Escrava Mãe

_______________________________RESUMO SEMANAL______________________________

No capitulo 124, segunda-feira, 21 de novembro – Chega o dia do julgamento de Miguel e Guilherme o orienta e diz já saber como agir para livrá-lo. Maria Isabel conversa com Sapião e Guiné entra e diz que fez tudo como combinado e não percebe que Sapião está ali e vai pra cima de Guiné. Beatrice tem uma espécie de surto e vai para o tanque só de camisola. Zé Leão, Tito Pardo e Dr. Pacheco se aproximam e tentam tirá-la de lá antes que a vila inteira a veja naquela situação. Beatrice não aceita e diz que foi Custódio quem mandou eles até ela e joga água neles. Tia Joaquina e Sapião conversam sobre o fato de Juliana dormir tanto. Sapião mostra para Tia Joaquina a moringa que estava ao lado de Juliana e que tem algumas ervas dentro que fazem dormir. Eles concluem que foi Maria Isabel que mandou o Guiné dar esta água para Juliana. Tozé e Rebeca estão preocupados por não encontrarem a carta de alforria. Felipa está revoltada com o que fizeram com Genésio e pede que Quintiliano tome uma atitude. Teresa diz para Irani que quer que seu filho venha ao mundo por suas mãos. Batem na porta e Maria Isabel entra querendo falar com Teresa. Beatrice está dentro da fonte e Dr. Pacheco, Urraca e Zé Leão tentam de todas as formas tirá-la de lá. Ninguém consegue. Tito Pardo fala delicadamente com Beatrice e estende a mão para tirá-la da água. Beatrice o reconhece e sai da água tremendo de frio. Catarina e Quintiliano olham para Genésio que está deitado e desacordado. Catarina diz que um escravo sem mão é um custo para o senhor, mas Quintiliano diz que Genésio não é um escravo qualquer e terá o seu apoio. Miguel aguarda o julgamento. Filipa diz a Tomás que vai até a Câmara tirar satisfação, mesmo sabendo que Miguel será julgado. Maria Isabel provoca Teresa dizendo que ela conseguiu virar o jogo. Maria Isabel diz que Almeida está com ela simplesmente por causa do filho que espera e que ele nunca se sentiu atraído por ela. Maria Teresa diz à Teresa que Almeida sempre a procura em busca dos encantos que a esposa não tem. Teresa fica em choque com o que escuta. Elas discutem. Almeida diz para Dr. Pacheco atestar insanidade de Beatrice. Dr. Pacheco concorda. Almeida sorri satisfeito. Quando os escravos estão trabalhando no canavial, Sapião, furiosos, diz a Guiné que ele tentou matar Juliana. Guiné e Sapião lutam.

No capitulo 125, terça-feira, 22 de novembro – Juliana acorda e diz que precisa defender Miguel no julgamento. Irani e Tia Joaquina pedem para ela se tranquilizar. Começa o julgamento com as presenças de Almeida, Guilherme, Osório, Dr. Pacheco, Miguel, o juiz de fora e outros senhores. Sapião tem a oportunidade de matar Guiné com um facão, mas desiste e ajuda Guiné a se levantar. Todos voltam a trabalhar no canavial. Almeida interrompe o julgamento de Miguel para dizer que tem uns documentos e pede que os soldados do capitão Osório busquem Catarina. Tomás fala ao pai que amanhã chegará a princesa filha do sheik para se casarem. Quintiliano diz que ficará honrado em recebe-la com o pai. Tomás fica confuso sem saber o que fazer. Filipa conversa com Charles para saber se existe alguma pista para provar que foi Almeida que mandou Osório matar o Barbudo. Charles diz que pode ser perigoso, mas Filipa diz decididamente que já sabe o que fazer. Juliana se encontra com Sapião e diz que vai ao julgamento para ser ouvida e tentar ajudar Miguel. Sapião a impede, mas Juliana se solta e sai correndo. Almeida diz que Miguel e Juliana estavam fugindo no porão de um barco quando um homem flagrou a fuga. Guilherme sugere que este homem seja ouvido como testemunha e pede que algum soldado busque este homem na hospedaria. Assustado, Almeida pergunta a Guilherme como ele sabe que este homem está na hospedaria. Filipa e Charles estão na hospedaria em busca de provas quando ela encontra uma. Almeida começa a contar a todos o que aconteceu na hospedaria e diz a Guilherme que a informação chegou até ele e que um dos criminosos fugiu e outro está em sua frente. Guilherme fica chocado. Catarina conta para Esméria que ganhou a liberdade mas o conde não registrou a alforria no cartório porque morreu antes. Neste momento, soldados batem na porta da casa de Catarina. Teresa chama Maria Isabel de traidora e diz que ela seria capaz de eliminar qualquer pessoa que atrapalhe seus planos. Teresa chama Maria Isabel de assassina, que se assusta com o que ouve. Guilherme é levado para uma cela por Osório. Quintiliano aponta uma arma para Osório e pede para soltar Guilherme. Miguel diz que o julgamento foi uma armadilha. Almeida diz que Miguel deve ser condenado à morte. Juliana invade o local, corre para os braços de Miguel e diz que se matá-lo terão que matá-la também.

