigão.

Nesse momento o celular de Arthur toca e ele se surpreende ao ver a chamada de Vicente.

ARTHUR – Vicente?

TÚLIO – Eu se  fosse você, atendia. Vai por mim.

Túlio dá dois tapas de leve no ombro de Arthur e sai. Arthur respira fundo e atende.

ARTHUR – Oi.

VICENTE – Arthur? Onde você está?

ARTHUR – Na faculdade. Por quê?

VICENTE – Por favor, vem pra casa, eu preciso conversar com você e talvez essa seja a conversa mais decisiva que já tivemos.

Arthur​ fica sem reação.

 

CENA 17: FACULDADE/CORREDOR/SALA/INT./DIA

Yago lancha sozinho sentado em uma cadeira na sala, quando Túlio entra.

TÚLIO – Ah, você está aqui?!

YAGO – Sim.

Túlio se vira para sair, mas depois olha para trás novamente.

TÚLIO – Por que está sozinho?

Yago dá de ombros.

YAGO – Como você mesmo me disse, ninguém gosta de mim.

Tulio se aproxima de Yago e senta ao seu lado.

TÚLIO – Desculpa se te deixei chateado.

YAGO – Não, acho que você falou uma verdade.

TÚLIO – Talvez se você demonstrasse outras atitudes eu pudesse gostar de você. A começar confessando o que você fez com o Arthur.

Yago respira fundo.

YAGO – E se eu dissesse que eu fiz tudo isso com o Arthur porque gostava dele, você acreditaria?

TÚLIO – Sabe, acreditaria. Estava na cara.

YAGO – Tudo que eu fiz foi ideia da Diana. De alguma forma e por algum motivo ela quer se vingar da família Toledo.

TÚLIO – E por quê?

YAGO – Isso  eu não sei ao certo. Mas tem algo a ver com Carlos Alberto. Eu queria só ter o Arthur pra mim, eu não queria ser tachado de gay então eu concordei em abusar e perseguir o Arthur, de alguma forma ele poderia me notar.

TÚLIO – Que ideia, hein?!

YAGO – É, agora eu percebi o quão idiota eu fui e que ela só estava me usando. Mas eu me arrependi eu queria de alguma forma que o Arthur pelo menos me entendesse.

Túlio toca na mão de Yago.

TÚLIO – O primeiro passo é assumir o seu erro e isso eu vejo que você já fez. Agora a confiança vem aos poucos.

Túlio sorri.

TÚLIO – Talvez você não seja tão mal-cárater quanto eu pensava.

Yago retribui o sorriso. Túlio se levanta e sai.

YAGO – É, até que você é legal.

 

CENA 18: CASA DE C. ALBERTO/ SALA/INT./DIA

Elizabeth está pensativa na sala, quando se surpreende com Anthony entrando sem bater.

ELIZABETH – O que significa isso?

ANTHONY – Oi querida, acho que temos assuntos pendentes​.

ELIZABETH – O que você quer de mim?

ANTHONY – Dinheiro! É isso que eu quero.

Anthony se aproxima de Elizabeth que está trêmula.

ELIZABETH – Por favor, meu filho está aí.

ANTHONY – Estou pouco me lixando para esse otário.

Nesse momento Anthony é interrompido pela chegada de Arthur.

ARTHUR – Mãe?

ELIZABETH – Filho?

ARTHUR – O Vicente está me esperando.

ELIZABETH – Sim, ele está no seu quarto.

ARTHUR – Está tudo bem?

ELIZABETH – Está sim​, o Anthony estava me falando sobre o casamento.

ANTHONY – Como vai Arthur?

ARTHUR – Bem.

Arthur encara Anthony desconfiado e sobe para o quarto.

ELIZABETH – Viu? Quase ele pega a gente. Ai meu Deus.

ANTHONY – Relaxa, ele não viu nada. Bom, onde nós estávamos?

Elizabeth encara Anthony com medo.

 

CENA 19: CASA DE C. ALBERTO/QUARTO DE ARTHUR/INT./DIA

Arthur entra no quarto e vê Vicente observando seus brinquedos guardado em uma estante.

VICENTE – Incrível como você ainda tem quase todos os seus brinquedos. Eu lembro de cada um deles.

ARTHUR – É, eu fiquei com pena de me desfazer deles.

VICENTE – Sua cara fazer isso.

Vicente se aproxima de Arthur que se esquiva.

VICENTE – Sabe, eu fiquei com medo que você não viesse.

ARTHUR – Eu também acho que devemos ter essa conversa.

VICENTE – Eu preciso te falar o que está acontecendo.

ARTHUR – Eu entendo, você gosta da Riely e como eu…

VICENTE – Não é isso. A Riely é uma mentirosa.

ARTHUR – O quê?

VICENTE – Ela descobriu que eu sou apaixonado por você e agora está me chantageando não só por dinheiro mas também por vingança.

ARTHUR – A Riely está fazendo isso?