No capitulo 126, quarta-feira, 23 de novembro – na Câmara, Miguel está nervoso diante de Juliana. Almeida, Dr. Pacheco, o juiz de fora e os senhores ao redor. Almeida sugere que Juliana e Miguel sejam afastados definitivamente. Teresa acusa Maria Isabel de ter se envolvido com Almeida para ter um filho e acusa de ter matado tia Elza. As duas discutem arduamente e Teresa desfere um tapa no rosto de Maria Isabel. Quintiliano ameaça atirar em Osório para que solte Guilherme que foi acusado de ter matado o pirata Barbudo. Filipa chega sem deparar com Quintiliano, apontando uma arma na direção de Osório que rapidamente pega Filipa pelos cabelos. Loreto conversa com Ximena, Rosalinda chega e se enfurece ao ver a cena. Miguel tenta convencer Almeida a vender Juliana e propõe pagar mais que o valor da alforria. Beatrice é consolada por Tito Pardo e os dois se beijam. Após longa discussão, Osório liberta Guilherme da prisão. Almeida está pressionado diante de Juliana, Miguel e Dr. Pacheco. Almeida diz que não vai vender Juliana e alega que Teresa precisa da escrava. Catarina é levada por soldados e está diante do juiz e os senhores, Rebeca com ela, Almeida, Osório e Dr. Pacheco presentes. Almeida entrega alguns documentos a Catarina, que se espanta com o que vê. Almeida diz que Catarina foi vendida a ele a partir daquele momento, a condessa virava escrava dele. Catarina fica chocada. Esméria procura por Maria Isabel e lhe pede ajuda. Maria Isabel diz que quando ela mais precisou Esméria virou as costas. Esméria ameaça contar toda a verdade caso Maria Isabel não a ajude. Teresa vem de dentro e ouve a conversa e pede que Esméria conte toda a verdade. Catarina sai da câmara algemada e furiosa. Miguel e Juliana entram da sala e param diante do juiz, Dr. Pacheco e demais senhores. Almeida e Osório entram em seguida. Almeida diz que confia na justiça e enaltece que os senhores chegaram a um veredito. Dr. Pacheco diz que já tem a sentença e Juliana e Miguel imploram por clemência.

No capitulo 127, quinta-feira, 24 de novembro – Miguel e Juliana estão na câmara, na expectativa. Almeida, Osório, Dr. Pacheco, o juiz de fora e os senhores presentes a ouvir a sentença. Teresa pede que Esméria não se intimida com Maria Isabel e revele o que sabe dela que terá sua ajuda para com Catarina. Catarina chega ao solar e conta a Tozé e Rebeca que foi vendida como escrava para Almeida. Segue o julgamento de Miguel e Juliana e Dr. Pacheco pune Maria Isabel e a proíbe de participações de eventos na vila. Dr. Pacheco sentencia Juliana com uma punição típica de escravo que foge, e será marcada pelo seu senhor. Juliana fica chocada. Miguel é obrigado a desistir de Juliana de uma vez por todas, e também perde todos os bens incluindo o solar e a gráfica. Catarina diz a Tozé que irá fugir com Esméria. Juliana está desesperada e Almeida tenta contê-la. Juliana e Miguel são afastados. Almeida vai até o solar da condessa e permite a ela dormir a última noite no solar antes de ir para senzala. Quintiliano visita Genésio que pede desculpas por ter falado besteira a Filipa. Almeida dá a notícia a Maria Isabel, Beatrice e Teresa sobre as punições. Maria Isabel fica revoltada e Beatrice inconformada em saber que Almeida será seu tutor. Sapião conversa com Tito Pardo que não deixará Almeida marcar a pele de Juliana. Catarina prepara um jantar especial como despedida do solar e convida os soldados que a esperam do lado de fora, eles a princípio negam, mas não resistem a mesa farta. Almeida pega o ferro de marcação e caminha na senzala até que encontra Juliana. Juliana se levanta tensa, ao ver Almeida com o ferro na mão. Almeida esquenta no fogo a letra para marcar o corpo de Juliana. Almeida diz a Juliana que ela deve se entregar a ele. Juliana vai falar alguma coisa e Almeida já a beija.

No capitulo 128, sexta-feira, 25 de novembro – Almeida beija Juliana, que tenta se desvencilhar. Juliana pede que não a machuque e encara Almeida, em pânico. Almeida olha para o ferro no fogo, com a letra F já em brasa. Osório tem uma arma apontada para Miguel e questiona o que ele irá responder para as autoridades sobre seu sumiço. Catarina serve um jantar para os soldados que foram prendê-la, eles comem a vontade até que de repente tossem e caem ao chão desmaiados. Catarina aproveita para fugir. Petúnia vê que Osório está armado, empurrando Miguel com a arma e Petúnia se esconde. Juliana chora apavorada diante de Almeida que larga o ferro em brasa e começa a beijar suas costas e diz que ela é sua escrava e será sua mulher. É quando Maria Isabel surge ali. Maria Isabel ameaça que se ele não a castigar ela o fará. Juliana vê o ferro em brasa, ali no chão, o pega rapidamente e já se vira para Almeida, encostando o ferro na barriga dele para se defender. Catarina e Esméria se vestem com as fardas dos soldados e são ajudadas por Tozé e Rebeca a fugirem . Tito Pardo e Beatrice correm para a senzala e se deparam com Juliana que feriu Almeida. Maria Isabel culpa Juliana e Almeida diz que Juliana pagará com a vida. Sapião se adianta e se coloca na frente de Juliana. Miguel caminha pela mata com Osório, exausto Miguel cai no chão e Osório ordena que levante. Miguel faz que vai levantar e já o surpreende com um movimento rápido que faz a arma de Osório voar longe. Almeida parte pra cima de Sapião com o ferro em brasa. Sapião escapa dos golpes. Teresa ameaça ferir a barriga com o ferro em brasa caso a confusão não acabe e todos se espantam.

No capitulo 109, segunda-feira, 28 de novembro – Juliana foge dali. Almeida prende Maria Isabel no quarto e proíbe que ela saia. Osório luta com Miguel e o rende novamente. Loreto surge por trás e aponta uma arma na cabeça de Osório e manda baixar a arma ou morrerá ali mesmo. Loreto rende Osório. Beatrice sugere que Juliana tenha que partir o quanto antes e ela se assusta em ter que fugir novamente, mas desta vez para uma casa de um parente de quem Custódio estimava muito. Almeida corre para casa de Nestor e Urraca fica assustada ao vê-lo. Almeida tira a camisa, sentindo muita dor e já mostra a marca do ferro. Loreto prende Osório na câmara e Miguel também é levado pra outra cela. Almeida está no sofá, adormecido, com Petúnia ao seu lado, seminua, coberta por um lençol. Ela acaricia os cabelos de Almeida, que desperta, tonto. Urraca vai até Almeida e o beija na testa. Urraca diz que foi uma demonstração de amor pelo presente que ele a deu assinando um documento transferindo o solar para ela definitivamente. Almeida se espanta. Loreto vai até o solar da condessa e encontra os soldados e Crisaldo descordados e deduz que Catarina fugiu. Zé Leão chega ao armazém de Nestor e diz que ouviu um falatório na rua que pegaram escravo tentando fugir e era do Engenho do Sol. Nestor e Sapião acreditam ser Juliana. Zé Leão diz que parece ser uma mulher e está muito ferida e eles reagem espantados. Sapião, Zé Leão e Nestor ficam preocupados com o boato de uma escrava que estava fugindo e foi feriada. Desconfiam que seja Juliana. Loreto está espantado diante de Crisaldo e dos soldados que estão somente com as roupas de baixo. Ele chama a atenção de Crisaldo pelo o que fez e sai em direção a Doces Campos para descobrir alguma coisa. Urraca vitoriosa com o documento em mãos. Almeida se veste, irritado. Petúnia o observa, sorrindo, terminando de se vestir também. Almeida vai embora e Urraca feliz por ter conseguido o que queria: voltar à nobreza.