VICENTE – Sim, e caso eu não case ela vai contar pra todo mundo, nossa mãe, nosso pai. E mesmo que isso não me afete diretamente, pode afetar a minha carreira para sempre. E pode acabar com a sua vida.

ARTHUR – Como você se deixou chegar a esse ponto?

VICENTE – Eu desconhecia esse lado da Riely, além de ambiciosa ela quer se vingar de mim por eu nunca ter ido para cama com ela.

ARTHUR – Como assim​? E a gravidez?

VICENTE – Que gravidez?

ARTHUR – Riely me disse que estava esperando um filho seu.

VICENTE – Mentira! Ela mentiu pra você, assim como mentiu que eu achava você dependente de mim ou que eu tinha pena de você. Eu nunca pensei isso a seu respeito, meu sentimento por você sempre foi unicamente amor.

Arthur senta-se na cama.

ARTHUR – Como uma pessoa pode ser tão calculista?

VICENTE – Eu fiquei tão surpreso quanto você.

ARTHUR – E o que você pensa em fazer?

VICENTE – Deixar em suas mãos.

ARTHUR – O quê?

VICENTE – Eu estou casando não por medo da forma como essa chantagem me afeta, mas sim por medo das consequências para você. Se você disser que corresponde ao que eu sinto por você, eu abandono tudo, abandono a Riely, abandono carreira e nós fugimos para bem longe, para um lugar onde ninguém nos conheça e nós poderemos viver felizes. Agora se você disser que não sente, eu caso com ela e posso perder tudo, mas eu vou continuar do seu lado como seu irmão e nós nunca mais falaremos sobre esse assunto.

Vicente se aproxima de Arthur.

VICENTE – E então?

Arthur encara Vicente, os dois se olham e percebem que a decisão de Arthur seria crucial para o destino dos dois.

A cena fica em efeito preto e branco e é amassada.

 

CONTINUA

 

Anúncios

15 thoughts on “Fantasma Vivo – Capítulo 16 (Antepenúltimo Capítulo)

  1. Então eles ñ são irmãos
    😱😱😱😱 chocado
    Sabia que tinha tuyago 💓💓 shippo
    Riely mal apareceu nesse capitulo e a diana tbm 😭😭😭
    A conversa da Solange e da suelen foi bem esclarecedora
    E agora vai rolar casamento ou ñ

    Curtido por 1 pessoa

    • Bom, não ficou claro que eles não sejam irmãos, mas sim pode ser uma possibilidade. A dúvida que fica é, eles são meio irmãos ou não? Isso só Simone poderia dizer agora.. rs
      É o capítulo de hoje foi mais voltado para a revelação desse passado de Carlos Alberto, mas no próximo capítulo as rainhas marcarão mais presença.
      Tuyago? Será real? Rsrs
      Muito obrigado pela participação e lhe aguardo no próximo. 😍

      Curtir

  2. Túlio e Yago já desistiram do Arthur, sabem que não há mais nenhuma chance deles serem notados. Pelo visto, eles vão compensar essa rejeição dando uma chance um para o outro. Melhor casal tirado do éter não há.

    Então, nem Arthur nem Vicente são filhos da Elizabeth. Logo, não são irmãos biológicos. Agora dá pra entender porque o Carlos Alberto torce o nariz pro Vicente, porque ele é a personificação de tudo o que o irrita: o nome do namorado da mulher que ele amava, provavelmente é filho dele, é homossexual e ainda deu em cima do irmão. De um certo modo, interpreto isso como uma “vingancinha” da Elizabeth por tudo o que ele a fez passar: ele pode fazer a vida dela um inferno, tratando-a como posse sua, desprezando-a e o diabo a quatro, mas pelo menos ela conseguiu fazer uma maneira de infernizá-lo sem fazer nada, dando ao filho “deles” o nome que ele odeia.

    Isso quer dizer que o Vicente pode ser, na verdade, neto da Solange e sobrinho da Suelen?

    O alter-ego da Diana sempre tem um otário pra fazer tudo o que ela quer para prejudicar o Carlos Alberto. Primeiro o Yago, atingindo o Arthur. E agora o Anthony, atingindo a Elizabeth.

    Curtido por 1 pessoa

    • Túlio e Yago com o tempo descobrem que a rejeição de Arthur acabou aproximando eles.
      Opa, calma aí.. rs Será mesmo que Arthur não é filho de Elizabeth? Rs A resposta para isso virá no capítulo de hoje. De certa forma eles continuam sendo irmãos já que aparentemente os dois são filhos de C. Alberto. E sim, finalmente o motivo de Carlos Alberto odiar Vicente foi revelado. E toda interpretação é válida.. rs Amei.
      Tecnicamente sim, Vicente é neto de Solange e sobrinho de Suelen.
      E Diana realmente tem sempre um capacho pra fazer suas sujeiras.
      Muito obrigado pelo comentário, e te aguardo nos capítulos finais. 😍

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s