No capitulo 110, terça-feira, 29 de novembro – Teresa está na cama, preocupada, diante de Beatrice, porque Almeida saiu de casa na noite anterior e não voltou. Beatrice diz que isto é bom porque dá tempo de Tito Pardo e Juliana fugirem. Maria Isabel está trancada no quarto. Petúnia vai atrás de Almeida que a trata com frieza e indiferença. Dr. Pacheco observava com reprovação e diz para Petúnia arrumar suas coisas na pensão e ir embora. Petúnia fica espantada. Tomás, nervoso, diante de Quintiliano, Guilherme, Filipa e Bá Teixeira aguardam a chagada do sheik com sua filha. Nesta hora, batem na porta e é Loreto procurando por Catarina. Guilherme sai apressado com Loreto para procura-la. Almeida já está diante de Miguel e Osório, cada um em uma cela. Alguns soldados por ali, mais afastados. Almeida tira a chave da cela da mão de um soldado, já abrindo a cela de Osório que sai, furioso. Almeida diz que mandar Miguel embora o mais rápido possível. Sapião corre por uma trilha chamando por Juliana e Tito Pardo. Urraca diz para Nestor e Irani que Miguel perdeu todos os seus bens após o julgamento e que Almeida assinou um documento transferindo o solar de volta para ela. Charles entra de repente dizendo que precisa falar urgentemente com Nestor. Neste momento, Belezinha desce as escadas vestida de noiva e se declara para Charles. Enquanto Almeida, Osório levam Miguel algemado, Loreto, Guilherme e Zé Leão aparecem e dizem que Miguel é testemunha que Osório confessou o assassinato do Barbudo mas Almeida diz que a palavra dele não vale nada. Soldados aparecem e dizem que a escrava que fugiu foi esfaqueada. Miguel se assusta pensando que é Juliana.

No capitulo 111, quarta-feira, 30 de novembro – Charles diz para Belezinha que não está lá para se casar mas para conversar com o pai dela. Capitão seguro o braço de Catarina que grita para soltá-la. Tozé pede para pelo menos cuidar do braço machucado dela. Rebeca diz que tem dinheiro para pagar e o capitão hesita. Catarina percebe que capitão se distraiu e o golpeia fazendo a faca dele cair. Capitão grita para ela parar de correr e aperta o gatilho. Rebeca se joga na frente de Catarina. Catarina, Tozé, Sapião e Esméria se chocam com o que veem. Dália, que está com o rosto coberto por um véu, chega com o sheik, Violeta e mais dois escravos chegam na casa de Quintiliano. Todos vão ajudar Rebeca. Osório segura o braço de Catarina. Rebeca não resiste e morre. Os soldados entregam Miguel algemado para os guardas da Coroa. Alguns instantes e Osório aparece com Catarina e Esméria pelos braços. Catarina está ferida. Juliana desperta na carroça conduzida por Tito Parda já um pouco distante da Vila. Beatrice pede para Almeida soltar Maria Isabel do quarto. Ele abre a porta do quarto e se assusta com muitas cabelos no chão. Osório empurra Catarina para dentro da senzala acorrentada. Tia Joaquina diz para ela resistir. Quintiliano puxa o véu que cobre o rosto de Violeta e se choca. Tomás diz ao pai que quer se casar com Violeta. Quintiliano dá a benção e todos ficam felizes. Almeida conta para Teresa o que aconteceu com Maria Isabel e ela se assusta. Miguel está na mata da África e recebe mais uma carta de Juliana. Ela espera por uma carta de Miguel dizendo que vai voltar. Teresa e Beatrice conversam sobre Leôncio, que já está com seis anos de idade. Ele coloca uma barata morta no meio do livro que Maria Isabel está lendo. Almeida chama por Leôncio pelo canavial até que vê um pedaço de fita verde no chão e acha outro mais na frente. Almeida paralisa ao ver algo no chão que o surpreende.

No capitulo 112, quinta-feira, 01 de dezembro – Almeida continua assustado e se revela diante de Leôncio, um menino de aproximadamente 6 anos. Ele tem algumas fitas e um facão na mão. O garoto observa o pai, impassível. Almeida repreende Leôncio que estava sozinho no canavial. Leôncio encara o pai, em silêncio, antes de sair correndo. No engenho, Sapião retira uns amarrados de cana de um carrinho enquanto fala com Mina e lembra que Juliana gostava do dia da botada, da festa, do banquete. Almeida termina de desamarrar as mãos de um escravo magrinho, que tem os punhos enrolados com a fita verde. Osório, agora feitor do engenho, observa de longe. Teresa repreende Leôncio e Beatrice observa questionando se o garoto é filho de Teresa. Charles conversa com Nestor e Tomás sobre o cartaz a procura de um suspeito que entra nas fazendas para libertar escravos. Genésio entrega algumas cartas de Filipa à Quintiliano. Violeta parece agoniada diante de Rosalinda e revela que já fez de tudo para engravidar e não consegue. Juliana conversa com Tito Pardo sobre as lembranças da fazenda. Maria Isabel diante de uma roda de fiar, com o olhar perdido na roda. Catarina e outros escravos trabalham duro e Catarina está cansada, suada. Esméria serve uma cuia de água para a irmã. Esméria promete que vai arrumar um jeito de libertar Catarina e para isso vai pagar com a mesma moeda com Almeida, tirando o que ele tem de mais valioso que é o filho Leôncio, para a surpresa de Catarina. Filipa conversa com Bá Teixeira sobre a discussão que continua com o pai sobre seus pretendentes que insiste em lhe arrumar.

No capitulo 113, sexta-feira, 02 de dezembro – Juliana está sentada no chão, com alguns escravos à sua volta, crianças, adolescentes, alguns homens e mulheres. Eles estão atentos, sentados em roda, enquanto Juliana conta a história e procura despertar o interesse deles. Na África, Miguel está emocionado diante de um oficial da tropa que diz que ele já cumpriu a pena e que agora será mandado para Luanda, até o Depósito Geral dos Degredados. Miguel pergunta por quanto tempo ainda tem que continuar a pagar a pena, e o oficial responde que apenas o necessário para fazer o registro do término do degredo. Miguel vibra ao saber que pode voltar ao Brasil. Guilherme e Tozé conversam sobre os avanços no solar da condessa que estão ajudando os escravos livres a trabalharem e ainda afirma que falta conseguir a alforria da condessa. Kamau está na Vila e observa por alguns instantes. Nestor se aproxima de Kamau, curioso. Nestor oferece ajuda e Kamau diz que está à procura de trabalho. Tomás e Charles colam os cartazes do Cavaleiro da Mancha nos muros e fachadas. Kamau anda por ali e observa. Esméria hospeda Kamau no solar. Miguel escreve uma carta, dentro de uma cabana improvisada. Acontece uma festa na Vila e a moagem da cana continua, observada por Almeida, Teresa, Beatrice, Leôncio, Tia Joaquina, Sapião, Urraca e demais escravos. Almeida observa Leôncio, que aponta para algo que vê. É Maria Isabel, que se aproxima, devagar, toda de preto. Com sombrinha também preta, observando aquilo. Beatrice fica emocionada a ver a filha, que tem o olhar perdido na moagem. Juliana está cabisbaixa, com Tito Pardo ao seu lado, também triste. Eles estão diante de uma fogueira, numa área dos fundos de uma casa. Tito Pardo diz a Juliana que eles devem voltar para a Engenho do Sol ou então alguém aparecerá para tomar o que Ismael deixou após morrer e levá-los a força. Um sujeito acabara de chegar na Engenho do Sol, em cima de um cavalo, usando uma roupa escura, capa, chapéu e uma máscara no rosto, coberta por alguns retalhos de pano. A máscara é metade negra e metade branca. É o Cavaleiro da Mancha observando a casa grande da Engenho do Sol.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s